quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Aos mestres, com carinho

Os professores andam sofrendo nas salas de aula, com a falta de limite dos alunos. Muitos chegam até a desistir da carreira.

Esses problemas serão vividos por Bere (Silvia Buarque) e, a partir de certo momento, pela Silvia (Deborah Block) também.

Estamos entrevistando muitos professores, e a Silvinha tem frequentado salas de aula, para sentir a barra de perto

Essa triste realidade vai ser mostrada em contraponto com a maneira respeitosa e reverente com que o indiano olha o mestre, o mais velho, aquele que tem algo a lhe ensinar.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Deborah Bloch é Silvia

Ela é casada com Raul (Alexandre Borges). Pessoa bacana, generosa e de boa fé, será vítima das armações e das maldades de Yvone (Letícia Sabatella).

Bom... mas ela também é guerreira o suficiente pra não ficar posando de sofredora e chorando as pitangas. Esperem pra ver!

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Nosso Shankar na Índia

Olhem só o Lima Duarte na pele de Shankar, o brâmane que adota o intocável Bahuan (Márcio Garcia), se preparando para gravar.

Êpa!!!!!!



O Dr. Rogério Neres,um dos advogados que defendem o casal Nardoni, entende que não há provas contra o casal, logo, Alexandre e Ana podem ser impronunciados.

A outra opção, segundo o advogado, seria mudar a classificação do crime, ou ainda absolver sumariamente os réus, alegando que agiram em legítima defesa!

Legítima defesa???? Peraí... Isabella tentou esganar os dois e jogar pela janela. Foi isso??????

leia mais em O GLOBO

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Marjorie Estiano faz laboratório em SP

Giovana levou a Marjorie para um encontro com o pessoal da ABRE, em SP. E manda notícias pra nós:

Segue nossa foto com o pessoal da ABRE - Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Esquizofrenia (http://www.soesq.org.br). Foi muito bacana!

Quem está na foto: Débora, Lucas, Fabiana, Cecília, Fernanda, Vivian, Lilian, José, Adriana, Haroldo, Fernando, Jeanne, Wagner, eu e Marjorie.

Um beijo,

Gio

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

E por falar em psicopatas...


Caminho das Índias vai mostrar esse desvio de personalidade através da personagem de Letícia Sabatella: Yvone.

Calma, ela não vai matar ninguém. Já se sabe que só 1% dos psicopatas chegam ao assassinato. Mas, como todos eles, Yvone é uma predadora, e vai passar os capítulos como passa a vida: matando sonhos, ilusões, a confiança que as pessoas depositem nela.

A escolha do tema? está mais do que na hora de levantar essa discussão, até para que as pessoas aprendam a reconhecer e a se defender desse tipo de gente!

O assunto está em voga internacionalmente, e vários livros tem saído por aí afora, tratando do assunto.

Aqui, vamos ter na próxima segunda feira, dia 27, o lançamento do livro da dra. Ana Beatriz Barbosa. Vai ser na Livraria Argumento (rua Dias Ferreira, 417, Leblon), a partir das 19.30 hs.

Tudo o que você quer e precisa saber sobre psicopatas:

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Uma falsa questão

Inconcebível ficar assistindo, por todos os meios de comunicação, esse debate surreal sobre se Lindemberg atirou antes ou depois da explosão!


Parece que se quer buscar um culpado que não seja ele -a polícia, preferencialmente- pela morte da menina Eloá!

Gente! essa história jamais teria um final feliz, e isso ficou bem claro desde logo. O que se pode e deve discutir, é essa nossa cultura de privilegiar marginais. A pretexto de poupar vidas, não se utilizam atiradores de elite nessas situações extremas, e isso acaba custando, como custou agora , a vida de inocentes!

O que se pode e deve discutir é porque tanta gente fecha os olhos e tapa os ouvidos para o fato de que uma menina de 15 anos passou 5 dias sendo torturada fisica e psicologicamente, e ainda consegue chamar o ato criminoso de Lindemberg de passional, e atribuir a ele uma aura de Romeu apaixonado

Menos, por favor! nós já conseguimos distorcer muitos princípios,valores e concepções universais, mas transformar um torturador assassino em Romeu à brasileira, ninguém merece!

sábado, 18 de outubro de 2008

Passional? não mesmo!!!!


Usa-se com muita impropriedade o termo "passional"! Basta que um criminoso diga "foi por amor" e pronto: aceita-se a etiqueta.

Esse crime de Santo André é tudo, menos passional! O ato passional é impensado, irrefletido, é coisa de um momento de desvairio. O passional não planeja. Se parar pra pensar, não mata mais.

Um rapaz que fica durante cinco dias torturando uma moça (batia nela, espancava, segundo declarações da amiga), enquanto dormia e comia normalmente, de passional não tem nada: o que ele tinha, sim, era raiva e inconformismo por ter sido contrariado.

E o sentimento de poder que o sequestro lhe conferiu tornou-se maior, na medida em que a intensa cobertura da imprensa manteve sobre ele os olhos do país!

Vi uma entrevista de Lindermberg num programa de TV, e era a empáfia em pessoa: "vou soltar quando eu quiser" "a hora que achar que devo", "vai ser como eu quero"!

Hoje cedo, numa entrevista, o coronel que comandou as negociações deixou claro que o atirador de elite não foi utilizado por medo da imprensa, que com certeza estaria mesmo caindo de pau em cima da polícia nesse momento.

Mas não importa. Se é preciso optar, deveria sempre prevalecer o princípio de salvar a vida do inocente! e depois de tantos dias de negociação, esgotadas todas as possibilidades, e tendo ficado claro que o rapaz estava disposto a matar, como parece que ficou, dar sinal verde ao atirador de elite seria o recurso.

O certo é que mais uma vez, a título de proteger o criminoso, condenou-se a vítima!

E Não me venham com essa história de: ah, os vizinhos, os amigos dizem que era um rapaz tão bom...nunca imaginaram que pudesse fazer isso!

A experiência mostra que os criminosos mais cruéis provocam a mesma reação em quem convivia com eles.

DE LUCIA LUIZ SOBRE A MORTE DA MENINA ELOÁ:
(obs. o texto a seguir é da socióloga e escritora Lucia Luiz)



Fico me perguntando o que faz com que uma polícia fique mais de 100 horas esperando, quando uma menina de 15 anos estava sendo espancada. Já se sabendo que não havia moeda de troca e que nestes casos não tem possibilidade de negociação, porque não jogaram bomba de gás lacrimogeneo?

Porque não mandaram a irmã dele para a porta pois seria mais lógico tentar falar com familiares.

Porque deixaram a imprensa falar com ele, ficar divulgando todos os passos sabendo que ele estava acompanhando.

O pior de todo esse quadro ---- cronica da morte anunciada desde segunda feira --- durante todo esse tempo, o bandido batendo na menina, foi ouvir o MP dizendo que estava lá para defender os direitos do Lindenberg.. Mesmo que fosse uma estratégia para que ele se entregasse, não dá para ouvir isso. Ele não é um passional, é um assassino vil que tem que ser denunciado o tempo todo como um perverso, nocivo e premeditado. Ele é um assassino que não merece nehuma explicação psicológica ou acolhida. Essa menina foi exposta à pior situação que se pode imaginar, sem nenhuma possibilidade de defesa. É de estarrecer .

Um atirador de elite, mesmo que depois a policia tivesse que responder por isso salvaria essa menina .

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Brasileiros na Índia mandam fotos

Na fotos da gravação, tiradas pela Sandra Bose, um pouquinho do colorido que Caminho das Índias vai trazer pra vocês.

Essa é uma liteira onde são carregados os noivos. Só não vou dizer de quem é o casamento, claro! Muitas vezes, ao invés de usar a liteira, o noivo vai à cavalo ao encontro da noiva.

Parece novela? mas é real, é o costume aqui! o casamento é um dos momentos mais sagrados da vida de um indiano, e marca uma aliança entre famílias. A maioria deles é arranjado, e os jovens nao tem problemas em aceitar isso, porque na concepção deles, o amor se constroi ao longo do casamento.

Mas como a paixão não costuma respeitar convenções, às vezes ela surpreende, e quando isso acontece entre pessoas de uma casta superior e uma casta baixa, os desfechos costumam ser trágicos.

Como todas as cerimônias da Índia, o casamento é uma festa alegre, dura quatro, cinco dias, e marcada por muita música e muita dança!

Na foto acima,vocês podem ver a banda de música que, tradicionalmente, acompanha o cortejo do noivo pelas ruas da cidade! os passantes se misturam aos familiares, dançando e participando também da comemoração.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Marcio Garcia: Bahuan, o intocável

Ele é Bahuan - o dalit, o intocável- aquele que não tem casta, é a poeira sob os pés de Brahma.

Intocável é mesmo o que diz o nome: quem tocar nele, na sombra dele que seja, fica impuro, e torna sua casa e sua família impuras também. Vai precisar fazer rituais ou banhar-se nas águas sagradas do Ganges para purificar-se de novo.

Caminho das Índias traz um impedimento romântico que ainda não foi mostrado em novelas -o sistema de castas. Sim, o dalit Bahuan vai se apaixonar por Maya, que pertence a uma casta alta.

Vocês podem imaginar as tormentas que vem por aí?

Não, ainda não podem! esperem só por Caminho das Índias!

Mais fotos

Isis Valverde (Camilla) é a menina brasileira que se casa com um indiano e leva um susto, quando descobre que vai viver sob as regras de uma cultura que não conhece. Aí está ela, já vestida como mulher casada, em companhia do sogro Opash (Tony Ramos)



Dayse (Betty Goffman) é daquelas turistas que compram uma caricatura da Índia. Vai a passeio e volta hinduísta -a seu modo, bem entendido. Aqui está ela, curtindo um passeio de riquixá.



As meninas da equipe não são nada bobas: correram atrás daqueles panos maravilhosos que se tecem na Índia. Vejam como é o visual de uma lojinha em Jaipur:

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Gravações em Jaipur

Quem manda as fotos é a Dani, uma brasileira que mora no Japão e está sempre na Índia! Vejam num intervalo das gravações, nossa MAYA e nosso RAJ

Juliana nao está mesmo uma perfeita indiana?
<

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Um casamento arranjado

Lembram da Ritinha de Amazonia? a Brenda Haddad? Ela é RANI em Caminho das Índias. Ricardo Tozzi é KOMAL, o irmão mais velho de MAYA.

Eles são os noivos da primeira cerimônia de casamento em Caminho das índias!

sábado, 11 de outubro de 2008

O pai de Maya e o dote

Osmar Prado é Manu, o comerciante de perfumes, pai de Maya (Juliana Paes). Vai duelar com OPASH (Tony Ramos), pai de RAJ (Rodrigo Lombardi), noivo de Maya (Juliana Paes).

Nesse momento estou escrevendo a negociação do dote, intermediado pelo PANDIT (José de Abreu).

Ah, sim, apesar de proibido por lei, sem dote não tem casamento! o pai do noivo não faz questão? mas o da noiva faz! mandar a filha para a nova casa, como eles dizem, "em branco", seria ferir a dignidade da família!

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Isso é que é família unida!

Da coluna do ANCELMO:

A VIDA COMO ELA É

O pai de um homem que está preso em Sao Paulo e frequentou também com a mulher, presa pelo mesmo crime, o noticiário policial brasileiro recentemente, engravidou... a cunhada. Um processo de reconhecimento de paternidade corre na justiça paulista

Corre que a história é mais apimentada ainda: o pai é também o padrinho da criança, e sua esposa legítima, a madrinha!

Bom... pelo menos nesse ponto não se pode acusar o casal de presidiários de estar mentindo: haja união!!!!

Casamento à indiana

Isis Valverde é Camila, a mocinha brasileira que se casa com o rapaz indiano (CAIO BLAT)e vai viver sob as regras da familia ANANDA, chefiada por OPASH (Tony Ramos) e INDIRA (Eliane Giardini.
Haja confusão!!!!

domingo, 5 de outubro de 2008

Stenio Garcia: o dr Castanho e sua clínica


Stenio faz o psiquiatra humano e extravagante, que dirige a clínica psiquiátrica de Caminho das Índias.

Na foto abaixo, um dos muitos encontros que temos promovido entre os atores do núcleo e os profissionais da área. Aqui, o dr Castanho posa ao lado do dr Edmar, diretor do Nise da Silveira. Entre a Totia e a Neuza, a dra Patrícia,também do Nise.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Fazendo arte

Vejam que beleza o trabalho do Leandro, paciente do CPRJ, ali na Harmonia. Caminho das Índias vai divulgar a obra de muitos desses talentos que permanecem anônimos, no interior das clínicas psiquiátricas!