sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Cleyde - mãe guerreira!

CLEYDE será cremada amanhã no Memorial do Carmo (Caju)

Dias atrás foi a Vera Flores, agora a Cleyde. Jovem demais, de repente e, ao mesmo tempo, não tão de repente: Cleyde tinha pressão alta, e há cinco anos, desde que perdeu a Gabriela, se cuidava pouco. Viveu para conseguir que a filha tivesse justiça, e para que todos os outros pais e mães desse país, atingidos pela mesma violência que a atingiu, tivessem justiça também.

Poucos dias atrás nos falamos, e ela me dizia outra vez que precisava parar um pouco e cuidar da saúde. Mas cadê que conseguia? Nesse sentido, Cleyde é mais uma vítima das balas que atingiram a Gabriela.

Lembro quando nos conhecemos. Eu liguei para abraça-la quando aconteceu a tragédia, e ela me disse que só teria sentido viver se conseguisse transformar sua dor numa luta. Queria saber por onde se começava.
Aqui em casa promovi o encontro dela e do Santiago com o promotor (hoje desembargador) Muinos Pinero, e desse encontro nasceu o projeto de emenda popular(redigida por ele), que ela levou ao Congresso, acompanhada por um número imenso de pais de vítimas de todo o país. (primeira foto)

Cleyde lutou bravamente para conseguir essas assinaturas. Conseguiu! e doi o coração da gente ver que ela se foi sem ter visto o projeto se transformar em lei, como lhe garantia a constituição!

Ela fica, na inspiração da luta de outras mães por leis mais justas e por um país menos violento!

15 comentários:

Matheus Braga disse...

"Há momentos na vida em que se deveria calar...e deixar que o silêncio falasse ao coração..."
Que Deus possa ajudá-la no novo despertar, com certeza será suave. Descanse e seja feliz na eternidade junto com sua filhinha. Pode ter a certeza que vc não está voltando para a eternidade de mãos vazias. saudades...Matheus Braga/Tico e Priscila!!!!!!

Pedro disse...

LAMENTO DA MÃE ORFÃ

Cecília Meireles

Foge por dentro da noite
reaprende a ter pés e a caminhar,
descruza os dedos, dilata a narina à brisa dos ciprestes,
corre entre a luz e os mármores,
vem ver-me,
entra invisível nesta casa, e a tua boca
de novo à arquitetura das palavras
habitua,
e teus olhos à dimensão e aos costumes dos vivos!
Vem para perto, nem que já estejas desmanchando
em fermentos do chão, desfigurado e decomposto!
Não te envergonhes do teu cheiro subterrâneo,
dos vermes que não podes sacudir de tuas pálpebras,
da umidade que penteia teus finos, frios cabelos
cariciosos.
Vem como estás, metade gente, metade universo,
com dedos e raízes, ossos e vento, e as tuas veias
a caminho do oceano, inchadas, sentindo a inquietação das marés.
Não venhas para ficar, mas para levar-me, como outrora também te trouxe,
porque hoje és dono do caminho,
és meu guia, meu guarda, meu pai, meu filho, meu amor!
Conduze-me aonde quiseres, ao que conheces, - em teu braço
recebe-me, e caminhemos, forasteiros de mãos dadas,
arrastando pedaços de nossa vida em nossa morte,
aprendendo a linguagem desses lugares, procurando os senhores
e as suas leis,
mirando a paisagem que começa do outro lado de nossos cadáveres,
estudando outra vez nosso princípio, em nosso fim.

Pedro disse...

Tive um duplo pesar ao saber da morte da Cleyde. Primeiro, claro, por ela, uma pessoa que eu, apesar de conhecer só através da mídia, admirava muito. Foi muito comovente o assassinato da filha dela, e muito admirável a reação dela ao lutar por justiça e por mudanças na legislação, como você. O segundo pesar foi por eu sempre ter tido vontade de dizer o quanto eu a admirava e, por sempre ir adiando, nunca ter feito isso.
Mas, como já foi dito aqui, quero acreditar que, agora, ela já está com sua filha novamente nos braços, num lugar bem melhor do que o nosso. Exatamente como nesse poema belíssimo da Cecília Meireles, que, nesse momento cai como uma luva! Fica então aqui essa singela (e, infelizmente, tardia) homenagem:

edson disse...

Recebi essa noticia com muita tristeza,so quem acompanhou o caso Gabriela sabe o que essa mãe passou, recebeu apoio de pessoas maravilhosas como voce Gloria e ela apoiava quem perdera um parente da mesma forma que ela perdeu Gabriela,o Brasil perdeu uma grande Guerreira, la se foi a Vera e a Cleide, mães que lutaram por sues filhos depois de mortos, desde a morte da menina Cleide foi morrendo aos poucos, tanta gente boa deixando o mundo...Vai com Deus...Saudades de um Brasil que luta por justiça....

Lucas Alsil disse...

não sei se esse é um tópico apropriado pra se dizer isso, já que isso não tem a ver com a sua nova novela 'Caminhos da Índia', porém foi a única forma de dizer algo a você.
Glória, sei que quase todo o seu elenco já está escalado, porém, gostaria de ver um ator nele. Leonardo Miggiorin, faz tempo que não o vejo em alguma novela, e vi em algumas comunidades do orkut, que ele estaria na sua novela.
por isso, peço encarecidamente que pense na possibilidade de ve-lo em sua trama.
Sou seu fã, e não vejo a hora de estreiar a sua novela.

Ricardo Zanon disse...

A Cleyde foi uma guerreira e sempre será lembrada pela força e determinação, encorajando as outras pessoas a lutarem por um mundo melhor para se viver! Fiquei chocado!

Bjs

Lídio Maia disse...

Fico espantado ao saber da morte da senhora Cleyde Prado Maia. Só mesmo um ser "divino" como a mãe para lutar por justiça como ela e seu marido lutaram. Descanse e espero que tenhas reencontrado a sua filha amada.

Profª Sandra Bose disse...

Nao eh nem um pouco facil se viver na India, mas com certeza nao sinto falta alguma da violencia urbana que assola o Brasil.
Quando vi que o dia 18 de Outubro eh o Dia do Desarmamento Infantil, fiquei pasma. Se as criancas estao armadas o que dira os adultos!!!!!
Om shanti, shanti, shanti

Monica Loureiro disse...

Fiquei muito emocionada e triste em saber da morte da Cleyde...

Não há nada que eu possa dizer para calar a dor que estou sentindo agora, por ela e por todas as mães do mundo...

Márcio Antunes Silveira disse...

Muito triste esta perda

Mária SN disse...

Gloria,te admiro demais, pela sua força, sua luta e sua coragem de prosseguir com sua arte. Assim como a sua história, fiquei emocionada com a perda dessa mãe tão jovem, vítima da dor de perder a filha precocemente para a violência. Mando aqui um abraço imenso e que Deus te abençoe sempre!!!
Mária S.Neves

Entregrupos disse...

Pois é Glória, até agora a ida da Cleyde não foi absorvida por nós do grupo. Parece que só perdemos e mesmo quando progredimos é na direção contrária. Há que se ter fé e cuidar da saúde, e lutar sempre.

Um abraço,

Michel

Danilima disse...

Seu coração já havia ido, coração de mãe bate junto com o do filho.
Seu corpo resistia à duras penas.
Ela com certeza tentou não se entregar, mas a dor, o vazio e a alma não resistiram.
Sou mãe, e sei que amor por um filho, é maior do que podemos imaginar, falar e sentir. É imensurável, é profundo, é doido, é SIMPLESMENTE AMOR.

frida3421 disse...

Fiquei triste em saber da morte da Cleyde , acho que ela não conseguiu superar a dor da perda da filha é triste , não ha nada que se possa dizer ou fazer para amenizar a dor da perda de um filho.
Principalmente em circunstâncias violentas , mas ficou o exemplo de mãe que lutou por justiça por mudanças na legislação. Cabe a nós também fazermos o mesmo , não vamos esperar que aconteça na nossa família para descruzar-mos os braços . valeu!!cleyde
bjs!!! Renata Moraes

Amanda Ferreira disse...

Oi gente...Eu conheci de perto o que a tia Cleyde sofreu desde a paerda da Gabi...Por várias vezes eu fiz passeatas/motociatas com ela, certa vez ao ligar para ela numa tarde dessas daqui do escritório, ela estava tossindo muito e eu falei para que procurasse um médico, pq essa tosse dela ja havia uns dias....Ela me disse que não estava com tempo de cuidar dela...Que tinha que cuidar da memória da filha dela...Por várias vezes eu disse que ela tinha que lutar sim para que a filha dela não virasse uma estatística, mas não viver em função disso, afinal ela tinha a vida dela para cuidar e tinha que cuidar bem, para ver o projeto dela se concretizar...No entanto isso não ocorreu...Tomei um susto quando minha mãe me ligou e disse que ela havia falecido numa noite anterior...Chorei muito, fiquei muito nervosa, mas tivemso todos que nos conformar né??? Ao menos agora ela se encontrou com a filhinha dela...