quinta-feira, 23 de abril de 2009

Daniela Duque e a Turma do Zeca

A turma do Zeca, o pitboy de Caminho das Indias,  recebeu ontem uma convidada: a Daniela Duque, mãe do Daniel Duque,  o jovem assassinado durante uma briga na porta de uma buate
aqui do RJ.

 É uma iniciativa da professora Bere, levar de vez em quando uma pessoa que tenha sido atingida pela violência, para discutir o tema (não os casos) junto com a turma.



96 comentários:

Vanessa Daraya disse...

Glória,
sua novela está demais!
Só venho te pedir uma coisa: deixa a Maya e o Raj juntos pra sempre! Eles deram muito certo! Andei conversando com amigos e parentes que assistem a novela e todos são a favor de Maya e Raj!
Beijos e tenha uma boa recuperação!

Anônimo disse...

Oi GLória tudo bem. Espero que sim. Muito legal essa sua iniciativa. O Rapaz foi assassinado, sem a menor chance de defesa. Quem sabe assim esse Zeca toma jeito. Mas vai ser bom para que muitos jovens que assistem a novela tomem consciência e não fiquem brigando por ai ( COMO VEMOS MUITAS VEZES NO NOTICIÁRIO), COMO SE FOSSEM bestas feras. ABraços...Melhoras..

Guigo disse...

Oi adoro todas as novelas que voçê escreve , e entrando em um site vi que voçês estavam procurando uma criança para fazer o filho de Maya com Bahuan , meu filho tem 3 anos nasceu prematuro, e todos dizem que ele se parece com o ator Marcio Garcia, estou a disposição sem compromisso , se quiser mando uma foto dele .
agradeço a ataenção desde já
Evelyn Gouveia
Campinas SP

Guigo disse...

Desculpa acabei de deixar um recado meu e-mail é evelyngouveia_sk8@hotmail.com

Yes! Blumenau disse...

Gloria, você é maravilhosa, a novela está simplesmente PERFEITA. Todos em Blumenau estão acompanhando. Sempre que vamos jantar fora, as TVs dos restaurantes estão ligadas na novela, e até o atendimento piorou um pouco, pois os garçons ficam de costas para as mesas acompanhando as cenas também!!!
Ninguém se importa, todo mundo entende, afinal, quem não ama Maya e Raj???

Georgia

Willyan Cordeiro disse...

Que interessante. Acho muito importante que quem sofreu com esse tipo de violência, possa entrar em contato com outras pessoas visando meios para acabar com isso.

Abraços !

Anônimo disse...

OIeeee
Passando para dizer q adorOooo seu trabalho, q Adoro ir a India todos o dias!!Mas a maioria da população fica chocada com o "Zeca" um garoto q tem tudo para ser bem sucedido pq tem mas facilidade q os demais "financeiramente"mass vive envolvido em brigas, e violento, e o caso de muitos jovens q acha q o dinheiro compra tudo e nunca vai ser punido.Os pais apoiam e quando deveria interfir sabe o q os filho anda fazendo, mas não e mas facil fecha os olhos.MAs chega d Zeca!!Eu gosto mesmo e da Maya eo RaJ para eoi casal perfeito da novela.

Rosinha disse...

Muito boa idéia, estes temas que vc leva em sua novela são ótimos. Mas Glória não separe a Maya do Raj por favor, está tãolinda a estória assim.
E por falar nisso e o Daniel Marques? vc vai colocá-lo para cuidar do Tarso?Espero que sim desejo que se recupere muito rápido, fique com Deus. Beijuss desta sua admiradora Rosa.

Anônimo disse...

Em primeiro lugar fico feliz de vê-la toda florida e cheia de saúde teclando novamente.
Quanto ao Zeca, infelizmente não acredito que qualquer prof. consiga, em cinquenta minutos de aula, ou com palestras, reverter um processo de longos anos de má formação familiar com exemplos errados e valores inaceitáveis...
Muitas vezes, em meu local de trabalho, comentamos sobre a novela e acho que vc poderia explorar mais os encontros da Norminha com aquela personagem que eu não me lembro o nome, mas que está muito engraçada com aquela história de cuidar dos chacras. Gargalhamos juntos (eu e meus colegas) relembrando as duas vezes que as duas brigaram.Todos adoraram. Foram cenas engraçadíssimas.
Outra coisa - estavamos todos curiosíssimos sobre o chaí. Provamos e adoramos.É delicioso.
Essa novela está mexendo com todo mundo.
Outro dia assistindo a TV Gazeta, programa Mulheres, vi a culinarista ensinando um bolo indiano.
Caminhos da India é ou não um sucesso?
Parabéns divina.
Bjs
Prof. Elizabeth

Anônimo disse...

Glória, parabéns a você, ao Bruno, a Marjorie, Cristiane e Estênio pelas cenas de Tarso e Tônia de ontem 23/04, me emocionei muito, não contive as lágrimas. Confesso que Tarso e Tônia é o meu casal preferido na novela, porque é o único casal com um amor verdadeiramente puro, lindos. Por favor não desfaça este encatamento e esta emoção. Bjs!!!

Anônimo disse...

Parabéns pelo tema escolhido nesta novela, mostrando valores de um país pacifista e de baixíssima criminalidade. Tomara que isto sirva de inspiração por aqui.

Uma pequena correção a ser observada: a naja, a serpente, simboliza na cultura indiana a verdade, a sinceridade, a divindade. Portanto chamar uma mulher de naja é um grande elogio na Índia.
MULTIFÁRIO

VAP disse...

Are Baba, Glória!
Escrevo de Portugal. Apanhei seu blog, através do Blog do Bruno. Tudo, por mera causualidade.
Conheço você das novelas que têm passado aqui.
Essa novela, então, é demais!
Parabéns por toda a sua criatividade, pelo excelente elenco, cujas interpretações, muitas das vezes, são de arrepiar, pela trama, por tudo.
Vocês são todos EXCELENTES!
Foram abençoados na hora da criação!
PARABÉNS! PARABÉNS! PARABÉNS!
Prometo voltar!

Andreza disse...

Muito legal a inciativa!

Joao Batista Santos disse...

A justiça deveria pegar esses pitboys que ainda não cometeram crimes pesados e intima-los a fazerem visitas (Vigiadas) de domingo a domingo, em Leprosários, Orfanatos e outras instituições que cuidam dos excluidos.

Eles iam entrar em contato com pessoas que mesmo sem nenhuma pespectiva, ainda sabem sorrir para a vida.

Quem sabe assim, disperta-se neles um ideal salutar?

Rebeldes sem causa, é coisa do séc. passado.

Esse menino que faz o personagem Zeca é um ótimo ator. parabéns!!

Anônimo disse...

oi gloria primerio parabens pelas melhoras,que vc tenha 100000 anos de saude,sei que minha opiniao nao vai valer muito,mas queria que vc pelo menos,visse que nei todo mundo esta torcedo pro maya e raj,e sim por duda e raj,naoverdade eu querio e que duda seja muito feliz,poxa deixa duda e raj junto a maya tem que volta pro bahuam,pra quem ela jurou amor eterno

LU disse...

Glória, posso saber porque você não aceita os comentários de quem torce pro Raj ficar com a Duda? Meus amigos do orkut mandaram comentarios aqui pro blog e não foram aceitos.
Só serão aceitos comentarios favoráveis a Raj e Maya? Que furo hein? A opinião publica deve ser respeitada... não é a toa que sempre achei Raj e Maya forçação de barra.

Revista Gatos e Cia disse...

ADORO a Novela Caminho das Indias e sua autora Gloria Perez. Não perco um capítulo e não tem uma cena sequer que eu não goste na novela. Porém, esta semana gostaria de escrever para fazer um apelo especial, em nome de todos os protetores de animais; bastante preocupados com o tema em questão: nas aluciações do personagem de Bruno Gagliasso, um gatinho preto aparece na frente dele, dando um tom “sinistro” às visões do rapaz.
Pois bem, nós protetores viemos por meio deste contato fazer um apelo para que este tema seja tratado de outra forma. Gatos pretos são a maioria entre os abandonados e os mais sujeitos à maus-tratos; também são os que sempre sobram nas feirinhas de adoção e são comumente usados em rituais de magia negra. Fazemos um esforço enorme para conscientizar as pessoas de que eles são tão doces e amáveis como todos os outros gatos; e que trazem sorte e alegria, nunca azar para nossas vidas. Mas a crença popular é sempre uma barreira a ser vencida. A Globo, como forte influencia na opinião publica, poderia nos ajudar nessa luta constante de conscientização e evitar dar esse tipo de conotação à imagem dos gatos pretos. Nós e nossos amigos felinos agradecemos muito a ajuda de vocês!
VAMOS ACABAR COM O PRECONCEITO!!!

Joao Batista Santos disse...

É mesmo Anônimo? Então a Gloria é uma grande e felpuda naja.

Jo disse...

Ola Gloria, primeiro quero te dizer que te acho uma grande novelista. lembro como hoje na novela america todos esperavam que o Ed desse um chega pra lá na May...e neste dia eu estava indo pra casa no metro, super nervosa pq não chegaria talvez a tempo de ver e ouvia outras pessoas ligando pra casa do celular pra perguntar se a novela tinha começado... isso é sucesso! Minha irma é professora e muitas hisotrias eu ouço sobre a educação no Brasil, totalmente falida. Acho o duda nagle excelente, mas ele tá meio velhinho pro papel. Assim como a sala dele por ser acredito de 1º ano do ensino médio. Ali ninguem tem cara de malhação. Que acredito seria a idade da sala que vc retrata na novela. Outra coisa amava no inicio o personagem do Marcio, aq2ueles encontros com a Maya tão romantico. Fiquei chocada com a postura dele deixa-la de lado. Mas, não acho que o Rajih deva terminar com a Maya. a duda é mais a cara dele. A Tania é uma graça, não dá pra não se render a ela. Bom, adoro o nucleo indiano. E como muitos odeio a Ivone, acho o Raul um paspalho e a silvia uma idiota completa. O Bruno Gagliasso arrasa. O seu cadore é uma delicia de personagem. Um grande abraço! Espero que já esteja bem e voltado a escrever a novela. bjs!

Aliny disse...

Por favor , Gloria,eu te adoro!Mas para de dizer que amor se constroi pra fazer todo mundo engolir Maya e Raj! A gente não constroi amor...amor não se constroi...MURO se constroi!! Pelo amor de Deus! To odiando Maya e Raj!!! Traz BAhuan de volta pra MAya!!!

ecra disse...

Olá cara Glória,

Meu nome é Marli Bispo, sou natural de itapetinga interior da Bahia, ja fui do proletariado e da burguesia, morei 2 anos na Europa e cheguei de lisboa a pouco tempo onde fiz um curso de escrita criativa p escrever novelas, eu adoro escrever, tenho paixão por seu trabalho, até tenho um projeto q escrevi, atualmente estou no Rio, amaria muito ser tua colaboradora em textos p novelas,
se voce puder entrar em contato comigo, posso enviar meu curriculum e te mostrar meu trabalho. por favor realize meu sonho querida. Eu tenho talento.


Marli Bispo

marli_bispos@hotmail.com

Nilsa Almeida disse...

Olá Glória, fiquei muito emocionada pela cena do Tarso ontem, e agora que ele etá na clínica já, o Marcelo poderia se tornar um amigo que irá ajudá-lo muito. Garanto que o público iria amar. Imagine só ter o Bruno Gagliasso e o Daniel Marques, juntos na mesma cena. Seria maravilhoso!!!
Ahh que bom que você já está melhor! Espero que você se reestabeleça totalmente rapidinho!

Que Deus te abençoe muitoo!!

Beijão!!

Nilsa Almeida

Gabriela disse...

Olá Gloria. Estou gostando muito da novela. Adoro as cenas de dança e principalmente as do Raj com a Maya. Pra mim a novela começou depois que eles se casaram. O que Bahuan fez com Maya nao tem perdao. Tirou a virgindade da moça e depois a abandonou. Eu entendo completamente o lado da Maya em nao ter dito q estava gravida, pois se fosse assim Raj provavelmente nao teria se casado com ela e agora ela estaria sozinha, sem familia, sem casta, sem nada.

Espero que quando a verdade vier a tona Laksmi fique do lado dela, pois a mesma coisa aconteceu com ela quando jovem. Seria muita ironia ela querer dar liçao de moral

Camile disse...

Em O CLONE Jade teve uma filha de Said mas no fim das contas terminou com o Lucas. E é por isso que mesmo que Maya tenha um filho de outro ela deve ficar com Raj

Anônimo disse...

Cara Glória,

Gostaria de lhe desejar muito saúde e de lhe dizer que fiquei muito emocionada com as cenas da novela de ontem em que a Melissa tem que se deparar com o estado do filho. O rosto e, em especial, o olhar de Christiane Torloni mostraram de maneira comovente dor e desespero e, depois, ternura. Se antes, a Melissa já me alegrava com os seus devaneios, agora a sua fragilidade e sofrimento me comovem. Devo dizer que acho este núcleo o melhor da novela: as brigas entre ela e a Inês, a adoração pelo Tarso (sem contar a perseguição às namoradas dele - totalmente hilárias; no caso da Tônia, bem que a Melissa na sua humanização poderia melhorar o visual da moça), a relação com o marido e com a querida Sheila são demais - além de divertir, ensinam muito sobre as relações humanas. Os conflitos e as atitudes deles são muito fáceis de se encontrar em nosso dia-a-dia e todos os atores estão ótimos nos seus personagens e parecem muito integrados.

beijos e muito boa sorte, Bia.

Anônimo disse...

OI glória tudo bem...li agora no babado que Raj volta pra Duda. Engraçado é que ela também vai enganá-lo ( nao vai contar do filho, nem do dinheiro que ganhou né)...só volto a assitir quando ele voltar pra Maya...a Maya não merece isso...nem quero ver esses capítulos...só volto a ver quando ele estiver de joelhos e ela ( Maya) poderosa dizendo que vai pensar...

Anônimo disse...

Parabéns por levar esses temas para a novela. Por favor, não quebre o enquanto que há entre Maya e Raj, perfeito os dois!

Anônimo disse...

Gloria,acho muito importante voce abordar esse assunto.A violencia nao pode prevalecer.
Heliomar Melo

Juca do Braz disse...

Bem, o Zeca não é personagem de escola.
Nem escola pública e nem particular
Esses Zecas a escola não tolera mesmo
Aos doze anos já estão fora da escola.
Não entendi o "desabafo" da professora Berê, aluno de escola particular não passa de ano sem saber, mas não passa mesmo.Muito menos chegam no segundo ano do ensino fundamental sem estar afalbetizado. Muitos já chegam no primeiro ano já sabendo ler e escrever correntemente.
Afinal a escola do Zeca é escola particular não é mesmo?
Aliás uma escola muito engraçada
Só tem uma professora e uma diretora
Só tem uma classem com uns vinte alunos onde apenas dois são bons alunos.
Uma escola engraçada mesmo....

andreals disse...

Os tolos e os fanáticos estão sempre seguros de si, mas os sábios são cheios de dúvidas..

Pq será que as pessoas têm tanta certeza de que a Maya vai ficar com o Raj?

Raj e Duda.. sempre!!

Anônimo disse...

Glória Perez!!Peço para você não mudar a história da novela de amores impossíveis, isso é legal de se ver!!Não separa a Duda do Raj!!Eu tenho muita dó dela!!E tá tudo muito dividido, tem muita gente que gosta do Raj com a Duda também, alguém você terá que desagradar!!Mais está muito sem sentido a novela, tudo girava em torno do amor da Maya com o Bahuan, ele abandonou a Maya e todo mundo passou a não gostar dele, mais o amor deles tem que prevalecer!!Estou descontente com a novela, pois acho que a Duda merecia o Raj, ainda mais porque a atriz tá muito melhor nessa novela!!A Maya não merece o Raj, se casou para acobertar a gravidez, pois ela esperaria o Bahuan!!Acho muito cômodo um amor arranjado pelos pais, acho interessante quando há conquista, luta, dificuldades e porque não com os pais, se até a gente na vida real tem dificuldades, as vezes os pais não gostam da pessoa que escolhemos, mesmo estando no Brasil!!Não coloque o amor como imposição da família, eu não acho legal!!Mais uma vez você irá mostrar que na Índia isso também é melhor!!Na novela mostram muitos aspectos bom na Índia, como o respeito com os mais velhos, mais no Brasil também tem aspectos bons!!

Apaixonada por Croches disse...

Olá estou fazendo uma visitinha,bjus
Marlene

Anônimo disse...

ADORO a Novela Caminho das Indias e sua autora Gloria Perez. Não perco um capítulo e não tem uma cena sequer que eu não goste na novela. Porém, esta semana gostaria de escrever para fazer um apelo especial, em nome de todos os protetores de animais; bastante preocupados com o tema em questão: nas aluciações do personagem de Bruno Gagliasso, um gatinho preto aparece na frente dele, dando um tom “sinistro” às visões do rapaz.
Pois bem, nós protetores viemos por meio deste contato fazer um apelo para que este tema seja tratado de outra forma. Gatos pretos são a maioria entre os abandonados e os mais sujeitos à maus-tratos; também são os que sempre sobram nas feirinhas de adoção e são comumente usados em rituais de magia negra. Fazemos um esforço enorme para conscientizar as pessoas de que eles são tão doces e amáveis como todos os outros gatos; e que trazem sorte e alegria, nunca azar para nossas vidas. Mas a crença popular é sempre uma barreira a ser vencida. A Globo, como forte influencia na opinião publica, poderia nos ajudar nessa luta constante de conscientização e evitar dar esse tipo de conotação à imagem dos gatos pretos. Nós e nossos amigos felinos agradecemos muito a ajuda de vocês!
VAMOS ACABAR COM O PRECONCEITO!!!

Elaine disse...

Olá Glorinha a novela esá muito legal ,mas o melhor personagem na minha opinião é o Tarso. Estamos aprendendo muito sobre a doença mas gostaria de sugerir que o casal Tarso e Tônia faça algumas cenas um pouco mais quentes, pois os dois estão parecendo dois amigos.A Tônia precisa se emocionar mais tb com o problema do amor da vida dela está um pouco sem graça.No mais a novela está ótima.O Zeca aquele vagabundo(ai q ódio) está cada dia mais parecido com alguém q agente conhece e o pai dele tb.Espero q algum dia ele perceba o mal q está fazendo ao filho.
Desejoa vc força , coragem e saúde para continuar seu trabalho.
Beijão no coração.
Elaine.

Artes da Marga disse...

Oi Glória!
Gostei da foto aqui da Daniela Duque com a turma. Esta é uma mãe que sofreu muito com a tragédia acontecida ao seu filho. Pena que tantas mães tenham que passar por isso.

Tenho assistido a novela, visto seus comentários aqui através do meu blog, como muita outras pessoas que não comentam no anonimato. Quero dizer que sou uma fã do Daniel Marques, não mãe, mas gostaria sim de ser tamanha importância ele tem para mim e minha família. Se um filho pudesse ter várias mães, eu poderia ser mais uma delas para ele com certeza. Outras pessoas em seus respectivos blogs ou e-mails e espontaneamente demonstram carinho e afeição pelo personagem "Marcelo", bem como pelo ator Daniel. Você compreende toda essa demonstração tenho certeza e por isso estou aqui juntamente com outros fãs na torcida pelo sucesso dele.
Um beijo
Margarida

Anônimo disse...

Tenho a convicção de que a Gloria aceita todos os comentários sim. O que acontece é que a maioria torce por Maya e Raj juntos, isso, na blogosfera, porque a maioria que quer Maya com raj não são internautas e encontram-se em todas as faixas etárias. As crianças adoram Maya e Raj ( mais a Maya) Isso porque suas cena são delicada e emocionantes. Como a Juliana cresceu ao lado do Rodrigo!

Elisa Neto disse...

Olha Gloria, eu acho que como a Duda é a maior vítima dessa novela, ela sim merecia estar no centro da história. Primeiro que ela merece mais o Raj do que a sonsa da Maya.
Segundo que eu vi o Rodrigo Lombardi falar numa entrevista que a Duda deveria lutar pelos direitos do filho e ir atrás do seu amor, até que Raj dissesse sim ou não a ela. Discordo. A Duda é que deveria decidir e o Raj ir atrás dela, já que quem está errado é ele, um tremendo frouxo.
Portanto, sou a favor de RAJ e DUDA e, por mim, Maya podia cair num poço.

Anônimo disse...

Concordo com o comentário que fala sobre os garçons. O último casal que teve uma grande torcida para ficarem juntos foi Maria paula e Ferraço e agora, Maya e Raj. Não me lembro de mais nenhum.

Pri Mendes disse...

Oi, Gloria! Acho que você devia abrir o olho pra esses casais da novela. Claro que as pessoas que ainda assistem vão falar que preferem Raj e Maya, porque é quem sobrou e está assistindo até hoje.

As pessoas que eu conheço na minha família, amigos, colegas e estranhos na rua, todos falam que a Duda fica muito melhor com o Raj, além de ser mais justo. Essa história de casamento arranjado, amor forjado e relação construída está ultrapassada, estamos no século XXI. E também foi muito rápido. Sinto lhe informar, mas você devia ter feito uma passagem de tempo de uns 3 anos para ficar coerente.

Você devia prestar a atenção é na audiência da novela, que não mantém nem 40 pontos. Isso é sucesso do casal Raj e Maya? Eu acho que não hein! As cenas dos dois são cansativas, forçadas, artificiais. Não tem nada de convincente. A novela perdeu o brilho sem Raj e Duda.

A televisão devia valorizar os bons atores, como a Tânia Khalill, isso sim!

Espero que nos escute.

Duda disse...

RAJ e DUDA, RAJ e DUDA!!!!!!

Por favor, Glorinha! Nos ouça ao menos uma vez. Se eles não ficarem juntos, vai haver um protesto na porta do Projac!!

Anônimo disse...

Eu sugiro uma pesquisa nas ruas, com pessoas de várias faixas etárias e classes sociais para opinarem se preferem Raj e Duda ou Raj e Maya. Essas pesquisas de internet são muito duvidosas.

Eu tenho certeza absoluta que Raj e Duda ganha! Quer apostar?

Anônimo disse...

Quem devia implorar o perdão é Raj a Duda. Ele errou feio com ela, que sempre foi leal e sincera com ele. A certa da história é ela e o Brasil vai ficar mais decepcionado ainda se a Maya, depois de tantas mentiras, sair vencedora nessa história.

Pense nisso! Televisão é muito mais que química e cenas românticas. O mais importante é justiça e o justo é Duda ficar com Raj!

Anônimo disse...

glorinha, era tao bonitinho ver a duda e o raj juntos... por favorrrr faça eles voltarem.
maya pode ficar com bahuan, combinam mais.

Viviane disse...

Glória lhe desejo sinceras melhoras mas meu objetivo agora é outro, preciso muito de sua ajuda, estou ameaçada de morte pelo meu ex marido e não consigo proteção nem Boletins de ocorrência favoráveis devido a conivencia masculina e das autoridades diante da influencia do meu ex, tenho apenas 35 anos e 4 filhas, por favor fale comigo através do email vivianebfagundes@hotmail.com
Por favor, fale comigo... SOCORRO! Não sei mais q quem recorrer, todos teem sido omissos e dizem não ter o que fazer. Me ajude.

a CONFA DA BERE.. disse...

O Indra vai casar com a filha do Opash?
Mas ele mora no Brasil e pelo jeito sua mãe estabelecida com costumes brasileiros vendendo cerveja e etc e tal
A moça casa e vem morar no Brasil
Mas que estranho...
Gloria, Glorinha....acho que a praga das mães pegou.
E a prof Berê que ninguém contou para ela que aluno só passa sem saber nada em escola pública, que alunos dela não são alunos de escola pública
Se foi, foi só o Maico, o resto sabe sim ler e escrever.
Mas que confusãO HEIN?

a CONFA DA BERE.. disse...

O Indra vai casar com a filha do Opash?
Mas ele mora no Brasil e pelo jeito sua mãe estabelecida com costumes brasileiros vendendo cerveja e etc e tal
A moça casa e vem morar no Brasil
Mas que estranho...
Gloria, Glorinha....acho que a praga das mães pegou.
E a prof Berê que ninguém contou para ela que aluno só passa sem saber nada em escola pública, que alunos dela não são alunos de escola pública
Se foi, foi só o Maico, o resto sabe sim ler e escrever.
Mas que confusãO HEIN?

♡Angel Sapeca♡ disse...

Olá Glória
fico feliz por estar bem !
Eu estava a ler um comentário aqui no seu blog q por sinal anõnimo criticando o ator Daniel Marques (Marcelo) dizendo que pareciamos mãe querendo promove- lo!
Acho q toda opnião é válida,mas com certeza não sou a mãe dele e sim uma fã do seu trabalho maravilhoso que adoro !
E tem mais como toda opnião é válida aqui está a minha: QUERO MUITO QUE O ATOR DANIEL MARQUES FIQUE ATÈ O FINAL DA NOVELA !!!!POIS ELE TEM MUITO TALENTO E COM CERTEZA VC JÀ PERCEBEU ISSO< E POR ISSO O COLOCOU NA NVELA POIS PARA TER UM PAPEL DADO POR VC SÒ TALENTOSOS CONSEGUEM !!!
Desculpe por alguma coisa mas acho horrivel que ele ou ela veio até aqui criticar e nem se quer a cara mostrou simplesmente anônimo!?!
Pois eu sou a Rennatha sua fã e fã do Daniel Marques pois reconheço o talento e a garra de vocês!
MIL BJUS

Alessandra disse...

GLORIAAAA

sei que é difícil pra você decidir entre Maya e Raj, Maya e Bahuan, Raj e Duda e Raj e Maya ..


mas sua novela me encantou com o amor de MAYA E BAHUAN, por favor devolve para os telespectadores o amor que um sentia pelo outro, a jovialidade e alegria de viver da Maya, os encontros escondidos, tudo o que mostrava antes dela casar com o Raj (sinceramente, não enguli os dois juntos).

MAYA E BAHUAN sempre, o casal mais lindo de todos !!! :D

deixe aparecer muitas cenas deles com a musica MAIN VARI VARI, era lindo e dá mt saudade, bjs e parabens pelo sucesso da novela e boa recuperação pra vc !

Anônimo disse...

o anonimo de cima disse que se o raj voltar para a duda, so volta a ver quando ele voltar para a maya.. eu tabem vou fazer isso. Naada contra a duda ( apesar de nunca ter gostado dela ) mas eu sou portuguesa, e devo confessar que nao vi a novela de inicio, simplesmente porque, nao achei com cabimento o romance entre maya e bahuan. Alem de não haver quimica, seria mais uma novela como as outras. Há muito que eu esperava uma novela que desse uma volta como esta deu. Desde á dois anos que não vejo telenovelas, mas é o romance entre o raj e a maya que me ta a fazer amando a sua. Voce tem que mostrar que o amor pode nascer sim e que não é por ser casada por obrigação que não se pode amar o companheiro. Era bom que voce coloca-se bahuan com a duda :D
Eu tenho dito aos meus amigos " eu adoro esta telenovel, mas se conseguisse ler os pensamentos da gloria perez, eu decidia se via ate ao final ou nao." porque eu tenho medo de ver e depois a maya e o raj nao ficarem juntos. Para mim acabaria a magia da novela.Muita gente fala das cenas entre a duda e o raj.. deve ser por estarem tao viciadas nesse casal ou porque vao contra a ideia de casamento arranjado, que não veem as cenas entre o raj e a maya, que superam as cenas do raj com a duda. Eu acho que o raj com a maya mudou muito, principalmente sua maneira de ser.

Gloria, quero te far os parabens por esta novela, e vou rezar para que deixes o raj e a maya juntos, pois seria sem duvida uma novela diferente!
e foi uma boa ideia, teres trazido a india para essa novela... achei perfeito!
tu tens uma imaginação que dá com as pessoas em doida !

beijos e tudo de bom para ti

Anônimo disse...

Cara Gloria, desejo que sua saúde seja prontamente reestabelecida. Parabéns pela novela.
Agora, como noveleira, vai minha sugestão....Maya deverá vender a jóias para se capitalizar e sair numa noite, depois de uma conversa verdadeira com Raj, onde contará tudo, enfatizando o desprezo e o preconceito sofrido e, o amor que estará sentindo por ele. Essa conversa deverá levar os telespectadores a reflexões sobre esse problema tão comum nas mulheres do mundo inteiro (em geral, com conivência e julgamento das próprias mulheres). Ela deverá ir para outra cidade ou país (Inglaterra, p.ex.). Lutará e properará. Um dia, como executiva, será mandada ao Brasil para tratar de negócios com os machos Raj e Bahum. Será uma vitória dela, como mulher, frente ao desprezo e o preconceito. Ah! pra dar um charme novelístico, antes de sair ela e Raj terão uma bela noite de amor, quando engravidará. Bahum foi canalha egoista: confuso. Raj, embora nobre, preconceituoso e confuso: segue princípios de casta além do ego masculino. Deverá refletir ao ouvir as sábias argumentações de seu avô Shankar.. (o que Bahun nao fez) e de sua avó, num ato de dignidade tardia! Acho que merece Maya. E aquela Duda? Bobinha, fraca de personalidade para um homem como Raj. Pelo amor de Deus!
Agora, o núcleo da psiquiatria, está fantástico.
Parabéns!

Camila disse...

Ola! Adorei a cena de ontem que Raj deu um colar para Maya. Foi muito romantico e emocionante apesar da Maya ficar se torturando por não contar a verdade. Por favor não os separe. E arrume um amor para Duda e Bahuan pois eles etão cansativos com suas obsessões pelos seus antigos pares. Duda parece que não ama Raj, ela só quer reconquista-lo porque está com o orgulho traído de ter sido trocada por Maya. parabés pela novela. Sucesso.

Taxi 69 disse...

Muito legal essa participação, assim quem sabe colocamos um pouco de "informação" na cabeça dos pitboy.
Mas acredito que essa parte da trama esta um pouco meio que "surreal"... Mas mesmo assim a admiração fica!!!
Felicidades....

Mônica Maria disse...

Gloria! eu me descubro uma noveleira,em 2009, o contexto que envolve romance em novela das seis, o surreal e comico contido em novela das sete, e o drama real/atual que voce esclarece com a novela das oito! parabens! adoro aprender e com a sua novela estou a aprender muito quanto aos transtornos e psicoses, tem um transtorno - TNP:transtorno narcisico de personalidade - pouco conhecido e ha vitimados, pouco consegui saber sobre, seria possivel uma abordagem esclarecedora na fala de dr.Castanho? PAZ e VERDADE faz a VIDA, com SAUDE e ALEGRIA!
FELICIDADES!
Mônica Maria!
ps.filosmonica@hotmail.com

Nádja disse...

Glória,pelo amor de Deus não aguento mais ver as cenas de amor de Maya e Raj!Adorava ver ela e o Bahuan juntos..o Márcio Garcia era para ser o protagonista da novela,mas quem está sendo é o Raj?!(o Márcio mal aparece)Dizem por aí que ele anda insatisfeito cm os rumos que a novela está tomando e com razão..o Rodrigo Lombardi que está com a bola toda!até gosto dele,mas torço para que tenha um final feliz com a Duda..tudo que essa mulher ja sofreu,o minimo que merece é ser feliz com seu "GRANDE E VERDADEIRO AMOR"..

Bruna Emanuella disse...

Querida Glória,sempre acompanho seus trabalhos na tv,e sou uma admiradora sua..mas ultimamente tenho andado meio frustada em relação a novela Caminho das Indias..amava ver no inicio da novela Maya e Bahuan e Raj e Duda..a graça da novela era essa..por mais que a Maya tenho se decepcionado com algumas atitudes do Bahuan,não justifica ela ter deixado de ama-lo tão rápido..nem sequer pensa mais nele..(que fique claro que ele nunca deixou de ama-la)e Raj então?nem se fala..cadê todo aquele amor que ele dizia sentir pela Duda?como se amar e deixar de amar fosse tão simples e fácil assim..não se constrói o amor da noite pro dia!e o amor verdadeiro onde fica?vc tem que mostrar que o AMOR vence todas as barreiras e preconceitos..e isso só será mostrado se a novela voltar ter a essencia do inicio..gostaria muito de assistir a novela com o mesmo entusiasmo de antes..no mais,a novela está otima!lhe parabenizo!

Juliana disse...

Poderosa Gloria!

Que bom que você está se recuperando,nós aqui estamos torcendo para isso,pois te adoramos!

Acho super bacana a sua iniciativa de convidar a Daniela Duque,gosto do núcleo do Zeca,acho importantíssimo essa abordagem que você está dando sobre os pit boys,que por besteiras ou por pura diversão agridem gratuitamente.

Todos os atores que fazem parte da turma do Zeca estão de parabéns, inclusive Duda Nagle,que tem se saído muito bem na pele do bad Boy Zeca. Não posso esquecer de falar do Antônio Calloni e a Ana Beatriz que estão sensacionais!

O Bruno gagliasso está demais,emocionante mesmo,só acho que a Tonia vai sofrer vendo o Tarso naquele estado, POR FAVOR não separe os dois! Torcemos para que o Dr Castanho e o Marcelo ajudem o Tarso a se cuidar,assim ele pode ficar tranqüilo com a Tonia.

Gloria querida,gostaríamos de ver mais explicações do Dr castanho e o Marcelo,é muito muito legal quando eles estão explicando as coisas para nós “telespectadores” acho importantíssimo isso,alem de ser super agradável a conversa entre os dois,parece que eles são amigos a anos,perfeita sintonia!

Gloria adoramos você,quando digo adoramos é porque temos uma turma aqui que adora a novela! Fazemos parte das comunidades no orkut,da sua comu,da comu do Daniel,do seu blog,e da comu da novela, enfim de tudo.

Temos um carinho imenso por ti!
Conte com a gente

Te adoro
Bjks
Juliana

Maíra e Cia disse...

Glória!!!!adoro você
e por isso quero te pedi
deixa o Raj voltar para Duda definitivamente
Eles tem tudo haver
Ela é a cara dele
como disseram ai emcima
Poxa.O brasil prefere os 2.
Maya e Raj sao muito sem graça
eles podem ficar juntos anos que nao terá amor entre eles
o que começa forçado ou errado nao termina bem.

Estou aqui lhe pedindo em meu nome e no nome de diversos fãs de Raj e Duda...
A Tania é maravilhosa e está arrasando...virei fã dela..
Quero eles juntos no final
para provar que o Amor deles
é maior do que culturas e preconceitos....
A duda é brasilheira sim
Mais uma grande brasilheira
ela representa boa parte de nós
Uma mulher direita
e tem seus valores
e é muito mais carismatica que Maya
Glória te implorooooooo
Deixa Raj com Dudaaaaa
Por favor........Beiijos

Nilsa Almeida disse...

Olá glória, hoje estou aqui para te convidar à fazer parte da comunidade no orkut do ator DANIEL MARQUES.

Este aqui é o link da comunidade:
http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=81374253

Esse convite também é para todos que vem aqui no seu blog comentar. Espero contar com sua ajuda Glória para a divulgação da comunidade.

Entrem e prestigiem!!

Obrigada desde já!

Que Deus te abençoe muito!!

Nilsa Almeida
nilsa.almeida@yahoo.com.br

Anônimo disse...

Glória PARABENS por mais um LINDO trabalho, vc eh sem duvidas a MELHOR da tv brasileira, suas novelas sempre nos prendem, não consigo perder um capítulo sequer, só saio de casa quando a novela acaba ! rsrs

mas uma coisa que quero te pedir, de coração eh que vc junte novamente MAYA com BAHUAN, me dá tanta saudades vê-los juntos, apaixonados, fazendo planos, principalmente agora que ela vai ter um filho dele :)

deixa Raj ser feliz com a Duda tbm, por favoooooooooor, rs

bjs e parabens

Maria disse...

Glória,
Existe uma cena em que Maya dança para Bahuan dentro de um palácio em Jaipur. Essa cena anda não foi ao ar. Será que vai?
Beijos

ilesor disse...

Oi Amada!!!como vc está ?tenho certeza que bem, pela aparência já no batente na frente do teclado. Já que todo mundo pede tb peço ,,, rs rs. Atchá!!!Se Bahuan não ficar com Maya me atiro no poço , morrerei no Ganges com uma pedra enorme amarrada no meu pescoço, rs ... Arêbaba Amada ,,, Torço muito por Bahuan e Maya , e sei que vc prepara dias melhores para o casal que tinha como marca a juventude, impetuosidade a paixão. Nos brinde sempre com flashs deles juntos. Namastê Amada torcendo sempre pelo seu sucesso e felicidade.

Anônimo disse...

Oi Glória
Parabéns pela novela.
Estou adorando!
Está perfeito o casal
Raj e Maya
um amor está crescendo
Espero que fiquem juntos
Parabéns
Beijos

Borboletinha disse...

Andreals, você colocou a mesma frase que coloquei na comunidade caminho das indias, você lembra que tópico escrevi??

Neto da Colaquinha, com orgulho disse...

Glória que tal se você mencionasse na novela a comunidade do Orkut
EU SOU PROFESSOR, especialmente no tópico Nomes engraçados de alunos.
Ali tem canalhice muito grande.
Tem um tal de professor Antonio que a aluna coitada, com vergonha do nome Escolástica, pediu ao professor muito gentilmente que a chamasse de Adriana, com medo da gozaçao.Os professores da escola de onde ela tinha vindo faziam isso direto.
Não é que o professor nem atendeu a aluna e fez a maior gozação, a aluna fazia de ria, mas era mais um esgar, uma careta, fiquei com´ódio do maldito.
Não é que o professor está lá na comunidade e contando essa história e se divertindo muito?
O que me incomoda é que Escolástica era o nome de minha avó, uma avó com açucar, uma pessoinha doce, e por ser de compleição miuda tinha o apelido de Colaquinha.
Faz aí justiça, e faz a professora Berê dar uma bronca naqueles professores.
Vai lá, e acessa a tal comunidade para ver se não é verdade.
Muita maldade, muita falta de respeito, eles zuam nomes até comuns...pelo prazer de tirar um barato das pessoas.
Uma coisa de doer na alma
Faz isso, Glória, já que mencionou o Urso, menciona essa comunidade e dá uma bronca naqueles 20.000 professores que eles estão merecendo

Anônimo disse...

Essa turma do zeca podia ser mais explorada, Glória! Acho que seria muito interessante envolver a menina da turma nas polêmicas que os meninos causam. Na vida real, cada vez mais, as meninas tem um papel decisivo nas atitudes, seja influenciando ou realizando ações intrigantes.
Leonardo Anjole

ANTONELLA E CIA disse...

GLÓRIA!!!!
A SUSAN ARRASOU
ASSIM COMO DUDA E RAJ
E POR ISSO
ESTOU AQUI EM NOME DE MILHOES DE PESSOAS QUE TE PEDEEEEEEE
TE IMPLORAAAAAAAAAAAA
JUNTA DUDA E RAJ PARA SEMPRE
JUNTA DUDA E RAJ PARA SEMPRE

O BRASIL É A FAVOR DO AMOR VERDADEIRO,DO AMOR QUE NASCE NATURALMENTE.....
E NAO DÁ FORÇAÇAO DE BARRA.
NEMHUM AMOR SE CONSTRÓI SE CASANDO
POR CAUSA DE CULTURA,COSTUMES E TUDO MAIS.
AMOR SIMPLISMENTE ACONTECE
E COM QUEM VOCÊ ESCOLHE OU O SEU CORAÇAO....
E NAO COM QUEM SUA FAMILIA ESCOLHE
RAJ E MAYA...É O PIOR CASAL QUE JA VI NA TV BRASILHEIRAAAAAAAAAA
SE FOR NITIDO QUE É UMA FORÇAÇAO DE BARRA.
O RAJ FAZ SUCESSO.
A MAYA NAOOOOOOOOO.
E DUDA FAZ SUCESSO.
A MAYA NAOOOOOOOOOO

PENSE NISSO............

ASS:MILHOES DE PESSOAS DECEPCIONADA COM O QUE VÊ NESSA NOVELA.

ANTONELLA E CIA disse...

estou aqui para pedi por Raj e Duda.
Junta esse casal lindo de novo e para sempre.
a novela nao tem a mesma graça do inicio sem Raj e Duda juntos
Glória,o que começa tem que terminar da mesma forma....
entre Raj e Maya nao há Amor
pois amor ele ja tema mor com a Duda..
Se Raj terminar com Maya
irá está decepcionando muita gente.
todos que conheço quer ele com Duda.
por favor faça isso por seus fãs.
Outra coisa.Nao gostei de saber que Bahuam virará mulherengo
Quer virar ele num vilao????
No inicio ele era muita coisa
e agora nao é nada???
Pq ele está aparecendo pouco????
Vi muitas criticas sobre a novela
muita gente nao está gostando dessa novela.
eu gostava mais no inicio...
A Audiencia da sua novela nao está boa eu ouvi dizer.
isso por conta do desgosto de vê Raj com a Maya....
Achei que caminho das indias seria um novelaooooo
e que podesse ficar pau a pau com A favorita que foi sucesso total
mais essa novela caiu muito no conceito.
sou sua fã e quero vê essa novela fazer o sucesso que O Clone fez.
e para isso terá que mudar muitas coisas....
Estou aqui em um desabafo.
como telespectadora,e sua fã

A audiencia de sua novela pode subir,só basta vc mudar algumas coisas,e a principal dela é junta o casal mais lindo de todos
Raj e Duda.
Amor de verdade...
nao aquela forçaçao de barra que é ele e Maya.
espero que pulblique meu comentario
pq dizem que você só pulblica comentarios a favor de Raj e Maya
Beiiijos....
estou decepcionadaaaa!!!!

Beijos para comunidade
Raj e Duda.

Beatriz disse...

Oi Glória, melhoras para você, viu?

Gostaria de deixar aqui meu depoimento sobre o casal Maya e Bahuan. O amor entre eles é verdadeiro e não pode terminar de uma hora pra outra. Fica estranho a Maya se apaixonar por um outro homem sendo que está grávida do Bahuan....fica meio forçado!! Entendo que pelo desespero ela venha a enganar o Raj sobre o filho, mas, a Duda é muito mais honesta. Demonstra ter valores e ter mais amor pelo Raj. Quem assistiu a novela desde o início, como eu, quer que o Raj fique com a Duda, com certeza! A química entre os personagens é algo que transborda à tela da TV. Sinceramente, ficava arrepiada. Depois que ficou esta tendencia do Raj passar a gostar da Maya, deixei de assistir à novela. Murchou minha motivação. SAbe quando vc se sente enganada. Me convenceram que o RAj amava a Duda para depois acabar tudo....que coisa mais esquisita. Isto tudo porque o público não gostou do Márcio com a Juliana. Pow!! O Bahuan e a Maya tem tudo a ver!!! A história deles é linda! O Rodrigo Lombardi não tem nada a ver com isso....parece que virou o salvador da pátria!! Deixa o Bahuan com a Maya e a Duda com o Raj, please....vai fazer mais sentido à história, ao andamento dos corações dos personagens...porque se os personagens forem representantes dos humanos, terão dificuldades de esquecer os antigos amores....é uma questão da natureza, ninguém tem botão de desliga e liga, tem? Bjs e parabéns parcial pela novela....só terá parabéns integral se o Bahuan ficar com a MAya e a Duda com o Raj....

Festival de maldades? disse...

Gloria, para que sequestrar o filho da Maya ?
Uma mãe e avó fazer uma atrocidade dessas em nome de costumes, bons costumes?
Nossa ìndia é um pais odioso mesmo.
Já que Dubai pode ter um laboratorio que não sabe quando uma mulher estão grávida, o filho dela podia passar por prematuro, o Opash mesmo, não nascer "prematuro" e colou , não colou, era só fazer todo mundo acreditar que o bebe nasceu forte
Nossa Glória, uma novela que deveria ser para distrair o povo de suas mazelas, vem com tanta crueldade, tanta mentira....
Sei não mas parece que essa novela já descambou....já perdeu a graça.
Volta aos objetivos principais que é de mostrar coisa bonita e um drama de leve, mas sofrimento assim e ainda na véspera do dia das mães....Deus....
Começo a achar também, que a praga das mães de alunos pegou em você
Onde anda sua inspiração para contar estórias bonitas e açucaradas, com um bom cunho moral e de utilidade pública?
Só maldade e mentira, para depois de meses vir um dia ou dois no fim da novela com a mocinha "vencendo"
Bora lá, mudar o rumo dessa prosa?
E a Ilana, dando duro para as filhas do primeiro casamento se refestelar na ìndia ????
Só faltava agora, a familia se apaixonar pela brasileira e deixar o Ravi casar com ela na maior...
Glória, amada, numa boa...se eu fosse vcê ia me benzer...

Maria Luiza disse...

Sou professora e me sinto na pele da Profa. Bere. Quantas vezes fiquei calada por causa da ignorância dos alunos. Perdem seu tempo, não querem estudar e tomam o lugar de outros
Bjos Maria Luiza

Beth/Lilás disse...

Querida Glória!
Folgo em saber que vc superou esta operação e sei bem como a tal tireóide incomoda. Trato-me há mais de 20 anos com Puran.
Com relação a esta turma do Zeca na novela, gostaria muito que você enfatizasse no final que pretende dar a eles, uma forma punitiva para que nossos governantes copiem e façam disso uma bandeira contra as irregularidades que presenciamos neste país.
Quem sabe trabalhos com a comunidade, limpeza de ruas ou qualquer outra coisa que mostre que a impunidade não pode ter espaço neste país como está tendo.
Não venho aqui pedir nada para mim, sou blogueira de carteirinha e tenho meu rol de amizades nesta área, portanto o que comentamos entre nós sobre seu trabalho é que é muito bom, bonito e não gostaríamos de ver o mal sobressaindo-se e vencendo no final.
Aproveite para dar bons recados a estes ques nos governam.
beijos e muita saúde.

Admar Branco disse...

o capítulo de hoje me fez lembrar esses versos do Gullar (a vida vale a pena, etc.) e do Fito (falando sobre os simbolismos associados ao parto, à liberdade, à música como força telúrica...):

http://www.admarbranco.com/musica17.htm

O Zeca é fichinha disse...

Professora Maria Luiza
O Zeca e ficção, mas os professores da comunidade EU SOU PROFESSOR.São de verdade.
Perto do que aqueles professores fazem com alunos, o Zeca vira um anjinho.
E lá os professores se identificam, confiando plenamente na impunidade.

Escola não é favor, é direito disse...

Maria Luiza?
que história é esta de alunos tomando o lugar de outro?
não é assim não
todo aluno tem o seu direito que deve ser respeitado.
todos pagam impostos
um não toma o lugar de outro
uma professora escrever um absurdo desses é de se lamentar muito...
o aluno que não se interessa paga imposto o que se interessa paga imposto, um não está usando o lugar de outro coisa nenhuma
vaga em escola e educação nao é um favor prestado, é um serviço que o aluno já pagou adiantado...
por causa dessa total falta de informação que temos que conviver com professores que se intitulam professora EU SOU PROFESSOR, e até criam comunidade no orkut para postar coisas incríveis...
Acho que a educação no Brasil tem muitos problemas, mas um deles é professores mal informados e mal formados...
agradeço a Gloria se divulgar o meu desabafo

katerine(Perú) disse...

HOLA GLORIA LINDA!!!!
TODO BIEN?... ESPERO QUE SI! =)
ADORO ESTE "BLOG"...NECESITO UN FAVOR,ME GUSTARIA MUCHO VER EN ESCENA A "TARSO" Y "MARCELO" JUNTOS, ELLOS QUE SON DOS GRANDES TALENTOS DEL BRASIL,NOSOTRAS LAS CHICAS EN ESPECIAL, QUEDAREMOS COMPLACIDAS Y MUY FELICES!=)
YO SOY UNA DE LAS MUCHAS "FANS" QUE TIENE "DANIEL MARQUES"...
EU GOSTO MUITO DE ELE!RSRSRS
MUCHAS GRACIAS POR TODO!
BESOS PARA TI GLORIA! MUACKKKK

Anônimo disse...

ALDA DE MANAUS,

QUERIDA GLORIA,EMBARQUEI TOTALMENTE EMCAMINHO DAS INDIAS,VIREI FA PRINCIPALMENTE DE RAJ E MAIA,ADOREI VE O AMOR NASCENDO ENTRE ELES,FICARIA MUITO FELIZ SE ELES FICASSEM JUNTOS...MIL BEIJOS EMUITA SAUDE.

Are baba... disse...

A cada novo capitulo é para despertar o ódio da gente pela Ìndia
A que ponto chegam?
Uma avò fazer aquela atrocidade com o neto e com a filha em nome de um casamento e para manter as aparências...
Que coisa medolha, e difícil de ver
Não vou ver o capitulo de hoje e dos próximos dias.
A gente assiste novela que é ficção para ver coisas bonitas, e conflitos de amor, encontros e desencontros da vida.
Não é para se envenenar com esse tipo de maldade.Temos Nardonis que chega na vida real...
Um pouquinho de maldade, até faz parte, mas assim tenha santa paciencia.
Gostei da novela a Favorita que ela mostrou bem que o ser humano é, nem tão bonzinho e nem anjinho
Cheio de imperfeição.
Um diabo e um anjo disputando o final feliz na novela já devia ser superado.....
Glória, primeiro veio o Zeca, e fez aquela confusão com a Ilana, na minha opinião ela é a mocinha do núcleo do Zeca.Ninguém trabalha naquela clínica de estética? A Chiara é baba da Duda, a Duda vivia atras do Raj e agora grávida
Ela rala e as filhas do Cesar vão passear na ìndia e o Cesar tem que amargar até cadeia, por causa da ex mulher...que coisa hein?
A Berê uma azeda....
Agora vem o Ravi que vai casar com aquela tontinha brasileira, tão boba quando a outra personagem, só mudou de novela, só falta falar errado.
Glória se eu fosse você ia me benzer rapidinho, sua novela está perdendo o rumo.
O pior são os amigos que o Andre osquestra para ficar postando aqui e aumentar o tempo dele na novela, ele deve estar mesmo a perigo
Alguem acredita mesmo que sao fãs???
Agora postam em espanhol. Isso eu chamo de CCC, Che Colar Colou...
Are Baba...

Cruzes !!! disse...

Não sei é estou muito sensivel, mas achei horrível a mãe da Maya sumir com o filho dela
Como pode ???
Isso sim é mente doentia
A Maya frouxa, aceitou....
Nossa eu fiquei em choque...
Acho que não vou mais assistir essa novela.
Assisto para me distrair com estorias de amor, com ilusão....
Que coisa sórdida....
Acho que nem na vida real tem tanta maldade, em nome de um preconceito...
Cruzes.
Tô fora...

Maria Antonieta disse...

OI Glória ,tudo bem?Já está totalmente recuperada da cirurgia?
Espero que sim!
Glória,Eu também estou na torcida pra que Raj e Duda fiquem juntos.A Maya teve chance de contar a verdade ao Raj,mas não teve coragem...Talvez ele a aceitasse, mesmo sabendo que o filho não era dele.Ele deixou bem claro que não perdoaria mentiras.No fundo...Ela,a Maya ainda ama o Bahuan,e Ele,o Raj a Duda.Eles vão provar que o Amor vence qualquer Tradição que um povo possa ter.Agora...doeu muito ver o filho sendo tirado dos braços dela...Que maldade!Espero que ela o recupere logo.E o Daniel(Dr. Marcelo).Tõ querendo vê-lo mais vezes...Ele não vai ajudar no tratamento do Tarso?Seria bem legal ele conquistar a confiança do Tarso.
Ai,Glória...começa desvendar alguma maldade da Ivone.Por favor!Tá de matar de raiva!!!
Por hoje ,é só!Um Grande Abraço,
Maria Antonieta

Odele Souza disse...

Esses encontros são importantes pois alguma conscientização hão de causar nos jovens.Mesmo que ocorra lentamente, a diminuiçãoda violência emqualquer nível será um grande gano para a sociedade. Eu assisti a visita da Daniela Duque à turma do Zeca, num discurso emocionado e emocionante.

Beijos pra você Gloria.

Rosa Maria disse...

Então, acho que seria importante que a professora Berê ( de mentirinha) mandasse um recado para os professores ( de verdade) lá do Orkut.
A comunidade EU SOU PROFESSOR.
Tem o tópico Nomes engraçados de alunos.
Alí professor zomba dos nomes de alunos, zomba de nomes típicos de nordestinos.Zomba de nordestinos e de todos os pais.
Um deles mostra como promove o bulliyng, incitando a classe a rir do aluno com nome diferente.
O último a postar foi muito cruel.
Aconteceu de fato, o professor se chama Leandro, e está lá com foto e tudo.
Ele zuou um aluno que se chama Carmile.
Ele falou o diabo para o aluno que respondia a chamada.
Ele chamava Carmile, e o aluno respondia "sim, senhor" então ele zuou o aluno e os seus pais de modo cruel até que o aluno chorou.
Esse fato aconteceu e o professor se achou o máximo e ainda divulga la na comunidade
Uma crueldade, uma falta de respeito, coisa que me deixa de queixo caido.
Se fala tanto em não violencia e se permite que uma comunidade com mais de 20.000 membros, tenha mais de 200 postando essas violencias contra aluno, essa crueldade assim e ainda divulgando
A Gloria que está dando espaço aos pais, devia chamar a atenção deles.
Ela deu a maior força para o blog do Urso, podia aproveitar e dar um puxão de orelhas nesses professores que desqualificam a ca tegoria
Querem respeito e não respeitam ninguem ? Cometem esses abusos na sala de aula e divulgam no Orkut como se fosse a coisa mais bonitinha do mundo?
Obrigada Gloria Perez, por permitir que a gente desabafe aqui...
Obrigada..
PS
meu filho infelizmente é aluno desse professor...

José Vasconcelos disse...

Concordo plenamente com a Rosa Maria.
Hora da prof. Berê puxar as orelhas daqueles duzentos e tantos professores que envergonham a profissao de professor.
Eu também vi o nome de uma pessoa muito querida ser esculachada lá.
Professor não tem esse direito.
Falam tanto em respeito e dão assim publicamente uma aula de falta de respeito, falta de LIMITES.
Falam tanto em LIMITES, e eles mesmo não conhecem os limites da boa educação do respeito e da decência ?
Hora da Gloria dar efetivamente sua contribuição.
Dar uma chamada nos professores da comunidade Eu Sou Professor...
Um abraço

Anônimo disse...

GLORIA , RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,RAJ S2 MAYA,BJS

Anônimo disse...

gloria, raj e maya felizes para sempre

Anônimo disse...

GLÓRIAAAAAAAAAAAAA


DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RA DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ

DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ

DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ

DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ

DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ

DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ

DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ

DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ


*** AMOR VERDADEIRO
*** **************************


DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ

DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ
DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ DUDA E RAJ

Andy Maquiavel disse...

Não sei se a dona do Blog é mesmo a Glória Perez, mas, se for, gostaria de te sugerir o uso das idéias fascinantes de Augusto Cury. Creio que você já deve ter lido alguma obra dele, mas só precisa ler Pais Brilhantes, Professores Fascinantes para receber idéias maravilhosas e usar na turma da professora Berê.
Estou juntando um material dele para usar em meu TCC, final do ano me formo em Ciências Sociais e sei que sempre podemos fazer mais para ajudar essa juventude corronpida e nossa sociedade alienada. Parabéns por seu trabalho e Obrigado se um dia ler meu comentário.
Sucesso!
Andy Maquiavel

marcy disse...

Glória, sua novela é simplesmente maravilhosa, mais Por Favor, eu te IMPLORO, poe um limite no ZECA e na sua TURMA. Acho ótimo vc mostrar realmente o que acontece, ou seja, o que esses pitboys, acho perfeito, mais só lhe imploro, faça o Zeca se dá mal, mostre que os pitboys tambem se dao mal Gloria, por favor...
Bem, eu sou uma crossdresser, e a noite eu gostava de ir na lapa, curtir com minhas amigas, pois lá é o único lugar hétero, onde nós gays, principalmente travestis, podemos ficar a vontade, por seu um local "eclético", mais, com a presença do personagem Zeca, principalmente apos ele atacar as travestis que infelizmente tem que "trabalhar" lá, eu não consegui voltar mais lá. Pois, logo após a cena exibida, fui na lapa e quase fui "esquartejada" pelos homofóbicos, que estão sentindo que eles podem fazer tudo, sem limites igual ao personagem. A minha sorte é que eu tinha dinheiro e entrei no primeiro taxi que passou, porque senao iria ser linxada. E isso nunca me aconteceu na lapa, frequento a lapa de crossdresser há 2 anos e nunca me aconteceu nada, pois eu sei respeitar o espaço dos outros. Até mesmo quando os homens me confundem com mulher, deixo isso bem claro para eles.
Gloria, uma sugestão. Porque vc nao coloca a realidade tambem referente do pitboy, pois a maioria deles tem "caso" com uma de nós, é claro que é tudo em segredo de estado, inclusive tem até alguns que nos ameaça a nao contar nada pra ninguem, mais nao sai da nossa cama.
Sei que isso deve ser difícil, pois o horario nobre da globo nao permite, mais é uma sugestao. Um castigo para o ZECA, que é o chefão da turma, se apaixonar perdidamente por uma TRAVESTI. Adoraria muito gloria contar para vc todas as minhas experiencias, e como as coisas funcionam de um jeito diferente, pois durante o dia eu trabalho, e nao preciso fazer prostituiçao, como a maioria. Meu orkut estou te passando e meu msn é marcyrj23@hotmail.com
Obrigada pelo desabafo, e outra coisa, a novela esta boa demais, inclusive, vou lá agora senao vou perder o capítulo de hj
bjs
marcy

Camilla disse...

Glória a Turma do Zeca é otima , alertam bem o problema que é muito frequente e pouco noticiado . Estou adorando a participação do Vinicius Vommaro , ele é muiiito lindo e tem a fisionomia de pitboy mesmo !

Beijos . sucesso

Patricia disse...

Glória Parabéns pela idéia abordada. Adora a Turma do Zeca,principalmente o Fabio Felipe que é um dos amigos do Zeca.Ele é Lindo demais, só acho ue ele bota mais fogo no Zeca,mas ele é demais!!!BJS Glória!!!!

Patricia disse...

Ontem e antes as cenas de tiros com armas de Panitbool foram sensacionais e a idéa é muito legal de ser mostrado. Os atores estão arrebentando,pois são cenas muito difíceis. Estou adorando o trabalho de voces e a agora parece que voces estão atrás da Suelen, pelo menos foi o que o Rodrigo falou ontem na casa do Zeca.Ele contou tudo pro Zeca e botou mó fogo. Amei!!! Estou amando essa galera.BJS!!!

Anônimo disse...

Amo o Fabio Felipe também.Ele faz o Rodrigo, que é um amigos do Zeca e o mais mal de todos,mas mesmo assim te amo.BEIJOS NO SEU CORAÇÃO!

Anônimo disse...

Oi Glória primeiramente gostaria de parabenizá-la pela novela...Gostaria de pedir que no final Raj fique com a Duda, estou vendo mtas pessoas torcendo ara que fique com Maya, mas na verdade me dá um ódio qdo vejo os dois juntos...Ela mentiu, ele tem que saber a verdade e ir atras da Duda, a verdade sobre o filho de Maya tem que ser esclarecida para a própria família de Raj sentir nas pele o erro que cometeram, afinal o legítimo neto está no Brasil, enqto criam com amor e carinho o filho do Dalid que a " adorável" Maya insisti em esconder que é de outro...Raj e Duda, senão a novela não será o que espero...Bjus

Anônimo disse...

O Zeca deveriA MORRER no final da novela !!assim seus pais iriam cair na real a forma errada que eles criam ele!! ser preso ou coisa parecida é pouco pra ele!!!!

rosi barbosa disse...

oi gloria primeiramente parabéns pela novela e queria dizer que o casal beca e julinha ta d+ eles deveriam aparecer mais na novela são shows d+ beijos tudo de bom pensa com carinho ta!:D

emerson rossi fotógrafo disse...

É muito bom ficar exposto que os jovens da turma do Zeca, que representa uma grande parcela dos jovens brasileiros em idade escolar, estão abrindo mão de um direito que tem de receber educação. Os pais que junto com os alunos e os professores, formam um tripé de apoio na educação, também, muitas vezes estão deixando esta tarefa que é deles aos professores. Estes sozinhos... não conseguirão. Vamos reagir e começar exigir de todos um pouco mais de vontade, começando pelos alunos, passando pela família, e quem sabe entusiasmar os educadores com isso! Parabéns Gloria Perez pelo assunto demonstrado desta forma.

Anônimo disse...

Entendo o motivo e a relevância da abordagem de um personagem como Zeca e gostaria que sua obra de ficção ele acabasse muito mal, preferencialmente morto de forma trágica e que todos os componentes da turma tivesse fim bastante doloroso , exatamente para servir de lição.

Gostei da forma que vc abordou o posicionamento da escola que muitas vezes fica impotente bem como os professores.

Parabéns por seu trabalho e espero que no final da trama tenhamos grandes mensagens edificadoras e realistas.

Abs

Gisele Leite