quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Aos mestres, com carinho

Os professores andam sofrendo nas salas de aula, com a falta de limite dos alunos. Muitos chegam até a desistir da carreira.

Esses problemas serão vividos por Bere (Silvia Buarque) e, a partir de certo momento, pela Silvia (Deborah Block) também.

Estamos entrevistando muitos professores, e a Silvinha tem frequentado salas de aula, para sentir a barra de perto

Essa triste realidade vai ser mostrada em contraponto com a maneira respeitosa e reverente com que o indiano olha o mestre, o mais velho, aquele que tem algo a lhe ensinar.

187 comentários:

Marina disse...

Boa noite, Gloria, como vai? Sou colunista do JT e gostaria muito de falar com você. Enviei uma msg através do Orkut e peço a gentileza de me responder.
Obrigada,
Marina

Bruno disse...

Gloria, esse de fato é um tema muito interessante, todos já fomos alunos talvez eu saiba disso um pouco, afinal tenho apenas 19 anos e dois pais professores, meu pai professor universitário e minha mãe ex diretora e atual professora de uma escola da rede municipal e advogada!
Pelo o que eu via em sala e escutava e escuto em casa, a situação e relação professor-aluno não é mais como era antes!!!
Grande Beijo!
Mais uma vez parabéns pelo trabalho!
Bruno Cesar

Anônimo disse...

Ola Gloria Perez,aqui estou eu,Êidina Queiroz,uma acreana com muito orgulho.Da um clique em eidinaqueiroz@blogspot.com onde estou "falando sobre lupus"

Léxico disse...

Oi, Glória! Tudo bem? É bom saber que alguém vai tocar em um assunto tão mal-resolvido nos dias atuais. Sou professora e me orgulho disso. Alegro-me com a conquista do saber do aluno, com a vaga conquistada no vestibular e no mercado de trabalho,com cada "bom-dia" que recebo, pois amo o que faço. Já sofri violência verbal, dei a volta por cima e hoje acredito que o maior defeito de todos nós professores é aceitar passivamente imposições, principalmente as do governo. Muitos de nós comportamo-nos como "vaquinhas de presépio". Professores têm obrigação de dar o primeiro grito, de indagar, de questionar. Além disso, infelizmente, aquela que deveria auxiliar esta luta - a MÍDIA - constantemente focaliza a visão de um determinado partido político e escancara não o sofrimento do professor, mas os erros (cometidos por aqueles que muitas vezes sem vocação {amor}entram em uma sala de aula para buscar apenas o salário , este nem compensa falar, pois todos sabíamos desta realidade brasileira ao iniciar no magistério). A revista Veja é um exemplo exímio desta corja manipuladora.
Glória, cansei de gritar e ninguém ouvir. Cansei de lutar e sentir a batalha perdida. O maior erro educacional do Brasil é aprovar, no Estado de São Paulo, um aluno, mesmo sem o domínio total das habilidades, para cortar gastos. Algum político já pensou em diminuir o salário dele para beneficiar a educação no Brasil? Com base em tudo isso, acho que não deve ser difícil imaginar a desmotivação do aluno (Para que estudar se vai passar de série do mesmo jeito?)Termino relatando o que hoje ouvi de um aluno: "Gostaria que o Brasil pertencesse ao primeiro mundo". Fico feliz em saber que ainda há sonhos e eu vivo em função desta talvez "utopia".
Beijos

Anônimo disse...

Parabéns pela tua percepção. Essa novela está ficando ótima. Pena que a Globo vai estrear em janeiro, época de férias, e de horário de verão. O ideal seria estrear antes do natal ou após o carnaval.

denise rangel disse...

Ah, Glória, obrigada por abordar este tema em sua obra. É preciso mostrar o que acontece nas salas de aula. É muito cômodo culpar o professor pelos maus resultados. Boa sorte em seu trabalho.
beijo, menina

Nobre disse...

duas palavras: para béns!
bjos
nobre

ju disse...

Gloria,
Realmente a educacao brasileira tem muito o que melhorar e acho otimo fazer essa comparacao com a indiana.
Mas as vezes eu me pergunto quanto ao respeito aos mais velhos aqui na India pois muitas vezes vejo a palavra respeito ser confundida com submissao. Muitas vezes eles perdem a propria identidade porque tem que respeitar a opiniao do mais velho e esquecem que eles tem opiniao propria.

Cris Madame disse...

Não é fácil ser professora hoje em dia ! Ainda mais ganhando pouco assim: pouco respeito, pouco salário, pouco reconhecimento... O tema é pra lá de bom !!!!!

Beatriz Ferreira disse...

Glória, Bom dia!
Existe uma forma de contata-la? A respeito da produção musical de "Caminhos das Índias".
Deixo meu e-mail: beatriz_df@terra.com.br

Obrigada!

Miss TPM disse...

Muito bom gloria.
POr isso te admiro, pois estás sempre preocupada em passar uma mensagem nas suas novelas.

parabéns!!
abraco

Pat

Maeve Vida disse...

Olá Glória,
Gostamos de saber de sua preocupação com a situação do professor. Trabalhamos em um projeto de Educação para Paz que procura justamente apoiar o educador nessa jornada. Se quiser conhecer o nosso trabalho, acesse o site: www.educacaoparapaz.com.br. Um livro que lançamos pode interessar em sua novela: chama-se Gandhi, o Herói da Paz. Temos na versão em livro e audiobook, onde emos também canções de afirmações de paz para as crianças.

Paz,
Maeve Vida
Co-autora de Gandhi, o Herói da Paz

Rachel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
RENATEX FREAK disse...

Oi Glória, que bom que irá abordar esse tema em sua novela. O respeito pelo professor tem que começar em casa e não somente na escola. O problema que a escola é vista como a segunda casa do aluno, onde ele comete as mesmas situações com os seus familiares e que como não têm limites em casa, não deve ter também na escola. Já que obrigação de educação é em casa, com valores, principios,aquela educação de berço como diria as nossas vovózinhas.
Os pais, os não vêem a escola, como um local que irá socializá-lo para o "mundo", onde irá aprender não somente as disciplinas de matemática, ciências, artes, português, mas, sim a interagir com os outros, aceitar e compreender as diferenças de uma sociedade, seja de ordem social, cultural, religiosa e étnica. Aprender a dividir, pensar em coletividade, em respeitar regras, idéias, opiniões e entre outros. Quando o aluno não tem tudo isso em casa, dificilmente, saberá respeitar isso na escola. Um beijão pra ti, te adoro!!!!

Blogger do Pott disse...

Olá Glória Peres, tudo bem? Acredito eu, que esteja bastante ocupada, com este mais belo trabalho. Estou cada vez mais admirado com sua criatividade e inteligência ao escolher seu elenco, meu só tem feras. Primeiro, quem iria imaginar um casal formado entre Juliana Paes e Marcio Garcia? Quem imaginaria Tony Ramos e Lima durte juntos numa novela de sua autoria? Quem imaginaria Leticia Sabatella, sendo uma vilã ou malvada? Só a Glorinha mesmo. Estou assim um tanto ansioso e curioso demais, pra ver esta histria, não vejo a hora de toda esta obra maravilhosa estreiar na Globo. Um grande beijo e muito sucesso para você e pra todo este elenco maravilhoso quem vêm por aí.

Rebeca disse...

olá gloria. adoro suas novelas e estou esperando ansiosa para ver caminho da indias.sobre a antagonista de juliana paes nada melhor do que camila morgado.Está sumida da tv e deu um verdadeiro show em américa.Renove seu elenco gloria. Em guarulhos onde moro é so comentarios de sua novela a respeito de juliana paes e sua rival camila morgado. um beijo sou sua fã"!!!

vilemar disse...

OI SOU FÃ DE SUAS NOVELAS eXPLODE cORAÇÃO,clone, america ,barriga de aluguel...
por isso queria pedir que voce chamasse a Maitê Proença para uma participação em Caminhos da India?

Bruno disse...

Gloria estou com muita vontade de ler algum livro sobre a vida dos indianos...sobre as culturas,costumes...
Como no Clone espero que Caminho das índias seja um sucesso pois seu trabalho é brilhante.
Se puder me manda alguns nomes de livros indianos para que eu possa ler e conhecer a cultura desse povo maravilhoso.meu e-mail é nobruleal_06@hotmail.com
Muito obrigado pela atençao
Bruno

kissima disse...

QUE bom Glória Perez essa profissão é super mal tratada no Brasil e desvalorizada infelizmente ,gostei de saber que você irá retrata-la .

valeu.

rose disse...

Cara Glória:
É mister a abordagem que será realizada na próxima novela de sua autoria, sou professora de Física e fico feliz por tal assunto ser tratado por alguém tão íntegro e despida de alienação,a Sra. realiza um trabalho (além de entretenimento de excelente qualidade) de cunho social muito importante em nosso país.Coloco-me à disposição se por ventura quiser ouvir algum depoimento ou informações,trabalho em Minas Gerais,e saiba que aqui há um controle social no setor da Educação que a Sra. não faz idéia.Desde já grata pela atenção.Abraços.

Menezes disse...

Parabéns pelo Blog, Glória! E parabéns pela escolha dos temas da novela. Estamos ansiosos.

Abraço

Wanderley Rosendo disse...

Parabéns por ter se apercebido de um assunto tão importante na sociedade, a educação, e de um lado que se mostra hoje, fragilizado.
Espero que surta algum efeito, nas famílias,nos polílicos.
Parece que não nos atinamos que a sociedade evoluiu muito, as relações estão difíceis, liberalidades para com os jovens, que fazem o que querem sem sofrerem, qualquer punição.
Temos visto em noticiários diariamente casos escabrosos de violência contra professores, aonde isso irá chegar? Não devemos passar a mão na cabeça de nossos joves, suas atitudes devem sofrer consequências.
Sou professor de escola pública de SP (estado e municipio), e me causa espanto a política de incluir meia dúzia que não querem nada de estudo e prejudicar outros tantos que estão na escola para aprender, que respeitam os professores. É uma falácia.

Parabéns e + sucesso.

Abraço!

Anônimo disse...

Olá Gçória.

Fiquei muito feliz ao saber que uma novela abordaria a crueldade da qual o professor sofre nesse país, desrespeito é pouco. Já levantou algum dado sobre a quantidade, espantosa, de professores nos consultórios psiquiátricos? Sabe quanto ganha um professor depois de 30 anos de trabalho? Quantas horas esse professor precisa trabalhar em sala de aula, por semana, para receber os minguados reais? São 33 horas dentro das classes abarrotadas de alunos, falta de material e falta de estrutura das próprias escolas, sem funcionários de apoio, sem direito sequer a vale refeição. E ainda dizem por aí que o professor não tem vontade de se atualizar. Salário desse professor de ensino médio, com pós-graduação: R$ 1.500,00 com as gratificações incluídas e mais de 6anos de magistério.

Anônimo disse...

Olá, Glória, li na Folha de São Paulo que um dos temas abordados em sua próxima novela será à condição do professor em meio a tanto desrespeito em sala de aula, achei ótimo, pois tenho certeza de que este assunto retratado na novela vai gerar muitas discussões pelo país e assim quem sabe as famílias e o governo não comecem a repensar um pouco mais no ensino da escola brasileira. Porque o que temos visto dentro das escolas em que trabalhamos e nos noticiários de norte a sul é que o professor está entrincheirado, pois a violência que impera nos lares e nas ruas entrou na escola e o professor tem sido desacatado a todo instante, pois as famílias perderam autoridade sobre seus filhos, esses não admitem na escola que alguém os corrijam por alguma coisa, infelizemente pela libertinagem que corre solta. Onde vai parar tudo isso? Que sujeitos são esses que estão recebendo certificados por aí, porque formação não possuem, são analfabetos e não apenas funcionais, são analfabetos mesmo no sentido literal da palavra, passam pela escola e passam destruindo este espaço que é do saber e da formação. E as famílias, essas entregaram seus filhos para o mundo e não têm dado conta mais, mas se a escola corrige são as primeiras a ameaçá-la, muitas recorrem a advogados para respaldarem as atitudes perversas dos filhos. Que formação humana e acadêmica essas famílias estão dando a seus filhos, se corroboram com a deformação de personalidades deles. O professor precisa ser visto com respeito como no passado.
Parabéns, você vai fazer o maior sucesso e vai tocar a fundo nessa questão que está deixando os profissionais da educação e as famílias, que ainda dão formação para os seus filhos, preocupados com o estado de deteriorização da escola brasileira
Um abraço
Sucessos!

criptograma disse...

Boa Tarde Glória Perez... e com enorme prazer que escrevo nessa coluna.. finalmente nós professores teremos um canal junto a rede e opnião pública, as dificuldades, as humilhações, não apenas de nossos discentes, mas também das autorizades precisam ser mostradas para então possamos nos unir e mudar o rumo da educação do Brasil.

Andrea disse...

Olá Gloria. Adoro teu trabalho.
Não imaginas a felicidade que estou em saber que abordarás nossa luta diária. Sou professora há 14 anos e leciona em uma área carente da cidade de Itaquaquecetuba - SP e no centro da cidade de Poá - SP e apesar de serem realidades diferentes, o boicote aos professores é o mesmo, seja por alunos, pais, comunidade e governos.
Não somente pelos baixos salários, mas principalmente por toda a falta de estrutura que encontramos nas escolas e o tratamento que os governos dão a educação. São mais de 8 anos em que o aluno "passa" sem ter a necessidade de aprender. Hoje, com os péssimos resultados, os governos estão colocando diretores, coordenadores e professores na parede para tentar reverter o enorme caos em que a educação se encontra. Claro, e querem isso da noite para o dia.
Conheço muitos colegas que apanharam, tiveram braço quebrado, sofreram agressão verbal, assédio moral entre outras coisas. Eu mesma sofri com violência física, assédio moral e ultimamente, sofro com o desrespeito em ralação ao pagamento, que se encontra ha quase 2 anos errado e ninguem toma providências. Inclusive encontro-me com ações na justiça pra conseguir receber salários referentes a 2006.
Amo minha profissão. Infelizmente a mídia e o governo estão tentando (e infelizmente conseguindo) degradar nossa profissão.......
Temos que ter mais de um emprego e mesmo assim, somos chamados de vagabundos por muitos.
Bom...... Parabéns por mais esta iniciativa.
Possuo um blog em que faço relatos da vida de colegas e assuntos relacionados à educação.
http://deacortelazzi.blogspot.com/
Deus a abençoe.

Dediane disse...

Olá Glória! achei muito importante essa iniciativa de retratar a vida do professor na sala de aula,com certeza, a televisão e especificamente a novela tem uma funçao social e educativa, por ter uma capacidade de atingir um grande número de pessoas,pelo seu formato e características,desse modo sabendo da importância da novela,admiro a escolha de temas polêmicos como a questão do professor, como eu sou professora de rede pública de ensino,conheço bem a realidade,mas vale salientar que há violência do professor de diferentes maneiras e que não partem exclusivamente do aluno,partem também de um sistema educacional caótico onde as nossas autoridades políticas vêm sendo omissas ao professor, não proporcionando condições adequadas de ensino,o professor trabalha com salas superlotadas,por perceber salários baixos é obrigado a trabalhar em várias escolas,por isso não tem condições de organizar uma aula de qualidade de acordo com exigências dos novos tempos,além disso como nossos governantes estão preocupados com quantidade e não com qualidade,o aluno ironicamente é mais bem visto do que o professor,sendo protegido através de direitos que lhes são garantidos,enquanto o professor é visto pelo próprio governante ou mesmo diretor de forma negativa como autoritário ou mesmo omisso quando não usa de sua autoridade, é muito contraditória a fala desses administradores,portanto o professor muitas vezes vêm entrando
em choque com diretores por estes portegerem os alunos e abondanarem os professores para poderem continuar dirigindo essas escolas,desse modo percebe-se que existem vários personagens que vêm contribuindo com a violência contra o professor e este se encontra abandonado, estressado,doente,espero que sua novela permite uma maior sensibilidade da sociedade em favor do professor e obrigada por permitir este desabafo,parabéns!

Anônimo disse...

Olá Glória,
Realmente você irá aboradar um tema muito delicado. Herdamos e temos reforçado cada vez mais as mazelas da sociedade em que vivemos. Uma delas é buscar culpados sem nos darmos conta que todos fazemos nossa história coletivamente. Por isso a educação, escola e professores são tão pouco valorizados em nossa sociedade. Nossa história é feita pela atitude de uns, que com menos responsabilidade dos motivos e conseqüências, são mais abusados em seus comportamento em detrimento aos demais (leia-se lucro, dindim, dinheiro). Outros mais complacentes, permissívos, dóceis e domesticados, infelizmente, acabam não entendendo essa lógica da era do "manda quem pode obedece quem tem juízo". Nós professores geralmente acabamos fazendo parte dessa grande maioria fragmentada: os oprimidos pelo sistema. No livro lançado a pouco há uma denuncia sobre o percentual de psicopatas que estão ao nosso lado. Verdadeiramente acredito que a grande maioria está ali nos altos "postos de comando" ou nos "QG" da política brasileira.
Portanto, muitos continuam fazendo a história reforçando tudo que aí está. Uns permitindo, inclusive, por meio de leis essa corrupção, essa impunidade, esse acúmulo de poder (seja em forma de dinheiro, status, violência, por exemplo). Outros tanto "acreditando" que que tudo pode mudar. Sabe não é uma questão de crença... é uma questão de se "fazer" acontecer. Desculpe se me delonguei muito. Parabéns, mais uma vez, pela sua iniciativa.
Denise

Anônimo disse...

Olá Glória, sou professora de Biologia, no RS, estou muito feliz com a questão a ser abordada na próxima novela. A cada dia que passa está mais difícil lidar com as crianças e adolescentes, os valores se perderam, em cada sala temos uns 4 ou 5 alunos que destroem o nosso trabalho e prejudicam tantos outros inocentes, que não tem outra alternativa de escola. As famílias se omitem, só comparecem na escola os pais de alunos bons. Acho que deveria haver leis mais rígidas para punir aqueles que prejudicam tantas pessoas. Temos em média 16 turmas, abarrotadas de alunos; atrevidos, mal-educados, desinteressados, apáticos, um caos!! Tenho colegas que estão afastados, com depressão.
Obrigada por lembrar da nossa classe! espero que esta novela faça os pais refletirem, que educação, respeito são valores que se aprende em casa, com nossas famílias, nossos pais.
Obrigada
Alice

cleide disse...

Bom dia Gloria.....parabéns pelo seu trabalho, sempre muito bem colocado e de um nível altíssimo.Fiquei muito feliz em saber que um dos temas da sua próxima novela será a educação, pois sou professora de artes e sofro demais dentro da sala de aula. Tenho que trabalhar com tesoura, cola, materiais diferenciados, e a falta de respeito dos alunos é inacreditável, me sinto uma babá, tendo que ficar atenta para não cortarem o cabelo uns dos outros. Por maldade querem passar cola nos acentos ou mesmo nos cabelos, enfim quando termina a aula, parece que passou um furacão na sala e o pior que muitas vezes o trabalho fica em segundo plano, e isso frusta demais, pois passo os finais de semana preparando as aulas e o resultado não é o esperado.
A falha é que o aluno nunca é punido, ele sempre faz o que quer e não sofre as consequências, é muito comum escutar: "Pode fazer o que você quizer, no final eu passo de ano mesmo!".
Tem dia que acordo e só de pensar que tenho que dar 8 aulas começo a chorar. Isso é triste. Sinto muitíssimo pelos alunos bons... Mas quem sabe agora, sendo tratado em horário nobre, as pessoas percebam que esses alunos tem muitos direitos e poucos deveres.
Muito obrigada...tenho certeza que Caminhos da Índia será outro grande sucesso. Um grande abraço,

Cleide

Andréa Almeida disse...

Oi, sou estudante de pedagogia e fico feliz, que finalmente esta realidade será exposta na TV!! Parabéns...

Dea Cortelazzi disse...

Gloria........ Estou escrevendo novamente, pois ao contar aos meus colegas esta novidades, todos reagiram com festa e pediram pra lhe dizer que estão muito agradecidos. Obrigada.
Prof Andrea Itaquaquecetuba - SP

erica disse...

Maravilha abordar esse tema!

Sou do interior de São Paulo e a violência nas escolas a tempos se instalou por aqui.
Alunos ameaçando professor com faca na porta da escola, alunos que amolecem a cadeira do professor para que ele caia, existem aqueles que passam cola na cadeira e o professr precisa ser levado para o hospital, escolas destruidas por dentro e por fora, falta de respeito verbal para com os professores, ameaças, carros roubados e destruídos dentro da escola! Tudo isso já vi na minha região!
Parabéns pelo respaldo!

Anônimo disse...

Glória, sou professora, mas o que vemos hj nas sals de aula, é muita falta de respeito não só dos alunos como tb das autoridades... escolas que não subsidiam estruturalmente a educação, sem profissionais que possam nos ajudar nesta batalha...
é comum ouvirmos de pais:" faça o que quiser que eu não posso mais com este(a) menino(a)!" Imagine se os próprios pais não podem, e nós como vamos poder, depois da LDB 1996/96.
O aluno hj tem direito a tudo e o professor a nada.
é o cúmulo termos alunos drogados dentro de sala e ser nossa a responsabilidade de livrarmos dos seus deliriuns, pois a família muitas vezes não tem a minha responsabilidade e eles fazem e acontece dentro da sala... da escola...
Tenho saudades do tempo em que Professor(a) era um persongam na nossa vida que tínhamos respeito, admiração e seus ensinamentos eram seguidos, pois sabíamos que seria para o nosso bem...
Um abraço carinhoso

MBS English Teaching disse...

Sou professor de inglês também em uma rede particular. Realmente isso tem acontecido comigo! Este é meu ultimo ano como professor de primeiro e segundo seguimentos. As leis aqui são a favor do errado. É incrível isso!! Não se pode nem mais corrigir um exercício de caneta vermelha e nem pronunciar a palavra "castigo". Onde é que vamos parar?

Anônimo disse...

Seria importante que a Sílvia conhecesse mesmo a escola por dentro
Mas visse com olhos de ver
Veria que a violência está longe de ser a violencia de aluno contra professor.
Seria interessante que conhecesse as pessoas que lutam em favor dos esquecidos
Olhando lá o ´tópico acima dá para se ter uma idéia.
entre elas
-
QUANTO VALE A VIDA DE UM ALUNO DE ESCOLA PÚBLICA?

Quando a imprensa não ignora completamente os casos de violência contra aluno ela divulga só uma notinha.
Muitas vezes este ano foi divulgado casos de omissão de socorro, de modo ligeiro e casual.Casos graves e leves de acidentes mas muitos casos.Omissão e descaso.Sem contar a agressão, os espancamentos e as humilhãções a que o aluno é submetido constantemente.
Nos graves incidentes da escola estadual Amadeu Amaral em SPaulo, a sanha de transformar os alunos em monstros, chegaram ao absurdo de forjar os flagrantes. As imagens não eram da escola e as que eram eram de uma outra ocasião nem se sabe em que situação.Uma delas crianças pequenas no teto derrubando telhas para baixo, nessa fica óbvio que não era da ocasião nem da escola.
Ontem a Record mostra uma mãe cujo filho de 15 anos morreu no banheiro da Escola Amadeu Amaral com sinais de enforcamento.A escola não foi responsabilizada e os culpados não foram encontrados.O caso foi arquivado.
Quero saber quando deve valer a vida desse aluno, e de outros que morrem nas escolas ou por omissão delas.
A imprensa vai para o outro lado para colocar a opinião pública contra aluno.Divulga sem cessar que o quebra quebra vai custar aos cofres públicos cento e oitente mil reais.Sempre mostrando indignação e lembrando que esse dinheiro vai sair do bolso do contribuinte.Ou seja do bolso do telespectador.
Queria saber quanto vale para o aluno os anos que ele passa na escola e sai analfabeto.Quanto vale anos da vida dele ?
Quando vale a vida de um aluno que morre dentro da escola?
Será que a mãe das vitimas podem responder ?
Da imprensa não esperem resposta além do costumeiro descaso
Afinal é apenas um aluno de escola pública...

Anônimo disse...

16 Novembro 2008
Estamos de luto



por vermos a PM espancando alunos dentro de uma escola. Preocupada apenas com o valor venal do edifício, a sociedade aceita que o prédio, supostamente espaço do saber, seja um antro de lassidão e descaso, onde tudo é possível;
por vermos esses mesmos alunos, nossos filhos, abandonados dentro de salas de aula sem professor, recebendo a famigerada AULA VAGA, modalidade de ensino em que o Brasil é campeão mundial;
por uma escola que virou depósito de crianças e adolescentes, não por parte dos pais, que gostariam de ver seus filhos aprendendo, mas de autoridades que largam esses alunos sem ocupação em salas de aula e pátios onde podem brigar, se machucar e ainda apanhar da PM;
por percebermos que as verbas da educação, em vez de servir para instruir e orientar os alunos no caminho da responsabilidade e da honestidade, são utilizadas para alimentar cabides de emprego que produzem escolas como a depredada, cuja nota do IDESP no Ensino Médio é 0,92;
por escolas de período integral onde tudo o que o aluno recebe é o dobro de AULAS VAGAS e descaso;
pelas atitudes e declarações da SEE, que mais uma vez limitou-se a ignorar a lei e a responsabilizar os alunos pelo fracasso da escola, determinando a instauração de mais um tribunal ilegal em que crianças e adolescentes serão, quando não expulsos da escola, pressionados a se tornarem caguetas de seus colegas e a mentirem sobre a violência da PM;
pela covardia de supostos "educadores" que presenciaram cenas absurdas de violência contra seus alunos e lavaram as mãos, furtando-se ao dever de denunciar as agressões ao Ministério Público e orientar os pais para fazerem exame de corpo de delito;
pela leviandade da Globo, que forjou flagrantes para demonizar os alunos e aceitou declarações como a da direção da escola, que “não viu” nenhum PM machucar crianças e adolescentes barbaramente agredidos;
por uma sociedade que encara o vandalismo da classe “docente” em suas manifestações públicas como mero protesto, enquanto coloca mordaça nos alunos e seus pais, que devem engolir a seco uma escola relapsa, incompetente e corrupta.
A rede pública estadual de São Paulo vive um imenso faroeste, onde a Lei e a própria Constituição servem apenas de papel de embrulho.

Leia a íntegra da nota da Secretaria da Educação, publicada em O Globo:

"Sobre a depredação da escola Amadeu Amaral, a Secretaria de Estado da Educação esclarece que pela manhã de hoje (12 de novembro) foi iniciado tumulto após discussão entre duas alunas. Colegas delas se envolveram na discussão e iniciaram a depredação da unidade.
Professores tentaram conter a confusão e decidiram acionar a policia, que chegou ao local e conteve os alunos. A direção da escola informou à Secretaria que os professores não foram acuados pelos alunos. A direção irá identificar os alunos que participaram da depredação e acionará o Conselho de Escola, que reúne pais e educadores, indicando a expulsão e transferência dos envolvidos. Cabe ao Conselho decidir a punição.
Uma equipe da Secretaria irá averiguar os danos causados pelos alunos. Um aluno se feriu levemente, com corte na mão. A direção da escola decidiu suspender as aulas para que os danos sejam avaliados.
A Secretaria lamenta qualquer agressão contra alunos e professores. A direção da escola tomou a atitude correta de acionar a polícia para conter os alunos envolvidos no caso"

Leia agora trechos da matéria publicada pelo CMI, Centro de Mídia Independente, com base em informações da Folha de São Paulo http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2008/11/433457.shtml

Rebelião da Escola Amadeu Amaral: A violencia policial que a mídia escondeu.

"A adolescente T., da 7 serie, de 13 anos, saiu correndo para socorrer a irmã caçula, da 5 serie, de 10 anos, que estava desmaiada. Sentiu o ardor de uma forte cacetada nas costas, desferida por uma policial militar. T. correu, assim mesmo, rumo à classe da irmã. Tomou mais duas borrachadas. No caminho, viu crianças vomitando de medo."

O confronto começou às 9h20 desta quarta-feira (12), quando, sem motivo claro, 30 alunos começaram a destruir a escola. ''Meninos embrulhavam os pulsos em camisetas para estourar os vidros com socos. Cadeiras foram arremessadas do 2º andar, depois de arrebentar as janelas'', contou uma aluna da 7ª série.

O quadro agravou-se porque, dez minutos depois de iniciada a depredação, duas adolescentes, uma de 15 anos e outra de 18 anos, começaram uma briga violenta de unhadas e puxões de cabelos. A rivalidade entre as duas existe desde o início do ano e piorou quando uma acusou a outra de ''prostituta''. Enquanto a destruição se propagava por todo o prédio, os professores, com medo, trancaram-se em uma sala de aula. Não foi a primeira vez que a Amadeu Amaral viu-se às voltas com cenas de violência. Anteontem mesmo, por causa de uma excursão a um museu, quando só uma parte dos alunos foi autorizada a participar do passeio, os excluídos abordaram a vice-diretora, Denise Mayumi Cavali, na hora da saída. Um aluno de 15 anos empurrou a professora contra o portão e xingou-a. Ela teve que pular um muro para fugir.

Fundada em 1909 no largo do Belém, bem em frente à igreja, a escola ocupa um prédio amplo, tombado pelo patrimônio histórico, mas que hoje é usado por apenas 277 alunos, atendidos por 63 professores. É uma das 500 escolas em que a Secretaria de Estado da Educação implantou o regime de turno integral. Alunos entram às 7h e saem às 16h.

''Isso aqui é um fracasso como escola'', diz Neide Catarina Nascimento, 46, cozinheira e mãe de um aluno de 16 anos da 7ª série que ''nunca passa de ano mesmo''. ''Todo mundo tenta transferir os filhos para outra escola, já que nesta ninguém aprende nada.'' Pouco depois, o aluno W., de 14 anos, conta como foi expulso da escola, há três semanas. ''Eu joguei uma cadeira na coordenadora e já bati em vários professores'', diz. Como a dicção do menino é precária, pede-se que ele escreva o seu nome em um papel. Ele não consegue. ''Só sei copiar'', diz. ''Mas sou uma máquina copiadora.''

A evasão na esola é grande. Uma das salas de aula começou o ano com 37 alunos - hoje só tem oito. Na classe de A., 14 anos, 8ª série, a lista de presença cita 24 alunos. Doze ainda vão. Na classe de J. e U., as brigonas da 7ª série, 24 se matricularam. Hoje, oito assistem às aulas. Segundo a Secretaria da Educação, a evasão total neste ano foi de apenas 19 alunos.

Responsável pela operação da Polícia Militar na escola Amadeu Amaral, o capitão Alessandro Marcos de Oliveira disse ontem que os estudantes foram contidos no ''berro''. ''Com a criançada você dá dois ou três berros e eles sossegam um pouco. Se um mais exaltado vem para cima, você berra um pouquinho mais forte e ele pára'', disse o capitão. Mas a versão do capitão não condiz com a versão dos estudantes e professores. A Folha conversou com ao menos 35 alunos e todos afirmaram que a PM utilizou cassetetes para conter o tumulto dentro da escola.

''A PM tratou os alunos como se fosse uma rebelião da Febem'', diz Leandra Firmino, 34, mãe de quatro filhos, três deles alunos do Amadeu. ''Aqui eles não voltam, mesmo que percam o ano.''

Na porta da escola, após a confusão, os jovens mostravam os machucados. L., 15, exibia sangue no peito: ''Fiquei trancado em uma sala, me deram soco e golpe de cassetete. A PM falava que era ela que mandava na escola.'' A estudante T., de 13 anos, que cursa a 7ª série, conta como apanhou dos policiais. Ela estava escondida na sua sala de aula, no segundo andar do prédio da escola, quando colegas vieram avisá-la de que sua irmãzinha, F., de dez anos, da 5ª série, estava jogada no chão de sua classe, inconsciente. ''Desmaiou de medo'', T. explica. A adolescente saiu correndo para socorrer a caçula. Sentiu o ardor de uma forte cacetada nas costas, desferida por uma policial militar. T. correu, assim mesmo, rumo à classe da irmã. Tomou mais duas borrachadas. No caminho, viu crianças vomitando de medo. Viu também a diretora da escola, Maria Regina de Negreiros, subindo as escadas e gritando: ''Não fui eu, não fui eu'', em resposta às perguntas dos alunos sobre se havia sido ela que acionara a PM. Em seguida, a própria Regina desmaiou. Durou dez minutos a ocupação da escola pela PM.

TEXTO COPIADO DO BLOG
http://educaforum.blogspot.com

Anônimo disse...

-----AS PROFESSORAS TORTURADAS----

PROFESSORA *TORTURADA* POR ALUNOS???

Para uma professora que não gosta do que faz e que não tem o menor talento, dar aula é uma *tortura”, sim.

Ainda na linha de transformar aluno de escola pública em bandido sanguinário, a TV Globo atirou no que viu e matou o que não viu...
Acertou sem querer: PROFESSORA DIZ QUE FOI TORTURADA PELOS ALUNOS...
Para uma professora que não gosta do que faz e que não tem o menor talento, dar aula é uma *tortura”, sim.
Aluno que quer aprender faz perguntas para professora... professora que não sabe a resposta e não sabe explicar a matéria, então, acha que lidar com aluno é uma tortura mental e física.
Essa é a grande diferença entre ser uma professora e uma educadora:
Professora é uma profissão. Educadora uma vocação.
Uma professora que dá aula por vocação, dá aula com a maior facilidade.
Para uma professora que dá aula por obrigação, sem vocação, dar aula é um sofrimento enorme para ela.
Imagine um médico que detesta paciente, que detesta “doentes”...
Imagine um jornalista que não gosta ouvir as pessoas, que não gosta de es escrever.
Imagine um radialista que não gosta de falar para as pessoas...

Imagine um motorista que odeie dirigir e odeie os passageiros...
Impossível, mesmo, é imaginar qualquer um desses profissionais se dando bem, não é?
Mas, por outro lado, professora que não gosta de criança - e que detesta dar aula- se dá muito bem na escola pública! Basta passar no concurso ou ser apaniguada de algum político... Depois, sempre que ela se sente “torturada” pelos alunos, essa professorinha se vinga destes alunos, aí sim, torturando-s de modo efetivo e objetivo: agressões físicas e morais, castigos, suspensões e expulsões... a professorinha tortura seus alunos para descontar seu descontentamento e seu fracasso como educadora que não é.
Para a professora sem vocação, dar aula é uma “tortura”... essa professora passa, então, a torturar sem ser punida... Essa professora repassa o seu sofrimento na forma de castigos físicos e humilha os seus alunos constantemente.
Assim, estabelece-se um clima de ódio e ressentimento nesta escola... A escola, nessas condições, sem nenhuma avaliação e sempre acobertada vira um inferno... Um antro onde a minoria de bons educadores não podem cumprir minimamente sua função, por mais que queiram.
Em escola particular é diferente: Os alunos são iguais. A diferença é que professora sem vocação e sem capacidade não fica na escola particular.
Alunos de escola particular costumam receber o que aluno de escola pública não recebe.
Embora a escola pública seja uma escola que os pais pagam a vida toda, na forma de impostos, o aluno ali é tratado como estorvo.
A imprensa e as autoridades têm filhos na escola particular... estes pais têm medo da competição... e fazem das tripas o coração para demonizar aluno de escola pública.
Se aluno de escola pública tiver informação e uma escola de boa qualidade vai competir com os filhos dos figurões da imprensa e dos governantes.
Se aluno pobre tiver escola de boa qualidade não vai votar em político corrupto e nem aceitar escola corrupta.
A TV Globo mesmo já divulgou que quando mais ignorante o povo mais aceita a corrupção como normal...
Então, os políticos e a imprensa têm interesse em demonizar aluno de escola pública, que é para a informação não chegar até eles.
Então, desta vez, a tônica do SPTV de hoje acertou no detalhe:
MÁ PROFESSORA DE ESCOLA PÚBLICA SE SENTE *TORTURADA* QUANDO ALUNOS EXIGEM EDUCAÇÃO DE BOA QUALIDADE.

Anônimo disse...

o que a atriz precisa é ver a escola pública de periferia com olhos de ver
não sei onde ela está fazendo laboratório, mas o importante é que veja o outro lado
a escola pública já tem muitos inimigos
não precisamos de uma novela que demonize os alunos
professora está longe...muito longe de ser uma coitadinha....

Veruska disse...

Aluno agredido por professor em 2007 tornou-se bode expiatório dos problemas de indisciplina da escola em 2008. O assunto foi informado à SEE em maio 08 e deu origem a uma Apuração Preliminar que concluiu por responsabilizar o próprio aluno e a família denunciante. Outros pais de alunos se atreveram a também denunciar o autoritarismo da direção da escola, mas foram ameaçados e intimidados com o argumento de que a escola seria fechada devido às denúncias. Chegou-se ao cúmulo de a direção orquestrar a elaboração de um abaixo-assinado para defender sua própria atuação, colhendo – dentro da escola – assinaturas de professores, pais, alunos e pessoas da comunidade. Para perceber a veracidade desta informação, bastaria comparar o abaixo assinado a favor da direção da escola, pautado e bem escrito, com aqueles contra a direção, desalinhados e com erros de português. Essa atitude ilegal não foi investigada durante a Apuração Preliminar, como aliás as demais denúncias, sendo a conclusão da comissão um documento tendencioso e baseado em opiniões, em vez de fatos, o que contraria a lei 10.261/68.
Veruska Campos Nobre

Jussara disse...

Bem,não se sabe em qual escola a Debora e a Silvia vão fazer laboratorio.
São mulheres inteligentes assim como a Gloria Perez.
A Gloria a gente já sabe que é uma mulher especial
O Rio de Janeiro é um dos estados onde não se conhece grupos de pessoas preocupadas com o que aluno sofre.
Tem no Paraná( Veraz Vaz) em Minas Gerais( professora Gloria), Espirito Santo,(José Maduro e Iedyr Banbirra), em São Paulo temos a Giulia, a Cremilda, o Mauro a Caroline, o Manuel Tertuliano, a Vilma o Anderson e a Laura Costa.
Como se vê os alunos do Rio estão desamparados completamente.
O que acontece em Sampa, em Espirito Santo,no Paraná e em Minas Gerais é o que acontece no Brasil todo.
Existe a demonização do aluno e a santificação do professor.
Aluno tem toda a imprensa contra ela.
Tem o mito que professor é santo...
Einstein disse que é mais fácil detonar um átomo do que uma crença arraigada.
Esperamos que a realidade da escola pública seja vista de modo claro
Lógico que o dia que a atriz está na escola vai ser tudo muito certinho.
As professoras não vão faltar e vão fingir de santas e vitimas.
Se a atriz for desarmada ela vai ver que as vitimas são os alunos.
Dá para ver e saber, se a direção deixar .
Questinar os alunos,perguntar....
Pelo texto a gente fica muito preocupado com essa de dizer que professora é santa, a coitadinha....
No Rio parece que os alunos estao mesmo largados a propria sorte.

Anônimo disse...

Professor também é amado no Brasil
Ele só perdeu a noçao do limite por causa da impunidade absoluta.
A categoria mais amada pelo povo é o corpo de Bombeiros, a segunda é a dos professores.
O que ocorre é que professor nunca é punido e nem avaliado.
Professor só é punido e muito severa e injustamente, quando ele não concorda com a direção e os seus colegas que pisam na bola.
O que acontece é que os alunos de hoje não são como os de antigamente, Graças a Deus que a educação de antigamente era a educaçao pelo medo.O medo é mau conselheiro
É só olhar os velhinhos do poder, se educação do relho e do chicote tivesse dado certe, os cabelinhos brancos não aprontavam tanto
Faça o que eu mando e não façao que eu faço, não funciona para adoescentes.
Esperamos sinceramente que essa novela não venha com a velha estória esfarrapada que professora é sante e que nunca erra.
Que aluno de escola pública nao precisa é de mais gente para dizer que ele é marginal, que tudo que se faz por ele é perdidooo
Pedro

Rosana Alves disse...

Professor não trabalha em salas superlotadas.
Só no começo do ano
Dois meses depois já providenciam para os mais difíceis desistirem sob livre e expontanea pressão
Nem por isso a qualidade do ensino melhora
Nem com a classe quase vazia..

Anônimo disse...

As mestres. com carinho.
Aos alunos, com respeito.
Aos pais com dignidade e consideração e amor, o mesmo amor e a mesma dignidade que os professores pedem.

Anônimo disse...

Léxico
O problema da escola de São Paulo não é reprovar.
É não ensinar.
Para seu governo a nossa escola falida moral e fisicamente recebe verbas que daria para manter escolas a níveis de primeiro mundo
Se a verba não chega no aluno, a culpa não é dele...nem dos seus pais contribuintes.

Joana disse...

Querida Glória Perez
Na verdade a situação dos alunos da escola pública é geral.
Tratados como o problema da escola pública.
Temos educadores na escola pública, são poucos é verdade, mas ainda fazem a diferença
Em Minas Gerais, como em São Paulo, Espirito Santo e Parana alunos sofrem violencia de toda ordem.
Gostaria que conhecessem o blog da professora Gloria dos Reis.
Ela mora em Leopoldina e escreveu o livro Escola Instituição da Tortura.Um livro onde ela relata algumas situações comuns nas escolas públicas.Ela relata sobretudo experiências que ela viveu e denuncia com muita coragem
Uma educadora excepcional em defesa de direito de aluno.
Uma educadora diferenciada,uma heroina.
Ela sempre se rebela contra a categoria mimada, chorosa e fingida.Segundo o professor Mario Sergio Cortela, professor de escola pública é a elite ganciosa.
Choram de barriga cheia...choram para não perder as tetas.
Professor é a profissão mais importante do planete,mas ser professor não basta, é preciso ser educador.
Professor é profissão, educador é vocação.
No blog dessa educadora extraordinária ela faz denuncias gravissimas, com dados concretos
Professor nunca é punido e tido como santo e inimputável.No entando por conta da impunidade e da corrução que tomou conta da escola pública professora passou a errar muito e errar grandão...
Um abraço
e não esqueçam de visitar o blog da professora Gloria dos Reis...
Meu exemplo de vida.
Joana Pedroso de Morais.

Francine disse...

NEGATIVO
Professor em São Paulo não é desacatado, nunca, que aluno não é suicida.
Desacatar professor de escola pública é ser preso imediantamente pela PM da Ronda Escolar que o governador coloca a disposição das escolas públicas.
Temos um carro furtado a cada minuto, por falta de policiamento estensivo
Chamar a policia para uma ocorrencia nem sempre é garantia de ser atendido,mas policia para atender professor tem em questão de minutos.
Professor é a única categoria profissional que conta com a PM a serviço da sua segurança...
No caso da escola Brasilio Machado a escola chamou a policia para levar duas alunas apenas por estarem sem uniforme.
A mãe avisada chegou de carro mas as suas filhas tiveram que ir na delegacia de camburão, que era para humilhar mesmo.Contando que em SPaulo é proibido exigir uso de uniforme, a gente ve que quem faa a lei é a direção da escola...

Janine SAkay disse...

Professor uma profissão interessante.
Não é atoa que em SPaulo quando abre inscrição para concurso de professor a concorrencia é enorme
A última que teve houve até tumulto na fila e precisaram chamar a policia para conter os candidatos.
Professor tem duas férias por ano
as aulas começam depois do carnaval e terminam em outubro.Tem as férias do meio do ano.Além das férias do fim do ano...
Professor aposenta com salário integral e como dar aula em escola pública é "estressante" ele tem tres aposentadorias.Trabalha em escola do estado da prefeitura e em escola particular ao mesmo tempo.
Professor emenda todo feriado.O feriado que cai no meio da semana o professor falta a semana toda.Chamam isso aqui em SPaulo e ponte.A ponte que liga o nada a coisa nenhuma.
Professor tem licença médica para tratar de pessoa da familia.
Professor pode falta até 29 dias seguidos sem ser exonerado.
Professor horário diferente de trabalho, um trabalhador comum tem uma hora e a hora de trabalho do professor é de 45 minutos...
Este ano que finda o comentário é geral: professor vai receber de bônus, além do décimo terceiro, décimo quarto e décimo quinto salário.
O bônus será de até 20.000,00.
Um trabalhador comum nem sempre ganha 20.000,00 num ano de trabalho duro.Foi tamanha a verba que sobrou que vão dividir entre os professores.Coisa que fazem já tem muitos anos.Professor protesta de mentirinha mas aceita o bonus.
Professor nunca é cobrado
Se o aluno não aprender a culpa é dele ou da familia.
Então que vida dura, a do professor...

Duran disse...

Professor anônimo
O problema das escolas públicas de S.Paulo não é APROVAR OU REPROVAR.
Não é eu escola aprova sem saber.
A escola pública não está ENSINANDO
Escola de São Paulo está segundo avaliçãoes oficiais, coisa que nem precisava, tirando nota dois na avaliação de zero a dez.São mais de tres mil que tiraram nota zero, zero e virgula alguma coisa para enganar.
Se alunos aprendem alguma coisa nem é na escola que aprendem
Quem ensina são os pais que ensinam em casa.Os pais que sabem, quando não sabem é o tio e alguma parente.Quando não pagam uma aulinha particular aquí e outra ali.
Muitas associações e até igrejas estão ensinando os alunos.
Escola não está cumprindo minimamente o seu papel.
PELO AMOR DE DEUS,GLORIA PEREZ
ESPERMOS SINCERAMENTE QUE NÃO ENTRE NESSA ONDE DE PROFESSORA COITADINHA ABNEGADA, SANTA QUE MERECE SER CANONIZADA.

Anônimo disse...

SUGESTÃO:
Fazer laboratório em escola com a autorização da direçao não funciona.
Nesse dia não haverá nem castigos fisicos degradantes.Nem humilhação e nem xingamentos....
Um ótimo laboratorio em S Paulo é visitar os internos da Febem antiga que agora mudou de nome.
Entrevistar os alunos que estão presos por causa da escola.
Perguntar aos internos de modo geral o que eles acham da escola pública....
São fatos de arrepiar os cabelos...
eu até posso dar meu nome e email mas aqui parece que não tem muita importancia.
Estamos discutindo uma situação específica, mas provas que escola é situação de risco e onde se deseduca as criaças com truculencia e maus exemplos, tem de monte.

O caso da cola na cadeira disse...

Gloria Perez.
A professora que contou o caso do aluno que colocou cola na cadeira da professora esqueceu de contar o resto do caso.
O aluno está preso.Cana dura.Privado de Liberdade a princípio por tres anos.....
Essa brincadeira de mau gosto sempre aconteceu.A familia do aluno era obrigada a dar uma nova peça de roupa para a professora.Sofria também uma punição pedagógica e pesada dentro da escola.
Agora é cadeia mesmo.
Esse caso foi rumoroso, que tudo que aluno apronta contra professor vira caso de polícia e imprensa se encarrega de transforma-lo num monstro.
O aluno é de uma escola de Ribeirao Preto e está cumprindo a pena em uma cidade vizinha.Em Ribeirao Preto não tem vaga.
As duas cidades que mais mandam aluno para cadeia é Riberião Preto e Fernandópolis.
No interior a situação do aluno de escola pública é mais grave que os alunos da capital.
O aluno está preso e pela carranca dos programas policiais de SPaulo, acham pouco.
Se tivesse pena de morte no Brasil ele já teria sido executado.Felizmente não tem
Os inimigos da escola pública tem que se conformar com a privação de liberdade mesmo.

~MÃE DE ALUNO~~ disse...

PARA FAZER O QUE ESTOU VENDO AQUÍ, A GLÓRIA PEREZ TEM QUE SER UMA MULHER FORA DE SÉRIE MESMO
DEIXAR OS PAIS PORTAREM AQUI MOSTRANDO O OUTRO LADO DA ESCOLA PÚBLICA É ALGO DE ME DEIXAR FELIZ E PERPLEXA !
FICAR DO LADO DOS PROFESSORES E COMPRAR O DISCURSO DELE, QUE SÃO COITADAS, HEROINAS, VÍTIMAS, SANTAS, ABNEGADAS, É UM DIRCURSO FÁCIL....
TER A CORAGEM DE OUVIR OS DOIS LADOS É MUITO IMPORTANTE...
TUDO QUE FIZERAM DE MASSACRE E DEMONIZAÇAO DE ALUNO TODOS JÁ FIZERAM.
O QUE ESTAVA FALTANDO ERA APARECER UMA GLORIA PEREZ....
COMO JÁ LI, EU NEM COLOCO MEU NOME
O QUE IMPORTAM SÃO AS IDÉIAS E NÃO A PESSOA....
ESTAMOS DISCUTINDO IDEIAS E A POSTURA DO PROFESSOR COMO PROFISSIONAL E NÃO PESSOAS.
NADA PESSOAL.
TUDO DENTRO DO RESPEITO E SEM OFENSAS PESSOAIS .

Creuza disse...

Em Indiaporã SP,também...

Um aluno de 13 anos discute com a professora na sala de aula.Ela quer que ele entregue o boné para ela, ele se recusa.Ela tenta pegar na marra.Aluno sabe que objeto que professora tira dele na sala de aula dificilmente será devolvido.
Ele então tenta de todas as formas segurar o boné. A professora maior e mais forte quase leva a melhor quando o aluno desfecha-lhe um soco debaixo para cima e acerte o pescoço da professora.Pronto.
O suficiente.
Foi aquele barulhão a professora chora e desce até a diretoria dizendo que foi agredida.
O aluno é preso imediatamente.
Da delegacia para a Vara especial da Infancia e Juventude.
Vem o problema, a Casa, cadeia que teve até a pouco tempo o nome de Febem, estava lotada, mas um crime como esse não pode ficar impune
Aluno que dá um soco na professora é considerado por todos uma pessoa perigosa, um perigo a sociedade.
Então na falta de vaga na Casa( Febem ele foi recolhido na cadeia pública de Indiaporã, até que saia a vaga na outra cadeia....
Normalmente para esse tipo de "crime" que aluno comete,o juiz dá a pena máxima; tres anos em regime fechado...Vai cumprir pena junto com criminosos comuns, traficantes e homicidas...
Essa noticia sai nos jornais e todos acham normal.
Ninguém para defender o aluno...

Anônimo disse...

Creuza
Ainda bem que mais alguém achou um absurdo esse aluno de 13 anos ficar preso junto com criminosos adultos comuns adultos.
Pensei que era só eu que tinha me indignado.
O aluno estava defendendo o seu minguado patrimônio.Que escola não devolve mesmo o que pega de aluno
Algumas escolas não devolvem e pronto.Outras só devolvem para os pais depois de lhes passar um sabão.Muitas vezes os pais não podem perder um dia de serviço e fica por isso mesmo
No caso de Indiaporã, como o caso a imprensa mostrou assim mesmo.
A professora tenta retirar o boné do aluno....
Uma escola que não ensina o minimo.
Uma escola onde sobram milhões de reais e dividem entre os professores no final do ano, chegando até a 20.000,00 cada uma dos agraciados.Enquanto isso a escola pública tem banheiros imundos, merenda fraca e pouca
Aula medíocre.
Uma escola tem esse tipo de exigência exagerada, que boné nunca impediu professora de ensinar.
Aluno gosta de boné.Boné enturma
Boné esconde os cabelos que ele muitas vezes nao gosta.Esconde seus traços irregulares por conta da idade...
Escola não quer que aluno fique confortável...porque?
Probir boné é coisa de escola falida moralmente.Ranzinza, intolerante, incapaz e repressora.
Condenar esse aluno a anos de prisão em regime fechado é uma inversão de valores.Um desrespeito a vida humana em fase peculiar de desenvolvimento...
Uma coisa horrivel.

OBRIGADO GLORIA PEREZ disse...

Interessante....
Uma professora postou uma mensagem dizendo que elas fizeram uma festa quando souberam que a novela da Gloria Perez ia retratar a violência na escola.
Com certeza fizeram e até imagino como...
Entenderam que ia ser mais um poderoso veículo para endeusar professora e transformar o aluno
em diabo.
Poderiam pedir mais salário e mais dureza com alunos.Não ia ter ninguém a favor do aluno, acho que tinha até onde piorar
Não contam que a Gloria Perez ia dar espaço para a manifestação dos pais com a coragem que só uma pessa especial como ela tem.
Todo mundo dizendo que aluno de escola pública é um bandido em potencial e está errado até quando revida agressão...Só faltava uma novela da categoria de uma novela da Gloria para ser decretado de vez a desgraça do aluno

Rogério Perin disse...

Pois é ....
O que o ser humano tem de maior valor é a vida.
O que a vida tem de maior valor é a liberdade.
Priva-se da liberdade, alunos quase criança, por qualquer coisa.
Professor de escola pública é uma espécie de Deus....
Que merecem respeito, sem dúvida que merecem
Que temos nas escolas públicas bons professores, é claro que temos.
Só que a escola pública está tão contaminada, que os bons professores ficam acuados.
AS regras das escolas públicas não são as mesmas para alunos e professores.
O que é normal professor fazer é crime para aluno
O Regimento interno que tem proibições absurdas e abusivas são elaborados por adultos insensíveis e que não são educadores.
Educador é sereno, humilde e está sempre pronto a aprender com o aluno.Ele sabe que educar é uma via de mão dupla.
Quantos educadores a escola pública perdeu....
Professor é uma profissao importante sim, mas precisa ser um educador.Escola não forma educador,um educador já nasce feito.
Escola está cheia de professores sem vocação, mas que ficam alí para levar vantagem e por que nunca é cobrado.
Que triste quadro os pais estao colocando aqui.
Graças a Deus, acho que a Gloria Perez já não está mais pensando que professor é a vítima do aluno criminoso...
Muito me alegra este espaço onde tenho a oportunidade de pelo menos
desabafar..-

Maria Alice Zuquim disse...

Essa meu filho que tem 25 anos se lembra.Aconteceu há 15 anos atras e continua acontecendo...Só que Policia Militar para levar aluno em cana é obra do ex-governador Geraldo Alckimin, e continua.
Meu filho estava na sexta série da emef Theodomiro Dias na Vila Sonia em São Paulo.
Era proibido usar boné e a professora de matemática chegou na classe e avisou:
-é proibido usar boné.se eu pegar e for um boné importado eu levo para meu filho aumentar a coleçao dele, se for boné feio vai para o lixo, mas vocês não vão mais ver.
Achei um horror ! Muitos bonés não eram devolvidos, mas a professor escancarar na classe que ela levava para o filho foi demais...
Os alunos estavam revoltados era um tal de perder bonè...a diretora era uma casca de ferida e não tinha mae e nem pai que conseguisse o objeto de volta.
Nesse caso a gente se lembra, porque uma mãe denunciou ao juiz
que a professora estava dando mau exemplo para a classe e para seu filho.
Acham que aconteceu alguma coisa com essa professora????
Aconteceu nada, mas o filho dessa mulher que denunciou passou a ser perseguido na escola do modo mais cruel e desumano que voces podem imaginar.

Anônimo disse...

Senhor Rogério.
Espero sinceramente que este espaço não seja meramente um espaço para catarze, um espaço para desabafarmos.
Imagina a audiência que terá a novela da Glória se ela resolver defender os mais fracos/
Se ela resolver mostrar a escola pública por dentro.
Mostrar o sofrimento dos alunos e dos pais.
Este ano em Sâo Paulo, sendo ano de eleição quase não teve aula.
Meus filhos estudaram em casa.Os de ensino fundamental deu para dar uma força em casa.Tivemos que colocar nossos filhos em professora particular.Contamos também com essas ongs que atuam em bairros pobres, eles dão reforço, que na verdade é tudo que o aluno aprende.
O medo então é horrível, a gente sabe que o filho entra na escola mas não sabe se sai vivo ou machucado ou então briga e vai parar na delegacia e se dar muito mal
Aluno sem atividade nenhuma na escola briga e faz arte, e as professoras não perdoam
Tenho saudade do tempo onde as mães ficavam sossegadas o período que os filhos estavam na escola.Estavam a salvo da violencia e aprendendo.Agora nem aprendem e não estão seguros nem na sala de aula.
Uma coisa atroz...

Rosana Coutinho disse...

Adolescente é indiciado por porte ilegal de arma em Cascadura Rio de Janeiro.
Mesmo sendo adolescente ele não foi poupado, vai ser julgado pela Vara Especial.
Se fosse escola pública estava arruinado mesmo, era cana dura em flagrante.
Escola particular também está se tornando situação de risco para o aluno.
Tanto que falaram que aluno de escola pública é bandido feroz, tanto que trabalharam as cabeças para odiarem aluno de escola pública que aluno de escola particular também está levando a pior.
A qualidade do ensino da escola particular também esta caindo em conseguencia da escola pública, se a escola pública não ensina nada, qualquer coisa que a párticular ensina é mais...
O ECA só é cumprido na parte de deveres.O adolescente é julgado condenado e cumpre pena como gente grande.Já na parte dos deveres ninguem cumpre.
Aluno tem o direito de ser respeitado por seus educadores e quem é que vai cobrar dos educdores?quem vai cobrar os direitos de alunos?

Anita Ferreira disse...

HOJE É DIA INTERNACIONAL DA LUTA CONTRA A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER.
não conheço violência maior para a mulher que a cometida contra seus filhos.
hoje eu me lembro com muito respeito, carinho e admiração pelas mães de aluno de escola pública.
e tenho como exemplo o casa daquela mãe em Barretos.
depois de ouvir muitas queixas de seu filho, ele reclamava de ser constantemente espancado na escola.
depois de 16 reclamações registradas no Livro de Ocorrencia na escola.esses livros sempre relatam o lado das professoras, mas sempre é possivel questionar o outro lado.ninguém se incomodou.
até que ela desesperada, entra na escola para tirar satisfaçao com o professor que dera segundo seu filho uma bofetada em seu rosto.
claro que os jornais divulgaram o caso como a mãe que invade a escola e agride o coitadinho do professor.
a dirigente regional informa poucos dias depois que o aluno fora expulso.ela se juntou com 34 professoras e expulsaram o aluno via transferencia compulsória...
Ora expulsar aluno é crime, e não deixa de ser crime se a Dirigente se reunir com 34 professoras.
isso aí.
desejo neste dia muita força para
as mães de aluno de escola pública.

eu só queria entender... disse...

Querida Gloria Perez, por favor me explica.
Todos sabemos que só a educaçao tiraria o Brasil deste atoleiro.
Sabemos também que quanto mais ignorante é um povo, mais ele aceita a corrupção como inevitável.
Tudo muito claro.
Sou paulistano, e a Secretaria de Educação é a que mais recebe verbas, verbas gordas.Bilhões...
A corrupção come tudo...
A impunidade sustenta a corrupçao que sustenta a violência.
Queria entender a posiçao da Rede Globo.Será que você me ajuda ?
Houve um caso de alunos que se revoltaram, com razão, na Escola Amadeu Amaral.
A ânsia de transformar os alunos em bandidos perigosos chegou ao ponto de forjarem as imagens mostradas como do caso.
Tinha até imagens que nem eram dali com crianças em cima de um telhado jogando telhas para baixo.
A minha perplexidade, foi a de ver o Chico Pinheiro e a Carla Vilhena explicando muito rapidinho que as imagens divulgadas não eram daquele momento...
Mostraram imagens falsas para dar a impressao que os alunos tinham quebrado tudo?Que eram bestas feras?
Nâo sei onde querem chegar.
O Chico Pinheiro ainda á para mim o exemplo de jornalista sério e responsável.Como ele entra nessa de entender que aluno de escola pública é o inimigo numero um do Brasil?
Divulgaram também que nessa escola tinha 277 alunos e que agora só tem 200 e tem 63 professores.
Então tem um professor para cada tres alunos.Nao tinha aula ?
Os alunos reclamam que ficavam sozinhos abandonados no páteo o tempo todo ou presos nas salas fazendo cópias intermináveis e chatas?
Eu só queria entender, desculpa ai o atrevimento da pergunta.
Sua fama de mulher justa e íntegra com certeza me animou a fazer a pergunta

Manuel disse...

Sou Coordenador do Forum Em Defesa dos Direitos de Criança e Adolescente.
Moro em Marcilac, região mais pobre do Estado de São Paulo.
Quanto mais pobre e mais sem instrução a região mais a escola pública é ruim.
Meu trabalho no Forum é voluntário.
Muitas vezes fico indignado com o que eu ouço e vejo acontecer nas escolas públicas
Se a Gloria quiser eu tenho casos de violência contra aluno que daria roteiro pra um filme de terror, quanto mais de uma novela.
Espero sinceramente que a senhora nao venha a crucificar os pais e alunos já tão sacrificados.
Querendo casos eu tenho aos montes
com nome endereço e mães e alunos dispostos a falar.

Antonia de Assis Dalcenter disse...

Quero ocupar este espaço para dar a minha opinião de mãe.
Cansada de ver professora falando mal das familias.Que somos culpadas da violencia nas escolas e de nossos filhos não aprenderem.
Não concordo, nós os pais somos os maiores interessados que nossos filhos sejam homens de bem.
Serão nossos filhos para sempre.
Aqueles que porventura sejam os mais dificeis são os que mais tomam nosso tempo e nossa preocupação e é neles que a gente investe mais na preocupação que não se desviem do caminho do bem.
Nâo temos ex-filhos.Serão nossos filhos para sempre
Já a professora tem ex aluno.
Não gostam do aluno elas arrumam um jeito de expulsa-lo da escola
Expulsar aluno é ilegal mas expulsam aos montes....
Professora escreve de familia desestruturada como se familia de professora fosse feita de anjos...
Na familia de professora tem desempregado.Tem marido violento.Tem alcoolismo, tem drogadição, tem tudo que tem uma familia normal....Eu ainda não conheço uma familia que não enfrente um problema grave.
Se divulgar minha opinião singela eu fico agradecida.

Sem nome por enquanto. disse...

Sou um apaixonado por novela, entrei aqui e estou lendo e relendo os comentários.
Confesso que a princípio eu levei um choque, voltava e lia o comentário de novo.
Fui até os blogs recomendados, especialmente o educaforum.blogspot.com e o
paisonline.homestead.com, depois fui ler os outros recomendados
O blog da professora Gloria dos Reis é contundente, como um soco no estômago.Vou ler o livro dela com certeza "Escola Instituição da Tortura"
Estudei em escola particular e meus filhos também.Assim sendo desconhecia completamente o universo da escola pública e a princípio me senti um alienado, um estranho dentro do meu proprio pais.
De fato a educação pode mudar o rumo de um páis, mas do jeito que está a nossa escola pública continuaremos chafurdando na lama da corrupção.
Acredito em cada palavra das denúncias postadas aqui,por conta disso me sinto culpado.Quero me redimir.O depoimento da aluna Sarah Alice me comoveu.
Quantas vezes inconscientemente fiz coro com os apresentadores jornalistas.Até ha quatro dias atrás eu achava que professora de escola pública era sim uma espécie de anjo abnegado e aluno um demônio.Um demônio ingrato beneficiado pelo ECA.
Nossa...estou atordoado até hoje.
Não posso me identificar no momento,mas posso agradecer a Gloria Perez.
Essa mulher bendita, abençoada por Deus.Graças a ela eu estou descortinando uma nova realidade.
Pode ter certeza que vou mesmo olhar tudo sobre escola pública já que meus conceitos em relação a ela eu já reví.
Imagino também o bem que ela está fazendo para os pais e alunos.Um alento.
Nunca nem ouvi falar deles, para mim era tudo um monte de alienando que punha seu filho na escola como se fosse um depósito.
Gloria, você é a Glória mesmo.
Quem lhe deu esse nome estava prevendo o monte de bem que você faria, derrubando mito com sua coragem.
Graças a Deus que você veio ao mundo.

Com muito carinho, aos mestres!!! disse...

Feliz aquele que apreende o que lhe é ensinado.
Realmente, merece o Brasil estar tão abaixo da meta de educação mundial. Quanta mediocridade e ignorância instalaram num espaço que deveria conter depoimentos e experiências (Ao mestre, com carinho).
Ignorância, pois professor não é santo, mas merece reconhecimento pelo seu árduo trabalho. Professor tem a obrigação de ensinar conhecimentos, transmitir cultura, mas os primeiros professores são os pais, a estes cabe educar, ensinar a respeitar ao próximo, frequentar reuniões escolares. Criticar a escola pública é fácil, culpar os professores é cômodo, dizer que a educação do Estado de São Paulo é a que mais recebe verbas é alienação. Não, não temos computadores, não dispomos das novas tecnologias para ensinar, mas mesmo assim, a aula é prazerosa - para aqueles que querem aprender. O grande problema da escola pública não é o professor, mas em sua maioria uma imensa desestrutura familiar, uma imensa inversão de valores, troca de papéis. Infeliz alguém que postou um recado dizendo que o pobre do pai trabalha e não tem tempo para ir a uma reunião escolar. E há ainda quem culpe o professor!
Hoje criamos monstros no Brasil, como estes que rascunharam, com tanta mediocridade, que o professor é o culpado. Criamos Lindembergs, Nardonis e outros, simplesmente porque ignoramos a verdade, não valorizamos os nossos mestres.

Aos pais, com respeito... disse...

Acho que o professor está enganado.
Nós gostamos dos professores, sim.
Tanto que professor é a profissão melhor avaliada pelo povo.Só perde para os Bombeiros, já cansei de ouvir e ler isso.
Nem e educação formal,voces estão dando.Fica tudo para os pais...os educadores se envergonham mas a mairia dos professores são mimados e gananciosos.
Sabemos a importância de um professor.
A gente só nem tem oportunidade de mandar um presente no dia dos professores, que na semana desse dia vocês faltam a semana toda, assim como faltam sempre que podem ou nem podem, mas dão um jeito.
Ser professora não basta, tem que ser educadora.
Professora é uma profissão, educadora uma vocação.Quem exerce a função de professora com vocação é um educadora.
Uma educadora consegue cativar e dar uma aula interessante para todos.Sua aula é sempre prazeirosa.
Felizmente este espaço é para relatos de experiências e é o que estamos fazendo, já que a Gloria Perez tão gentilmente o permite.
Se professor de escola pública de SPaulo não tem computador não é problema nosso, e nem do Governador.Ele deu sim um para cada um de vocês, isso no segundo ano da gestao Chalita e agora vai dar um computador portátil.Isso divulgado na imprensa e no site oficial da SEE.
Desestrutura familiar não é desculpa para não dar aula,uma vez que toda familia que conheço tem problemas, em familia rica também tem e tem problemas de monte e nem por isso a professora de escola particular se atreve a não dar aula e ainda ficar falando mal dos pais deles.
Notei que as críticas aqui sempre estão cuidando de afirmar que não são todos os professores que são maus.
Não, o Brasil não merece essa situação que a escola pública vive.
Nós, um povo honrado e trabalhador não merecemos professores que desmerecem a classe.
Não merecemos, pagamos o maior imposto do mundo e se nossos filhos aprendem um pouco, temos que ensinar em casa...
O que a gente ensina sempre para nossos filhos é que se comportem bem e que respeitem todos na escola.Infelizmente os nossos filhos estao perdendo o referencial de honestidade e decencia que levam de casa.
Preciamos sim de uma medida drástica e urgente na escola pública.
Precisamos separar mesmo o joio do trigo.
Acho que quem tem mais poder tem mais culpa.
Quando o governador não pune o mau professor, esta cometendo injustiças para com o educador de fato.Está sim contaminando a rede.
Os pais não tem mesmo como ir em uma reunião escolar.Aliás reunião para esculhambar os filhos do pai que está presente é uma reunião nãda produtiva
Em escola particular não tem essa de reunião.
Reuniao de pais e mestres deve ser para os professores prestarem contas, coisa que vocês não fazem.
Um dia que o pai falta para ir na reunião é descontado do seu salário o dia e o domingo.
Diferente de vocês que tem 365 motivos legais e imorais para faltar.
Nota que os depoimentos mais graves sempre tem nome e a referencia, não são denuncias irresponsáveis e genéricas.
Eu agradeço a Gloria Perez pelo espaço e pela confiança que está depositando nos pais e alunos.

OS PAIS PEDEM RESPEITO, APENAS RESPEITO. disse...

Professor.
Ainda bem que o senhor termina seu texto dizendo "criamos Lindenbergs..." Tem sim parte da culpa.Os maus professores tem.
Ainda bem que reconheceu.
O senhor podia notar os quanto os pais estão elogiando a Gloria Perez e o quando estão agradecidos.
Eu acho que ela realmente merece cada elogio postado aqui e muito mais.
Ela democráticamente está aceitando a critica ao seu texto, no qual afirma que as professorinhas sofrem na sala de aula com a falta de limite dos alunos
Claro que para postar isso, a Gloria acredita no que escreveu, ela sempre foi uma mulher reconhecida por ser verdadeira e justa.
O que os pais estão fazendo aqui é contestar o que ela escreveu e ela está dando vez a quem não tem
Os pais são sempre tratados como aqueles que são responsaveis junto com os filhos pelo fracasso da escola pública.
Pai,mãe e aluno não são ouvidos.
Por conta disso eu estou aqui deslumbrado com essa grande mulher que corajosamente está aceitando as criticas que por um viés diferenciado, mas cada vez que postam aqui fatos do dia a dia da escola que ela não conhecia ela posta.Corajosamente, democraticamente.

Josefha disse...

Professor.
Familia rica também se desestrutura.
Tem tantos ou mais problemas quanto uma familia pobre.
Tem viciado em droga e alcool.
Tem desentendimento, tem pedofilia, tem brigas, tem competiçao entre familiares.
Tem tudo e mais um pouco.
Conheço mais familia pobre sadia emocionalmente do que familia rica.
Imagina uma professor em escola particular de alto padrão dizer:
esses alunos não aprendem por que suas familias são desestruturadas...
Bem, não dá nem para imaginar...
Tem aluno de escola de alto luxo que a mãe deixa ele de manhã e só vai busca-lo a tarde.Nem por isso voces dizem que a essa escola é um depósito de criança.
Que desculpa mais esfarrrapada.
Quando tentam desquelificar a familia e os alunos, mais me convencem a todos que o respeito que dizem não receber dos pais é o respeito que na verdade vocês não tem por ninguem nem por vocês mesmo como profissionais.
Nunca vi um educador de fato falar mal da família e nem de aluno.

Agradecida disse...

Sou mãe e estou indignada com a falta de consideração com os professores de escola pública. Acredito que tenham escolas que realmente precisam de ajuda, mas não é criticando que resolveremos os problemas. Aprendi, na escola pública que estudei, que ao dissertarmos sobre um tema apresentamos argumentos, mas o principal é solucionar. Pais, parem de tampar o sol com a peneira. Há professores maravilhosos e cheios de disposição na escola pública. Se a escola tem problemas a comunidade tem responsabilidades sobre ela, muitos pais fazem parte do Conselho Escolar, podem reivindicar seus direitos. Frequentar reuniões e ensinar a respeitar é o primeiro passo. Tenho certeza e sempre digo isso ao meu pequenininho que o respeito é o convite a uma aula prazerosa. Não temos mais ditaduras, podemos falar o que pensamos, precisamos somente saber respeitar o nosso limite. A Glória Perez, com toda a sua experiência, não vai sacrificar os professores como vocês pensam. Ela, com certeza, teve excelentes mestres que a conduziram até onde está hoje. Lembrem-se, caros pupilos, que se hoje vocês estão escrevendo aqui foi porque um dia vocês tiveram um professor que ensinou tudo isso. Eu sou grata, e vocês?

Acordem pais!!!!! disse...

Não são os maus professores que criam Lindembergs, mas sim pais irresponsáveis que os colocam no mundo e despejam-os dentro da escola. Lindemberg não soube ouvir um NÃO assim como muitos pais não admitem ouvir que são eles os responsáveis pelos filhos.
É fácil culpar a escola e tirar a responsabilidade dos pais. É fácil fazer filhos e despejá-los para a escola educar. Essa responsabilidade é e sempre será dos pais. A educação da escola é conteudista, ensina-se a ler, escrever, fazer cálculos. Os momentos de carinho são passados em alguns momentos através dos laços que estes alunos criam com os professores, mas o tempo é escasso, os professores tem conteúdo para serem ensinados. Se não o fazem estão errados.
Acordem pais, a responsabilidade é de vocês. São vocês que devem, por obrigação, passar mais tempo com os filhos. O aluno ao entrar para a escola, segundo Freud, já está formado em caráter. O espelho e modelo são os pais.

AGRADER O QUÊ??? disse...

Agradecida !!!
Bem nem o mais ingênuo dos leitores vai acreditar que essa agradecia é mãe.
Claro que não é.
Ninguém está sugerindo que a Gloria Perez sacrifique os bons professores.
O que eu estou vendo é gente denunciando, colocando nome e email
Denunciando fatos concretos com nome de escola, época dos fatos, fonte e tudo.
Se ninguem fiscalizar a escola pública.
Se ninguém punir os maus professores, fica dificil o bom professor trabalhaar
Na escola pública a ditadura está lá. Firme e forte.
Conselho de Escola é a instância mais espúria que conheço.
Os pais que fazem parte do Conselho são sempre os mesmos e amiguinhos da diretora e são poucos.
Pais esclarecidos não fazem parte do Conselho de Escola para não legitimar os abusos.
Conselho de Escola que viola a lei constantemente não deveria nem se chamar conselho....
Para de subestimar a inteligencia dos leitores.

FLOR disse...

O que se espera da escola pública é que ela passe para nossos filhos o ensino formal.
Que na escola nossos filhos não percam o referencial de honestidade que levam de casa.
Uma escola onde o aluno sabe que está sendo roubado.
Aulas vagas aos montes e o aluno ve os professores reclamando do salario e estacionando carros carissimos no páteo da escola
Aluno está mais bem informado hoje.
Ele sabe que a policia não tem direito de espanca-lo, ele sabe que seu direito de expressão estpa violado na escola
Ele assiste professor ofender seus colegas, quando ´não é ele mesmo
Ele ve seus colegas sendo levados para a delegacia por motivos futeis para satisfazer a vontade de uma escola tirana e imoral.
Escola deixou de ser modelo a ser seguido.
Escola é situação de risco.
Aluno sabe disso.
Compara o comportamento dos seus pais com o comportamento dos professores.
Nós passamos todo tempo possivel com nossos filhos.Queremos apenas que os professores cumpram minimamente com sua obrigação
A nossa obrigação de mandar nossos filhos para a escola, e pagar impostos nós fazemos.
Aliás não temos ainda como cobrar do professor que cumpram minimamente com sua obrigação, mas a nossa, que é de pagar, pagar, pagar, a gente faz de modo imposto.
Pagamos o imposto mais caro do mundo e não vemos de volta nenhum retorno.
Cobramos dos professores,não que sejam amigos de nossos filhos e nem carinho.
Cobramos respeito, bons exemplos.
Que não faltem o ano inteiro e depois culpem os pais.
Que deem aula de qualidade.
Que não mintam tanto e tão escancaradamente.
Os cadernos de meus filhos que eu olho diariamente voltam sempre em branco.Se nós em casa não ficassemos atentos acompanhando pelo livro, ensinando em casa ou com ajuda de cursos e amigos, meus filhos estariam analfabetos na ultima séria do ensino médio.
Bom exemplo nós damos.
Meu marido trabalha a semana inteira
Eu faço bicos para completar o salário dele.
Meu marido não falta e faz o melhor que pode.Mesmo porque se não fizer é demitido e substituido
Não queremos professora fazendo mais que é a obrigação dela.
Queremos professora na sala de aula dando a matéria da forma melhor possivel e respeitando os alunos.
Recomendo sempre a meus filhos que respeitem todos, desde a professora ate os colegas.Que respeitem para serem respeitados.
Mas o que meus filhos assistem estarrecidos, é uma sucessão de abusos e crimes dentro da escola.
Sem que tenhamos a quem recorrer.
Eu escrevo o meu nome e podem me mandar email que eu não me escondo
E ESTAMOS ACORDADOS FAZ É TEMPO, ACORDADOS E ASSUSTADOS PROCURANDO UM MEIO DE TIRAR DO ATOLEIRO ESSA ESCOLA IMORAL QUE DESEDUCA NOSSOS FILHOS.
Floriza Dias
florizadias@hotmail.com

ruth disse...

Estamos nos organizando....
A Flor me ligou e vim correndo responder a essas professoras.
Estamos acordando sim....
Estamos nos organizando sim...
Para nossa alegria estamos contando com educadores conosco.
Educadores que não concordam com o que acontece nas escolas públicas
Escola virou um antro de corrupção e imoralidade.
Nós estamos juntando forças para lutar contra esse mito de professora abnegada, de santa, de pureza de intocável.
Queremos e vamos conseguir mostrar que a escola pública tem jeito
Queremos uma escola pública que nem precisa ser um santuário do saber, que pessoas erram, mas que não cometam os mesmos erros amparadas pela impunidade.
Escola onde o professor seja avaliado, cobrado.
Uma escola onde os maus professores sejam punidos.
Os professores muito ruins demitidos
Os que cometem crimes que sejam responsabilizados, com amplo direito de defesa, mas que seja punido pelos crimes que cometem
Professor nem é santo, nem abnegado.
Professor é um ser humano, que deve ser tratado assim.
Uma escola onde os bons professores sejam a maioria, e que assim sendo possam ser valorizados e receber o salário justo.
Este anos em SPaulo quase não teve aula, mas consta como o calendário escolar cumprido integralmente
Fruto de fraudes e crimes
ESTAMOS ACORDANDO SIM E NOS MOBILIZANDO PARA NÃO VER OS NENHUM ALUNO PRESO, ESPANCADO, HUMILHADO E OFENDIDO.
Acordados para não ver mais aluno voltar para casa com caderno em branco.Não queremos mais deixar nossos filhos na escola e ficar com o coração na boca, todo dia eles vem contando coisas que viram que é de arrepiar cabelo.
VAMOS LÁ EM BUSCA DE UMA ESCOLA QUE RESPEITE O ALUNO E SEUS PAIS.
UMA ESCOLA LAICA E DE QUALIDADE.

ruth disse...

Estamos nos organizando....
A Flor me ligou e vim correndo responder a essas professoras.
Estamos acordando sim....
Estamos nos organizando sim...
Para nossa alegria estamos contando com educadores conosco.
Educadores que não concordam com o que acontece nas escolas públicas
Escola virou um antro de corrupção e imoralidade.
Nós estamos juntando forças para lutar contra esse mito de professora abnegada, de santa, de pureza de intocável.
Queremos e vamos conseguir mostrar que a escola pública tem jeito
Queremos uma escola pública que nem precisa ser um santuário do saber, que pessoas erram, mas que não cometam os mesmos erros amparadas pela impunidade.
Escola onde o professor seja avaliado, cobrado.
Uma escola onde os maus professores sejam punidos.
Os professores muito ruins demitidos
Os que cometem crimes que sejam responsabilizados, com amplo direito de defesa, mas que seja punido pelos crimes que cometem
Professor nem é santo, nem abnegado.
Professor é um ser humano, que deve ser tratado assim.
Uma escola onde os bons professores sejam a maioria, e que assim sendo possam ser valorizados e receber o salário justo.
Este anos em SPaulo quase não teve aula, mas consta como o calendário escolar cumprido integralmente
Fruto de fraudes e crimes
ESTAMOS ACORDANDO SIM E NOS MOBILIZANDO PARA NÃO VER OS NENHUM ALUNO PRESO, ESPANCADO, HUMILHADO E OFENDIDO.
Acordados para não ver mais aluno voltar para casa com caderno em branco.Não queremos mais deixar nossos filhos na escola e ficar com o coração na boca, todo dia eles vem contando coisas que viram que é de arrepiar cabelo.
VAMOS LÁ EM BUSCA DE UMA ESCOLA QUE RESPEITE O ALUNO E SEUS PAIS.
UMA ESCOLA LAICA E DE QUALIDADE.

COMUNIDADE DE OLHO NA ESCOLA PÚBLICA disse...

Este ano os jornais de São Paulo divulgaram o caso da professora de portuquês que dava giz colorido para os alunos e se recusava a dar para um em especial, por birra.
Desde o começo do ano ela pegava no pé dele.Quando uma professora não gosta de um aluno, ele está mesmo arruinado.
Então os jornais contavam que a professora dessa escola, a EMEF THEODOMIRO DIAS na Vila Sonia, zona oeste de SPaulo, teve a caixa de giz retirada de sua mão.
Ela passou a gritar e dizia estar com dor e que o seu braço estava quebrado.
Foi na diretoria e depois de uma rápida conversa,saiu da escola dirigindo normalmente.
Recolheu seu material e colocou no braço e pegou a bolsa com o outro braço, foi até o estacionamento e fez tudo normal.Nada parecido com uma pessoa cujo braço estivesse fraturado, que fratura dói a bessa.
Então a Secretaria Municipal de Educação deu a declaração para os jornais que a professora não tinha quebrado o braço coisa nenhuma
Nessa fervura o Secretário colocou água fria.
O problema e que a escola passou a perseguir o aluno.
A professora tirou licença .Na escola municipal até mentir dá direito a licença.
A classe ficou sem aula.
A escola então colocou a classe contra o aluno.Se estavam sem aula a culpa era dele.
Desistiu de ir na escola, na sexta série e sua mãe teria dito que temia pela vida dele.Com absoluta razão.
Nós contatamos o Conselho Tutelar do Butantã que até onde a gente sabe não tomou nenhuma medida.
Nessa escola, onde as aulas "acabaram" em Outubro, tem só a metade dos alunos frequentando.
Metade desistiram, mas um número enorme deles ainda constam na lista de frequencia e recebendo inclusive as cinco latas de leite,
Em escola Municipal de São Paulo e principalmente na Theodomiro Dias
fantasma bebe leite...
Então o telefone no Conselho Tutelar é 37466287
O Conselheiro contatado Alex
Um caso, mas só para exemplificar.
Se alguma autoridade quiser checar e só aparecer lá na escola e olhar os livros...
Visitar as salas, perguntar para os alunos, quantos já desistiram no primeiro semestre, quantos desistiram no segundo
Quais as professoras que nunca aparecem.
Dar uma olhadinha nos cadernos deles.
Fácil não é.
PEITAR A CORPORAÇÃO NÃO É UMA TAREFA FÁCIL...
coepdeolho@yahoo.com.br

Anita Maria disse...

Esse caso eu acompanhei.
Um absurdo...
Tenho uma padaria perto da emef.Theodomiro Dias na Vila Sonia.
Ouço contar coisas que as professoras fazem e falam alí que parece mentira.
Só acredito, que é muita gente contando coisas parecidas.
Nesse dia um entregador de estava na diretoria esperando uma nota fiscal ser assinada.
Ele viu quando a professora entrou correndo e gritando na diretoria, seu braço nem vermelho estava.
Conversa vai e conversa vem a professora parou de gritar e saiu toda toda....
Parece que finalmente ela conseguia o que procurava há muito tempo. Ela queria prejudicar o aluno e antecipar as férias com uma licença médica fajuta.
O aluno também desceu e assumiu que segurou o braço da professora com uma das mãos e com a outra ele pegou o estojo de giz na marra.
Uma atitude de indisciplina que merecia uma punição, sem dúvida, mas diante dos argumentos dele, o que ele fez nem parecia tão grave.
Ele se achava injustiçado, já que ela deu um giz para cada aluno escrever na lousa menos para ele.
Meu filho estudava aí até o ano passado, agora está numa escola particular, parece outro mundo...
Nem é uma escola particular cara, mas a diferença é brutal.
Que nessa escola já acabaram as aulas faz tempo é verdade.
Que desde as eleições que está só enrolando é verdade também.
Os alunos param na padaria para comprar alguma coisa e estão sempre comentando.
Conheço a mãe do aluno em questão, conheço pouco, mas achei que ela tomou a decisão acertada.
A escola estava colocando os alunos todos contra ele,uma hora perigava algum aprontar coisa grossa,todo dia ele apanhava, ou na escola ou na saída...
Estão sendo retratados aqui uma escola injusta, cruel e desumana.
Mas o que contam aqui é a realidade que eu nunca gostaria de ver e nem de ouvir falar.
Ainda vem professora, escrever fingindo que é mãe.
Mas é muita da cara de pau dessa gente.

Mauro A. Silva disse...

Glória Perez ignora abusos dos professores da Índia...

"Abuso físico por parte dos professores está levando as crianças a abandonarem as escolas na Índia, admitiu o governo, culpando, pela primeira vez, diretamente a prática da punição corporal pelo abandono escolar". (in "INDIA: Teacher abuse driving children from school, says govt", New Delhi, 19/02/2008)

Esse post foi motivado pelo comentário da Glória Perez, autora da nova novela da TV Globo ("Caminho das Índias"): "Os professores andam sofrendo nas salas de aula, com a falta de limite dos alunos. Muitos chegam até a desistir da carreira. (...) Essa triste realidade vai ser mostrada em contraponto com a maneira respeitosa e reverente com que o indiano olha o mestre, o mais velho, aquele que tem algo a lhe ensinar". (leia aqui)

Apresentamos dois caso para ilustrar a forma como os professores da Índia tratam as crianças:
Índia: Professora batendo em crianças pequena
http://br.youtube.com/watch?v=rKhm44Oym5I

Nova Deli - Aluna de 15 anos morre devido a agressões de seu professor
http://br.youtube.com/watch?v=eKhU8K2seaI
"Nova Deli - Índia - Uma estudante de 15 anos morreu no hospital após ter passado quase cinco meses em coma. Ela tinha sido internada em novembro depois que seu professor bateu-lhe na cabeça com uma vara".

Será esse tipo de "educação" que a novela "Caminho das Índias" vai propor para nossas crianças brasileiras?

Postado por Mauro A. Silva – Movimento Comunidade de Olho na Escola Pública

O Circo vai pegar fogo. disse...

Corrupção aprende-se nas escolas públicas de SP...


Nota Fiscal = R$ 75... Na prestação de contas: R$ 3.386,99
Relatório da APM da escola Angelina Lia Rolfsen (Araraquara-SP) mostra valor diferente para nota fiscal supostamente emitida pela empresa Roberto Fernando Magrini - o valor subiu de R$ 75 para R$ 3.386,99
("Auditoria vai apurar denúncia de desvio em escolas estaduais", Tribuna Impressa, 8/12/2005)
"Em outra escola, a Lysanias de Oliveira Campos, da Vila Xavier, uma nota fiscal de nº 88, também da empresa Rodrigo Fernando Magrini, emitida em 3 de dezembro de 2004, teve o valor aumentado de R$ 120 para R$ 1.200 no relatório da APM à FDE.
(...) Outro indício de fraude é o fato de uma mesma empresa fornecer notas seqüenciais e com datas idênticas a várias escolas. No dia 29 de dezembro do ano passado, notas da empresa Roberto Fernando Magrini foram fornecidas a pelo 12 escolas. Juntas, as notas somam um valor de R$ 1.184,20.
Uma das notas, no valor de R$ 120 – da escola Narciso da Silva Cesar –, é relativa ao pagamento por serviços “de organização dos arquivos da secretaria”, as demais se referem a pagamento de “comissões”.

O caso vem se "arrastando" há mais de 3 anos... ainda hoje (01/12/2008) a Secretaria Estadual de Educação de SP não julgou os processos administrativos abertos contra as escolas e a Diretoria de Ensino de Araraquara...
Será que aesão esperando a prescrição, a perda do prazo para a punição dos culpados?

Leia também:
22/11/2008 - Falta *Uma Luz* na Diretoria de Ensino de Araraquara
23/12/2005 - Auditores recolhem documentos em escolas da rede estadual
09/12/2005 - Escolas: MP pode apurar denúncias
08/12/2005 - Auditoria vai apurar denúncia de desvio em escolas estaduais

Quem quiser ver as fotos das notas fiscas, estão lá no blog da cremilda
http://cremilda.blig.ig.com.br
no blog da Giulia tem mais
http://educaforum.blogspot.com
Nesse caso de Araraquara tem até professor pedófilo fazendo a festa nas escolas acobertado pela diretoria de ensino
Esses e outros casos serão apresentados por professores na quarta feira,no dia do Seminário na Assemléia Legislativa.
Vai o pau vai comer.....
Os deputados que são cheios de dizer que entrou na escola já virou santo,vão ter que se arder com as denuncias com provas que o povo vai apresentar.

Rosa Maria Vasconcelos disse...

prezada Gloria Perez
Fazer uma novela mostrando a beleza da India é uma idéia interessante.
Novela pode informar, pode ter um papel fundamental também na informação.
Novela é básicamente entretenimento.
O que a novela não pode é fazer o que os pais estão prevendo aflitos.
Não pode ignorar que os alunos, principalmente os da escola pública sejam as vítimas.
O aluno é o elo mais frágil dessa corrente.
Quem assistiu em São Paulo a audiência pública da Secretaria de Educação e tenha o minimo de bom senso, o minimo de sentimento de justiça, viu como funciona esse
"esquema"
A Secretária e os deputados falaram quase quatro horas.Promessas entre elas de aumentar em 60% o salário dos professores até 2010.Só falaram para os professores, ignoraram os alunos.
No momento elas, as professoras terão que se contentar com o bônus, que dizem que vai chegar até a 20.000,00, por professora.
Cinco pais corajosos esperaram pacientemente até o final da reunião reivindicando míseros 3 minutos para falar.
Ver o Deputado Giannazi(PSOL.SP) manipular o presidente da mesa, alegando que os pais abriram mão dos direitos de falar, foi de dar nauseas.

Rosa Maria Vasconcelos disse...

prezada Gloria Perez
Fazer uma novela mostrando a beleza da India é uma idéia interessante.
Novela pode informar, pode ter um papel fundamental também na informação.
Novela é básicamente entretenimento.
O que a novela não pode é fazer o que os pais estão prevendo aflitos.
Não pode ignorar que os alunos, principalmente os da escola pública sejam as vítimas.
O aluno é o elo mais frágil dessa corrente.
Quem assistiu em São Paulo a audiência pública da Secretaria de Educação e tenha o minimo de bom senso, o minimo de sentimento de justiça, viu como funciona esse
"esquema"
A Secretária e os deputados falaram quase quatro horas.Promessas entre elas de aumentar em 60% o salário dos professores até 2010.Só falaram para os professores, ignoraram os alunos.
No momento elas, as professoras terão que se contentar com o bônus, que dizem que vai chegar até a 20.000,00, por professora.
Cinco pais corajosos esperaram pacientemente até o final da reunião reivindicando míseros 3 minutos para falar.
Ver o Deputado Giannazi(PSOL.SP) manipular o presidente da mesa, alegando que os pais abriram mão dos direitos de falar, foi de dar nauseas.

Giulia di Pierro e o Prof.Coragem disse...

Flavio Lima disse...
CARTA A GIULIA – BLOG EDUCAFORUM

Meu nome é Flávio Lima sou professor da rede pública estadual de ensino, leitor assíduo do seu blog, venho por meio deste veiculo de informação demonstrar minha revolta e indignação com tudo o que acontece na educação em Araraquara e região. É angustiante como tudo acontece. Só quem convive o dia-a-dia nas escolas sente no espírito, na carne a canalhice existente no funcionamento da maioria das escolas de Araraquara. O clientelismo político que eu determino de politicagem sebosa prevalece nas relações internas do convívio diário e no trato dos recursos destinado ao funcionamento das escolas. A CRISE QUE ASSOLA A EDUCAÇÃO PAULISTA CHAMA-SE CORRUPÇÃO e das grandes, daquelas que podemos determinar como ‘MÁFIA EDUCACIONAL”. Existe uma máfia agindo em toda a diretoria regional de ensino de Araraquara para desviar os recursos destinados a educação e quando não são desviados são utilizados de forma incompetente e irresponsável.
Uma síntese do que acontece na educação hoje; Cada escola tem um deputado ou um político influente da cidade determinando o funcionamento das mesmas, começando pela diretoria regional de ensino, essa ex dirigente de ensino Sandra Rossato manda, ordena mesmo fora da diretoria de ensino, ela ordena a atual dirigente designar diretores de escola, funcionários, desviou por 10 anos e continua desviando recursos da própria diretoria de ensino e das escolas, por 10 anos Sandra Rossato criou funcionários fantasmas,diretores de escola relapsos, desviam verbas descaradamente na frente de todos sem medo de ser punidos, diretores de escola, vice e professores coordenadores são escolhidos com o único critério de ter sido um fiel cabo eleitoral nas campanhas Os conchaves com comerciantes na troca de notas fiscais frias é uma constante. Micro empresas são criadas para prestar serviços nas escolas numa troca de favores nunca visto.
Sandra Rossato e muitos diretores de escola conchavados transformam a vida de qualquer ameaça ao esquema de dinheiro fácil, palavra dela a escola é um tesouro inesgotável, mas se forem ameaçadas prepare-se para viver o inferno de Dante. Começam as perseguições, baixarias, retaliações, difamações, desmoralizações, vale tudo para não ser desmantelado a torneira aberta do dinheiro publico nos bolsos de Sandra Rossato e seus seguidores. Esta foi o pior dirigente de ensino para a educação Paulista e de Araraquara e região que vi desde a década de setenta, somos testemunha disso e confirmamos tudo o que já está para apurar e o que ainda virá. A sujeira rola dentro dos bastidores. Enquanto Sandra Rossato e esses seus comparsas, ou seja, diretores de escola que estão atuando dentro das escolas de Araraquara e região e políticos corruptos que os apóiam não deixar as escolas em paz viveremos este caos, esta humilhação pela qual passam todos que trabalham honestamente dentro do setor educacional.
Relatos informais do que acontece no meio escolar faz qualquer cristão tremer na sua fé. Diretores que entra sem nada e saem de carro zerinho todo mundo comenta. Certa vez certo diretor cheio de orgulho disse: Eu só aceitaria retornar como diretor da escola estadual Prof. Victor Lacorte se me dessem mais cinco escolas para colocar meus amigos como diretores, não me deram fiquei na assessoria de um certo deputado estadual, aquilo é dor de cabeça (Pura barganha como se a educação fosse uma coisa qualquer). Dizem que alguns têm apartamentos em Araraquara somente adquiridos com o dinheiro de escolas. Há funcionários de cargos simples com chácaras, casa na praia, carros do ano pra si e um para filha. Ser dirigente de ensino, supervisor de ensino, diretor de escola neste governo virou ser mercenário, escapam poucos. O pior de tudo é que todos sabem e ninguém, ninguém mesmo toma uma atitude para mudar este quadro e eles, os corruptos, sabem disso aproveitam até UM DIA A CASA CAIR.
Lanceremos nessa imensidão podre dentro da educação estadual Paulista uma cartilha com o título EDUCAR PARA A ÉTICA - CARTILHA DE COMBATE A CORRUPÇÃO NAS ESCOLAS PUBLICAS – que tenta fazer um chamamento às pessoas de bem que resta na educação para travar uma luta desigual contra essa corrupção desenfreada que toma de conta das escolas do Estado de São Paulo, em especial Araraquara. Nela propomos a conscientização de todos para formar uma ONG exclusivamente para agir dentro deste contexto de combater a corrupção nas escolas e conscientizar pais, alunos, professores, funcionários, diretores honestos numa campanha na qual com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB, as cartilhas do governo Federal estimulando a pratica e ação dos conselhos escolares sejam aplicadas e agirmos numa ação direta nas escolas com palestras, cursos, denúncias, interferência direta dentro das escolas incentivando a denuncia anônima ( criaríamos um e-mail, telefone para tal finalidade), seminários, simpósios, distribuição das cartilhas, panfletos, tudo que for preciso para começar uma luta contra essa poderosa engrenagem de corruptela inserida no meio educacional.
O objetivo desta carta é parabenizar o blog Educaforum pela coragem, solidariedade e pelas postagens de denúncias que afligem a educação do estado de São Paulo e especificamente da diretoria de ensino de Araraquara que denuncia e cobra atitudes sérias de empenho nas apurações do maior esquema de desvio de recursos públicos da Educação do Estado de São Paulo como também mostrar nossa indignação e luta neste contexto.
Muito obrigado: Giulia do Educaforum.

Atenciosamente: Flávio Lima

Esse professor Flávio Lima eu chamo de Professor Coragem...

Anônimo disse...

Dorival Silva

Apelo para apuração de denúncias envolvendo a ex dirigente de Ensino de Araraquara - SP, Supervisores de Ensino e Diretores de escolas de Araraquara e Região, denuncias feitas desde 2005.

Sr. Governador José Serra, Sr.ªSecretária da Educação Maria Helena de Castro Guimarães


Volto a tratar de um assunto de extrema gravidade. Na semana passada, comecei uma nova empreitada na conscientização todos os cidadãos da cidade de Araraquara e Região, distribuindo as provas (notas fiscais frias.
Porque o Governo de SP não tem o direito de varrer para debaixo do tapete as denúncias graves que estão sendo feitas contra a atuação da lider do esuema a ex dirigente de Ensino de Araraquara As denúncias, Sr. Governador, repito aqui, não foram ainda publicadas na grande mídia por que o clamor público começa a se manifestar agora, mas é bem possivel que em serão manchetes de jornais e revistas de grande circulação nacional, Jornal do Brasil, e em jornais do Estado de SP e também nas revistas Veja e ISTOÉ. Os noticiários de televisão, como "Jornal Nacional" e o da Record, apresentado por grandes jornalistas que defendem a moralidade pública, repetiremos as denúncias que consideramos de extrema gravidade. Elas vão desde a formação de caixa dois dentro das escolas, que, utilizando-se das verbas publicas destinadas as escolas, os fraudadores criam mecanismos muito bem engendrados de corrupção, estariam sendo cobrando propinas, que, segundo provas, procuração da Senhora Ivani de Lucca, assistente planejamento da diretoria de ensino de Araraquara por mais de 10 anos que conhece bem o esquema da ex dirigente e seus comparsas chegam a mais de 10 milhões de reais. Isso significa, Sr.Governador, menos reformas, investimentos e menos educação para nossos filhos, que esta denúncia, em resumo, diz o seguinte: Não adianta os seus assessores quererem desqualificar as nossas denuncias e nem dizer que é bobagem aquilo que eu dissemos, De fato, não temos força para brigar contra corruptos que se utilizam de dispositivos em altamente poderosos para destruir seus denunciantes, mas o senhor Governador tem autonomia. Nesse sentido, existe um requerimento do Educafórum, que deverá ser analisado na Assembléia legislativa de SP nesta semana, segundo compromisso do próprio Presidente da Comissão da Educação, Senhor Simão Pedro. Aprovado esse requerimento por esta Comissão, a Secretária da Educação deverá ser convocada. convocar o Ministro. Aliás, já foi convocada em 04 de Dezembro pela Casa, e lá depoisd e 04 anos foi questionada do Esquema de Corrupção em Araraquara, onde Sandra Rossato é alvo de denúncias até do alastramento dessa máfia por todo o Estado . Todo o dinheiro desviado das escolas, segundo consta, estão se esvaindo nos bolsos dessa organização. O Senhor Governador não pode, não tem o direito de dizer que não vai tomar providencias urgentes, no sentindo de responsabilizar os supervisores de ensino de Araraqura e dar prosseguimento as apurações de 44 escolas(a serem auditadas pela FDE). Acareações, colocando frente a frente o Sra. Sandra Rossato e seus denunciantes, a senhora Ivani de Lucca que ao ser demitida, fez gravíssimas acusações ao Senhor Antonio Monteiro, e ainda lhe deu procuração para denunciar o esquema em seu nome. Queremos ouvir todos até para que tenham a oportunidade da defesa. Não queremos prejulgar, queremos dar a Sandra Rossato e seus aliados, apesar das provas existentes serem contudentes de seu indiscutivel envolvimento, mas é preciso que eles reconheçam que as denúncias são graves. Não podemos admitir que essas denúncias não sejam investigadas.
Tudo isso não vai cair no esquecimento apesar de já terem se passado quase 04 anos e para alguns diretores já estamos chegando no quinto, Caso Valmir Rodrigues Diretor da EE. João Silva da DE Sul 2, que naõse repita aquela história que já se contou por diversas vezes em tribunas deste País - não sei quem, mas alguém a contou - de um marido que, chegando em casa, flagra a mulher em plena traição e resolve que, retirando o sofá da sala, estaria resolvido o problema?

O Senhor Governador está retirando e até queimando o sofá da sala, mas, evidentemente, não está resolvendo o problema das denúncias graves. Se elas ocorreram, a ex dirigente de ensino Sandra Rossato e seus comparsas cometeram uma grave traição contra o Governador do estado de São Paulo, que confiou na Secretária da Educação da época Rose Neubauer ao nomeá-la dirigente de ensino de Araraquara e Região, bem como para a Educação do Estado de São Paulo. Terá sido um péssimo exemplo para a juventude do nosso País, Sr. Governador José Serra. O Senhor não tem o direito de varrer para debaixo do tapete essa sujeira que está sendo anunciada e denunciada pela Imprensa, não tem o direito de "tirar o sofá da sala e atear-lhe fogo", entendendo que assim terá resolvido o problema.

O problema é muito grave, agride a inteligência dos Araraquarenses e dos brasileiros. Não pode ser ignorado pelo Governador mais rico da Federação, que não pode acreditar que já o resolveu, ao transferir para a FDE que também apenas se limitou a um serviço pela metade. Sr. Governador, o caso é grave. Precisamos apurá-lo. Os Deputados Estaduais de São Paulo também não podem se omitir. Essa não é uma questão de Partido, mas de moralidade pública.

Sr. Governador, nesta fase difícil em que estamos vivendo, a crise mundial, o Brasil, nosso Estado de SP, está numa enorme turbulência enorme diante da crise do desemprego, das dúvidas, da incerteza que toma conta da população brasileira no que se refere à economia do País e do Mundo. Não podemos ignorar que são essas práticas da corrupção que arrastam os recursos que faltam para a creche, a escola, a saúde, a segurança pública, a agricultura, o desenvolvimento e o emprego. São esses recursos roubados que acabam fazendo muita falta para o bem-estar da população.
Porque podem até escapar os corruptos denunciados, em virtude da benevolência, da complacência do próprio Governo. No entanto, não escapará do julgamento da população, que, indignada, não suporta mais as denúncias de corrupção sem apuração devida e sem a responsabilização dos verdadeiros culpados por cada caso de corrupção denunciado e jogado debaixo do tapete.

O Governador José Serra ou qualquer outro cidadão deste País não têm - repito - o direito de jogar debaixo do tapete essa lama. O Governador do estado de SP não tem o direito de "tirar o sofá da sala, de queimar o sofá" e considerar que esse problema está resolvido. Ou teremos que apagar da memória dos computadores, dos jornais, das emissoras de televisão e de rádio deste País as denúncias que estão gravadas na memória de cada cidadão que leu, ouviu ou assistiu, pela televisão, denúncias que envolvem a Ex dirigente de ensino de Araraquara Sandra maria de Camargo Rossato. Não vale apenas uma resposta malcriada da Assessoria Técnica da Secretaria da Educação SP. Ela "Rossato" está, sim, sob suspeita, está sendo denunciada, e, muito mais do que uma resposta malcriada, precisa dar satisfação à Nação brasileira, a Paulista e a Araraquarense, daquilo que vem sendo praticando dentro das escolas estaduais . Eles tem tudo a ver com essa lama, com essa sujeirada, basta o governo ter vontade de investigar e olhar as provas para reconhecer a o Esquema de corrupção. Mas exigimos que esse caso seja apurado. E ele começará a ser apurado a partir dessa reunião de hoje na Assembléia Legislativa de São Paulo em audiência pública na Comissão de Educação.

Além disso, quero deixar colocado aqui esse instrumento a mais de condição de averiguação dos fatos, para que os senhores Deputados possam efetivamente apurar qualquer deslize e qualquer ato de improbidade que exista no âmbito do Poder Público Estadual. É para isso que existe a Comissão de Educação para fiscalizar e controlar, e melhorar o funcionamento de todas as escolas Estaduais, coloco a V. Exª essa questão e essa prerrogativa da Comissão. Muito obrigado.
Dorival Silva
Agradeço, Senhora Giulia do Educafórum espaço democratico de denuncias de Corrupção e de desmandos do autoritarismo desenfreados nas escolas deste país, que cobra das autoridades públicas ação efetiva, mas não é conivência com a corrupção e com a imoralidade. Se foram denunciadas, têm de ser apuradas e quem deve determinar a apuração dessas denúncias e dessas irregularidades, aqui publicadas pela imprensa, é o próprio Governador do Estado de São paulo Senhor José Serra.

apostando no BEM disse...

Acabo de sair do tópico
Quem poupa os lobos, sacrifica as ovelhas.
Lí os posts e reli mais de uma vez.
Fiquei encantada com a posição firme do Movimento Comunidade de Olho da Escola Pública.
Eles fazem o que se chama de " matar a cobra e mostrar o pau"
Contam as violências que aluno sofre dentro da escola, mas casos que a imprensa já divulgou, sem acrescentar nada, mas mostrando com muita coragem o outro lado.
Se depois disso, a Glória Perez não entender que professora não é a santa, a heroina a perfeita sem pecado, então estará tudo perdido
Aposto no bom senso e na coragem da Glória Perez.
Ele nem precisa derrubar sozinha o mito da santa professora, mas não vai com certeza crucificar o aluno.
Mostrar os dois lados não vai poder mesmo
Mostrar o lado do aluno que sofre e o lado da professora dissimulada, cruel e incapaz.
Mostrar o lado da educadora que quer dar uma aula de qualidade, que sabe que é importante mas que está refém da corrupção e do desmando.Não por causa do aluno.
Agora é só esperar.
Aposto no BEM.

GLORIA PEREZ disse...

tenho lido atentamente os comentários deixados aqui, e posso garantir a vocês que todos terão voz na novela.

Nos primeiros capítulos prevalece o ponto de vista da professora, depois mostro o ponto de vista do aluno e da mãe do aluno.

Vamos esperar que as insatisfações, expressas por um lado e outro, contribuam para levantar uma discussão produtiva, capaz de abrir espaço para reformulações em benefício de todos

Um abraço para todos vocês.

GLORIA PEREZ

Desaminada... disse...

Glória Perez.
Sei de sua capacidade, você é reconhecida não só por ser uma escritora corajosa, mas duvido que tenha condições de escrever o que ocorre dentro da sala de aula.
Duvido mesmo que possa mostrar o que acontece com o aluno.
Se logo nos primeiros capítulos já pauta a novela mostrando algo que não acontece na realidade, fica dificil virar o jogo.
Uma cena só,mostrando a professora santa sendo maltratada pelo aluno, não sendo a realidade retratada já vai causar um mal para os alunos que você não tem noção.
Se fizer isso, sabendo que não é a verdade, só porque já escreveu e já filmou, fica mesmo por sua conta e risco e na sua consciência.
Eu lamento muito, mas lamento muito mesmo.
Eu também sou de Ribeirão Preto como aquela pessoa que escreveu .
Queria que você se colocasse um segundo na pela daquela mãe que perdeu os dois filhos por causa da intolerância da escola pública.
Os dois perderam a vida.Um está no cemitério e outro quando sair da prisão não servirá para mais nada.
Acho que só quem perdeu um filho de modo estúpido pode avaliar isso.
Lembro ainda a frase de Shakespeare também postada aqui.
SÓ RI DA CICATRIZ, QUEM NUNCA FOI FERIDO.
Quero que avalie quantas mães tiveram seus filhos mortos por causa da escola pública que se tornou situação de risco.
Lembro mais, na escola Amadeu Amaral morreu um aluno no banheiro da escola.A mãe dele jura que ele foi assassinado, e que era um excelente filho.
A diretora da escola na última reunião sugeriu que ele era drogadicto.Nao respeitam nem a memória dos mortos. A mãe do aluno assassinado quase teve um infarto quando soube disso.
Isso é para você pensar.
Se já começar a novela nesse norte, acho que não vai conseguir mudar o rumo deste navio.
Lamento e fica na sua conciência.
Sei que você é uma mulher de muito caráter.

Mães aflitas... disse...

.....Se a senhora mostrar professora santinha atormentada por aluno diabo....
Primeiro que não existe essa figura, nem a do aluno diabo, que ele vai logo para a cadeia....
Nem da professora um anjo abnegado, anjo nunca é atormentado pelo aluno.
Estamos lutando desesperadamente, uma luta cruel e desigual, para mostrar que aluno é a vítima e a senhora vai mostrar aluno como um ser diabolico que atormenta uma santa ??/
Vai mesmo ???
Meu Deus...tenha misericórdia de nós.
LUZ NA GLÓRIA PEREZ!!!
LUZ NELA JESUS!!!!!

GLORIA PEREZ disse...

MAES AFLITAS, vocês terão voz. Confesso que quando comecei a escrever a novela só conhecia um lado da questão. De modo que peço paciência. Esperem até o capítulo 20 para me cobrar o compromisso de dar voz a vocês
abraço
Gloria Perez

LUZ NA GLORIA PEREZ, LUZ NELA JESUS !!!!!! disse...

OBRIGADA GLÓRIA PEREZ.
AINDA BEM QUE A SENHORA RECONHECE QUE DESCONHECIA O OUTRO LADO DA QUESTÃO, MUITO NATURAL.
A MAIORIA DAS PESSOAS QUE NUNCA TIVERAM FILHOS NA ESCOLA PÚBLICA ~DESCONHECE O HORROR E A ANGÚSTIA QUE SOFREMOS.
ESSAS PESSOAS, INCLUSIVE A SENHORA PODERIAM, SE APENAS DESCONFIASSEM, PERGUNTAR PARA SEUS EMPREGADOS OU AS PESSAS SIMPLES.
EU FIZ ISSO, E TIVE QUE MUDAR AS PERGUNTAS PARA CONFIRMAR.
A PRINCIPIO AS MÃES NEGAM, ELAS TEM ATÉ VERGONHA DE CRITICAR QUEM TODO MUNDO CHAMA DE SANTA.
DEPOIS APRENDI E FUI DESCOBRINDO COISAS QUE EU NÃO PODIA NEM IMAGINAR QUE ACONTECIA.
MAS VAMOS SIM ESPERAR OS 20 PRIMEIROS CAPITULOS, E TORCENDO PARA QUE NÃO FAÇAM OUTRO ROMBO NA NOSSA ESPERANÇA DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE QUALIDADE.
DO JEITO QUE ESTÁ É SIMPLESMENTE MAIS UMA FÁBRICA DE BANDIDOS...

Anônimo disse...

Terça feira passada no Programa Super Pop da Lucina Gimenez foi contado o caso de um professor pedófico.
Coisa de dar nauseas
Todos os detalhes contado e o caso encaminhado para o Dep Magno Malta
O que eu não gostei foi que não contaram o nome da escola e nem o do professor.
Quando é pedófilo de quaiquer outras profissões,mostram o rosto o nome, a idade...com direito a esculacho, mas quando é professor todo mundo tem medo de dar o nome.
Acaba que vai dar em nada e o professor muda de escola e vai aprontar com outra aluninha até ser descoberto e mudar de escola de novo até se aposentar.
Isso é que eu não suporto.

Redescobrindo a lei da gravidade. disse...

Funciona assim
Se os pais denunciarem e sair na imprensa, mesmo que seja uma vezinha só e mesmo que o apresentador de razão para a professsora, o aluno está desgraçado
Se o caso for grave como foi o caso da escola Octacilio de Carvalho Loopes o professor é promovido.
O professor assediava as alunas, e falava coisas vulgares, se vangloriava e até engravidou duas alunas.
Espancava alunos
Até que uma mãe denunciou
Como o professor aprontava tudo de ruim e promovia bulliyng
Tinha uma galera encarregada de correr atrás e segurar aluno para ele bater.
Como era muita coisa denunciada e coisas graves, trataram logo de efetivar esse professor.
Ele que tinha feito duas vezes o concurso e não passara, de uma hora para outra no meio do processo fez o concurso e passou com nota 6
O último aluno que ele espancou foi na sala de aula.
Ele declarou na imprensa que o aluno rebolava feito bicha e isso o incomodou.
Na averiguação preliminar da Diretoria Leste 4 consta que a Diretoria admitia que era normal professor chamar aluno de bicha.
EStá escrito em documento oficial.
Então o professor continuou aprontando, e para fazer uma blindagem perfeita ele foi promovido a Coordenador Pedagogico da Escola Adelaide Ferraz de Oliveira, essa escola tirou nota zero virgula alguma coisa no Saresp.
Assim é que funciona.
A escola pública redescobriu a lei da gravidade, quanto mais os pais baterem no professor mais ele sobe de cargo...

Marcos Costa Melo disse...

Gloria, esse é um campo minado. Será muito difícil agradar a todos, mas talentosa que é, você saberá conduzir de forma adequada.

Só peço que tente evitar a dicotomia simplista de professor bom e aluno mau ou vice-versa. E, por favor, também tente evitar o estereótipo da professora santinha e do aluno que só é revoltado porque o pai é bêbado ou a família é desestruturada.

A educação brasileira hoje é lamentável - incluindo em boa parte das escolas privadas também -em função de uma associação de fatores, que vão desde a falta de preparo dos professores, passando pela - vá lá - "liberdade excessiva" dos alunos e que chega até a desestruturação familiar.

Eu, como tantos outros, terminei a faculdade acreditando que seria um ótimo professor. E, humildemente, até fui bom, visto os elogios e o carinho dos alunos por onde passei. Entretanto, há três anos estou fora de sala, ainda trabalhando numa escola, mas apenas no administrativo. Cansei de uma certa sensação de inutilidade, de vazio que permeia a profissão. Há de se ter muito idealismo para seguir nela.

No meu blog, na semana do professor, fiz algumas reflexões a esse respeito. Caso tenha disponibilidade de tempo e queira conferir, o endereço é www.euforiamelancolica.blogspot.com

Desejo sorte e sucesso nesta nova empreitada.

grande abraço

JORGE PEDRO SOLA disse...

Professor Marcos Costa Neto
O que nós queremos é JUSTIÇA
Nada de demonizar professor nem aluno.
Justiça apenas
Familia desistruturada o professor também tem.
Essa desculpa para justificar a falta de atenção com alunos, dizendo que ele tem familia desistruturada é simplista demais.
Conhecemos educadores, e ser educador é diferente de ser professor.
Educador é vocação e professor é profissão
O que vemos é uma categoria mimada ao extremo, tida como santa e inimputável
Não punindo nunca os maus estamos desprotegendo os educadores de fato.
Sabemos que a pior chaga é a impunidade que sustenta a corrução e as duas sustentando a violencia.
Professor precisa ser avaliado e tratado com respeito, como profissional.
O que se teme é que a Gloria apele para a fala fácil da professora santinha maltratada pelo aluninho mauzinho.
A A Favorita mostra a professora de portugues, problemática, beirando a loucura que é mulher do prefeito.
Um caso passado muito por cima
Muito comum, ela é professora de portugues mas é esposa do prefeito, vai vagar pelas ruas e quando for na escola, vai assinar o ponto de todos os dias perdidos
A novela imitando a arte.
Outro fato que saiu no Diario Oficial de hoje.
A diretora da Escola Estadual Lucas Rosquel Rasquinho acusada de depenar a escola.Sumir com cheques gordos.Desvios de verba grosseiros.
Espancava alunos e mandava espancar.
Promovia bulliyng e outras coisas que não dá nem para divulgar, mas está tudo no relatório enviado para todas as instancias administrativas.
Entao um caso de policia, um crime
Desvio de verba, roubo.
Então depois de apurado e constatado ela ao invéz de ir para a cadeia que é lugar de ladrão, vai para a Diretoria de Ensino Sul 3 prestar serviços burocraticos.
Diretoria de Ensino tem tanta gente lotada ali que se fossem todos no mesmo dia e no mesmo horário nao caberiam nem de pé
Então é isso.
O que se pede é JUSTIÇA
Acabando com a impunidade e a corrução a escola anda sozinha.
Pais e alunos no momento são vítimas, reféns de um sistema falido moralmente.
O elo mais frágil dessa corrente é o aluno
O que se espera é que a Gloria Perez mostre o lado dos alunos
Dificil a gente sabe que é...

Marcos Costa Melo disse...

Jorge, tudo bem? Minha preocupação é que os personagens retratados caiam no estereótipo pra lá de manjado, o que não ajudaria em nada o debate (e acho que a intenção da Gloria, visto as outras novelas, é estimulá-lo).

"Acabando com a impunidade e a corrução a escola anda sozinha.
Pais e alunos no momento são vítimas, reféns de um sistema falido moralmente.
O elo mais frágil dessa corrente é o aluno
O que se espera é que a Gloria Perez mostre o lado dos alunos"

Discordo desta parte, acho que o problema envolve muitos setores e, sinceramente, não vejo vítimas nesse processo, todos têm sua importância, em maior ou menor grau.

É um tema complexo, difícil discuti-lo via posts, mas minha preocupação sempre é no sentido de justamente evitar a vitimização de qualquer dos lados envolvidos e reforçar estereótipos.

abraços

O presente mais pedido ao Papai Noel dos Correios disse...

SE O PAPAI NOEL DISTRIBUISSE VERGONHA NA CARA...

O pedido mais frequente de crianças ao Papai Noel dos correios, foi material escolar. As crianças alegando que sem material escolar não iam poder estudar em 2009.
O que a gente podia pedir ao Papai Noel é que levasse vergonha na cara ao nosso governador e sua respectiva secretária de educação.
Principalmente os do Estado de São Paulo. Estado que mais arrecada em todo Brasil.
Sobrou quase um bilhão da verba da Educação que serão distribuidos como presentinho para as professoras que mais faltaram que compareceram na escola. Aula mesmo elas não deram nem quando iam uma vez ou outra na escola.
Educador sério ficou mergulhado e afogado nesse mar de lama.
Na verdade, mesmo que Papail Noel atendesse o pedido dessas crianças todas, que não podem comprar material escolar, sem vir junto uma professora disposta a dar aula,não ia adiantar muito.
As crianças estão preocupadas, mas o Governador não está.
Seria muito bom que junto com esses pedidos sérios algum sino de Natal batesse forte no coraçao do Governador José Serra e desse um luz na sua alma.Que no próximo ano,nenhuma criança deixe de estudar por falta de material escolar, por falta de vaga, por falta de professora e sobretudo por falta de VERGONHA NA CARA DE QUEM GOVERNA ESTE PAIS.
Seria muito bom que o saco do Papai Noel viesse cheio de vergonha para distribuir para esse pessoal que finge se preocupar com educação mas está mesmo preocupado em agradar a corporação.
Tendo vergonha na cara, o aluno vai ser priorizado.
Aluno priorizado e seriedade, ano que vem as crianças podem pedir ao Papai Noel o que é normal criança pedir: BRINQUEDOS...

Renata disse...

A minha sala de aula com 34 crianças entre 4 e 5 anos, esta aberta a visitação, observação, análise ou qualquer outra coisa...Só quem vive essa realidade tem capacidade de avaliar, criticar,etc.Por-favor não teçam comentários apenas do portão, ou de dentro de suas casas, va saber de fato o que se passa, investiguem o fracasso escolar, não para acharem culpados, mas tão somente unir esforços para fazer acontecer uma Educação de QUALIDADE PARA TODOS.

pedro disse...

Esta Reportagem saiu no
Blog da Glória-Leopoldina,MG Uol
Uma professora fanstástica, exemplo de educadora séria e comprometida
"Educador denuncia campanha de difamação da infância

"Uma escola que tem medo da infância é o último sinal da barbárie. Vamos ter que reagir a tudo isso e adotar uma postura pedagógica. Quando uma escola, um diretor e um colegiado resolvem expulsar crianças e até adolescentes e chamar a polícia é o atestado do fracasso pedagógico. O pior é que às vezes nem tentamos a recuperação pedagógica e dizemos: não damos conta.

Então, vamos fechar as escolas e abrir academias de polícia. Eu acho que a escola ainda tem sentido com um projeto educativo para a infância. A palavra pedagogia, de origem grega, diz cuidar da infância, acompanhar a infância, acreditar na infância. Então acho que isso tem que ser a postura ao invés de chamar a polícia." Miguel Arroyo

NÃO DEIXEM DE LER O RESTO NO BLOG DA PROFESSORA GLORIA, TÃO GLORIOSA QUANTO SUA XARÁ GLÓRIA PEREZ

Anônimo disse...

Não exitem professores ou alunos vítimas e professores e alunos algozes, o que existe é um espelho da sociedade em que vivemos. Pesquisadores utópicos ou hipócritas, mães e professores desesperados e uma escola pública bem diversa é o que temos.
Só quem vive o cotidiano sabe do que estou falando. No meu primeiro dia de aula como professora em uma escola de periferia, depois de alguns em escolas particulares e escolas públicas de "bairros", os alunos arremessaram uma mesa e e me empurraram para fora da sala porque estava tirando a aula vaga deles. Sentei e chorei, o que poderia fazer? "Professora algoz" eu não era, porque nunca tinha visto aqueles alunos na minha vida. E chorei muitas vezes até me acostumar com o caos. Se soubesse fazer outra coisa e se pudesse me realizar em outra profissão, não pensaria duas vezes em abandonar o Magistério.
Hoje, quando falto, sou abordoada pela indignação de meus alunos e ainda continuo na periferia. Acostumei-me lindamente com o caos, apesar do salário, e às vezes me pego a perguntar o que faço na escola pública com a formação que tenho, sou extremamente criticada pelos meus colegas.
Gostaria de dizer, como quem conhece a causa, que não existem algozes na escola. É muito mais fácil culpar o outro do que tentar mudar a nossa situação mais próxima.
Como formadora de opinião, sua responsabilidade é enorme, por favor, não perpertue a imagem de algoz de quem quer que seja!

Sofhia disse...

Gente, era para rir se não fosse um assunto tão doloroso....
Quando aparece aqui gente do Movimento Comunidade de Olho na Escola Pública, mostram a violência, onde ocorreu o fato.
Disponibilizam emails para confirmação do fato.
Contam da impunidade com exemplos fartos e muitos, não exemplos aleátórios.São o cotidiano da escola pública.
Dai vem uma e conta que os alunos a empurraram para fora da sala e fecharam a porta.Pior ainda, arremessaram uma mesa nela....
Francamente...menos, vai, menos.
Em escola pública quem coloca aluno fora da sala de aula é a professora, e muitas vezes por conta de uma pergunta que o aluno fez, de modo impertinente.
Voce acostumou-se lindamente ao caos apesar do salário, mas acho que se acomodou lindamente no caos, mas que esse caos é muito vantajoso
E salário de professora é o maior entre as funções com a mesma formação.
Aliás, até a formação dos professores, os pedagogos é uma formação pífia.
Pedagogia é o curso mais rápido mais barato e o que menos pontos exige para o seu ingresso.
De modo gaiato os colegas de outros cursos ainda acrescentam que o único quesito para fazer pedagogia é ter e inteligência da profundidade de um pires.
Os alunos e os pais são sim as vitimas dessa situação lamentavel
Esse caos que só é lindo para quem recebe e leva vantagem
Esse caos é feio e doloroso para quem paga a conta.
A professora anônima, alega que se soubesse fazer outra coisa desistiria do magistério. O pior é que não sabem fazer nem outra coisa e nem dar aula.
As educadoras que sabem a importância da sua função na formação de um cidadão não se acostumam ao caos e a miséria moral em que a escola pública está mergulhada.
O que a gente não quer é que algozes permaneçam na escola pública
Queremos é que a escola nem seja uma santuário do saber, mas que deixe de ser o antro que se transformou.
Não queremos algoz e nem vitima na escola pública.

Professor Pedro disse...

Cara colega anônima:
Aprendi a ler nas entre linhas e muita vezes depois de ler mais de uma vez um texto confuso ele me parece simples.
Foi o que aconteceu com o que você escreveu e na verdade, eu não queria era entender o que você deixou bem claro.
O que as pessoas que escrevem aqui criticando a qualidade da escola pública, apresentam soluções, dolorosas e remédios amargos mas que vão curar.
O que os pais e educadores menos querem é perpetuar os algozes da escola pública, pelo contrário querem se livrar dos algozes.
O remédio inclue em banir das escolas os profissionais que estão na escola, só porque não sabem fazer outra coisa e então vão fazer nada na escola pública, que ali nunca são cobrados.
Entrou na escola pública, fez parte da panelinha, tem parente importante ou pólitico entao nao tem mais do que se preocupar.
Eu como educador me desespero juntamente com os pais e alunos.
Não desisto, nem vou desistir, acho que ganho bem, já escrevi isto aqui, trabalho na escola pública todos os dias da semana de manhã e tres dias a tarde em uma escola particular de alto padrão e ganho relativamente bem.Considero o que ganham meus colegas engenheiros civis.
Quando eu leio uma colega escrever reclamando do salário e diz que esta na escola pública porque não sabe fazer outra coisa, fico angustiado.
Pior ainda,dizer que se acostumou lindamente com o caos.
O caos, a impunidade e a corrupção só fazem bem para os corruptos e para os maus profissionais.
Ensinar não é uma tarefa fácil, para quem não tem telento.
Ensinar não é uma coisa que qualquer um que não sabe fazer nada pode fazer.
Isso é que me incomoda.
Eu ensino com um pé nas costas, mas acho que tenho vocação e talento
Isso é o cerne da questão
A escola pública não leva a educação a sério.
Qualquer pessoa que não saiba fazer nada pode se dar bem e depois sai reclamando do salario que nem merece.
Uma coisa muito complicada de ler sem me manifestar.
Espero não ter ofendido a colega, que esse não era o meu objetivo, mas acho que ela devia urgentemente procurar outra coisa para fazer.

Giane disse...

Boa noite, Glória! Li alguns comentários sobre o tema que será abordado em sua próxima novela. Confesso que alguns são bem interessantes, mas outros são simplesmente um dispropósito.
Sou professora. Fiz faculdade de História e me orgulho da minha profissão. Já faz seis anos que leciono e tenho visto parte da sociedade depreciar o nosso trabalho. Felizmente, não é a maioria.
Bom, o que eu tenho a acrescentar, é a minha opinião de que os que falam mal dos professores (de forma generalizada)desconhecem a fundo a realidade da escola pública e erram, na medida em que culpam apenas uma figura (a do professor), deixando de lado uma conjuntura problemática.
Dificilmente você encontra alguém que critique o secretário de educação, o prefeito, o governador, o ministro da educação e assim por diante, pela situação atual do ensino brasileiro. Por que será que somente o professor tem culpa?
Maus profissionais existem em qualquer área. Com certeza existem maus professores, assim como existem maus médicos,advogados, pais, ministros, secretários e etc.
A maior parte dos professores, são excelentes profissionais.
Alguém que escolhe essa profissão e se dedica verdadeiramente a ela (como é o caso da maioria), merece respeito de toda a sociedade. Obrigada.

Profª Daniela disse...

Sabe,Glória Peres a decadencia da educação em SPaulo é culpa de todos.Do Governo estadual pela sua politica onde se implantou a Progressão automática - q é aquela em q o aluno avança nas séries mesmo não tendo o minimo de conhecimento -, dos pais q preferem os filhos na escola do q em casa dando trabalho e qdo os mesmos perguntam o q vc sabe e o filho não mostra o q sabe a culpa é do professor, e tb a culpa é nossa q aceitamos as regras e normas da SEE e por causa de "metas" aprovamos mesmo contrariados por ordem da direção da escola. Os professores assinam o "atestado de burrice" qdo aceitamos a imposição dos diretores q tb aceitam a imposição dos seus superiores.
A agressão da parte doa alunos p/ c/ os professores tb se dá ao fato deles não terem limites em casa pois os pais são ausentes.
É muito bom q se mostre a realidade nua e cru da situação da escola pública em SPaulo p/ ver se as pessoas vejam o q acontece nas escolas.
Precisando de ajuda pode procurar qq prof. da rede q queira mostrar a realidade....

Sofhia Ferreti disse...

Professora Giane
A senhora está sendo injusta com as pessoas que criticam os professores.
Se os professores não trabalham e ofendem os pais, agridem alunos e fazem um monte de barbaridade, é que não tem nenhum tipo de fiscalização sobre eles.
A culpa desse caos é mesmo do Goverandor José Serra e da secretaria
Não pune os maus professores, que se tornaram a maioria, está sendo cometendo injustiça com os bons.
A impunidade e a corrupção contaminou a rede.
Os pais gostam dos professores, tanto que é a profissão mais bem avaliada pelos pais, so perde para o Corpo de Bombeiros.
Falo do estado de SPaulo, as escolas foram avaliadas com média 2 tendo mais de 3.000 escolas que tiraram zero alguma coisa.
Se fossem a minoria dos maus professores, não teriamos crianças saindo analfabetas das escolas.
Para falar em respeito tem que dar o respeito, coisa que acabou na escola pública
Respeitar e não ser respeitado não é um condição saudavel para uma escola doente e imoral, que responzabiliza a famila pelo seu fracasso.
Então, eu registro de novo aqui o meu descontentamento com o Governador José Serra SP, que não pune e não fiscaliza a escola pública mergulhada na impunidade e na corrupção
Mes passado houve uma prova para avaliar os professores não concursados, a gente sabe que eles não passariam nessa avaliação, a maioria estão ali por indicação politica e mal sabem escrever.
As Diretorias de Ensino fraudaram as provas, passando as respostas para os apaniguados.
Esperar o que desses professores?

Resposta para a Giane. disse...

Professora Giane
Tenho que dizer que a senhora está enganada.Completamente enganada
Estou me referindo exclusivamente do Estado de São Paulo, o estado que mais arrecada em todo Brasil.
A Secretaria de Educação de São Paulo sozinha tem recursos maiores que muito estado pequeno.
Uma montanha de verba que não chega ao aluno.
Se fosse a minoria de professores que não trabalham por incapacidade ou porque não são cobrados, não estariamos nesta situação de calamidade.
A escola pública foi avaliada com nota 2, na escala de um a dez.
Milhares de escolas tiveram nota zero virgula alguma coisa.
Alunos que saem analfabetos depois de frequentar anos a fio a escola.Alunos bonzinhos, os rebeldes sao expulsos, os questionadores a escola omissa encaminha para a escola do crime onde sempre tem vaga.
Os alunos que aprendem um pouco, não é na escola.Aprendem em casa com parentes, muitas vezes com professora particular, em associações de bairro ou até em igrejas, que a escola não ensina absolutamente nada.
O ano que passou foi ano eleitoral e não teve aula o ano inteiro mesmo
As professoras que não se condidataram apenas pelos meses de licença eram cabos eleitorais de algum candidato, e ninguem se atreveu a cobrar nada de uma escola imoral, falida que se transformou em comites eleitorais.
Na cidade do Taboão da Serra SP o predio da Secretaria de Educação virou um fuzuê danado.Reuniões com cabos eleitorais, depósito de material de campanha e se discutiu eleição, estratégia de campanha mas escola mesmo, não foi discutida ali.
Se fosse a minoria razoável não haveria grandes problemas, mas é a maioria esmagadora.
Noticias de corrução aqui e ali sendo tratadas "em passant" como se fosse a coisa mais natural do mundo
Não é só o professor que tem culpa
Claro que não.
O professor não trabalha e comete tudo que é barbaridade, por conta de um governo omisso e covarde que não tem coragem nem boa vontade de peitar a corporação dos professores que é a mais rica e poderosa do Brasil.
Estamos para usar a linguagem que o Presidente Lula tanto gosta,
O CABRITO ESTÁ CUIDANDO DA HORTA
O CAPIM ESTÁ COMENDO A VACA.
A impunidade tomou conta da escola pública e contaminou toda a rede.
Temos pouquissimos educadores nas escolas públicas e é graças a eles que a escola não ruiu de vez.
O povo gosta dos professores e os respeita, pena que a recíproca não seja verdadeira.

Eduardo Souza Prado disse...

Gloria Perez:
Sou filho único de um casal de comerciantes relativamente bem sucedidos.Sempre estudei em escola particular.
Casei com uma moça filha única que também estudou em escola particular e tivemos dois filhos.
Naturalmente meus filhos estudam em escola particular, a mesma onde estudei.
Impossivel descrever o que senti quando li aqui o que se fala de escola pública.
A principio levei um susto e pensei tratar-se de brincadeira.
Voltei e li tudo de novo e minha mulher também leu e ficou tão assustada quanto eu.
Ficava sempre no aguardo que viesse uma professora aqui, que assinasse e desse seu email, que desmentisse as denúncias.
Nunca aconteceu e de frustração virou angústia e medo.
As professoras que escrevem aqui escrevem mal, algumas com erros grosseiros. Com desculpas que as mães derrubam na maior facilidade.
As poucas professoras que escrevem aqui são anônimas.Dão desculpa da lei da mordaça, lei que proibe professora falar mal do governo mas não as proibe defender a escola que trabalham
As denúncias ao contrário tem o nome da escola e o fato descrito com riqueza de detalhes que me deixam perplexos.
Os blogs indicados aqui existem.
o blog da Cremilda tem até uma foto dela .
Não são anônimos.
A professora Gloria, escreveu um livro que incomoda até o titulo
Escola Instituição da Tortura.
Passei então a perguntar para os filhos de meus empregados sobre a escola deles. A princípio meio envergonhados, como se a culpa fosse deles.Tantas vezes responsabilizado pelo fracasso da escola que os alunos ficam constrangidos.Depois mais a vontade, contam coisas inacreditáveis.
Fica a minha preocupação como pai de familia e como contribuinte
A escola pública está deformando cidadão.
Tenho dois filhos que de um jeito ou de outro vão conviver com esse pessoal que está aprendendo na escola a ser uma pessoa vil, sem nenhum respeito as leis e ao outro ser humano.
Que mundo está a escola pública preparando para deixar para nossos filhos?
Eu até me desculpo, eu não sabia.
Mas as professoras de escola pública que são omissas e dão os piores exemplos, pensam que tendo seus filhos em escola particular estão a salvo?
MEU DEUS !!!!QUE HORROR...
Estou bastante preocupado, só não sei no momento o que fazer.
Alguma coisa precisa ser feita e com urgência.

Angelina Favaro disse...

Professora Daniela....
Lamento contestar a senhora.
Progressão Continuada nunca impediu professora de ensinar.
Na progressão continuada que os maus professores transformou em promoção automática é uma coisa boa.
Na progressão continuada o professor tem que dar aula de reforço para um aluno ou para um grupo tão logo perceba alguma dificuldade.
Nessas aulas de reforço que devem ser em horário diferente do horário normal o professor recebe a aula e mais 30 por cento de aumento
Se o professor mal aparece na escola como vai saber a dificuldade do aluno?
Mas ele embolsa a aula de reforço como se tivesse dado e aprova o aluno sem ele saber.
Para reprovar o professor tem que fazer um relatoria explicando que apesar de ter recebido um tanto X de reforço o aluno não recuperou
Nao deu nem aula normal e nem reforço e aprova o aluno.
Pronto ! a Progressao Continuada virou Promoção Automática.
Os professores da rede sabem muito bem que Progressão Continuada não quer dizer de jeito nenhum aprovar aluno sem saber.Muito pelo contrário obriga o professor a se responsabilizar pelo aprendizado do aluno.
Professor transformou a Progressão Continuada, uma coisa boa em Promoção Automática de modo imoral corrupto e desleal.
As diretoras das escolas sabem que as professora não dão nem aula, e nem reforço mas não estão nem um pouco preocupadas.
A maioria das diretoras de escola tem outros empregos e deixam a escola na mão de uma panelinha.
Não existe agressão de aluno para professor, que aluno nem tem chance para isso.Existe policiais armados da Policia Militar, a tal Ronda Escolar a serviço da escola
Aluno ou mae chiou a policia leva pra a Delegacia de Policia.
Se a Gloria quiser e se achar que precisa procure qualquer desses grupos em defesa de direito de aluno, nem vou sugerir nenhum, é só pedir e eles mostram exemplos de qualquer lugar de São Paulo.
Exemplos de violencia contra aluno
com BO, exame de corpo de delito e tudo certinho.Testemunhas e etc...

CRISTIANE disse...

SOU MÃE DE UM ALUNO DE ESCOLA PÚBLICA EM SP, DO ENSINO FUNDAMENTAL, E SÓ TENHO ALOGIAR O DESEMPENHO DO MEU FILHO E DO BOM RELACIONAMENTO ENTRE A PROFESSORA E OS ALUNOS.
POR TODA AMIZADE QUE FIZEMOS NO DECORRER DESTE ANO, PUDE SENTIR QUE ESTA BOM INTERAÇÃO COM SEUS ALUNOS, DEVE-SE AO FATO DESTA PROFESSORA SER UMA PESSOA DE MUITA FÉ EM DEUS.
ACREDITO QUE TODOS OS PROBLEMAS EM SALA DE AULA OU FORA VÊM DA FALTA DE RELIGIOSIDADE DAS PESSOAS. É AÍ QUE ESTÁ AGRANDE DIFERENÇA ENTRE A EDUCAÇÃO NO BRASIL E NA ÍNDIA, ONDE DESDE PEQUENOS, NA PRÓPRIA FAMÍLIA AS CRIANÇAS JÁ APRENDEM QUE DEUS MORA DENTRO DELAS, APRENDEM A MEDITAR, A REVERENCIAR DEUS NAS OUTRAS PESSOAS, ENTÃO QUANDO CHEGAM IDADE ESCOLAR, AINDA TÊM AULAS DE IOGA E MEDITAÇÃO COMO PARTE DAS AULAS.
JÁ NO BRASIL, A MAIORIA DAS FAMÍLIA NÃO POSSUI UMA PRÁTICA ESPIRITUAL ATIVA E NÃO ENSINAM SEUS FILHOS OS VALORES ESPIRITUAIS COMO FÉ E DEVOÇÃO. INFELIZMENTE ESTA CARÊNCIA RELIGIOSA VEM DE MUITAS GERAÇÕES, SENDO DIFÍCIL INCLUIR ESTES VALORES NO ESPÍRITO DAS CRIANÇAS, MAS TEMOS MUITOS RECURSOS PARA ISTO: COMO ORAR JUNTO COM ELES TODOS OS DIAS, LER PARA ELES, HISTÓRIAS DE GRANDES MESTRES COMO JESUS, BUDA, KRISHNA.
ACREDITO TAMBÉM QUE NAS ESCOLAS DEVE-SE USAR DESTES RECURSOS PARA DESPERTAR A ESPIRITUALIDADE DAS CRIANÇAS, MAS É CLARO QUE O MESTRE DE SALA DE AULA DEVE TER UMA PRÁTICA DE FÉ ATIVA PARA PASSAR ESTES ENSINAMENTOS PARA SEUS ALUNOS COM SINCERIDADE: "PRATICAR O QUE ESTÁ ENSINANDO"

Maria Luisa disse...

Estou preocupada. Sou professora, gosto muito da minha profissão, me considero responsável e sempre interessada em fazer o máximo pela qualidade do meu trabalho. Confesso que por vezes pensei em mudar de profissão devido às inúmeras cobranças e às dificuldades em ensinar, que por sinal, estão cada vez maiores.
Sei que a educação pública é muito atacada pela sociedade, acredito que realmente ela está em decadência, mas deve-se considerar que o professor não é o causador de todos os problemas. O sistema educacional está em constante arranjo ou desarranjo, a formação docente precisa ser melhorada e principalmente a sociedade precisa compreender a função da escola.
Muitos pais se manifestaram contra os professores e estão no direito deles, mas é necessário se afirmar que não são todos os professores que agridem ou são negligentes e se há professores negligentes, também há pais que não frequentam a escola dos filhos nem em reuniões, não participam, não estimulam os estudos, não olham os cadernos, não ensinam o mínimo de civilidade.
Da mesma forma que algumas pessoas se manifestaram contra a visão de que todos os alunos são delinquentes, eu estou me manifestando contra essa imagem deturpada que está sendo disseminada acerca de todos os professores. A generalização é sempre um risco, em qualquer assunto.
Os valores na sociedade estão cada vez mais distorcidos e dentro desse contexto, o respeito ao próximo e o interesse pelo conhecimento estão sendo substituídos pelo egoísmo e valorização dos bens materiais. Então para um professor trabalhar com 30 a 40 aprendizes de famílias, realidades, jeitos, culturas e interesses totalmente diferentes e se propor a ensiná-los um conteúdo pré-determinado, é uma tarefa árdua, visto que muitas vezes é necessário parar com esse conteúdo porque os alunos totalmente desinteressados e sem limites, preferem se agredir e agredir aquele que se propõe a ensinar.
Infelizmente, o bom professor que ama a profissão e acredita na educação está buscando novas áreas e mudando de profissão porque muitas vezes se sente encurralado e ofendido por comentários que se espalham por aí e estão expressos inclusive nesse blog.

angelina carvalho disse...

Cristiane
Primeiro eu tenho que duvidar que você seja mesmo mãe de aluno.
Se fosse, diria o nome da escola onde seu filho estuda.
Segundo que eu tenho sim o que me queixar da escola do seu filho, se você morar em SP, Minas, Rio, ou Parana.
Nas avaliações oficiais esses estados são sofriveis e não cumprem minimamente as metas do governo.

Elmirio Boaventura da Silva disse...

Maria Luisa.
Não, não senhora.
Professor não é a profissão atacada pela sociedade.É entre todas, a profissão mais bem vista pela comunidade, só perde para o Corpo de Bombeiros,no entanto a recíproca não é verdadeira.
Ofendem, torturam, humilham, mandam prender nossos filhos por motivo futil e ainda por cima não ensinam quase nada.Haja visto a nota do Idesp.A escola pública de São Paulo foi avaliada na escala de 0 a 10 com 1,14.
Temos ainda bons educadores nas escolas públicas, e os que desistem não são por contra de criticas justas.Os educadores que estão desistindo é que perceberam que é impossivel cumprir a sua obrigação no mar de lama que a escola pública se transformou.
Nossa luta pela melhoria da escola pública, pelo fim da corrução e da impunidade é aplaudida pelos educadores e muitas vezes, contamos com ajuda deles.
Os educadores nos passam informações importantes, impossivel de conseguir estando de fora, assim como cópia de documento denunciando fraudes grosseiras para desvio de verbas.
De novo a senhora responsabiliza a familia.
Escola de qualidade, escola particuar não vive chamando os pais na escola para resolver problemas ridiculos.
Escola particular só chama os pais na escola uma ou duas vezes no ano para prestar contas.
Escola pública chama os pais para resolver tudo que é probleminha e fazem de uma questão pedagógica um auê, só para enrolar e não dar aula.
Tudo é motivo para não trabalhar.
Questão pedagógica tem que ser resolvido na escola, pelos profissionais.
Nós os pais somos sim interessados que nossos filhos aprendam e lhes damos o melhor de nos.
Tanto estamos interessados que os alunos de hoje estão aprendendo em casa, com parentes e amigos.
Na escola só vão mesmo por serem obrigados, mesmo assim para correr todo tipo de risco e aprender o que não deve.
Ensinar não é uma tarefa fácil, nunca foi.
Por conta disso o professor ganha mais que a maioria dos profissionais com a mesma qualificação.
Um educador dá aula com a maior facilidade, um professor sem vocação faz da aula um inferno para ele e para os alunos
Por ser uma função da maior importância e dificil de executar, que defendemos a idéia que professor tem que ser avaliado, o que não serve ser demitido.
Mal comparando mas já comparando, na melhor escola do mundo em Taiwan
uma professora é avaliada a cada dois anos, e avaliada pelo rendimento do aluno.Aluno não aprendeu a professora vai para a
RUUUUA.
Então para a escola pública melharar basta aplicar a nossas leis, administrativas e judiciais.
Professora tem que deixar de ser inimputável.
Professora boa, tem que ganhar bem
A professora excepcional tem que ser premiada para incentivar as outras.
As más professoras que no momento são a maioria, tem que ser demitidas
Pronto uma receita segura.
Um remedio amargo mas com vontade politica é possivel sim.
Elmirio Silva
el_boaventura@ig.com.br

Maria Aparecida disse...

Não existem anjos nem demônios. Na realidade somos todos vitimas das circunstâncias que norteiam as escolas públicas. O professor precisa estar preparado física e psicologicamente para enfrentar os desafios diários. Lidamos com todos os tipos de problemas (drogas, violência, abandono, miséria, carência afetiva,) e às vezes sentimos que não somos capazes de resolvê-los. Não acredito que ser professor é praticar o sacerdócio, mas para exercer uma profissão que lida com seres humanos, diariamente, precisamos de equilíbrio e de muita ajuda, pois nos final do dia sentimos um cansaço, se é que existe, espiritual. Escolhi ser professora, amo o que faço e principalmente acredito que fazemos a diferença. O diálogo com as famílias é muito importante, sempre que posso ouço os pais, para entender o meu aluno. Hoje, depois de muita terapia, consigo não levar adiante uma discussão com o aluno. Deixo para conversar quando as partes estiveram mais tranqüilas. Aprendi a não entrar na energia negativa do momento, às vezes vc sente a veia de o pescoço pular, mas o melhor é respirar e continuar.
Não é apenas a escola, a sociedade vive um laissez-faire. Acredito que estamos num período de transição, por isso não existem receitas prontas, como na minha época de estudante, onde apenas obedecíamos e não questionávamos.
As relações entre a escola e a sociedade estão desgastadas. Os pais não estão contentes com a escola e os professores e os professores sente o mesmo em relação à família. Enquanto ficarmos acusando-nos mutuamente não encontraremos solução.

Clarice de Jesus Pereira disse...

Meu nome é Clarice de Jesus Pereira, tenho 32 anos. Trabalho como ajudante de cozinha e faço também serviços gerais num dos mais conceituados colegios particulares de São Paulo.
Sempre tive facilidade em portuques, sempre gostei de escrever, o contrário de matemática que sou péssima.
Faço o último ano do ensino médio em curso noturno.
Trabalho nesse colégio desde os 19 anos e circulo pelo colégio todo, conheço quase todos os professores.
Circulo e observo tudo, ouço tudo.
Entrei neste blog porque vi uma professora falando dele na sala dos professores e ela estava dando o endereço para todos.
Algumas estavam fulas, outras defendiam os pais e alunos, a polêmica tão grande que me incentivou a vir aqui ler
Li tudinho, e tem coisas que a gente tem que reler e foi o que eu fiz.
Na verdade como tenho um filho na escola pública, sou mãe solteira, e tenho sobrinhos também . Essas barbaridades todas é o dia a dia da escola pública, parece que o povo se acostuma com o sofrimento.
Nosso povo é manso mesmo.
O que me motivou a escrever aqui, foi o que falam de reunião.
Nesta escola que trabalho, é uma escola cara, escola de padrao alto, mas reunião
é só duas vezes por ano e mesmo assim em vários horários para os pais escolherem.
As reuniões são pautadas no maior respeito. Os pais se não vão na reunião, recebem informação de seus filhos a qualquer hora.
Marcam e vão falar com a Coordenadora do Curso que os atende com cafezinho e tem um manobrista para estacionar seu carro.
Na escola pública, vivem tendo reunião e estão sempre falando mal da mãe ausente e colocando fogo nas mães.Sempre "fritando" um aluno.
Eu por exemplo não posso ir em reunião, se for perco o dia de serviço. As vezes minha irmã vai por mim, e as vezes meu cunhado vai. Pior de tudo é que são reuniões ~que não ajudam em nada.
Falam coisas absurdas, falam mal de aluno e falam mal da mãe ausente.
Colocam a culpa em todo mundo e são muito mal educadas.
Vivem chamando a mãe lá por qualquer motivo. Eu fui chamada um monte de vezes e não posso perder horas ou dia de serviço só para ouvir que meu filho se recusou a fazer uma cópia enquanto a professora saia da sala para fazer fofoca com a professora do lado, ou para telefonar na secretaria.
Meu filho é do tipo pacato, mas odeia fazer cópia e eu até entendo que eu tambem não gosto.
Já fui chamada porque ele disse para a professora que não ter pai não é defeito, ela se ofendeu e chamou ele de sem educação e disse que ele tinha falta de pai, que não podia esperar nada de filho de mãe solteira.
Nós choramos muito, mas não fui reclamar com ninguém que sei que ia ficar pior.
Ela estava falando mal das mães solteiras e dizia que elas pariam e jogavam na escola para o estado cuidar.Eram todas vadias e que tinham um filho de cada pai.
Então acho que este espaço serve mesmo para abrir os olhos de muita gente.
Noto que as professoras não tem argumentos e ficam tentando jogar para a familia tudo de ruim que a escola tem
Graças a Deus parece que tem pessoas com coragem para defender os mais fracos.
A diferença entre o tratamento que dão aos pais e alunos de escola pública para a particular é como da água para o vinho.
Interessante é que tem uma professora excelente no colégio que eu trabalho e ela também é da escola da minha sobrinha.
Na escola pública ela é um bicho, trata todo mundo com muita estupidez, e aula mesmo ela não dá.
No colégio pago ela é mansinha como uma gatinha. Toda carinhosa e chama os alunos de meu anjo...
Olho pra ela e fico até roxa de raiva, mas não falo nada.
Uma vez ela me viu observando e perguntou se eu tinha filho que era aluno dela na escola pública eu disse que não, fiquei morrendo de medo dela me reconhecer e ligar meu nome ao da minha sobrinha e passar a persegui-la. Ele deve ter lido na minha cara que eu estava criticando a falsidade dela.
Então estou honrada de escrever neste espaço, e dizer que sou noveleira assumida, assistir novela já é meu hábito.
Vou assistir a próxima, torcendo para que a senhora não frite os alunos de escola´pública
Não merecemos...

prof.Maria Aparecida. ALELUIA!!!! disse...

Maria Aparecida.
Aleluia !!!!
Finalmente uma professora escrendo de modo sóbrio.Escreve como uma educadora que deve ser.
Ensinar é uma tarefa dificil e importante.
Talvez seja a profissão mais dificil que tem. Precisa ser especial.
Professor não é um sacerdote e nem um abnegado, nem um anjo.É um profissional e que muitas vezes erra, e erra grandão.
Errar é natural, mas querer ser reconhecido como santo já é demais..
A senhora retrata um pouquinho das dificuldades que é lidar com ser humano
Dificil lidar com gente, mais difícil ainda lidar com adolescente em fase peculiar de desenvolvimento.
Os educadores estão tão angustiados quanto os pais, com o rumo que a escola pública tomou.
O que ocorre é que a impunidade e a corrupção tomou conta da escola pública contaminando tudo.
Uma educadora que se omite é também nociva.
Não se pode negar as educadores como você, mas negar que a escola está nas mãos de professoras que cometem tudo e qualquer desatino, apostanto na impunidade, não podemos.
Negar que a corrução está solapando os cofres públicos roubando os alunos certas que nunca serão fiscalizadas e cobradas, é ingenuidade.
Seu texto é uma prova que existem educadoras na escola pública
Não ofende,não humilha, não fica responsabilizando os pais
Não estamos nos acusando mutuamente, apenas mostrando que as professoras que enlameiam a função estão enganadas.
Estamos fartos de ver as mesmas acusações e sempre responsabilizando a familia pelo fracasso da escola.
Acho que os professores de modo geral nao devem estar mesmo satisfeitos conosco, estão sendo desmascaradas.
As educadoras estão aflitas mas sabem que temos razão e contamos com elas para virar esse jogo e tirar a escola da mão da corrupçao.

João Donizete Carneiro disse...

Clarice, minha história é parecida com a sua.
Também trabalho em uma escola carissima, mas na secretaria.
As professoras tratam os pais aqui como se fosse reis, só falta desenrolar tapete vermelho.Reunião só duas vezes por ano e ainda assim muitos pais naõ vão.Os pais vão quando podem e tem sempre uma Coordenadora para atender com toda a pompa e circunstância.
Já na escola pública se comportam como se estivessem nos prestando um grande favor,ou pior, uma esmola.
Passei para o segundo ano de direito e estudo a noite
Tenho tres filhos na escola pública, e como minha esposa só trabalha meio periodo escolheu o turno da manhã.Meus filhos estudam de manhã, assim a tarde ficam todos juntos e meus filhos não ficam sozinhos em casa
Reunião da escola não dá para ir de manhã, minha esposa vai a tarde quando chega do serviço e escuta as piores barbaridades, escuta calada que sabe que se reagir meus filhos vão sofrer as consequencias amargas.
Tem reunião a cada dois meses, fora todas as outras reuniões que elas inventam para não dar aula. É reunião disso e daquilo, dia disso e daquilo.Aula mesmo são poucas.
Como não posso pagar escola particular eu procuro compensar pagando cursinhos tipo Kumon que está no alcance do meu bolso e outros cursos que aparecem e pago para os tres.Quando a dificuldade é grande em alguma materia eu pago aula particular, que lição de casa vem aos montes, mas ensinar nada.
Uma escola que é tida de excelencia e só de uniforme eu pago quase 600,00 reais nos tres que o uniforme é vendido na escola mas sem ele não entra.Sei que é proibido, mas escola pública não respeita lei que não lhe interessa e não temos para quem reclamar.
Para ilustrar o abuso das chamadas na escola eu fiquei estarrecido com o caso da Escola Estadual Alfredo Bresser em Pinheiros,bairro onde moro.
Depois de dar o castigo infame e criminoso de obrigar o aluno de 7 anos a beber o próprio xixi, ainda queriam a avó lá.Decerto para tripudiar em cima da coitada.
Ela estava fazendo compras, e foi o suficiente para dizerem que ela é uma avó ausente.
Se já tinham cometido a barbaridade e o aluno estava de castigo na diretoria, queriam mais, queriam dar uma carraspana na avó,como se ela tivesse culpa da travessura do neto.Alías ele colocar urina na garrafa nem foi tão grave assim, grave foi obriga-lo a beber.A avó então devia ficar a disposição da escola enquanto o neto estivesse lá. Para elas a familia se não ficar a disposição de tudo que é capricho então é ausente.
Peço muito a Deus e engulimos tudo que é sapo.Vivemos mandando todo dinheiro que pedem, dinheiro para isso e para aquilo o ano todo.
Ficamos sempre de joelhos com medo, não sei o que eu faria se alguem obrigasse meu filho a beber a propria urina como castigo.
No caso é aterrorizador,a escola não foi responsabilizada, o aluno está sendo perseguido.Pior ainda estao tentando transforma-lo num bandido perigoso que fere gravemente os colegas.
Essas coisas me revoltam profundamente.
Vou aquentando ...e na esperança que de uma hora para outra, aconteça um milagre e alguem bem poderoso olhe para a escola pública
Estou vendo que muitos pais estão se organizando e sei de blogs que estão denunciando de modo bem contundente.Quem sabe a coisa melhora.
Pior do que está, acho dificil
A escola pública de São Paulo foi avaliada na escala de 0 a 10
A média foi 1.14, e esse pessoal ainda tem moral para ofender os pais...

Anônimo disse...

Muito boa esta iniciativa Gloria, realmente ser professor neste Pais é tarefa árdua, e acredito q a grande maioria ama sua profissão,mas o problema é reflexo da educação dentro de casa,infelizmente as crianças não tem referenciais de educação, ética e respeito dentro de casa. Conheço pais que não conhecem seus filhos e quando a escola adverte o aluno, chegam a defende-los e até mesmo tirar da escola.Os filhos são sempre os "santinhos",não fazem nada... Então não há limites, tornam-se adultos tiranos,imaturos,inconsequentes.Pais, acordem,prestem mais atenção nos seus filhos,conversem,oriente-os!

Pedro disse...

De novo ???
Lá vem um professor, dos maus com certeza, que os bons não falam e nem escrem mal de alunos e seus pais.
De novo com o discurso esfarrapado que as familias não dão limites.
Que os pais tiram os filhos da escola só porque a escola lhes dá uma advertencia?
Menos vai, sor, menos...

Anônimo disse...

Bem, de novo a mesma desculpa
Os pais são culpados....
Acho que o prof. anônimo não está lendo os comentários feitos aqui.
Eu leio e muitos eu até releio para entender direito, tem alguns tão estranhos que eu releio só para ver se entendi mesmo
A Gloria mostra mais uma vez que é uma Glória mesmo.Um espaço como este é realmente um tesouro.
Os leitores deste espaço não são só professores, são pessoas formadoras de opinião, e pessoas interessadas nos rumos que o nosso pais toma.Aqui tem leitores de todos os tipos, mas tem gente importante que vem aqui também...
Afinal a ´Glória é referência nacional na defesa dos fracos e briga contra a injustiça mesmo que fira interesses de grandes figuras.
Não gostaria de abordar este assunto, que estaria fazendo com os professores uma das coisas que eu critico neles, vou tentar explicar sem ofender suas familias
Ocorre que prof.se refere a familias que não educam seus filhos e de familia desestruturada.
Não posso me identificar por motivos óbvios, mas trabalho justamente com filhos e parentes de professoras.São os meus clientes mais constantes...
Familia de professora é igualzinha familia de aluno,não muda nada
Na familia de professora tem filhos drogadictos, agressivos, esquizofrenicos, mal educados, sem limites, mal agradecidos, bêbados.
Na familia de professora os filhos muitas vezez cometem cada barbaridade que fica dificil imaginar que eles receberam o minimo de educação e de bom exemplo
Na familia de professora tem desemprego e tem quem vive as custas delas sem trabalhar, tem de tudo igual a familia de aluno.
Fico pensando que essas professoras que criticam a familia de aluno acreditam mesmo que nós não sabemos que na familia dela é a mesma coisa ?

Pai conhecido disse...

Senhora Professora Anônima.
Dizer que os pais não conhecem seus filhos é um absurdo.
Na verdade não conhecemos nem a nós mesmos.
Minimamente a gente sabe que algum tipo de acusação que fazem não tem a ver com o comportamento de nossos filhos em casa, o que nos faz pensar que é mentira da escola.
Não tanto pelo fato em si, mas porque a escola mente tanto que perdeu o crédito e a moral.
Voltando ao tema.
Nos esforçamos para conhecer os nossos filhos, mas professor de escola pública, não tem nenhuma autoridade para fazer essa afimação, já que vocês não conhecem seus alunos nem pelo nome.
Você mesmo, que postou essa bobagem, sabe o nome de seus alunos ?
Claro que não sabe....
Aluno para vocês é um estorvo, não tem nome e nem identidade...
Já na escola particular o professor é incentivado e até forçado de uma certa forma, a saber não só o nome dos alunos, como as suas principais preferências, comida, esporte e religião.
Em escola particular o professor sabe que tipo de trabalho o pai do aluno exerce.
Em escola particular os pais não são chamados na escola a toda hora.
Muito menos para levar bronca, mas todo mundo sabe " a folha que ele pica"

Maria Aparecida disse...

Ao pai conhecido,
Fiquei indignado com os seus comentários generalistas. Não dá para dizer que TODAS AS ESCOLAS PUBLICAS são um lixo E TODAS AS ESCOLAS PARTICULARES uma maravilha. O fato de que na escola particular o professor é mandato embora, por isso mais vigiado não faz dele um bom professor. Trabalho no ensino publico há 20 anos, eu e os meus colegas CONHECEMOS OS NOSSOS ALUNOS PELO NOME, NÃO SÓ ELES COMO TB SEUS FAMILIARES. Tenho alunos que já dei aula para a mãe e agora estou com os seus filhos. Alunos que voltam depois de formados para nos visitar e agradecer. Tenho muito orgulho do trabalho que realizamos. O diferencial é fazê-lo com amor. Tem pais que não participam do vida escolar do seus filhos? Sim tem, mas temos tb uma maioria que o faz. Chamamos familia na escola? Sim. A escola não é um depósito de crianças. Tem que haver um trbalho de equipe. Se há problemas os pais tem que ser comunicados. Ás vezes encaminhado para ajuda. É o papel da escola. Escola particular não quer problema, pois encara o aluno como um CLIENTE que não quer perder, então..... Digo isto, pois tb trabalho em escola particular e não faço diferença. E, garanto ao Sr., que os PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO também não o fazem. Em todas as profissões temos o BOM E O MAU profissional. O que não dá é para GENERELIZAR, por isso minha indignação. Pense um pouco, a ewscola é publica mas, não é gratuíta! Pagamos pela educação de nossos filhos, através dos impostos. A SOCIEDADE DEVE SE UNIR para que tenhamos uma escola de qualidade, com todos os recursos materiais e profissionais. Não adianta trocar acusações, temos´é que buscar soluções. A minha escola é publica e é excelente, atendemos dos 7 anos aos 60 anos! Inclusive com cursos profissionalizantes. E não estou dizendo isto por trabalhar lá. E a comunidade que fala. Temos problemas? É claro! de todos tipos,mas .... lutamos JUNTOS para resolvê-los.

mãe indignada disse...

Ora...ora, professora Maria Aparecida.
A quem pensa que está enganando?
Professora em escola particular tem que ser boa senão é EX PROFESSORA.
Escola pública não é depósito de criança, mas como não fazem nada de graça, não justifica ficar chamando os pais por qualquer coisa.
Pior ainda, chamam os pais para lhes passar carraspana, coisa que não tem peito de fazer com pais de escola particular, em escola particular vocês só faltam lamber o chão que os pais passam.
Os pais de escola pública trabalham fora e não podem ficar a disposição das birrinhas de voces, na maioria das vezes é apenas uma desculpa para não trabalhar.
Generalizar é ruim, é triste.
Gostaria que fosse a minoria que agisse assim, mas é a maioria.
Os pais não são seus empregados para atender os chamados de voces e até perder dia de serviço.
Quem trata alunos como nada são vocês, vocês é que transformaram a escola em depósito de aluno, não os pais.
Temos excelentes professores em escola pública mas são exceção, felizes e honrosas exceções.
Temos pouco bons professoras em escola pública, mas não temos NENHUMA PROFESSORA RUIM DA ESCOLA PARTICULAR.
O que estamos vendo não são trocas de acusações, são acusações de pais, e acusações da maior gravidade, onde dão nome e endereço.
Já professora se limita de modo repetitivo a dizer coisas que não se sustentam, como dizer que escola não é depósito de criança, como se estivessem fazendo um grande favor.
Dizem e sabem que não é verdade, que os pais não se incomodam com os filhos.Isso porque muitos pais não podem ficar a disposição dos carprichos de uma escola falida moralmente, que fica chamando os pais por quaquer coisinha
Isso quando não chamam a policia como no caso das escolas de SPaulo
A "sua" escola não deve ser excelente, que a senhora não tem escola nenhuma, que escola é dos alunos.
Se é excelente então deveria dar o nome dela.
A última escola que uma tal de professora Lia afirmou ser boa é uma das tais escolas nota zero de Campinas.
Em SPaulo na última avaliação do Idesp na escala de 0 a 10 as escolas tiraram nota 1,14.Então não temos nenhuma escola boa em São Paulo.

Aline disse...

Professora Maria Aparecida:
Que escola pública é paga todos nós sabemos.Os maus professores da escola pública é que se comportam como se estivessem dando uma esmola para nossos filhos.
A solução tem, o remédio é amargo, mas cura.
Precisamos acabar com a impunidade e a corrupção da escola pública.
Entre outras coisas os pais precisam exigir, mas exigir respeito com muita energia.
E Respeito inclue não ficar chamando os pais a toda hora na escola, coisa que escola particular não faz, que escola particular não pode "folgar"
Punir os maus professores.
Demitir os muito ruins, e colocar na cadeia os corruptos.
Pagar bem os bons,( isso já acontece)
Premiar os excepcionais para incentivar a todos.
Pagamos a escola pública a vida inteira e quando nossos filhos vão usar uns poucos anos, voces se comportam como se estivessem fazendo um favor.
Se cada vez que chamassem um pai na escola para fazer fofoca do filho ou para falar de assunto frívolo, levassem um grande esculacho, acabava com a estória.
Os pais deviam também fazem na delegacia de policia um termo circustanciado, ou pedir indenização por perdas e danos
Pedir para voces ressarcirem o dia de serviço que eles perdem.
A escola não é sua, e nem da diretora, embora se comportem como se fossem.
Escola é do aluno, o aluno deveria ser a prioridade absoluta, essa inversão de valores é que torna a escola pública de tão má qualidade.
Tem sim bons professores na escola pública, são poucos mas são os heróis que amamos.
Na escola particular professora preguiçosa, arrogante e incapaz não faz carreira, nem esquenta cadeira.
Se não punirmos nunca os maus estamos colaborando para as injustiças cometidas contra os bons professores.
Os bons professores estão juntamente com os pais, angustiados e indignados com a situação atual.
Então o que não falta é sugestão para melhorar a escola pública
Mas falta vontade politica e coragem de nossos governantes.
Estou vendo com muita preocupação e tristeza que a irritação dos pais está crescendo cada vez mais.
O que eu quero é ver uma escola justa.
Em uma escola justa, de boa qualidade e laica, é necessário que se faça justiça.
A impunidade é que sustenta a corrupção.As duas sustentem a violencia.
Pior é que a violência é democrática e acaba atingindo ricos e pobres.
Então é isso...
Aline Francis Barbosa.

Maria Aparecida disse...

Como é fácil distorcer os fatos, é claro, que não sou dona da escola, qdo digo minha escola é com orgulho, um sinal de pertencimento. A escola é de todos. Vcs realmente acreditam q as escolas chamam os pais por "birrinha", para falar mal de seus filhos e por não querermos trabalhar? Credo, gente! Fico assustada por vcs acreditarem nisto. Nunca pensei que vcs encaressem a chamada à escola desta forma. É uma via de mão dupla, pois os pais podem tb conversar com os professores de seus filhos em horários especificos (fora do horário das aulas). Este tempo existe e foi criado exatamente para não atrapalhar o trabalho. Não sou arrogante e a NOSSA escola ficou muito bem classificada no ENEM, num trabalho conjunto e por mérito dos alunos. Se vc acha que estou inventando, mentindo... que pena! Acredito que toda conversa deve sempre pautar pelo respeito e pela verdade. Não estamos de lados opostos, muito pelo contrário, luto e sempre lutarei por uma escola publica de qualidade.Concordo com vcs, qdo dizem que na escola particular o mau professor é demitido e na escola pública não, acho isto péssimo pois, realmente, existem abusos, mas não é da maioria. A grande parcela dos profissionais da educação estão comprometidos, infelizmente temos a prática de tornar evidente apenas os fatos ruins.
Gostei da conversa, acho ela extremamente produtiva, não sou daquelas que se acham "dona da verdade" é importante ouvir e entender como vcs pais se sentem. Da mesma forma q vcs tb devem entender o qto é dificil lidar com seres humanos. Temos dentro da sala 35 pessoas com formação, familia, religião, valores, etc, diferentes e é um grande caldeirão de emoções. E o profissional da educação tem que estar preparado fisica, psicologicamente e espiritualmente para lidar com tudo isto.

Josefa Meira disse...

Acabo de ler as últimas mensagens e francamente, é de lamentar muitíssimo.
A escola pública que tem mais aula vaga que aula dada, se acha no direito de chamar os pais a toda hora, senão eles chamam os pais de omissos.
Tem que ir em todas as reuniões, que são improdutivas.A maioria não se aproveita nada, isso sem contar aquelas observações de baixo nível, tipo assim " as mães dos piores alunos, que deveriam estar aqui,não estão."
Já na escola particular onde a grande diferença é só a professora na sala de aula,não chamam os pais...
Será que aluno rico é santo e aluno pobre é capeta ?
Ou será que é porque aluno de escola particular nem tem tempo de aprontar muito, estando na sala de aula ocupado...
E aqueles bilhetinhos nojentos, fofoqueiros e imorais que as professoras mandam nos cadernos de aluno pequenos tipo assim:
seu filho hoje conversou muito na aula
seu filho não fez a lição
seu filho xingou o coleguinha.
Uma coisa ridicula.
Imagina se mandam um bilhetinho assim sacana em caderno de aluninho de escola particular...
Aluno de escola particular é respeitado e fofoca, só com aluno de escola pública.
Que coisa horrível
Pode acreditar, os bons professores tem vergonha dessa conduta dos colegas, mas pouco ou nada podem fazer, se limitam e,é bom, em tentar ser melhor nesse mar de lama...
Também gostaria de saber o nome da escola que a Prof.Maria Aparecida diz que é dela.
Se for escola do estado de São Paulo, já adianto que não, não existe uma escola que seja pelo menos dentro do razoável.
Em todas escolas temos bons professores, mas são muito pouco,não o suficiente para dar uma cara boa para a escola.

Anônimo disse...

Meu Deus, estou espantando com a postura UNILATERAL de muita gente. Sou professor no DF (escola pública) e aqui, mesmo com um salário considerado muito bom, somos os funcionários públicos de nível superior com a pior remuneração. Trabalho em salas com 45 alunos (10 turmas) num espaço projetado para 30, na minha escola há quadro branco que nós compramos e os pincéis tb somos nós quem compramos. Sou um privilegiado pois NUNCA, NUNCA mesmo tive qualquer atrito com aluno ou pai de aluno (estou há 17 anos na profissão), muito pelo contrário: todo final de ano é um chororô, meu e de meus alunos de oitava séria ao nos despedirmos. São muitas as homenagens que recebe, o carinho e o afeto, mas isso não me impede de ver várias facetas de uma triste realidade: São poucos os pais que participam da vida escolar de seus filhos, há colegas professores que tratam os alunos como "coisas" e tem alunos e pais que fazem o mesmo com alguns colegas. Há professores errados? Sim, muitos. Mas há pais e alunos que fogem dos limites do racional. Ano passado tivemos (na rede do DF) um diretor assassinado ao tentar impedir o tráfico de drogas na sua escola, um professor espancando ao tentar retirar um estranho da sala (sim, tem pais que acham absurdo exigirmos uniformes e carteirinhas dos seus filhos, aí um estranho entra fácil na escola), um colega levou um tiro na perna pq dias antes tinha pedido pra um aluno de 14 anos deixar a sala, pois ele estava bebado e atrapalhando os outros alunos, uma menina de 15 anos apontou uma arma para uma coordenadora e puxou o gatilho 3 vezes, mas a arma estava sem munição.
Também há caso de professores destratando alunos. E acho que sim, todos os casos devem ser investigados, apurados e os culpados (pais, alunos, professores) precisam responder por seus atos. Só a união de todos poderá fazer da educação brasileira um veículo válido e forte para a formação dos cidadãos desse país.
Sucesso, Glória, sucesso pais, e sucesso, colegas professores
eu ainda acredito no ser humano!

Rogério disse...

Meu nome é Rogerio e sou da Associação de Moradores de Parelheiros zona Sul do Estado de São Paulo
As noticias que chegam na nossa associação é de que as diretorias de ensino estão dominadas pela corrupção desenfreada.Toda verba que chega alí some.As escolas fazem uma panelinha com as Diretorias e apresentam notas frias.
As escolas estão caindo aos pedaços, sujas miseráveis.
Para a educação além de uma verba fantástica, tem parceria de tudo que é lado mandando dinheiro para a escola.
Tanto dinheiro que sobrou quase um bilhão de reais que o governador José Serra vai dividir entre os professores.
Nesta última semana a maior queixa é da escola Leonor Zacharias.
Ali, aluno que não teve uma aula siquer, e que nem conhece o professor teve nota e foi aprovado.
Outro professor de matemática dá a mesma aula para as oitavas série e para os primeiros colegiais.
Repete a aula, ela dá a mesma aula para todo mundo, uma aulinha chinfrin onde os alunos ficam irritados e não tem onde reclamar.
Os alunos se sentem roubados no seu tempo e com razão.
Sei que as queixas da Zona Sul de São Paulo não são as únicas.
Enquanto isso o Governador José Serra parece que não sabe de nada...
Esta postura é a postura de quem paga imposto, manda os filhos para a escola e são enganados, além de receber maus exemplos aos montes...

Ceu disse...

Olha professor anônimo, acho que o senhor está estranhando é que em São Paulo nós começamos a nos pronunciar, a denunciar, coisa que parece ainda tabú em outros estados
Dificil achar que uma escola que ao invez de ajudar um aluno de 14 anos que está bêbado o expulsa da aula.E deve ter aprontado mais com ele, com certeza foi expulso da escola também.
Contar essas lorotas de aluna que atirou 3 vezes com um revolver sem bala, na cp
As noticias que vem do DF são de violencia contra aluno e e impunidade para os professores.
Se tivesee de fato ocorrido alguma violencia contra professor toda imprensa ia denunciar.

Anderson Damasceno disse...

Quando os casos de espancamentos constantes ocorrem na escola são abafados e nunca punidos.
Agora a professora da Escola Estadual Jacob Salvador Zivibil na Zona Leste de São Paulo, matou o filho de cinco anos por espancamente, ela foi presa.
A novidade, foi a imprensa divulgar o nome da professora e a escola onde ela trabalha.Com certeza costumada a espancar aluno sem dar nenhuma punição.
Deu azar do filho não aguentar a surra e morrer, azar da imprensa divulgar....A imprensa sempre cuidadosa em esconder as sujeiras de professoras, desta vez ela denunciou o crime
Isso para que as professoras pensem suas vezes antes de falar mal da familia de aluno e dizer que são desestruturadas....

Cremilda disse...

Cremilda Dentro da Escola - http://cremilda.blig.ig.com.br
e-mail: cremildateixeira@ig.com.br

09/01/2009 10:10

Notícias sobre professores *anjos, santos e abnegados*

No Rio, professor é acusado de decepar dedo de aluna
Uma estudante da terceira série da escola municipal Roma, em Copacabana, zona sul do Rio, acusa um professor de ter decepado a ponta do dedo médio de sua mão esquerda em uma aula de reforço.
De acordo com a estudante de dez anos, o professor voluntário Aliomar Baleeiro Filho empurrou propositalmente a porta da sala de aula quando a menina tentava deixar o local para ir ao banheiro.
"Pedi para ir ao banheiro e ele falou que não. (...) Fui abrir a porta e ele veio com a mão esticada para fechar. Só que a minha mão [a direita] ficou presa. Falei: "Minha mão", e puxei a porta com a outra, que acabou ficando presa também. Aí ele ficou batendo com as costas [na porta] e na última vez foi tão forte que arrancou um pedaço do meu dedo", conta a menina.

Professora indiana cega aluna por não responder pergunta
da Reuters, em Raipur
Uma professora indiana colocou um alfinete no olho de uma aluna de seis anos depois que ela não soube responder uma pergunta feita em sala de aula.
A mulher será processada por tentativa de homicídio, informou a polícia do estado de Chhattisgarh.

07/01/2009 às 11:28
Professora espanca e mata filho adotivo de 5 anos
Solange Machado confessou o crime e foi presa na cadeia de Mairiporã
Veja o vídeo aqui.

enviada por Cremilda

Marcos Costa Melo disse...

Esse "professor" acusado de decepar o dedo da menina que queria ir ao banheiro, na verdade, não era professor, era engenheiro. Era do projeto "amigo da escola".

Isso não diminui a barbárie do ato, porém não pode servir para se desqualificar um professor, mas sim a estrutura que permite que pessoas sem a formação específica vão para as salas de aula.

Não sei como é o quadro da educação pública em SP, por isso não vou entrar em detalhes, entretanto lamento muito a postura extremista que vejo em boa parte dos comentários deste post, tentando uma redução simplória entre "certos" e "errados", "bons" ou "maus", ou coisa equivalente.

Tenham santa paciência.

Da mesma maneira que é errado generalizar dizendo que os pais não dão educação a seus filhos e os jogam para serem criados pela escola, é completamente errado dizer que os professores não trabalham, faltam, espancam os alunos, etc.

Como em qualquer área, não se pode generalizar, porque isso não ajuda em nada o debate, porque soa como falso, incompleto, além de injusto.

É evidente que o cenário atual muito longe do ideal da educação brasileira (e eu falo do geral, não só da pública) não é "culpa" de apenas um lado. Todos os envolvidos nesse processo têm sua parcela de responsabilidade.

abs
www.euforiamelancolica.blogspot.com

Contadora de Histórias e Artista Plástica disse...

Olá meu nome é Patrícia Ferraz , sou professora de artes e a educação não está fácil. Eu como professora já sofri assédio moral em sala de aula por parte de aluno, pais e até da direção.Etambém sou escritora no site www.clicklivro.com.br/Contadora de história.
Grande abraço
Sou sua fã
Patrícia Ferraz

Thiago disse...

Olá Glória,
Tenho 19anos, vi hoje sua entrevista na Ana Maria e resolvi falar sobre algumas experiências, sou estudante universitário, mas esse ano penso em mudar de curso para a licenciatura, de certa forma estou suspendendo um sonho de formar na minha área, para me dedicar a educação (não que não goste, aliás adoro, mas meus planos não incluíam isso, como esta acontecendo), de qualquer maneira faço tudo isso porque sinto falta de uma educação melhor no nosso país, atualmente escrevo "artigos para minha gaveta" sobre o assunto, como professores deveriam agir com relação aos alunos, como avaliar e como abordar assuntos, e até tento escrever um livro sobre o assunto, um romance, mas o sempre perco os texto do computador, mais um dia chego lá.
Desculpe falar tanto!
Quando estudava no colégio, que não faz muito tempo, eu tinha uma certa vocação para ser o "excluído", e sepre era agredido verbalmente, quando ainda não saia aos socos ou levava giz na cara, guerra de giz eram muito comum, e nunca me esqueço quando fui pedir para uma professora, que até nos davamos bem, que fizesse algo, que tirasse os bardeneiros da sala e ela disse: "Eu não posso fazer nada". Acho que há por parte das escolas (prof. e dir.) uma inércia perante o assunto, sambem que os alunos destroem a escola e não tomam atidudes, "ele vai sair logo, na~o quero arrumar confusão com fulano. Outro caso foi um aluno ofender verbalmente e com gestos a diretora do colégio, e ela agiu como nada tivesse ocorrido, o que incentiva os alunos a fazerem cada vez mais, pois se não há punição e aumenta a sua popularidade qual é o problema, sinceramente se continuarmos com a histórinha "quem tem que educar são os pais, não o professor", nosso país não vai para frente, se os pais não fazem alguem tem que tomar uma atitude, um professor não pode se rebaixar a dar bons modos aos alunos, é prefirível um "sem educação". (não que todos estejam errados ou certos, só acredito que isso deve entrar como uma reflexão, pois é errado, mas alguem tem que sujaras mãos)
Obrigado pela atenção! Além de tudo sinto isso como um desabafo, sinto-me aliviado. Mais uma vez obrigado! E Boa novela!

Cris Soleitão disse...

Olá Glória!
Gostaria de saber se o tema da prática de Bullying também será abordado? Afinal é um tema polêmico, que se encaixa nos problemas da educação não só na Brasil, quanto Mundial, e é abafado pelas escolas, tanto públicas quanto particulares (em especial as particulares que têm medo de escandâlos).

Fui vítima de Bullying e adoraria que o tema fosse discutido mais abertamente para que mais providências fossem tomadas e para que as pessoas deixassem de acreditar que é apenas "brincadeira de criança".

Há uma grande comunidade no Orkut sobre o tema: "Bullying - As Marcas Ficam".

Desde já,
obrigada pela atenção!
Cris

Anônimo disse...

Gostaria de parabeniza-la pela iniciatica de falar sobre um assunto como este. De fato valores como o respeito aos mais velhos estão sendo perdidos....nossa juventude está cada vez mais "doente", sem limites, acham que podem tudo, sabem tudo,a violencia toma conta ate de salas de aula...lembro que minha avó sempre dizia, que professor é como o pai da gente...devemos respeita-los. Espero que a novela toque o coração dos muitos que não dão valor a essas pessoas que nos dedicam horas passando ensinamentos e tentando nos preparar para um futuro.
Um abraço grande

gotadagua disse...

Olá gloria,
Soube hoje na entrevista que você concedeu a Ana Maria Braga que vai abordar a violência na escola. Educaçaõ é um tema que me facina muito pela profundidade filosófica que apresenta. Sou professora e a cada dia que estudo sobre esse assunto fico fascinada. A prática é claro que também tem me trazido belos momentos, mas sinto que é através do estudo que a motivação de melhorar, de sentir o processo educacional ocorre cada vez mais. É claro que nada é perfeito, tive alguns problemas em sala e aula, mas sinto que o aluno precisa de atenção e também de formação moral. Como! de formação moral, mas formação moral são para os pais. Não a formação moral é de responsabilidade dos pais e dos professores, pois a educação é muito mais do que transmissão de conteúdos, mas a construção do conhecimentos que vai levar a aplicação do que foi aprendido. Não adianta apenas dar o conteúdo se a pessoa não sabe como utilizar esses conhecimentos.
Parabéns pela iniciativa, pois precisamos pensar e repensar sobre esse assunto.
Que deus abençõe o seu trabalho.
Um beijo
Pamela Ullio (resende-RJ)

gotadagua disse...

vi nos comentários que você também vai falar sobre Bullyng. é um tema que precisa de ser comentado. Sofri bullyng até os 16 anos até que consegui sair dessa situação, transformando essa situação em piada. Essa transformação aconteceu quando conheci pessoalmente uma turma que fazia um programa de humor na rádio Globo. Achei tão interessante a forma que eles trabalham o cotidiano que levei esse humor para a minha vida, principalmente na escola. Quando um dos meus colegas fazia algo que não gostava, comecçei a revidar a ofensa com uma piada. Eles ficavam tão sem graça que as ofensas diminuiram e eu me senti menos pesada.

VITOR SOARES 2008 disse...

Meu nome é Vitor Soares tenho 22 anos. Gosto muito de bater papo, discutir assuntos polêmicos, política e enfim, gosto de mim... Procuro sempre modificar as coisas para melhor. Sou uma pessoa feita para aprender a viver com todos, independente das diferenças. Não sou a favor do respeito as diferenças. Sou a favor do direito a igualdade, todos somos iguais. Acredito na mudança do mundo e dos sistemas que nos regem. É preciso vestir a bandeira da educação para que o nosso país possa ser transformar em outro: melhor. Se a esperança é a ultima que morre a vontade é a primeira que nasce. Pretendo escrever meu livro e espero que você compre-o... rsrrsrsrsrsrs. Sou professor da rede pública de ensino há 4 anos e desde quando iniciei a minha prática de docência vejo algumas realidades da escola que acho importante de serem mencionadas:

* Os governos nunca priorizam a educação... É melhor falar de emprego, saúde... Não que a sáude e o emprego não sejam importantes, mas a educação é a forma mais rápida para se atingir o emprego, a saúde...

* O salário dos Professores é muito baixo, os governantes não pensam que para chegar numa sala de aula tivemos que fazer um curso superior, uma especialização... Pensam que é muito fácil lidar com os problemas dos alunos. Toda mudança que faz na educação quem sai lesado é o Professor, é como se tivesse que deixar tudo para o Professor resolver...

* Falam-se muito em escola inclusiva, mas inclusão não é pegar um aluno especial e misturar com os outros sem dar condições especiais a eles... Eles são especiais...

* Os alunos estão vivendo numa época em que tudo é permitido na escola, eles sempre tem razão, fazem as coisas sabendo que não serão punidos...

* Não há investimentos na educação, não existem materiais muitas vezes básicos, existe somente cobrança dos Professores, muitas vezes temos que fazer milagres em sala de aula...

* Apesar de emitir essas verdades, gostaria de dizer que amo o que faço, eu realmente sempre quis ser Professor!

Sucesso Glória, amo você e suas novelas!

VITOR SOARES.

Prescila disse...

Olá Gloria: Gosto muito de suas novelas, sendo minhas favoritas: "O Clone" e "Barriga de Aluguel". Sou professora, leciono para pré-adolescentes, adolescentes e adultos. Estou encantada com o fato de você abordar o assunto relação professor/aluno. Tenho algumas histórias que gostaria de lhe contar, mas acredito, que já há muitas histórias, que você tem recebido. Assim sendo, conto-lhe esta: Lecionei em um Colégio, no Município de Campo Mourão/PR, onde enfrentávamos problemas sérissimos com os alunos. É um Colégio no centro da cidade, frenquentado por alunos de classe média a alta. Um aluno, de 16 anos, boa aparência, cabelos pretos, corpo atlético, alto, pele morena clara, era quem comandava a turma. Sempre tem um que comanda aos demais. A escola tinha acabado de ser reformada. E todos nós, educadores, estávamos tomando muito cuidado pras paredes não serem pinchadas, riscadas, entre outros. Numa manhã de sexta-feira, eu tinha a primeira aula nessa turma (2º ano do propedêutico). Ao adentrar na sala, me deparei com as paredes totalmente pichadas (um verdadeiro horror). Perguntei aos alunos quem havia feito coisa tão horrenda, ao que ninguém ousou responder. Esse aluno, filho de uma executiva da maior cooperativa da américa latina, levantou-se da carteira, foi até mim e olhando em meus olhos, disse: Fui eu, por que, há algum problema? O que é que você vai fazer? Você por acaso sabe quem é minha mãe?
Eu respondi: não, eu não sei. Quem é sua mãe?
Minha mãe é uma executiva muito importante e não tem tempo pra coisa tão boba como parede pinchada por mim.
Ao terminar as aulas daquele dia, no período da tarde, procurei me informar sobre a mãe daquele rapaz. Liguei e marquei um encontro com a mãe dele. Ao me encontrar com a mãe, relatei o ocorrido. A mãe, que eu acreditava que iria ficar a favor do filho, chamou-o e em minha frente e perguntou se aquilo era verdade. Ele, um tanto receioso, admitiu que sim. A mãe, por sua vez, disse a ele que ia comprar lixa, tinta, pincéis e ele, no sábado, iria reparar com as próprias mãos o que havia feito.
Dei os parabéns pela atitude daquela mãe, porque infelizmente, nem sempre é assim. Falei, perto daquela mãe o quanto aquele jovem era inteligente e o quanto ele poderia contribuir com os professores do colégio, se ao invés de levar os colegas a fazer o mal, levassem os mesmos a fazer o bem. Com o passar do tempo, esse jovem rapaz mudou de atitude e outros seguiram seu exemplo. Alguns anos mais tarde, eu cursava Direito e o encontrei na Faculdade, e ele: Olá Professora, como vai?
Eu: Nossa, você por aqui, o que tem feito?
Ele: Estou concluindo agronomia.
Fiquei muito feliz com aquilo.
Essa é uma realidade da minha vida, que com a atitude que tomei, deu um resultado positivo. Infelizmente, nem sempre é assim. Há histórias, que o final não foi tão bom. A vida dos educadores de hoje, não é fácil, porque é necessário muito amor para com os educandos, como se fossem nossos filhos. Só com muito amor e sabedoria divina mesmo, é possível fazer alguma coisa. Quanto às normas que hoje regem a educação, elas não são muito favoráveis nem aos professores, nem aos alunos. Digo aos alunos, porque entendo, que é necessário disciplina na medida certa (sem exageros), para poder educar. Na Bíblia está escrito que devemos ensinar os pequenos no caminho que devem andar para não desviar dele quando forem grande. E assim deveria ser.

No mais, quero parabenizá-la pela nova novela, que tenho certeza, será mais um sucesso notável em sua carreira. Abraço, dessa humilde fã.

Anônimo disse...

Gloria, sou professora a 10 anos da rede publica e 1 ano da rede particular em governador valadares, minas gerais.Assisti sua entrevista hoje na Ana Maria Braga e fiquei sua fã, entendi e apoio todas as sua campanhas nas novelas. Na escola publica sinto falta da familia mais de perto.Os alunos sao indisciplinados porque sabem que nao tem cobrança em casa, ou melhor os pais nem sabem com quem e onde eles andam.Quando comecei na escola particular, fiz um trabalho com os alunos de doarmos tudo que não usassemos mais para os alunos da escola publica.Fiquei muito satisfeita com o resultado.Ensinei aos alunos da escola publica a fazerem cartinhas de agradecimentos para os alunos do particular.E nem te conto como foi o resultado.Percebi que os alunos pobres precisam de coisas materiais e os alunos ricos de amor, pois os pais enchem seus filhos de presentes e roupas de marcas mas trabalham tanto que nao tem tempo com os seus filhos.Os alunos do particular começaram a trazer coisas para os alunos da escola publica só para ganharem cartinhas, e me perguntavam todos os dias se tinha cartinha.Amo o que faço, pois faço com amor.

Anônimo disse...

Glória sou EDUCADORA da rede Pública de Ensino do RJ. E estou muito surpresa com os comentários que li. É um absurdo o modo como os educandos são tratados nas escolas públicas de São Paulo.Quero manifestar minha humilde opinião a respeito do que se passa nas escolas. Sou uma Senhora de 54 anos e dirigente de turma. realmente, as crianças hoje, tem apresentado comportamento diferente do de algumas décadas atrás. Hoje os pais necessitam trabalhar e as crianças ficam muito tempo sozinhas. Para amenizar suas consciencias. Esses pais dão libaerdade demais às crianças e nenhum limite.É esse o principal problema com os jovens hoje em dia, a meu ver. Eles comportam-se nas escolas como se estivessem em casa com os pais. sem respeito, nem regras. Quando chamados a responsabilidade por algum ato incompativel com o ambiente escolar, ameaçam o professor dizendo que vai contar para os pais do jeito deles. Isso tenho presenciado em sala de aula e mesmo já aconteceu comigo. Minha postura foi pedir desculpas aos pais por atitudes que não cometi, e solicitei à direção a transferência do aluno de minha sala. Não vi, mas soube de caso de aluno bater em professora na escola em que leciono no turno da tarde. Essas coisas ACONTECEM DE VERDADE.Quanto aos Professores serem bem remunerados, só se for em São Paulo, pois aqui no Rio, não recebemos nem mesmo o FUNDEB, que temos direito, uma vez que todos roubam esse benefício, que conquistamos com muita luta. Sou graduada em Letras e recebo de salário menos que um operário da Construção civil, que não é exigida escolaridade nenhuma para desenvolver suas funções de ajudante. É facil julgar e condenar os professores, só quem vive o dia-a-dia de uma sala de aulas pode falar. Se não tivéssemos os recessos no meio do ano e no final para repor as energias e os desgastes fisicos e mentais. Com certeza o professor não aguentaria muito tempo no exercício da profissão. É certo que há os bons e os maus profissionais, como em todos as profissões. Não é por isso que devem julgar todos por uma minoria.Amo o meu trabalho, mas reconheço que não tenho autonomia para agir dentro de meus princípios. Tenho que acatar o sistema. Sou CONTRA a aprovação automática. Mas nada posso fazer com relação a isso. O ciclo, poderia ter dado certo, se cada um procurasse fazer a sua parte com comprometimento com a Educação. É isso, falta comprometimento tanto por parte dos professores, quanto por parte das autoridades, quanto por parte dos responsáveis. Todos temos que ter em mente que a EDUCAÇÃO de nossas crianças estão em nossas mãos.

Anônimo disse...

Cara Glória Perez,

Fiquei feliz em saber que sua nova novela abordará o tema violência na escola,relação professores e alunos.

Aproveito p/fazer uma denúncia do colégio Nossa Senhora da Ressurreiçao,localizado a rua Oto de Alencar nº23-Tijuca/RJ.

Chegou ao meu conhecimento pela mãe de um amiguinho do meu filho,tb da educação infantil sobre a agressão física que sofreu da profissional Renata Rezende e pela irma Cidinha.A 1ª pegou o menino de 5 anos(jardim II/manhã) pelo pescoço,a ponto dele não conseguir engolir saliva pois adentrou em sua sala e cujo irmão fazia parte da turma interrompendo suas atividades com pirraças.A mãe do aluno tb funcionária da escola reinvindicou o fato a diretora Srª Ludmila,que apoiou a professora no modo q/repreendeu o aluno alegando q/seria a única forma de conter a rebeldia excessiva.

Irma Cidinha em outro momento no intuito de repreender o mesmo aluno,arrastou-o pelo braço,pelos corredores da escola até a sala que havia "fugido".

Lamentável um colégio de irmas ter esse perfil administrativo.

Prefiro não me identificar p/proteger meu filhinho de possíveis represárias.Já o tirei dessa monstruosa escola e não vou desistir de impedir q/outras passem por essa situação.

Um abraço.

OBS Já providenciaram a transferência da Ir. Cidinha p/filial SP, para "abafar" em parte o caso .Qto a funcionária Renata Rezende continua na escola ministrará psicopaticamente para turma de educação infantil.

Prof Allan Mello disse...

Ola,Glória
Parabéns pela escolha de falar de um tema tão polemico e que atinge a todos nós...Sou professor no estado de São Paulo,leciono a mais de 4 anos,a cada dia enfrento as situações mais adversas possíveis.Desde falta de respeito por parte de alunos assim como pais que se quer ligam pra vida estudantil de seus filhos.No inicio sofria muito,pois a realidade que nos cerca é dura e cruel.Hoje em dia aprendi a lidar com esses problemas de uma maneira mais otimista ou seja não me deixo abalar com tais fatos.Talves tenha criado uma espécie de carapaça que me protege contra possíveis agressões que resumem na maioria das vezes ao campo pessoal.Ser professor no Brasil para as novas gerações virou algo demode...Uma parcela de culpa é de todos nós e pra onde tudo isso ira?
Ass:Prof.Allan Mello

Thiago disse...

Glória, tenho 16 anos e estudei da 5ª a 8ª série numa escola particular. Antes havia estudado em um colégio público e atualmente estudo em um colégio estadual no interior de SP. Tive que mudar por forças maiores e vivo inconformado pela tamanha falta de interesse por parte de certos professores. É revoltante! Tem gente lá dentro que quer aprender e tem o mesmo sentimento que eu. Não fazem nada e ficam chamando a atenção de alunos por qualquer coisinha pra sentirem que estão fazendo o papel de professor. Muitos professores só passam textos a aula inteira e nada explicam. Dizem que é necessário. Mentira! Pura hipocrisia. Tratam de mascarar o descaso, a preguiça. Esse ano eu te garanto: não tive aula de inglês. Embora houvesse professora e material suficiente (ela pediu pra que comprássemos no início do ano um livro de R$40,00 que nunca usamos). Fora a falta de preparo de algum deles, como por exemplo essa de inglês. Eles faltam exageradamente (meu pai disse que é consequência da estabilidade que eles têm pois muitos são concursados, algo assim) e isso faz com que tenhamos aulas com "professores eventuais" que na verdade aparecem mais do que os efetivos. Acontece assim, se o mestre da aula de português faltou, na maioria das vezes, vem um de história, matemática. Como ele não tem o que lecionar, deixa os alunos jogarem truco, ouvirem MP3 na sala... esse descontrole todo dentro da sala de aula provoca a "loucura" de alguns alunos. Eu por exemplomuitas vezes me recusei a copiar o que tinhya no quadro. Foi um mês sem explicação e só texto na aula de biologia. Eram seis textos enormes. Não aguentava mais. Nem eu nem ninguém. Daí a "conversa paralela". Aí a professora tem do que reclamar neah. Aí também, reclama bastante, vira até assunto de discussão nacional! Sabe quem de vez em quando limpa a escola, deixa de ter aula pra poder esfregar as paredes, varrer o chão? Os alunos! "É falta de motivação por causa do salário". Uma ova. Muda de emprego então. Estudei em uma escola particular e tudo funcionava bem, tinhamos aulas normais, professores nunca faltavam, davam aulas pra mais de 8 turmas... Por que? Porque sabiam que seriam punidos com o desemprego, coisa que não acontece com professores de escolas públicas, até porque ninguém não tá nem ligando. O que els têm a fazer é lutar por uma boa remuneração, não é? Muitos professores não passam uma imagem de credibilidade e isso causa o desrespeito por parte dos alunos. Que o faça recebendo R$1,00 mas o faça bem. Muitos não entendem que estão ensinando o amanhã. E outra, muitos deles são jovens e escolheram essa profissão. Se sabiam que não iam receber o que queriam, por que a escolha então??? É como abandonar um hospital cheio de doentes quase morrendo, pra fazer uma passeata por maiores salários. Mas sim, existem professores motivados, professores que trabalham, que querem dar aula, que dá pra ver o prazer que elas sentem estampado no rosto. Tiro o chapéu pras minhas professoras de matemática (Carla), geografia (Eliana), história (Rosa Maria) e português (Andréa), que embora essa última não tenha a mínima noção da metéria que leciona, ela tenta, ela procura, pesquisa, chega com coisa nova, é motivada e dá uma boa aula. Pude fazer esse paralelo e chegar a essa conclusão, por já ter estudado em colégio particular. Pude sentir a diferença. Fico feliz por ainda haver pessoas que levam a sério o que fazem. Deixo claro que não são todos, mas muitos professores agem dessa forma e ficam choramingando pelos cantos sem razão, de barriga cheia. Respeito e autoridade a gente impõe simplesmente. Eu teria tanta coisa pra falar, gostaria que as pessoas vissem com os próprios olhos como funciona, como é revoltante o descaso de certos professores.

Crislei disse...

Boa Tarde Glória!

Seu nome já diz tudo. Será a Glória se finalmente alguém conseguir fazer algo pelo nossa educação.
Concordo com os depoimentos acima citados e reforço. Só quem vive ou convive com a realidade de uma sala de aula, sabe o quão mal está a educação. Os pais que deveriam zelar pelo futuro de seus filhos, simplesmente os entregam em uma escola e cobram a aprovação de seus filhos, porém nada ou muito pouco fazem por estas crianças. Nós professores nos sentimos muitas vezes um lixo querendo ensinar quem não quer aprender, pois relatam que seus pais dizem que a educação não tem importância. Direções sob pressão querem índices, pois deles dependem as verbas nas escolas públicas e muitas vezes nas escolas privadas também.
Crianças e adolescentes sem respeito, sem limites, agressivas, desinteressadas... essa é a realidade da grande maioria das escolas.
O Brasil ocupa a triste realidade dos últimos colocados em pesquisas mundiais, como o PISA, prova mundial que avalia o conhecimento matemático. No entanto os índices de aprovação não são coerentes com esta prova.
O que ainda me dá forças para continuar nessa caminhada é a minoria que demonstra algum interesse no futuro.

Glória, PARABÉNS pela iniciativa!!!
Abraço e sucesso,
Crislei

Luzia disse...

Um prof.de História da Escola Octacilio de Carvalho Lopes em São Paulo Zona Leste de São Paulo promovia bulliyng na escola
Ele incentivava os alunos a bater nos alunos considerados diferentes.
Não raro, ele mandava alunos segurar um e ele espancava.
Uma familia resolveu denunciar
Esse professor mandou os alunos segurar um que segundo o professor rebolava feito bicha.O aluno foi seguro de bruços no chão.
O professor subiu em cima do aluno e o espancou.
O aluno saiu da classe chorando e foi socorrido por uma professora de educacação física.
A Diretoria de Ensino Leste 4 defendeu o professor e disse que é normal professor chamar aluno de bicha.
O professor que promovia bulliyng foi provomovido a Coordenador Pedagógico da Escola Adelaide Ferraz de Oliveira.
Na ESCOLA PÚBLICA DE SÃO PAULO
se redescobriu a lei da gravidade.

Anônimo disse...

Explicação para a baixa qualidade da educação

Vi que a relação entre alunos e professores será abordada em sua novela e venho lhe pedir para que esta seja usada para mostrar de forma clara a origem dos problemas que envolvem tal relação.
Os políticos costumam gerar muita discussão sobre quais os motivos da baixa qualidade da educação no Brasil. Através desta mensagem, mostro evidências com dados objetivos e com exemplos práticos, de um motivo importante, certamente o principal, que explica a baixa qualidade do ensino em nosso país.
Para cuidar de nossos filhos, todos desejam ter uma pessoa que domine uma língua estrangeira, entenda de boa alimentação, de higiene, seja educada, saiba apreciar boa música... Para ter uma pessoa com este nível, temos que oferecer condições para atraí-la e mantê-la no cargo. Na nossa sociedade capitalista, é assim que funciona. Por exemplo, ao oferecer apenas um salário mínimo, será impossível encontrar uma babá com um nível cultural muito alto.
Da mesma forma, os baixos salários dos professores não atraem os bons profissionais. Estes, quando ingressam na carreira docente, logo buscam outros empregos que lhe ofereçam melhores condições, na prática, maior salário. Como evidência, trago exemplos do Distrito Federal:
- Um soldado da polícia militar do DF tem um salário inicial de R$ 4.056,59, que tende a aumentar com o tempo. Fonte: http://www.cespe.unb.br/concursos/PMDFCFSD2009/;
- Um analista de trânsito do DETRAN tem salário inicial de R$ 5.849,75. Fonte: http://www.cespe.unb.br/concursos/SEPLAGDETRAN2008/;
- Já um professor do DF, tem um salário inicial de R$ 3.227,87. Fonte: http://www.cespe.unb.br/concursos/SEPLAGDF%5FPROF2008/.
Muitas vezes, o professor também tem que enfrentar criminosos, mas, totalmente desarmado e exposto, ao contrário dos policiais. Por que um bom profissional iria fazer um concurso para professor? A maioria que ingressa e se mantém na docência o faz por paixão, mas logo enfrenta a desmotivação. O pior são os casos de professores que continuam na profissão não por paixão, mas por acomodação, por justamente terem baixo potencial de estudo, de empenho, de capacidade em buscar um melhor emprego. Portanto, as escolas acabam tendo professores desmotivados ou fracos (despreparados). Logo, é esperado que os professores não mostrem o caminho correto para as crianças. Por exemplo, ao ver um aluno com sete anos de idade sofrendo preconceito por seus colegas, o professor prefere permanecer quieto. E isto é esperado! Óbvio, os professores não têm motivação ou preparação para lidar com os problemas da escola. Como todos sabem, é nesta falta de educação no início da vida, que inclui a falta de punição e conscientização, que surge a violência. A relação dos alunos com os professores torna-se horrível, insustentável. Não adianta culpar a família. Um bom professor consegue transformar, mudar, moldar, construir o caráter de um(a) jovem, na verdade, estas seriam as qualidades para ser um professor. Não faltam exemplos do potencial dos professores, como alguns professores de educação física que usam o esporte e transformam comunidades. Infelizmente, os bons profissionais são afugentados das escolas e atraídos por outros órgãos. Os que permanecem na docência e continuam motivados, são verdadeiros heróis, exceções, que fazem praticamente um trabalho voluntário ao optar por uma menor qualidade de vida para si e para sua família.

Trago outra evidência de que o baixo salário de professor é o principal motivo que explica a baixa qualidade da educação em nosso país. É sabido que faltam professores especializados nas escolas, como professores de física, ou seja, há oferta de emprego. Porém, a carreira docente é tão desestimulante, que há vestibulares em universidades públicas onde a concorrência é menor do que um por vaga, isso mesmo, há menos candidatos do que vagas oferecidas! Dos candidatos aprovados nos cursos de física e química, pouquíssimos chegam a se formar e estes muitas vezes ingressam em outras carreiras não docentes. São profissionais que apresentam desenvolvimento intelectual, boa capacidade de estudo, de concentração, que seriam os ideais para cuidarem das nossas crianças. Porém, ocorre o contrário, é muito comum encontrar licenciados exercendo um cargo burocrático em um órgão público. “Por que eu iria me matar enfrentando a sala de aula e passando dificuldades financeiras se posso ganhar muito mais em outro cargo, bem menos estressante? Para mim, a preparação para um concurso público requer relativamente pouco esforço”. Quando o vestibular para os cursos de licenciatura é concorrido, as notas de aprovação geralmente são mais baixas do que para outros cursos, ou seja, os ingressantes já têm menor grau de conhecimento e/ou menor capacidade de aprendizado. No Brasil, um país capitalista com cultura ocidental, é natural que as famílias menosprezem a vida acadêmica, o professor e os valores desenvolvidos na escola, como o respeito ao próximo.

Muito cuidado com aqueles (incluindo alguns “estudiosos”) que afirmam que o salário não é tão importante. A grande maioria dos governantes, quando dá alguma atenção à educação, tenta melhorar as estatísticas com fórmulas enganadoras: eles reduzem o número de alunos repetentes através da obrigatoriedade de sua aprovação e aumentam o número de professores especialistas através da distribuição de diplomas de curso superior sem a adequada formação. A maquiagem estatística é pesada e impressionante. O objetivo principal e final é sempre a redução dos gastos com o ensino público. Como conseqüência, a qualidade do ensino cai e, repito, as escolas acabam tendo professores desmotivados ou fracos (despreparados). Uma rara exceção ocorreu recentemente, com a implantação nacional de um salário mínimo para professores, um avanço. Somente um bom salário para professores elevará o nível da educação brasileira para o patamar de países como a Alemanha, que também é um país capitalista com cultura ocidental. Lá, os professores de ensino médio frequentemente têm dois cursos superiores e falam duas línguas estrangeiras; os ensinos técnico e superior são gratuitos, de alta qualidade e espalhados por todo o território; as babás falam francês e inglês; os comerciantes têm PhD; e coincidentemente, o nível de violência (tanto em quantidade quanto em gravidade) nas ruas é baixo.

Na situação atual do Brasil, é esperado que haja professores que apresentem atitudes indesejáveis, condenáveis nas salas de aula. Qual é a origem do problema? O baixo salário, que espanta os bons profissionais e desestimula aqueles que ficam!

Sou ex-professor concursado da rede pública de ensino do Distrito Federal, fui atraído por empresas privadas e, hoje, sou servidor público federal.

Anônimo disse...

A origem da baixa qualidade da educação

Os políticos costumam gerar muita discussão sobre quais os motivos da baixa qualidade da educação no Brasil. Através desta mensagem, mostro evidências com dados objetivos e com exemplos práticos, de um motivo importante, certamente o principal, que explica a baixa qualidade do ensino em nosso país.
Para cuidar de nossos filhos, todos desejam ter uma pessoa que domine uma língua estrangeira, entenda de boa alimentação, de higiene, seja educada, saiba apreciar boa música... Para ter uma pessoa com este nível, temos que oferecer condições para atraí-la e mantê-la no cargo. Na nossa sociedade capitalista, é assim que funciona. Por exemplo, ao oferecer apenas um salário mínimo, será impossível encontrar uma babá com um nível cultural muito alto.
Da mesma forma, os baixos salários dos professores não atraem os bons profissionais. Estes, quando ingressam na carreira docente, logo buscam outros empregos que lhe ofereçam melhores condições, na prática, maior salário (considerando que o Brasil é um país capitalista com cultura ocidental). Como evidência, trago exemplos do Distrito Federal:
- Um soldado da polícia militar do DF tem um salário inicial de R$ 4.056,59, que tende a aumentar com o tempo. Fonte: http://www.cespe.unb.br/concursos/PMDFCFSD2009/;
- Um analista de trânsito do DETRAN tem salário inicial de R$ 5.849,75. Fonte: http://www.cespe.unb.br/concursos/SEPLAGDETRAN2008/;
- Já um professor do DF, tem um salário inicial de R$ 3.227,87. Fonte: http://www.cespe.unb.br/concursos/SEPLAGDF%5FPROF2008/.
Muitas vezes, o professor também tem que enfrentar criminosos, mas, totalmente desarmado e exposto, ao contrário dos policiais. Por que um bom profissional iria fazer um concurso para professor? A maioria que ingressa e se mantém na docência o faz por paixão, mas logo enfrenta a desmotivação. O pior são os casos de professores que continuam na profissão não por paixão, mas por acomodação, por justamente terem baixo potencial de estudo, de empenho, de capacidade em buscar um melhor emprego. Portanto, as escolas acabam tendo professores desmotivados ou fracos (despreparados). Logo, é esperado que os professores não mostrem o caminho correto para as crianças. Por exemplo, ao ver um aluno com sete anos de idade sofrendo preconceito por seus colegas, o professor prefere permanecer quieto. E isto é esperado! Óbvio, os professores não têm motivação ou preparação para lidar com os problemas da escola. Como todos sabem, é nesta falta de educação no início da vida, que inclui a falta de punição e conscientização, que surge a violência. A relação dos alunos com os professores torna-se horrível, insustentável. Não adianta culpar a família. Um bom professor consegue transformar, mudar, moldar, construir o caráter de um(a) jovem, na verdade, estas seriam as qualidades para ser um professor. Não faltam exemplos do potencial dos professores, como alguns professores de educação física que usam o esporte e transformam comunidades. Infelizmente, os bons profissionais são afugentados das escolas e atraídos por outros órgãos. As raras boas escolas particulares e públicas (federais e militares) oferecem relativos bons salários para seus professores. Os que permanecem na docência e continuam motivados, são verdadeiros heróis, exceções, que fazem praticamente um trabalho voluntário ao optar por uma menor qualidade de vida para si e para sua família.

Trago outra evidência de que o baixo salário de professor é o principal motivo que explica a baixa qualidade da educação em nosso país. É sabido que faltam professores especializados nas escolas, como professores de física, ou seja, há oferta de emprego. Porém, a carreira docente é tão desestimulante, que há vestibulares em universidades públicas onde a concorrência é menor do que um por vaga, isso mesmo, há menos candidatos do que vagas oferecidas! Dos candidatos aprovados nos cursos de física e química, pouquíssimos chegam a se formar e estes muitas vezes ingressam em outras carreiras não docentes. São profissionais que apresentam desenvolvimento intelectual, boa capacidade de estudo, de concentração, que seriam os ideais para cuidarem das nossas crianças. Porém, ocorre o contrário, é muito comum encontrar licenciados exercendo um cargo burocrático em um órgão público. “Por que eu iria me matar enfrentando a sala de aula e passando dificuldades financeiras se posso ganhar muito mais em outro cargo, bem menos estressante? Para mim, a preparação para um concurso público requer relativamente pouco esforço”. Quando o vestibular para os cursos de licenciatura é concorrido, as notas de aprovação geralmente são mais baixas do que para outros cursos, ou seja, os ingressantes já têm menor grau de conhecimento e/ou menor capacidade de aprendizado. No Brasil é natural que as famílias menosprezem a vida acadêmica, o professor e os valores desenvolvidos na escola, como o respeito ao próximo.

Muito cuidado com aqueles (incluindo alguns “estudiosos”) que afirmam que o salário não é tão importante. A grande maioria dos governantes, quando dá alguma atenção à educação, tenta melhorar as estatísticas com fórmulas enganadoras: eles reduzem o número de alunos repetentes através da obrigatoriedade de sua aprovação e aumentam o número de professores especialistas através da distribuição de diplomas de curso superior sem a adequada formação. A maquiagem estatística é pesada e impressionante. O objetivo principal e final é sempre a redução dos gastos com o ensino público. Como conseqüência, a qualidade do ensino cai e, repito, as escolas acabam tendo professores desmotivados ou fracos (despreparados). Uma rara exceção ocorreu recentemente, com a implantação nacional de um salário mínimo para professores, um avanço. Somente um bom salário para professores elevará o nível da educação brasileira para o patamar de países como a Alemanha, que também é um país capitalista com cultura ocidental. Lá, os professores de ensino médio ganham salário alto; frequentemente têm dois cursos superiores e falam duas línguas estrangeiras; os ensinos técnico e superior são gratuitos, de alta qualidade e espalhados por todo o território; as babás falam francês e inglês; muitos comerciantes têm PhD; e coincidentemente, o nível de violência (tanto em quantidade quanto em gravidade) nas ruas é baixo.

Na situação atual do Brasil, é esperado que haja professores que apresentem atitudes indesejáveis, condenáveis nas salas de aula. Qual é a origem do problema? O baixo salário, que espanta os bons profissionais e desestimula aqueles que ficam!

Sou ex-professor concursado da rede pública de ensino do Distrito Federal, fui atraído por empresas privadas e, hoje, sou servidor público federal.

Prescila disse...

Olá Gloria: estou amando a novela. Conto mais uma história pra vc da realidade das escolas públicas. Não citarei nomes, para proteção dos mesmos. Em um colégio público do Município de Campo Mourão/Pr, o Diretor desse Colégio enfrentou um jovem aluno de 17 anos que repassava drogas a quem queria comprar essas. Por trás desse jovem, havia um traficante, que infelizmente fazia parte de autoridades. Essa pessoa, ficou muito revoltada com a atitude do Diretor do colégio e enviou um grupo de rapazes menores, que são inimputáveis, para desligarem o relógio de luz do Colégio e adentrarem no mesmo dando tiros. Nós, os professores, ficamos muito amendrontados. Fechamos as salas onde estávamos, pedimos aos alunos que deitassem no chão e somente levantassem quando ordenassemos. Deitamos também no chão. Infelizmente, houve uma professora que não teve essa lucidez e uma bala acabou atingindo-a de raspão ao que ela desmaiou devido ao susto. A luz não voltou naquele dia. Enquanto alguns atiravam pelos corredores do colégio ( um colégio de vários andares, ensino público, no centro da cidade), três outros rapazes, também menores, foram até a Diretoria, apontou revolver na cabeça do Diretor e o ameaçou que se ele continuasse a enfrentá-los, ele iria morrer. O Diretor, determinado em sua luta, ficou uma semana sem voltar ao colégio, mas não desistiu de proibir o tráfego dentro dos limites daquele colégio. Nós professores, continuamos dando aula normalmente naquela semana, mas bastante amendrontados.

Acima, nos comentários, percebi que muitas mães estão indignadas, porque dizem que não há professor santo. Concordo que não há professor santo, mas com TODA CERTEZA EU AFIRMO: todo professor, em sala de aula e fora dela, tenta fazer o melhor.O que falta, é educação para alguns estudantes, digo alguns, porque para toda regra há excessão. Há aqueles alunos, que são exemplares, mas há aqueles que não tem um mínimo de educação nem para com os professores, nem para com os colegas. Um aluno jamais deveria entrar em uma sala de aula sem antes pedir licença, jamais se ausentar da sala de aula sem também pedir licença. Um aluno deveria cumprir com suas tarefas escolares sem que o professor fique cobrando isso dele. Afinal, aprender é uma obrigação do aluno. Ocorre que, alguns alunos não querem aprender, querem apenas passar pelo ano sem nada assimilar. Hoje, temos que ficar cobrando tarefas, estudar pra prova, prestar atenção na aula, etc. Não deveria ser assim.
Se não aprendem respeito como alunos, como agirão quando forem trabalhadores em uma empresa? No trabalho, terão que respeitar seus superiores, acatando ordens, cumprindo com as obrigações. Na escola é a mesma coisa, só que o salário é o conhecimento e não valor em dinheiro. Hoje, os professores tratam os alunos de igual pra igual, não há mais diferenciação. Assim como é em uma empresa. Em respeito ao princípio da dignidade humana. Ocorre que, devido a liberdade que hoje os alunos possuem, eles não sabem lidar com ela e aproveitam achando que podem fazer o que bem quiserem. Ensinar é um trabalho em conjunto, entre pais e escola. Nós ensinamos, os pais devem cobrar dos filhos.
Tenho dois filhos, ambos estudam em escola particular. Se eu não cobrar deles o realizar das lições, dos trabalhos escolares, o estudar pras provas, os professores não vão fazer isso, e se tirarem nota baixa me chamam pra conversar e pedir uma explicação minha. Se deixarem de entregar algum trabalho, os professores não vão prorrogar o prazo pra que entreguem e vão me questionar o porque de não terem entregue o trabalho. Assim sendo, dizer que colégio particular trata os alunos a pão de ló é uma inverdade de quem não conhece a realidade. Porque hoje, os colégios particulares cobram muito mais o empenho dos pais e dos alunos do que nos colégios públicos. Falo isso com conhecimento de causa. Ser professor é educar no conhecimento e não educar com a educação que deve vir do berço. A família é a base, é a família que deve ensinar regras de como tratar uma pessoa mais velha, é a família que deve ensinar sobre as responsabilidades da vida. É a família que deve ensinar que vícios apenas prejudicam. É a família que deve ensinar que dizer bom dia, boa tarde, boa noite, como vai, tudo bem, com licença, por favor, muito obrigada (como diz uma música da Angélica), são regras de convivência indispensáveis para vivermos de bem com todos. Nós os professores não somos pagos para ensinar regras básicas de educação, somos pagos para ensinar (para quem quer aprender) sobre as mais variadas matérias que trazem conhecimento científico ao ser humano, ajudando-o a progredir em seus conhecimentos.
Apenas quem é professor e convive em escolas dos mais variados níveis sociais e econômicos, sabemos como é que funciona essa realidade. Inflizmente, há muito pais que abandonam os filhos ao léu da própria sorte. Graças a Deus, ainda há pais engajados com a educação de seus filhos. Mas hoje, a maioria naõ querem nem saber o que está acontecendo na vida de seus filhos. E quando acontece um problema, a culpa é do professor. Se enviamos bilhete para os pais alienados, esses dizem que não podem vir falar conosco. Apenas vem se proibimos a entrada do filho na sala de aula sem a presença do pai. É como se fosse uma guerra, e nós os professores o vilão da história. Mas asseguro-lhes, que nós queremos o melhor para vossos filhos. Pelo menos é o que eu quero.

Deus te abençoe Gloria. Abraço.

Anônimo disse...

Na escola particular os alunos são selecionados. Muitas vezes para entrar lá há uma avaliação e uma entrevista, ou seja a mensalidade não é apenas o requisito para que o aluno pertença àquela escola. Dentro da escola o aluno tem toda uma forma para se comportar. Desde notas boas para tirar até atitudes para com os professores e funcionários. Se o aluno não se enquadra ele não consegue ficar, por ele mesmo porque é excluído ou então ele é convidado a procurar outra escola com o apoio de pais também. Então acontece assim: escola "X" ou você entra no esquema ou então está fora. Não fica mesmo. Assim o trabalho acaba fluindo de uma forma "estando bom para ambas as partes...". Na escola pública é diferente. Conheço trabalhos maravilhosos, de tirar o chapéu, mas como isso acaba sendo um dever mesmo da Educação (/Família)a gente nem fala, nem elogia, considera normal e pronto. Noto que lá na escola pública, aquela da periferia, está concentrado vários tipos de alunos. Aliás todos os tipos. Tem aquele aluno da família tradicional com pai, mãe, irmãos, com uma formação de dar exemplo para todos, como também tem aquele aluno que não tem pai, nem mãe está sendo criado pela avozinha, mora em uma comunidade com todo tipo de exemplo e quer atenção...(o tenis da moda, o celular, a calça...)Ou então tem mãe que fica fora o dia inteiro com atividade questionável que se juntou com um rapaz que não trabalha e fica o dia inteiro com seus filhos, cujo marido cumpre pena.Um diferencial de peso. A escola pública é verdadeiramente um retrato da sociedade. Atitude, vocabulário, jeito de ser, de fazer, acertos, erros, exemplos... Tem para todo o gosto! É espelho.Tem de tudo e acontece tudo. Como a nossa sociedade que está difícil, com exemplos de gente de bem, muito ruins que cai na boca do povão. Atitudes não positivas que viram sinônimo de esperteza, de jeitinho brasileiro... e todo mundo quer copiar. Uma vez eu li que tem tanta violência sendo divulgada, quer seja em filmes, desenhos animados, novelas, noticiários até comerciais que isso estimula as pessoas e elas passam agir assim, como se isso fosse normal mesmo. Alguma coisa como "que eles se matem entre eles". Ainda penso que a Educação é a solução para muita coisa que está aí... Que se não fossem as escolas particulares( homogeniedade?), públicas a situação estaria muito pior. Se todos pensassem que " a educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando completo desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho" (Constituição Federal)Quem sabe a luz no fim do túnel ficaria mais visível??

Rogério Antônio Rosa disse...

Sou Professor do ensino fundamental, médio e supervisor escolar. A escola não é mais um ambiente de aprendizagem e sim depósito de crianças, jovens e adolescentes acobertados pelos pais por suas maldades, falta de limites, não possuem respeito por si e pelos colegas, professores, funcionários etc... Em diversas ocasiões os pais apoiam seus filhos e o governo com suas malandragens, juntamente com conselho tutelar e agora a imposição de aprovação automática(sabendo ou não o mínimo de conteúdo é aprovado), o Rio Grande do Sul, segundo nossa Secretária de Educação os professores vão receber bônus pelo número de alunos aprovados e muitos pais concordam com tal atitude.
Hoje nossos alunos da rede pública recebem tudo de graça(livros, merenda, caderno etc...) e não valorizam o que estão recebendo, rasgam os livros, são violentos e ainda somos obrigados a escutar da sociedade que não temos aulas interessantes(não sabia que eu tinha cursado falcudade de palhaço e com certeza ele é mais respeitado que um professor), que os professores provocam a ira no aluno ou seja se ele agrediu é porque foi mal interpretado pelo educador. Os pais não comparecem nas reuniões, entregas de boletins etc... e somos obrigados a dar conta dos filhos que não são nossos. Existem duas diferenças que os pais não sabem e deveriam pesquisar: O que é educar? E o que é Ensinar? A segunda é que pertence a escola e a primeira aos pais em dar limites etc...
Bento Gonçalves, Rs

victorzazuela@hotmail.com disse...

Glória Perez, não estou acompanhando sua querida novela. Falta de motivação mesmo. Não pela qualidade de tua obra, mas por preguiça intelectual de acompanhar o teu raciocínio tão apurado.
O assunto posto hoje, 26/01, é de extrema importância nos dias de hoje. Infelizmente, em escolas públicas a situação é caótica. Alunos estão totalmente desprovidos de limites. E o pior, com o apoio , muitas vezes, dos próprios pais. Trazer à tona tema tão delicado faz de você uma pessoa cada vez mais querida e imprescindível ao país. Nada foge ao seu olhar sensível, responsável e atuante.
Parabéns, minha querida.

Abraços,

Víctor Zazuela

Anônimo disse...

Muito importante você abordar esse assunto em toda sua amplitude, comportamental de alunos, professores e pais. Sou professora de Educação Infantil na escola pública e infelizmente vivo nos meus dias a dificuldade de diálogo com os pais. A cena da professora agredida com o estojo pelo aluno é comum nos noticiários. O que, infelizmente, não é noticiado é o comportamento dos pais. Você conseguiu retratar a nossa realidade quando precisamos exigir que eles atuem na educação dos seus. Assisto esta cena dos pais no meu cotidiano, ou dos meus pares, infinitas vezes. Li mais de uma entrevista sua e você realmente estuda, le, interage com suas personagens. A educação te agradece!

Anônimo disse...

Boa noite Glória... Parabéns pela novela e pelo tema Professores e Alunos! Acabo de assistir a cena de uma professora chorando na sala da diretoria. Imediatamente me vi lá, pois isso já aconteceu comigo várias vezes. Nasci em uma família humilde, fiz o meu curso com muito esforço em uma Universidade pública e quando finalmente imaginei que teria um trabalho digno um balde de água fria caiu sobre mim. Passar por agressões morais e ver o descaso como que os alunos me trataram me fizeram perder a esperança em mundo melhor. Trabalho em uma escola pública do estado de São Paulo e é muito triste constatar e testemunhar a situação na qual nos encotramos. Sentir-se sozinha, pois nem sempre tem alguém para nos ajudar; e nem sempre uma diretora pode fazer alguma coisa também. As leis são todas para os alunos. Por incrível que pareça sempre querem dizer que nós estamos errados, e nada existe nada para convencer um aluno a nos respeitar. Só podemos mesmo contar com a boa vontade de alguns e de algumas famílias que ainda acreditam e educam seus filhos. Enquanto nossos governantes ficam mascarando e mostrando inverdades na mídia; eles também não respeitam a nossa profissão. Acredito que a solução seria acordar a sociedade, para que ela valorize a escola e a educação e ensinem as pessoas princípios de respeito e solidariedade para com o próximo.

Rogério Antônio Rosa disse...

Olá, Glória!
Para aliviar um pouco as tensões entre pais e professores da rede pública, as escolas particulares possuem problemas semelhantes a pública, porém não é divulgado pela mídia. Claro que professor na escola particular não pode ausentar-se ou seja só se for por doença grave. Trabalhei em escola particular por 10 anos e cansei de ouvir de pais e alunos, pagamos seu salário e quem manda aqui somos nós. Também cansei de aprovar aluno na rede particular que não sabia nada, mas era filho do fulano...
Acredito que o tema educação é grande e problemático em todas repartições, públicas e privadas. A solução seria união de pais, legisladores, juízes, promotores, para determinar o que é direito, deveres dos alunos e das escolas. Acredito sim que existe ou exista professores que não estão preocupados com a educação, mas não podemos condenar todos educadores pelos erros de alguns, bem como não podemos denegrir todos alunos, pois existem os alunos muito bons dentro das escolas públicas e privadas. Deixamos o aluno Bom de lado para ficarmos atendendo o aluno e pais ruins? Na verdade temos que olhar para os alunos bons e ver mecanismos de ajustar os alunos ruins na escola. Mas, a onda dos nossos políticos não são das melhores, então como tratar de um assunto onde os legisladores não são punidos por roubos, fraudes, assassinatos, desvios de merenda escolar etc...
Professor - Rogério Antônio Rosa
Bento Gonçalves- RS

Dani Santos disse...

Olá Glória!
Gostei muito da idéia que tivestes de retratar a relação professor x aluno na sua novela. Porém, fiquei indignada, (como educadora da rede municipal e estadual do RS), com as últimas cenas envolvendo o tema.Gostaria muito que a nossa categoria, tão discriminada, fosse, pelo menos na sua novela, defendida. Não acredito que tu vais escrever capítulos onde mais professores enfrentarão o problema de indisciplina de alguns alunos, com o apoio dos pais, e não irá nos defender e mostrar que, edução, respeito pelo próximo, solidariedade,humanismo... se aprendem em casa, com o exemplo dos pais.Gostaria de ver a personagem de Sílvia Buarque enfrentar essa família que apoia as atitudes do filho, de cabeça erguida, e que ela saia vitorosa,mas que não demore muito, pois a personagem de Duda Nagle é uma má influência para os nossos alunos. Obrigada!

Anônimo disse...

Glória, parabéns por sua coragem e determinação em mostrar a realidade da educação.Estou amando a novela e como professora, de escola pública e particular no interior de S.Paulo acabei me vendo na situação vivida por Bere e senti uma esperança muito grande, de quem sabe, nossos governantes abram os olhos para a educação e possam nos respeitar e valorizar como devemos, já que nossos direitos estão perdidos e somente os alunos tem os seus.Sou professora por vocação e isso me incomoda muito, pois estou sentindo que perdemos a nossa função maior que é ensinar e preparar para a vida, já que agora os pais não assumem seu papel e o professor acaba sendo o alvo desses filhos sem limites e sem rumo.Deus te proteja e ilumine sempre!!Continue comprometida com a sociedade, e não tenha medo de expor suas falhas, para quem sabe um dia a sociedade possa acordar e respeitar o professor como merece.

Núbia disse...

Olá Gloria,

achei muito inportantante e oportuno o tema (violência contra os professores)abordado por você na novela.Sou educadora e estudante do último período de Pedagogia. Penso em fazer minha monografia com esse tema, e se possível gostaria de receber algumas dicas bibliográficas ou textos que possam me ajudar a desenvolver tal pesquisa, deixo meu email e desde já agradeço
nubiaribeiro1994@hotmail.com

Iolanda disse...

Olá Glória!!! Sou professora e socióloga e achei muito oportuna a discussão. Pensar e refletir sobre este problema contribui para o processo de socialização dos núcleos (família, escola e sociedade) envolvidos. Os personagens envolvidos retratam as contradições das experiências educativas na cultura do instantâneo, particularmente, nas atitudes dos pais de zeca que alimentam a espertesa, a desonestidade, o desrespeito pelo outro e o vale-tudo prá se dar bem.A formação de Zeca "é um retrato perverso" de alguns jovens que ambientados numa prática "do vale tudo prá se dar bem" não percebem o professor como alguém que tem algo a compatilhar e contribuir.

Anônimo disse...

gloria, nas escolas municipais de belo horizonte o direito do mau aluno prevalece sobre o direito do bom .infelizmente aos alunos são dados só direitos, deveres esquacem. Um aluno pode agredir ao colega e nada acontce porque tanto a secretaria de educação como o conselho tutelar não permitem que a escola tome providencias de efeito,infelizmente como mãe , só escuto que a única coisa que a escola pode fazer é conversar com os pais destes. é proibido suspender um aluno de aula mesmo que ele cometa agressões.

Palavras Vivas disse...

Olá!! Sou professora, historiadora e psicopedadoga, mas atuo,já a quinze anos na área de Educação Infantil, luto para quebrar uma barreira, que dividem, pais e mestres. Quando inicie minha profissão ,percebi que aqueles alunos com problemas, na verdade eram carentes de uma orientação educacional e afetiva . Estou junto nesta luta. Então, resolvi basear meus estudos para que esta barreira se quebre. Na minha Monografia, pude fazer estudos em que pudesse achar outros estudiosos, que pudesse concretizar minhas idéias. Observei e estudei formas que pudesse destruir essa barreira. Assim comecei a investir nas Reuniões de Pais e Mestres ,achei uma estratégia, que casaria bem para chegar ao objetivo de quebrar este muro invisível. Meus estudos de campo, me levou a dados negativíssimos. Por um lado professores com a visão de pais ignorantes, sem a visão que são pais que precisam de orientação para educação de seus filhos, e pais sem vontade de ir as reuniões por conta desta visão negativa dos professores. Digo que tive experiências com Ensino Médio, e assisti a falta dos pais na vida educacional de seus filhos. Boa sorte. Meu blog(conscienciasmil.blogspot.com)
Um forte abraço!!!

Alexandra disse...

Olá Glória,
Sou professora da rede pública e privada em Belo Horizonte, gostaria de registar minha opiniao sobre o tema apresentado. É indiscutível os maus tratos que nós professores estamos sofrendo... Uma observação a ser feita é a constante entrada do "Pai do Zeca" na sala de aula. Isto é uma profunda falta de respeito e tenho medo de que esta atitude encoraje pais de alunos com esse perfil. Geralmente os pais nao tem acesso direto as salas de aula. Continue abordando o tema ... mas, considere o fato de que os professores precisam reagir a tal situaçao de descaso e desrespeito.

Anônimo disse...

Sou Professora de uma rede pública jamais tive problemas com disciplinas. Porque no primeiro dia de aula deixo bem claro as regras para pais e alunos.Quer saber mais entrem no meu blog
blog da felicidade e da paz mundial da monalysa. Deixa suas perguntas que responderei com muito amor.

Maria Helena disse...

Infelizmente esses casos estão cada vez mais frequentes.
O sistema contribui e a justiça também. O professor ficou refem do aluno.
Somos desvalorizados, não só por nossos clientes (alunos), mas também pelo sistema (secretarias de educação).Com a proposta da aprovação automática os verbos ensinar e aprender cairam em desuso. O professor tem ido pra sala de aula simplesmente para ajudar o aluno a ser um número, um percentual na estatística para que governadores e prefeitos ganhem verbas.O professor é um fantoche, um boneco, um palhaço que não tem como função ensinar e sim aumentar os indices no final do ano letivo. Sinto-me envergonhada em dizer que sou professora. Cada dia mais decepcionada com uma profissão tão linda e tão desprezada. No Espírito Santo professores são proibidos de consumir a mesma merenda que o aluno. Não pode reprovar o aluno. Não pode reprimir um aluno por atitudes erradas. Não pode corrigir um aluno.Não podemos falar em ética, respeito, educação. O sistema não permite, é contra a política.Isso é educação? Fechem as portas das escolas e abram as portas do circo, pelo menos lá temos alegrias.
Gostaria muito que você pesquisasse a situaçâo do professor no Espírito Santo. Não reclamo de salário e sim de respeito ao cidadão que quer formar cidadãos.
Atenciosamente,
Maria

ilesor disse...

Amada ,tenho lido todos os comentários postados aqui , e pergunto será que a sociedade não se sensibiliza? não adianta procurarmos os culpados, e nem o diagnóstico sem o remédio. Temos que descobrir o antídoto para a desesperança,para a falta de oportunidades e para a injustiça social, pois esses são os males que dia após dia tem levado os jovens a falta de expectativa futura. Há muitas promessas e pouca realização, muito descaso,e isso é muito perigoso , sério e injusto.Veja o quadro , Professores cada vez mais desvalorizados, pais desapontados, alunos decepcionados, e o pior, a decepção não é com a escola , não é com o professor, não é com a família, e com a VIDA ,essa é INCURÁVEL. GRande é a nossa responsabilidade, a minha é em sala de aula na periferia de São Paulo , a sua amada e no espaço da comunicação, nosso objetivo a conscientização da sociedade. Já é um caminho. Beijo imenso em ti.

Vieira Ruas disse...

BOM DIA GLORIA- SOU PROFESSOR DE UMA ESCOLA DE CLASE AAA. O QUE VC MOSTRA NA TV EM SALA DE AULA,E PAIS COMO CESAR E ILANA É POUCO VISTO O QUE VIVEMOS AQUI DIARIAMENTE. PARABÉNS.CONTINUE E APROFUNDE CADA VEZ MAIS. SE PRECISAR DE UM ASSESSORAMENTO DOU MINHA COLABORAÇAO TENHO É CASO PRA CONTAR
UM BEIJO

Anônimo disse...

OLá Glória!!! Era professora da rede particular de BH,sempre trabalhei na mesma empresa(escola - alunos classe AAA) e confesso que as situações vividas pela prof Berê na novela,são simplesmente quase que as mesmas que eu vivia.Aquelas barbaridades eram comuns e várias vezes eu me virava para o quadro e pensava: "meu Deus, o que estou fazendo aqui?A sensação de impotência,incompetência diante das situações era muito frustrante. Quando as reclamações eram levadas à direção,recebíamos a seguinte observação: " Cuidado,não podemos perder aluno." ou ainda " Gente este menino é filho de Fulano de tal."... Comigo,ocorreu um fato grave que fez com que eu me decepcionasse de vez com a empresa("escola")...Um aluno,ficou em recuperação final na minha disciplina(Física) e através da influência do pai(advogado famoso daqui de BH),eles conseguiram o número do meu celular e me ligaram fazendo ameaças veladas para que eu completasse a nota do filho,pois do contrário ele poderia ser reprovado. Como eu não retornei,afinal eu jamais aceitaria dinheiro para fazer tal coisa,pois sou uma EDUCADORA,recebi ligações da" escola" exigindo a minha presença. Eu fui até lá e no caminho,me lembrei que meus diários haviam ficado no colégio...resultado: qdo cheguei lá a diretora,me comunicou que eu havia "errado" na nota do aluno...eu estranhei e procurei o diário,ms ele,só ele,havia desaparecido...Estranho né? Trabalhei mais 1 ano e me afastei da sala de aula. Hoje,montei uma sala própria,na qual leciono aulas particulares,de reforço e treinamento para os vestibulares...adoro meus alunos,me sinto feliz, realizada e sou uma educadora como sempre sonhei. Continue com este bela novela...Parabéns!!

Luciana disse...

Boa noite Glória, sou professora da rede pública e da rede privada de ensino. É triste ver a diferença gritante entre as duas realidades. É muito importante sim a participação assídua da família no processo de valorização humana dos futuros cidadãos, e o que vemos na realidade é um distanciamento muito grande da família, da escola e do sistema que maltrata crianças e adolescentes que não nascem sendo agressivos e distanciados do respeito a sia e ao próximo, eles são ensinados a tornar-se assim. Espero que você possa, em nome da educação, mostrar aos telespectadores que a educação não é responsabilidade de apenas uma parte, mas de toda uma população, e que os reflexos dessa má formação afetiva, social e cognitiva está sendo mostrada da pior forma possível. Não espere muito para gritar em pról da educação, pois sabemos que a situação é gravíssima e as chances de contornar esse grande problema são menores ainda. Parabéns pela novela!!!

Mariana disse...

Olá, Glória
Confesso que fiquei embasbacada com a atitude da professora da novela ao dar um celular novo à aluna e, ainda por cima, pedir desculpas. Quem deveria se desculpar era a aluna, por utilizar o celular na sala de aula!
Também me surpreendi quando a professora, ingenuamente, usou o computador recém-recuperado na sala sem, ao menos, olhar antes, em casa, se estava tudo certo...
Sei que a cena pode bem acontecer na realidade, mas é revoltante ver um professor se rebaixar a um aluno dessa forma e não ser precavido o bastante.
Bote a professora dessa novela mais "durona". Ela é muito boazinha!

Thiago disse...

Olá Glória. Tenho 16 anos e é a segunda vez que escrevo aqui. Como já disse, estudo em uma escola pública no interior de SP desde ano passado. Estou no 2° ano e em turno diferente. Estudo pela manhã, onde os professores são um tanto diferentes. Não só eu notei, mas sim muitos dos meus amigos e alguns comentários soltos afirmaram que de fato, alguma coisa mudou. Todos os professores são diferentes do turno da tarde (menos a de biologia que disse que a participação do aluno importa mais do que a nota na prova e por isso ela não aplicaria avaliações, assim como fez ano passado, só avaliando o caderno e se a matéria estava toda copiada pra que a professora coitada pudesse ficar sentada o ano inteiro na cadeira do mestre soltando pra todos que a educação no país está horrível e que os alunos... bom, você conhece bem o que elas e eles falam neah) e todas sem excessão entraram na sala no 1° dia de aula carrancudas e com a macaca. O discurso da maioria girava em torno do mesmo: "primeiro de tudo: os meninos, tirem os bonés por favor!" (Imagine uma mulher forçando uma voz grave que vai ficar perfeito). Elas prosseguiram: "me chamo fulana e sou chata! sou ranzinza, implicante e exigente. saibam que dentro da sala de aula, quem manda sou eu!" A de inglês assustou: "querem reclamar de mim? pooodem ir. é só ir na diretoria. perto da diretora eu sou a pessoa mais sonsa do mundo e vocês com certeza estarão certos. Mas não se esqueçam, vocês vão, mas vocês voltam!" O esquisito é que, todos perceberam que se tratava de uma máscara. E todos falaram pra cada uma delas em certas variações: "A professora é legal!" Entendo que elas tenham que forçar um pouco algo que não são. Assim, elas passam credibilidade, mas assim, elas passam um certo respeito que não afronta, que não abusa. Adivnha de quem a turma reclamou? Dessas? Não. Reclamaram da de biologia. Deveria ser ao contrário não é? Ela disse que não vai dar prova e que as aulas iam ser em roda! Deveria ser a alegria geral! Não foi e não é! Com as outras, nos sentimos em boas mãos. No último post eu disse que respeito a gente impõe. A isso que eu me referia. A aula de história nunca foi tão legal! Todos brincam que quando ela dá aula ela incorpora. E é realmente divertido. Percebe-se a olho nú que o que ela faz é cheio de amor e todos respondem à isso com o silêncio de atenção e olhos bem arregalados. A de português nova soltou um comentário interessante que me fez vir aqui e postar. Ela disse assim: "Engraçado que falam que a sala de aula tem se tornado uma zona de guerra. Eu não noto isso. Tenho 20 anos de sala de aula e nunca fui destratada por um aluno. Eu acho que quando a gente faz as coisas com amor, fica escrito na testa e as coisas fluem bem. O meu remédio pra dor de cabeça é vocês! Eu me divirto e aprendo tanto com vocês, sou tão feliz como professora...!" Se o professor escolheu isso pra fazer, faça com amor! Se não tem material... Temos os alunos e o professor. Já é o bastante, dá pra levar. A gente tem que fazer o que está às mãos. Reclama, reinvidica, mas não para. É desanimador saber que tem professores que trabalham pra se aposentar. E o pior é que são esses que têm a suas "vidas" retratadas na TV. Essa é uma moeda de duas faces.

Prescila disse...

Gloria, seria possível você entregar pra Bere(a professora da novela) esse poema que escrevi? Se eu estiver agindo de forma abusada, peço que me perdoe. É uma forma de homenageá-la por representar na trama uma das profissões mais importante, pois sem o professor, não haveriam médicos, advogados, ou seja, qualquer outra profissão que exija formação. Se puder, ficarei muito grata e que Deus te abençoe muito sempre.


ARTISTAS DA EDUCAÇÃO

(Autora: Prescila Pereira)





Professores lhes agradecemos, porque um dia sonharam em mudar o mundo,

Mudá-lo semeando a semente do conhecimento.

Fizeram da sala de aula o seu palco,

transformando-a num ambiente prazeroso e atraente, educando-nos com emoção, com garra, com dedicação, e muito mais, com amor.

Com essa dedicação, nos tiraram de espectadores passivos para nos fazermos espectadores ativos, construtores de pensamentos, críticos de ideologias.

Tornaram-se atores principais do palco do ensino, interagindo conosco e nos ensinando a pensarmos antes de reagirmos. Nos ensinaram a importância da cidadania, da solidariedade, para extrairmos segurança na terra do desconhecido e encontrarmos dignidade em nossas perdas.

Mesmo a sociedade colocando a educação em último patamar, vocês acreditaram no potencial da educação, e nos ensinaram a sermos poetas de nossas próprias vidas.

Agiram com fé e se fizeram artesões de nossas personalidades, dividiram seu conhecimento sem restrições.

Foram verdadeiros artistas da educação, sem almejar aplausos. Mas...Concedemos lhes o mérito e lhes aplaudimos, pois são participantes de nossa vitória. São os artesões de todo conhecimento, são os que ousam sonhar com um mundo melhor, e a cada dia plantam a semente da mudança, como formiguinhas incansáveis e persistentes, sem jamais desistirem.

OBRIGADO professores porque sem vocês, nossa espécie não tem esperanças, nossas primaveras não possuem andorinhas, nosso ar não possui oxigênio e nossa inteligência não é saudável.

A vocês QUERIDOS MESTRES, todo o nosso aplauso.

Blog da Felicidade e Paz Mundial disse...

OI! Gloria não perco a novela!
Pedagoga
Gostaria de contribuir para mudar a situação do Zeca como também a situação da professora da novela.
Dou aulas em uma escola pública e nunca tive problemas com pais e com os alunos.

Erika disse...

Até que enfim alguém teve coragem de mostrar a realidade das escolas e as dificuldades dos professores.
Eu tenho que mudar o meu jeito de ser quando entro na escola para ganhar um pouco de respeito por parte dos alunos.
O pior é que a direção dos colégios, principalmente dos particulares, não querem saber, querem mesmo é agradar pais e alunos para não perderem matrículas.
Ninguém faz nada e exigem tudo dos professores, tudo fica por nossa conta e além de tudo isso, ai de nós se o aluno não passar na FUVEST.
Eu já estou cansada e me organizando pra mudar de profissão, minha saúde está indo embora, sempre estou doente, chateada, frustrada.
Parabéns pela inicitiva, Gloria!
Só pessoas corajosas "metem o dedo na ferida" desse jeito.
E haja pai e mãe revoltado.

Regina Helena disse...

O núcleo escolar da novela tem sido de grande alerta para pais identificarem comportamentos nocivos ao desenvolvimento dos jovens. Hoje, depois de 20 anos em sala, surpreendeu-me a reação de uma mãe. Cancelou a matrícula de seu filho, em uma escola particular, alegando perseguição após admitir que ela mesma escreveu uma dissertação sobre aborto p/ele e o mesmo recebeu nota baixa. Além do exemplo de falta de ética ao fazer um trabalho pelo filho, estimulou o fracasso do jovem ao mostrar que o mesmo não tem condições p/ melhorar ao longo de um ano que mal começou... Agradecemos pelo apoio ao denunciar fatos corriqueiros e pesados na vida dos professores.Apesar das dificuldades, acreditamos em uma sociedade melhor através da educação!!!

Anônimo disse...

Gloria, sou professora do ensino fundamental, e nunca tive um ano como este , os pais estão se comportando cada vez mais parecidos com os seus personagens, criando seus filhos sem limites, sempre com a razão, e achando que a culpa é sempre dos professores, esta na hora da novela mostrar um lado bom , esses alunos devem sofrer algum tipo de punição , pois eles acham que tudo é igual a vida na novela, não há punições , estou tão desgostosa , que estou pensando em mudar de profissão. abraços Sandra.

Thiago disse...

A partir do momento em que todos se tocarem e entenderem que os jovens são a única esperança de um Brasil melhor e que são justamente eles (entenda-se nós) que são dados como os vilões da história, a coisa vai começar a mudar.

Anônimo disse...

#Gloria#!Espero que leia isto que é um fato ocorrido em minha vida,quando fui aluno do 1º do 2º grau,eu era um aluno regular minhas médias eram entre 6 e 7 sempre fui um aluno quieto, e sem problemas de convivência com outras pessoas. estava completando 18 anos quando fui atacado por um dos meus colegas pq simplesmente eu fui na diretoria reclamar dele que era um aluno que prejudicava a sala inteira,apenas fiz meu trabalho de lider da sala de aula
apenas fui agredido por 25 outros alunos a mando deste meliante que agia como se fosse formação de quadrilha minha sorte e que eu sou formado em artes marciais e consegui me defender ate eu levar uma pedrada no rosto, me senti em um campo de guerra,esse caso foi parar na policia ,sabe o que deu? Nada!!! por que eles tinham 16 anos e mentiram discaradamente que eu havia batido em um deles!É ai que entra o ponto da novela,os pais dele foram defende-lo, mesmo ele sendo um adolescente que fazia uso de drogas escondido de seus pais.Eu tive que parar de estudar por que ja estava quase servindo ao exército.Imagina só eu completando 18 e todos eles resolvem jogar tudo para cima de mim eu podia até ser preso injustamente por bater em alguém que se diz menor de idade , mas ja age como se fosse um gangster manipulando tudo e todos ao seu redor.

Anônimo disse...

Os pais devem criar os filhos para o mundo ensinando a eles que todos nós temos espaço,mas o nosso termina quando começa o do próximo,se todos tivessem o respeito e disciplina conciênte não precizaria de que os pais puxassem pelo braço o filho toda a vez que tivesse que ensinar algo, se o adolescente quer seu lugar ao sol assim como todos nós queremos ja deveriam se preparar desde cedo para que quando completassem 18 anos ja fossem viver suas vidas se sustentando sem ajuda dos pais assim como fazem muitos adolescentes em outros lugares do mundo,A escola em geral deve cativar o aluno com a matéria de sala de aula,aqueles que se entusiasmam quando o professor fala de boca cheia sobre sua materia de aula sem precisar de uma maldito livro,significa que realmente esse professor estudou e gosta do que faz,a todos vocês que criticam o professor ,se ponham em seus lugares e imagines como seria criar 45 filhos(pestes) dentro de casa,seria dificil não seria??eu falo como aluno e como filho de professora que foi criado pelos antigos habitos ,não existe mais HIERARQUIA E DISCIPLINA? Pai e Mãe e professores tem de ser respeitados assim como vocês respeitam uma Autoridade.Se o filho ja é grande pra se meter em encrenca ele te que aprender a se viram perante as consequência de seus atos!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Sou professora de uma escola e presenciei um fato semelhante as agressões da turma do Zeca.
Alunos da 7ª série escolheram um colega menor do que eles, derrubaram o menino e encheram ele de pontapés e socos. Perguntados o motivo pelo qual fizeram aquilo responderam que tinham imitado o Zeca.
Sei do poder que a globo tem através, principalmente, das suas novelas na formação, no comportamento e nas atitudes de crianças e jovens e, fiquei muito indignada com a repercussão que o núcleo mau caráter do Zeca, seus amigos e seus pais está causando nestas pessoas.
Será que teremos que esperar pelos capítulos finais desta novela para conscientizar estes jovens que este tipo de comportamento é inadequado em qualquer ambiente que eles frequentam e, que existem "punições" para esas atitudes?

Anônimo disse...

As pessoas que criticam o tabalho do professor, certamente o fazem por estarem muito satisfeitas em "despejar" suas crias nas salas de aula. Essas pessoas se reproduzem como ratos, usam as escolas como depósitos, sem dar qualquer base de educação, ou valores aos filhos. Os professores são profissionais que se dedicam em jornadas de trabalho longas e aviltantes, recebendo baixíssimos salários. Se não conseguem transmitir conhecimento, naum o fazem por negligência ou falta de competência, mas porque são impedidos de realizar seu trabalho por menores que naum possuem valores, ética ou civilidade. Eduquem seus filhos para que possam se tornar gente decente, não esperem que os professores façam isso por vocês, visto que naum é essa a sua função. A função do professor é dar educação acadêmica, letrada, não domesticar feras.

Glaucia disse...

Gostaria de parabenizá-la pela forma como vem costurando a relação entre mestre e discipulos na novela. Mas, me parece que as pessoas ainda não entenderam que você faz um paralelo das relações professor-aluno na India e no Brasil. Percebo que muitos pais ainda estimulam seus filhos a ter atitudes como a do "Zeca". A cada dia aparece mais reportagens de professores agredidos por alunos. Penso que esta na hora dos professores se unirem para manifestar seu desagrado e solicitatem um "Estatuto do Mestre" para ampará-los e subsidiá-los nessas situações. O ECA e os direitos humanos, fazem mais por menore infratores do que por Educadores que tentam fazer seu trabalho com excelência.

Anônimo disse...

Olá Glória
Sou professora de uma escola do estado de São Paulo e cada vez mais sinto que a população, a mídia e o governo joga toda a responsabilidade da educação para o professor. Somos responsáveis sim, mas não os únicos. Vivemos numa realidade onde até a oitava série não existe reprovação, somos obrigados a mandar o aluno para a série seguinte sem ter base para prosseguir e quando chega lá na oitava este aluno só pode reprovar um ano. Se neste um ano ele não evoluir foi porque o professor não deu conta do recado. Agora temos salas de aulas exatamente como você mostra, com poucos alunos interessados em aprender e muitos nos ofendendo o tempo todo e mesmo assim somos responsabilizados pelo mal rendimento do aluno. A mais recente do estado foi não pagar a bonificação aos professores das escolas que não tiveram bons índices numa avaliação externa realizada pela secretaria da educação. Acho que basta, mas infelizmente os professores não possuem muita coragem para falar.Por isto agradeço a sua atenção a este assunto e espero que continue abordando este tema de forma brilhante como os demais.
Luciana

Alessandra Sá disse...

Parabéns por mais uma vez trazer à tona assuntos tão latentes de nossa sociedade. Lamento por saber que há pessoas que se sintam ofendidas com sua proposta. Sou professora e sinto na pele a falta de limites de nossos jovens e adolescentes. Muitos pais acham que você simplesmente saiu em defesa dos professores, mas não param para pensar na real situação. As ditas "famílias" de hoje em dia delegaram sua tarefa de educar, mostrar os bons princípios e tudo o que poderíamos chamar de que "vinha de berço" à escola, e quando a mesma tenta inserir tais fundamentos na cabeça dos jovens, muitas delas não apóiam e sentem no direito de criticar quem as faz. O que esperar para o presente e o futuro? Pais permissivos, filhos omissos. Não podemos ficar na posição de plateia assistindo com a maior naturalidade os absurdos que vêm acontecendo. Quantas Daniella Perez, Isabella Nardoni, João Helio...veremos morrer? Se a Educação não for um dos passos para uma sociedade mais justa,o que será então?

João Pena disse...

Prezada Glória Perez
Em muitas das cenas do personagem Zeca, na sua já consagrada novela Caminho das Índias, o jovem aparece com uma lata de cerveja na mão. É pertinente essa abordagem, na medida em que a falta de limites do jovem, associada à liberalidade do consumo de álcool, incentivada, também, pela falta de regulamentação da propaganda de bebida alcoólica nos meios de comunicação, faz com que o comportamento de boa parte dos nossos adolescentes assemelhe-se ao que o seu personagem apresenta.
Sua atenção, habilidade e sensibilidade na apresentação do tema nos incentivaram a enviar-lhe o convite abaixo.
Abraços,
João Pena Nunes.
Presidente da ABRAD
Associação Brasileira de Alcoolismo e Drogas.
A próxima palestra da ABRAD será no próximo dia 27 de maio, quarta-feira, no espaço de debates do escritório Arnaud & Aguiar Advogados na Av. Rio Branco n°185Grupo: 618 / 621.
Centro - Rio de Janeiro
O tema, Escola, Violência e Drogas será apresentado pela palestrante Rita Lins Fernandes Esteves, professora de Biologia da rede estadual e coordenadora pedagógica da rede municipal de ensino, pósgraduada em Análise e Gerenciamento do Meio Ambiente.

nubia disse...

Olá Glória! Sou professora das séries iniciais do ensino básico e estou adorando o fato de termos a nossa realidade sendo mostrada a todos. Obrigado por nos dar voz e por nos permitir mostrar para todos como está de fato a realidade educacional. Gostaria que se fosse possível vc mostrasse através da sua novela o quanto é desvalorizada essa profissão. Um abraço.

Giulia Pierro disse...

Como funcionava o esquema de Araraquara


Já falamos tão exaustivamente do esquema de desvio das verbas do ensino na rede estadual de Araraquara, que cabe uma última pergunta: por que a mídia se cala? Leiam abaixo trechos do impressionante depoimento de uma diretora de escola, que também já se cansou de espalhar informações para toda a mídia, sem provocar até hoje o interesse de algum meio de comunicação de grande porte. Afinal, a quem interessa, no Brasil, que as verbas da educação cheguem efetivamente às salas de aula das escolas públicas? A quem interessa desmascarar uma MAFIA que atua na manutenção do atraso do país? Enfim, a quem interessa divulgar ao mundo que existe, neste país "pacífico" e "feliz", uma verdadeira MÁFIA? Sim, máfia, pois a palavra "quadrilha" é muito pequena para um esquema milionário como foi esse em Araraquara e região, durante dez anos.


Leia com atenção o depoimento dessa diretora de escola:

ERAMOS ORIENTADOS, TODOS OS DIRETORES DE ESCOLA, PELA EX-DIRIGENTE E SUPERVISORES, PARA GASTAR UMA PARTE DAS VERBAS NA ESCOLA E A OUTRA PARTE PARA "GUARDAR", OU SEJA, NÃO COMPRAR NADA. POR EXEMPLO: UM DIRETOR DE ESCOLA GASTARIA UM TERÇO DA VERBA E GUARDARIA O RESTANTE, APRESENTANDO, NAS PRESTAÇÕES DE CONTAS, NOTAS FISCAIS COMPRADAS NO ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE ATLAS, QUE TINHA TALÕES DE FIRMAS FECHADAS, QUE PORÉM CONTINUAVAM CIRICULANDO. EXISTIAM TAMBÉM FIRMAS ABERTAS LEGALMENTE, MAS QUE NÃO PRESTAVAM SERVIÇOS NEM VENDIAM NADA ÀS ESCOLAS, OU SEJA , OS PROPRIETÁRIOS NEM SABIAM QUE O ESCRITÓRIO USAVA OS SEUS TALÕES. AS QUE SABIAM, O ESCRITÓRIO LHES PAGAVA UMA COMISSÃO.


O ESQUEMA FUNCIONAVA DA SEGUINTE FORMA, PARA TODAS AS ESCOLAS SEM DISTINÇÃO: O CHEQUE ERA PREENCHIDO PELO DIRETOR DA ESCOLA E ASSINADO PELOS DIRETORES FINANCEIROS E EXECUTIVOS DA APM. GERALMENTE OS CHEQUES JÁ ERAM DEIXADOS ASSINADOS EM BRANCO, OS DIRETORES APENAS PREENCHIAM E REPASSAVAM ÀS PROPRIETÁRIAS DO ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE ATLAS OU A SUAS FUNCIONÁRIAS DE CONFIANÇA. DEPOIS OS CHEQUES ERAM DEPOSITADOS NA CONTA DAS FUNCIONARIAS SAMARA OU ARIDIANE E O DINHEIRO ENTREGUE AO DIRETOR DA ESCOLA COM 20 OU 25% DESCONTADOS PELO ESCRITÓRIO. ESTA PORCENTAGEM A ESCOLA PAGAVA POR CADA NOTA FRIA RECEBIDA JUNTO COM O DINHEIRO, SEM SE IMPORTAR COM A PROCEDÊNCIA DA NOTA. A POLÍCIA FEDERAL INVESTIGA AINDA ESTE ESQUEMA.

OS SERVIÇOS EFETIVAMENTE PRESTADOS ERAM PAGOS AOS FORNECEDORES, AS NOTAS VERDADEIRAS ERAM DESCARTADAS E SÓ ERAM UTILIZADAS AS FRIAS FORNECIDAS PELO ESCRITÓRIO ATLAS. A PRESTAÇÃO DE CONTAS ERA FEITA PELO ESCRITÓRIO E ASSINADA PELO DIRETOR DA ESCOLA, PELOS DIRETORES EXECUTIVOS E FINANCEIROS DA APM E CABIA À DIRETORIA DE ENSINO FAZER A CONFERÊNCIA. NA DIRETORIA DE ENSINO TODOS SABIAM QUE AS NOTAS ERAM COMPRADAS E FRIAS, PORQUE TINHA TALÕES DE NOTAS QUE FICAVAM LÁ NA PRÓPRIA DIRETORIA, ONDE ERAM FEITAS REUNIÕES COM A PROPRIETÁRIA DO ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE.

Pamela disse...

Gostaria de me apresentar: me chamo Pâmela Matos, tenho 21 anos, sou especial (surda) oralizada e tbm me comunico com a lingua de sinais..não gosto de dizer que sou deficiente auditiva, porém, por mais que seja a palavra técnica utilizada pela maioria das pessoas e nas leis, considero um preconceito ser chamado de "deficiente" pelo fato de um ser humano ter uma diferença que infelizmente se limita (dependendo da condição) , mas com certeza nunca impossibilita de sermos Úteis á sociedade, hoje sou pedagoga e presidente da associação dos surdos de Belém..até hoje carrego uma história muito dificil de ser superada chamado PRECONCEITO, DESCRIMINAÇÃO, DESRESPEITO, IMCOMPREENSÃO.. eu me considero uma jovem consciente e batalhadora, não gosto de ficar de mãos atadas,luto muito pelas causas socias principalmente ás pessoas com necessidades especiais, meu trabalho na associação é voluntário,minha maior tarefa é ajudar o próximo, lutar pelos direitos dos cidadãos, fazer com que a nossa sociedade seja mais consciente e solidária, sei que esse trabalho é muito dificil, mas realizo com amor e muita..mas muita fé de que pelo menos meu esforço justificaria algum resultado.
Tbm sou professora nas escolas da prefeitura de minha cidade (Belém do pará), trabalho educando jovens e crianças surdas e, sempre que estou perto dessas criaturas inocente penso:" Não era essa realidade pra elas estarem vivendo"... (tô chorando de emoção..)não quero dizer que é triste ser surda, eu por exemplo, me orgulho de ter ficado surda, pois sou um exemplo pra muita gente que me conhece,a tristeza que nos dá vem das pessoas que nos descrimina, até as familias que inocentemente são influenciados pelos ouvintes, tbm passa a ver a realidade do filho (ou que tenham parentes) surdos igual das pessoas ouvintes (quero dizer que, os surdos tem uma cultura diferente dos ouvintes) querida glória..sou uma pessoa muito sensivel e emocional, já cheguei a parar no hospital, se não fosse pela minha prima,que salvou a minha vida ,tô compartilhando essa dor com vc pq tenho uma conviçção que vc não é como qualquer pessoa que encontro por ai, desabafando e me dando um "sinto muito" como resposta..quero ajuda de verdade, preciso de alguém consciente como vc..pra entender nossa história,faz muito tempo tenho vontade de manter contato ou só explicar claramente essa situação com vc,hj tive essa oportunidade, e espero que não seja em vão..não quero nada pra mim..quero ajuda para a comunidade surda..estamos sofrendo muito o preconceito á nossa lingua,é educação, é cultura, ao lazer , á familia..em tudoooo, não dá assim.. eu estou aqui como vitima sou surda e sei o que estou falando..Nasci ouvinte e perdi a minha audição quando eu era criança, aos 6 anos, por uma doença chamado meningite, por isso, eu sei comparar as duas realidades ( ouvintista e surda ), que muitos profissionais hj em dia estão manipulando com hipóteses e desrespeitando as nossas reais condições necessárias para o nosso bem estar na sociedade.

Senhora glória, por favor, sei que vc não é qualquer pessoa, é uma famosa autora que já sofreu muito e luta, mas vc e eu temos uma coisa em comum: samos humanas, temos dor e consciência, preciso de sua ajuda, de VCCCC!

Vou explicar melhor pra vc querida, mas não por aqui,me adicione no meu msn é o unico meio que facilita o nosso contato,não posso ser por meio de telefone..como vc ja sabe, sou surda.

meu msn: pamelamatos999@hotmail.com , sramatos@hotmail.com

Tenha certeza que a senhora não vai se arrepender de gastar um pouquinho do seu minutinho conversando comigo..
Boa semana pra senhora, e muito obrigada pela sua atênção!

"seja feita á vontade de Deus, amém"

Pamela disse...

Bom dia senhora Glória perez!

Sou sua grande admiradora, vc é um exemplo humano, de mãe, de luta garra, esforço e dedicação..

sempre escreveu novelas objetivas, valorizou culturas e nos trouxe conhecimentos do mundo.

É muito doloroso ver sua vida passar por grandes conflitos , que amarguramente hoje, muitas pessoas se conformam..

eu tbm sou assim como vc, mas em outro tipo de problema: sofro muito, não tive uma infância normal como as outras criancinhas e até hj, esse sofrimento me acompanha no meu dia a dia..


se vc me perguntar se eu me acostumei, a resposta seria "não", apenas tenho Deus ,familia e os amigos comigo, principais motivos pra mim viver meus dias com esperanças de um dia ser feliz!

Pamela disse...

desculpa enviar pela terceira vez..passei a madrugada toda digitando nossa, estava muito grande o comentario e fui obrigada enviar 3x!! abraços e boa semana abênçoada p/ vc!

Pâmela disse...

BOM DIA GLORINHA..

FIQUEI MUITO FELIZ POR VC TER ACEITADO MEU COMENTÁRIO EM SEU BLOG..MUITO OBRIGADA..EMBORA FIQUEI TRISTE TBM, POR NÃO TER CORRESPONDIDO AO MEU PEDIDO, BOTEI MUITA FÉ NISSO, MAS, SE ASSIM FOI,É PQ DEUS QUIS ASSIM..

ACHO QUE É TANTA GENTE QUE ESCREVE PRA VC..APELANDO SUA AJUDA..E IMAGINO QUE VC ME VIU COMO UMA DESSAS, É DIFICIL VC SE CONCENTRAR E AJUDAR TODOS NÉ??

EU ENTENDO VC..

MUITO OBRIGADA, SEJA MUITO FELIZ!

PÂMELA MATOS - SURDA