quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Ganesh: o deus da sorte e da prosperidade


O alegre e guloso lord Ganesh é um dos deuses mais queridos e populares do hinduísmo: abre os caminhos, afasta obstáculos, protege as casas, é o senhor do raciocínio prático, da inteligência, do aprendizado, do bom senso e da força.


O sucesso de qualquer emprendimento está associado a ele. Assim, sempre o invocam no início de eventos importante: uma viagem, um casamento, a construção de uma casa e, segundo li, quando se começa a escrever um livro ou até mesmo uma carta.


Toda casa indiana tem seu Ganesh pendurado na porta. E aqui mesmo, já o vi várias vezes, representado naquela fileira de elefantes com guizos que muita gente usa como decoração.


Ganesh nasceu só de sua mãe, Parvati, que era casada com Shiva. Reza a lenda que Shiva passava muito tempo meditando nas montanhas do Himalaia, e um dia, enquanto estava fora, Parvati moldou um filho, com a pasta que o marido usava para tomava banho. E deu-lhe vida.


Ganesh cresceu e sua mãe o mandava ficar tomando conta da porta, para que ninguém a surpreendesse enquanto se banhava. Um dia Shiva voltou, e Ganesh, que não o conhecia, barrou-lhe a passagem. Shiva lutou com ele e cortou-lhe a cabeça com seu tridente.


Parvati desesperou-se e exigiu que o marido lhe devolvesse o filho. Os comandados de Shiva recolheram o corpo do menino, mas ninguém conseguia achar a cabeça. Então, Shiva ordenou que lhe trouxessem a cabeça do primeiro ser vivo que encontrassem, na direção do norte.


Eles encontraram um elefante. Shiva botou a cabeça do elefante no corpo do menino e Ganesh voltou a viver.


Vejam a animação que toma conta dos indianos nas festas de lord Ganesh. É bonito ver como eles celebram seus deuses com alegria. As procissões coloridas ganham as ruas, as crianças tiram fotos abraçadas ao deus, o povo dança ao som dos tambores. Encontrei um video que mostra um pouco o geral dessa festa e posto aqui pra vocês:

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

João Helio


Hoje foram julgados os assassinos do João Helio, aquele menino lindo, de 6 anos de idade, que os criminosos que roubaram o carro onde ele voltava com a mãe de um culto religioso,  não tiveram paciência de deixar que ela o soltasse do cinto de segurança, e o arrastaram por 7 kilômetros,  indiferentes aos gritos e aos avisos de motoristas e pedestres. 

As penas parecem altas -44, 39, 30 anos-  mas quando aplicada a elas a matemática da justiça brasileira, conclui-se que a barbaridade cometida contra essa criança e contra essa familia, vai dar em quase nada:

todas as penas foram superiores a 30 anos, o que garante aos criminosos o direito a um segundo julgamento.  Basta que tenham advogado para requerer o benefício. Até que se chegue ao segundo julgamento, os assassinos vão ter direito a responder em liberdade.

E mesmo que as sentenças sejam confirmadas, a lei não permite que ninguém fique preso mais de 30 anos. Logo, 1/6 da pena cumprida, todos já terão direito aos benefícios: prisão semi-aberta, condicionais, etc etc etc. 

É o que vale uma vida humana entre nós: 5 anos de cadeia! é o que vale, para o estado brasileiro a vida de João Helio, a dor da Rosa e do Elson. Não é a toa que os bandidos estejam achando barato!

sábado, 26 de janeiro de 2008

Bollywood: a Hollywood da India

Sim, a India tem uma vigorosa indústria cinematográfica, que apaixona o país e começa a ganhar mundo. Andei vendo que eles produzem cerca de mil filmes por ano, e a média diária de espectadores em sala é de 30 milhões! coisa à beça!

É um cinema absolutamente popular, em sintonia com a visão de mundo, os hábitos, os costumes e a estética indiana, de modo que todas as castas se reconhecem ali.

Filme de autor existe também, claro, mas ao contrário do modelo brasileiro, não é a base da indústria. Li que o sistema de financiamento também é diferente: não existe patrocínio. Os filmes se pagam com empréstimos em bancos, tomados a juros muito baixos.

E aqui vai uma amostra de Bollywood: o trailer de um filme de Pankaj Sharma, um desenho animado sobre o mito de Ganesh, divindade simpática e muito popular, o deus da boa sorte, do sucesso e da prosperidade.

casamentos à indiana

Pouco tempo atrás, todo mundo viu nos telejornais a notícia do casamento do indiano Kumar com a cadelinha Selvi, no templo de Ganesh, em Manamadurai Os noticiários mostravam a cena sublinhando o bizarro, mas não explicavam seu significado dentro da cultura indiana.

Andei pesquisando o assunto e encontrei coisas muito interessantes -aliás, quanto mais a gente mergulha na cultura da Índia mais coisas interessantes encontra. E olha que ainda nem pisei lá.

Aprendi que o casamento de humanos com cachorros é uma herança tribal, e tem uma função: proteger a pessoa, afastar algum mal que esteja presente, ou que possa vir a estar presente em sua vida

No caso de Kumar, quando tinha 18 anos, ele sacrificou dois cachorros com requintes de crueldade. Hoje, depois de um derrame, tornou-se deficiente físico, e atribui tudo o que lhe aconteceu de ruim à maldição que o acompanha em consequência da crueldade praticada contra os dois animais. Um astrólogo foi consultado e recomendou o casamento como expiação necessária para o alívio de seu karma

No caso da menina Karmoni Hasda, de 9 anos de idade, que também se casou com um cachorro, a motivação foi outra. Sandra Bose conta no Indiagestão:

Vocês já sabem que 99% dos casamentos na Índia são arranjados. Antes de se casarem, os pais dos noivos vão a um “astrólogo” que dirá se o casal é compatível ou não.
No caso dessa menina de 9 anos, o “astrólogo” disse que seu primeiro marido iria morrer logo, então casaram-na com um cachorro, assim o cachorro morre e a garota pode então casar-se com um ser humano.
Não se esqueçam que casamento de viuva ainda é um grande tabu aqui, mas se a viuva for de um cachorro, então, sem problemas!


Outro caso é o do menino Samir Mudiya, de 5 anos, também casado com um cão, como se vê na foto. O casamento, segundo o sacerdote que o realizou, terá o poder de salvaguarda-lo de todo o mal.
Voltando ao Indiagestão, também aprendi com a Sandra que, segundo a tradição local, se o primeiro dente de uma criança sai na gengiva superior, ela corre um grave perigo que só pode ser evitado pelo matrimônio com o melhor amigo do homem.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Mais Índia: Eunucos


Ainda não sei muito sobre hijras, palavra que, na India, significa "nem homem nem mulher", mas o assunto é tão fascinante que não consigo deixar de compartilhar com vocês o pouco que já pesquisei a respeito:

Eu acreditava que os eunucos tinham ficado no passado, no tempo em que eram castrados para tomar conta dos haréns sem oferecer risco de envolvimento sexual com as mulheres do sultão. Que nada! eles continuam a existir na Índia, e formam até uma casta, a dos hijras.

Ainda não encontrei informações suficientes sobre a origem deles: os indianos acreditam que sequestram crianças para castra-las, mas o que está comprovado mesmo é que pais de hemafroditas costumam entregar a eles os filhos que rejeitam. Também fazem parte do grupo os travestis operados.

Os hijras tem seus templos, sua deusa, e cumprem rituais que celebram a passagem do corpo masculino para o feminino. A mesma sociedade que os despreza, ridiculariza e marginaliza, lhes confere poderes excepcionais: eles tem o dom de abençoar e trazer sorte aos récem nascidos e récem casados. Na crença popular esse poder vem do amor que acumulam dentro de si, porque não podendo constituir família, nao tem a quem dedica-lo.

Assim, são convidados para as festas ou entram de penetras, para dar sua benção, cantar, dançar e recolher dinheiro dos convidados, em troca de garantir o sossego local. Negar dinheiro a um hijra é um risco terrível, porque eles  nascem também com o poder de amaldiçoar. 


O interessante é que, aos poucos, os hijras vão conseguindo conquistar seu espaço nessa sociedade tão fechada como é a indiana: alguns deles já ocupam cargos públicos, e muitos estão sendo contratados por financeiras para executar cobranças: costumam ir em dupla, e os devedores, atemorizados com os escândalos que eles são capazes de promover, acabam pagando rapidamente o que devem!

 Increadible India!

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Do Blog da Sandra Bose: Barriga de Aluguel


Encontrei a notícia no blog da Sandra Bose Indiagestão, que é uma exelente fonte para quem quer saber mais sobre a Índia. 

Me impressiona, porque escrevi uma novela sobre o assunto, Barriga de Aluguel,  e sei o quanto de sentimentos contraditórios uma experiência como essa envolve. 

Reproduzo para vocês o artigo da Sandra: 

FICAR GRÁVIDA VIROU EMPREGO NA ÍNDIA

O jornal USA Today fez uma reportagem sobre um emprego cada vez mais requisitado na Índia, a barriga de aluguel. Desde 2002 esta prática é legal no país, assim como em vários outros como os Estados Unidos, mas o que leva casais do mundo todo a procurar estas mulheres é o baixo custo. Enquanto uma americana gastou com a fertilização in vitro na Califórnia cerca de 200 mil dólares e ainda precisaria pagar mais US$ 80 mil para alugar uma barriga por lá, ela pagou apenas 20 mil pelo procedimento na Índia. Deste valor a mãe de aluguel recebeu somente US$ 4.500.

Na Índia este procedimento está muito industrial, com clínicas batalhando pelo menor preço (tem clínica dando 20% de desconto). Com um salário que chega a 25 dólares por mês as mulheres estão fazendo fila na porta da clínica para se candidatarem a uma vaga. Os proprietários se defendem dizendo que só aceitam mulheres que já tenham filhos e que todas as despesas médicas são pagas pelos pais adotivos, mas com os preços caindo existe uma preocupação de que isto vá se refletir no atendimento médico às mães.

A clínica visitada pelo jornal, dá casa, comida e atendimento médico a 15 mulheres e já fez o parto de 40 bebês. Imagine a quantidade de clínicas que existem na Índia e se em todas existe algum foco no bem estar das grávidas.


Colaborou: Júlio de Almeida


Foto: Internet/Google


sábado, 19 de janeiro de 2008

Rumo à Índia e Dubai

É por onde minha imaginação anda viajando.

Há tempos a idéia me fascina. E, meses atrás, quando Mário Lúcio voltou a me lembrar que minha vez na escala de novelas não estava tão longe -quem é que lembra de prazos quando está de férias?- tive certeza: é esse o assunto.

Escrever sobre um universo é uma maneira de refletir sobre ele. A velha Índia, seus deuses, suas castas, sua visão de mundo tão diferente da nossa, esse constraste talvez mais acentuado que em qualquer outro lugar do planeta, entre indústrias de ponta e costumes tribais, essa sociedade que desponta como uma das maiores economias de um futuro próximo, mantendo tradições ancestrais, é ou nao é fascinante?

A verdade é que a convivência entre o novo e o antigo sempre me instigou, e foi ponto de partida de muitos trabalhos meus: Barriga de Aluguel, O Clone, Explode Coração, De Corpo e Alma.

Dubai entra em cena como representação desse mundo futuro que, ao que tudo indica, vai ter seu coração na Ásia.

Mas é importante deixar claro que não quero semelhanças com O Clone. Tanto que não vamos vamos falar dos muçulmanos na Índia: em matéria de religião, ficamos com o hinduísmo e o budismo

E aqui estou eu, a todo vapor, mergulhando nesse universo!

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Até quando?

É terrível imaginar que enquanto estou diante do computador, passeando na internet, escrevendo um blog, ouvindo a buzina dos carros que passam lá fora, e as vozes das madrugadas de copacabana, que chegam até aqui, mais de 700 pessoas, reduzidas à condição de escravos, estão acorrentadas pelo pescoço, amarradas em árvores, sendo submetidas a toda a sorte de humilhações e torturas. 

Não tem como não voltar ao assunto A carta do coronel Mendieta, sequestrado há 9 anos, que acabei de ler num jornal da Colômbia, descrevendo as condições desumanas a que estão submetidos os prisioneiros, dói nos nervos da gente!

Impossível que diante dessas denúncias não se tome uma providência para liquidar de vez essa organização criminosa!
 Hoje o presidente Uribe fez uma conclamação a todos os países pedindo o isolamento das FARC. Considera que essa seja a única maneira de esvaziar e vencer a facção. 

A foto é do Jornal El Colombiano. Retrata o protesto que aconteceu em Bogotá, diante da embaixada da Venezuela.

Leia AQUI o texto integral da carta do coronel

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Final Feliz



Tudo indica que o pequeno Emmanuel vai se ajustar sem traumas à família!
Emocionante esse abraço. E as autoridades colombianas foram sensíveis,ao
permitir que Clara vivesse esse momento tão íntimo longe dos refletores da mídia.

Também achei a imprensa sensível, por não ficar especulando se a relação com o guerrilheiro, pai da criança, foi consentida ou não. Ainda que não tenha sido, Clara faz bem em fugir dessas explicações: o menino Emmanuel já sofreu o suficiente, concordam?

sábado, 12 de janeiro de 2008

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Enfim, livres!



entrevista com Clara Rojas

mãe de Clara Rojas fala sobre a expectativa de rever a filha

COMPLEMENTO

Só faltava essa: Hugo Chavez pede que as FARC sejam retiradas da lista de terroristas! Como assim????

Não há situação mais cruel e humilhante para um ser humano do que o sequestro! centenas de pessoas apartadas de suas famílias, de suas vidas, muitas delas, como denuncia hoje uma das libertadas, a deputada Consuelo, mantidas acorrentadas e dormindo amarradas à árvores.
Se isso não é terrorismo, terrorismo mudou de nome!

emocionante o reencontro das reféns com suas vidas. Emocionante e doloroso. Toda a violência cometida contra elas está aí, bem à mostra, nos sorrisos e nas lágrimas de reencontro!


domingo, 6 de janeiro de 2008

Parabens, Leda!!!!!

Leda Nagle fez aniversário e hoje ganhou bolo da Regina Martelli!  delicioso: sucrilhos com chocolate! Leda começa o ano cheia de garra e idéias novas: ganhamos nós, que acompanhamos suas entrevistas sempre dinâmicas e inteligentes, no Sem Censura. Com certeza!

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

2008

Esta fotografia eu tirei nesse final de ano, observando a multidão começar a se juntar, enfrentando a chuva, para esperar a parada iluminada passar.

Fico pensando nesse clima de euforia que toma conta das pessoas no final do ano: ano novo, vida nova, projetos, perspectivas, esperanças renovadas. 

É preciso ter esperanças. Que seria  se a humanidade não conseguisse sonhar que é possível construir um mundo melhor? um país viável para deixar de herança para os nossos filhos e para os nossos netos? certamente ainda estaríamos no tempo das cavernas.

Nós aqui no Brasil vivemos de maneira bonita essa espécie de ritual de renovação da esperança, dos sonhos que movem o mundo, que é a passagem do ano.  Mas quando chega a hora de mover o mundo -o nosso país, bem entendido-, a multidão se dispersa, a irmandade se desfaz.

O ano começou reafirmando os velhos problemas: Paulinho da Viola entregando o carro a assaltantes armados, Helena Ranaldi conseguindo escapar, num carro blindado, debaixo de tiros da ação de bandidos, o filho de Lidio Toledo e a mulher baleados e em estado grave... isso só pra falar de gente que a gente conhece, pelo menos de nome. 

Teve também a visita do governador ao hospital público, onde faltavam médicos e equipamentos, e se podia ver a revolta e o sofrimento dos pacientes, entregues à própria sorte!

A festa do reveillon de 2009 certamente será tão bonita e bem cuidada quanto a de 2008. 
Mas nosso sonho de consumo é esperar que as reportagens não sejam as mesmas: que realmente tomem medidas práticas e urgentes contra a violência, e que haja o devido investimento na área da saúde.

Melhor do que os fogos, melhor do que qualquer festa, seria poder assistir uma visita das autoridades a um hospital inteiramente reformulado, onde os pacientes pudessem testemunhar o bom atendimento, e que nos jornais não predominassem, sobre todas as notícias boas, as fotografias de pais e mães, chorando os filhos mortos.

Que 2008 seja o ano em que esse sonho de todos nós se torne possível!