quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Divórcio à indiana


Os muçulmanos de Uttar, na Índia, fizeram passar uma lei que está dando a maior polêmica por lá!

Vejam a notícia:

No Estado do indiano de Uttar, os muçulmanos permitem casamentos pela internet e divórcios por mensagens de texto via celular (os torpedos), o que despertou o alarme em ativistas que lutam pelos direitos da mulher. 

As bodas por computador foram aprovadas na semana passada por uma decisão política do grupo islâmico Darul Uloom, de Deoband, em Uttar, um dos Estados com maior concentração de muçulmanos na Índia. 

O decreto islâmico estabeleceu que um casamento "celebrado" à revelia física de uma das partes com a ajuda da internet é aceitável se ocorrer na presença de testemunhas, segundo publicou nesta quinta-feira (12) um jornal indiano. 


55 comentários:

Matheus Costa disse...

Depois do carnaval, estou de volta a comentar por aqui no blog da querida Glória. A dança é fantástica e muito diferente, acho muito ignorante quem diz por aí que a dança é parecida com a árabe, como na novela "O Clone", não há comparações, é tudo muito diferente. De qualquer forma acompanho e adoro o tema "Índia", que muito desconhecia. Entre outros temas fantásticos, abordados pela autora, como no caso do: Psicótico e Psicopata.

A entrevista com a escritora Ana Beatriz Barbosa é ótima, ela domina do assunto muito bem, excelente psiquiatra e escritora. Fui pesquisar e, descobri várias coisas a respeito de psicopatia e TDAH, outro assunto que a Ana trata em "Mentes Inquietas", penso que devo ser um TDAH, ou DDA, todos somos, um pouco, bom lembrar. E já vou providenciar a ler o "Mentes Perigosas".

Lembrar aqui, do nosso querido e talentoso, Daniel Marques, o estagiário do Dr. Castanho na novela. Ele já participou de algumas cenas já, e vai estar no capítulo de hoje de "Caminho das Índias", estará contracenando de novo com o magistral Stenio Garcia. Venho aqui pra continuar a campanha da continuação do personagem, que ele possa ter mais espaço e, mostrar mais ainda seu talento. Além do que, eu descobri que o Daniel também é músico, toca vários instrumentos, quem sabe nossa querida Glória, não faz uma dobradinha entre Daniel Marques e Bruno Gagliasso, já que o personagem de Bruno gosta de tocar e, vai parar a certa altura da novela na clínica, quem sabe não possa haver esse entrosamento entre os dois. De qualquer forma, convido todos que aqui comentam a acompanhar os capítulos de "Caminhos das Índias", e não percam o Daniel, mais uma vez no capítulo de hoje, torço muito por ele...

E assim a vida segue, quem sabe não aproveitamos a onda e levamos nossa vida na alegria, no amor , e dançando o Banghra! Por que não! Beijos e Abraços a todos. Beijos Glória.

26 de Fevereiro de 2009 11:25

Andrea disse...

Querida Gloria,nós aqui ficamos felicíssimos com a aparição do ator Daniel Marques hoje na novela,muito boa a cena,Dr Castanho rindo da atitude do Ademir, rsrsrsrsrss,muito bom... Gloria continue colocando o Daniel.

Todos aqui pedem a você, ele é um fofo,só falta ele ter um par romântico na novela, você derrepente podia dar um jeitinho para que isso aconteça! Hein?

Beijos minha querida.

Andrea SP

Anônimo disse...

Ola Gloria! Eh muito interessante poder ver uma novela do Brasil que mostre a cultura da India. E eu nao poderia deixar de dizer q sou brasileira, casada com um Indiano ha 3 anos ja! Moramos em Cingapura porem. A cultura indiana eh muito diferente, sim. E a novela esta retratando muito bem ate agora! Parabens! Inclusive queria comentar q, antes de casar com meu marido, aconteceu comigo tb exatamnente o que aconteceu com Raj e Duda na novela, com um outro indiano!! E realmente eh assim mesmo q acontece muitas vezes, qdo a familia do indiano arranja uma noiva pr ele, o romance acaba pra valer, nao tem choro, eh horrivel mesmo, mas eh a realidade dura de la!! E depois que ha o casamento arranjado, nao tem mais volta! Nao existe isso de divorciar e voltar p/ a amada estrangeira! Casou, acabou p/ sempre! Espero q a novela seja fiel a realidade ate o final!
Agora no caso de mim e meu marido indiano agora, a gente casou sem a aprovaçao da familia dele, antes dos pais dele arranjarem alguem p/ ele! Acho q sera o caso de Ravi e Camila na novela tb, nao eh?! A novela esta sendo muito interessante p/ mim, alem de tudo!! Boa Sorte e tudo de bom!! Eu nao poderia deixar de comentar aqui no seu blog! Esta o maximo! Parabens pela novela!! Namaste, Cris Karthik

Anônimo disse...

Ola Gloria! Eh muito interessante poder ver uma novela do Brasil que mostre a cultura da India. E eu nao poderia deixar de dizer q sou brasileira, casada com um Indiano ha 3 anos ja! Moramos em Cingapura porem. A cultura indiana eh muito diferente, sim. E a novela esta retratando muito bem ate agora! Parabens! Inclusive queria comentar q, antes de casar com meu marido, aconteceu comigo tb exatamnente o que aconteceu com Raj e Duda na novela, com um outro indiano!! E realmente eh assim mesmo q acontece muitas vezes, qdo a familia do indiano arranja uma noiva pr ele, o romance acaba pra valer, nao tem choro, eh horrivel mesmo, mas eh a realidade dura de la!! E depois que ha o casamento arranjado, nao tem mais volta! Nao existe isso de divorciar e voltar p/ a amada estrangeira! Casou, acabou p/ sempre! Espero q a novela seja fiel a realidade ate o final!
Agora no caso de mim e meu marido indiano agora, a gente casou sem a aprovaçao da familia dele, antes dos pais dele arranjarem alguem p/ ele! Acho q sera o caso de Ravi e Camila na novela tb, nao eh?! A novela esta sendo muito interessante p/ mim, alem de tudo!! Boa Sorte e tudo de bom!! Eu nao poderia deixar de comentar aqui no seu blog! Esta o maximo! Parabens pela novela!! Namaste, Cris Karthik

Clara Santos disse...

Oláaa, Hoje o Daniel apareceu de novo... Cena rápida, porém participouu!!! Continuamos aquii na torcida pelo Daniell, ele é muito legal... Glória aumente mais as fala do personagem, quem sabe assim possamos ver mais do talento desse rapaz, nos dê este presente, beijos.

Anônimo disse...

Para Glória Peres(que admiro tanto)Não conseguiria viver assim num lugar com tantas coisas velhas e ao mesmo tempo uma tecnologia usada para fins de relacionamentos, e que as vezes as mulheres se tornam escravas e sublimam com jóias e roupas finas e com brilhos, acho que a felicidade delas nunca ou nem sempre, na maioria é verdadeira.
Glória Peres, você vai falar, ou ter algum personagem que perdeu alguém da família nos interiores do país, nas Revoltas, guerras, sequestros e guerrilhas que destroem as vidas das mulheres e crianças nas fronteiras da Índia, homens que se ferem para atingir o Deus deles. Carla Castro Email carlacast@gmail.com

Vanessa disse...

Sim e um amigo paquistanes já me falou que há divórcios por tel ou mensagem . Basta " Eu te repudio, eu te repudio, eu te repudio"


Parabéns pelo blog e pelo trabalho na novela.

Love me 2Times disse...

que coisa doida esse casamento via internet, né

o casamento já é visto como uma instituição falida, é uma pena que a intensidade dos sentimentos hoje em dia são como um spray... além do que as pessoas já sentem um certo medo de exteriorizar os sentimentos com medo de se machucarem... e uma série de outras coisas que nos fazem ver o casamento de maneira diferente de como os nossos pais viam... a falta de romantismo está cada dia maior devido a vulgaridade das mulheres que jogam duro com os homens impedindo que eles sejam OS CAÇADORES (desde os primordios até hoje em dia, o homem sente a necessidade de tomar a iniciativa nos relacionamentos) mesmo eu achando que as mulheres tbm podem tomar as iniciativas se julgarem o homem muito tímido... mas isso é coisa pra ser discutida com muito cuidado, né


se o casamento em vias normais já está com as estruturas abaladas, as pessoas se casam e se divorciam como trocam de roupa, imagine a volatilidade desse novo método...

e aquí vai a campanha DANIEL MARQUES: Gloria, querida, coloque o estagiário da clínica do Dr. Castanho como personagem fixo, vamos testar o talento do Daniel, né... bem que o estagiário poderia se apaixonar por uma das filhas da Totia... pense bem nisso, por favor



estou morrendo de raiva do Bahuan, que ingrato, ehehehe

um grande beijo e ótimo final de semana

baraodesigner@gmail.com disse...

Oi Glória

Tudo bem?
Meu nome é Rafael e moro no Rio Grande do Sul. Parabéns pela novela esta muito boa, porém tenho algumas sugestões para esquentar a trama.
Falta na novela um personagem Muçulmano Paquistanês, na India há muitos Muçulmanos e poderia ser abordada esta questão bem polêmica do Terrorismo, já que aconteceu os ataques este ano de grupos separatistas Muçulmanos na India.
poderia acrescentar na trama esta polemica,penso até no Tarcísio Meira ou no Claudio Marzo entrando na novela.
E gravações em Goa ou no Sri Lanka,que são paraisos da India no pacifico.
Espero que goste das idéias.

Abraço

Rafael

ITAPETININGA disse...

Boa tarde Gloria Perez.

Estamos aqui novamente para parabenizara pelo excelente trabalho que você tem feito em Caminho das Índias,em nossa cidade a novela é líder de audiência,quero também parabenizara pela iniciativa de estar sempre mostrando o nosso conterrâneo Daniel Marques,agradeço você em nome de muita gente aqui,bons amigos,cada vez que nosso querido ator dessa terra que tanto amamos aparece é uma alegria só.

Quero lhe contar que no Jornal Correio de Itapetininga saiu uma matéria sobre A IMPORTANCIA DA ASTROLOGIA NO CASAMNETO INDIANO,uma matéria muito boa e esclarecedora,nós daqui de Itapetininga sempre que podemos falamos algo sobre a novela,por isso que é sucesso por aqui.

Eu também concordo com a LOVE ME 2TIMES alguma das filhas da personagem da Totia Meireles podia se apaixonar pelo estagiário,seria legal,tem muita mulher solteira na novela! rsrs

Esperamos que você de cada vez mais espaço ao ator Daniel Marques,é uma alegria imensa para nós.

Estou passando o link do jornal,caso você queria ver a matéria sobre a importância da astrologia no casamento indiano.

http://www.correiodeitapetininga.com.br/2007/comportamento.asp?edicao=207&id=396

Abraços

Anderson.

Anônimo disse...

Bem, até onde sei nada de extraordinário uma vez que os muçulmanos em geral podem desfazer do nikkah com um simples talak dito 3 vezes.
Independentemente de ser dito por mensagem ou qualquer outro meio!
Além disso de certa forma a própria Europa também o permite, a nova lei do Divórcio actualmente em vigor em Portugal permite um divórcio com um simples bilhete. Claro que o comum cidadão desconhece o facto, mas a bem da verdade até po sms seria possivel e perfeitamente valido. Basta caminhar para os paises nordicos e perceberemos que o divórcio esta bem mais banalizado do que se pensa!
Parabéns pelo excelente trabalho!

Mel disse...

Engraçado isso, né, Glória! Hoje em dia não se duvida de mais nenhum absurdo! Quem garante, que atrás de cada monitor realmente está a pessoa no qual você pretende se casar? A não ser mediante de uma web cam! Mas, isso, continua sendo muito estranho. Um ato frio demais para o que realmente significa um consagração de uma união. Casamento é coisa séria, todos nós sabemos disso! Como é que eles fazem para assinar os documentos? Mas, enfim... se as autoridades acham que isso é legal... vamos ver se isso vai vingar!
Ass.: Melissa
blog: www.icharmosa.blogspot.com

Anônimo disse...

Olá Glória, tenho uma filha com todo perfil indiano, faria um lindo papel de filha da Maya (juliana) e Bahuan(Márcio)..rs. Se tiver interesse em ver as fotos dela entre em contato, meu email é anapalmar_23@hotmail.com. Beijos e sucesso!!

Cristal Liz disse...

Nossa fiquei muito deliz ontem quando eu vi o estagiário Marcelo entrando em cena mais uma vez. Pena que foi tão rápido....

Concordo com o pessoal aí em cima quem sabe você não arranja um par romântico para ele? o que acha de dar essa oportunidade ao Daniel?

e isso de se divorciar por SMS se isso pegasse aqui no Brasil...as operadoras entrariam em pane de tanto SMS que seria...hehehe

a cada dia estou gostando mais da novela!!

Abração

Heliomar Melo disse...

OI Gloria! Mais uma vez sucesso ai na novela!
Vou desviar so um pouco do assunto.Mas esta co-relacionado.
A internete realmente nos proporciona muitas possibilidades!E nos da muitas alegrias. Mas... eu acho que certas coisas ainda deveriam ser como de costume. Claro que um divorcio menos complicado,facilitaria a vida de tantas pessoas! Afinal nao estamos mais na era medieval!
Sou novo nesse negocio de internete.A internete e um mundo fascinante a gente quer acessar tudo que ve pela frente! Para quem e leigo,e complicado saber o que e certo e o que e errado. Acho que temos que prestar mais atencao no que estamos acessando.As vezes podemos estar fora da lei e nao sabemos! Entao.... Devemos tomar muito cuidado com esse monstro chamado....INTERNETE!!(rs)

Abracao Gloria!!!

Anônimo disse...

Glória, coloca logo esse Daniel na novela prá gente ver se ele é bom mesmo. Deve ser tem muita gente querendo ....

Artes da Marga disse...

Oi Glória! Por falar em casamento, faço bodas de prata ano que vem. Parabéns prá nós dois. Hj são poucos os que se adaptam ao casamento duradouro, o que é uma pena. Claro que ninguém pode ser feliz com a pessoa errada, mas o que vemos atualmente é muita gente errando. Vejo jovens que vão se casar dizendo que se não der certo separam. Já casam com isso em mente. A lei até favorece, a separação pode sair em meia hora. Também venho lhe dizer que sou adepta a campanha do Daniel Marques, ou Marcelo não importa. Coloque-o nos capítulos seguintes que ele fará surpresas tenho certeza.
Um abraço
Mar

Jadir Marques disse...

Amei o gancho de ontem, cada dia me surpreendo mais com sua maravilhosa novela!!!


Adoro o núcleo do Tarso e da Tonia, acho que é um dos melhores da novela!


Só não gostei da atitude do Bahuan, achei ele muito chato em não levar a Maya, tomara que ela se case logo com o Raj e se apaixone por ele para quando o Bahuan voltar ela não querer nada com ele hehehe

bjos Gloria e um bom final de semana!

Anônimo disse...

Pois é, só falta dizer agora que casamento virtual está escrito no Corão!!! O ser humano é capaz de inventar qualquer coisa quando é para satisfazer seus intereses!
Abç. Verônica.

Rita Amorim disse...

Poderosa Gloria.

Mas uma vez o menino Daniel brilhou,por poucos minutos mais brilhou,fico aqui pensando a hora que esse menino realmente aparecer...pelo pouco que conheço das pessoas tenho certeza que ele fará muito sucesso! Graças a você que é um ser humano visionário que enxerga longe,enxerga muito mais do que as pessoas acham,temos isso né Gloria?. Posso falar que tenho também,mais isso não vem ao caso.
Consigo ver nas mensagens que as pessoas se sentem amigos do ator,tem um carinho muito grande por ele,ele é muito bonito sim,concordo,mais enxergo que a beleza dele é interior,são pessoas que sempre vão brilhar nesse e no outro mundo. Ele é um caso de sucesso e veio a nós pelas suas mãos, não tinha como ser diferente!

Bom Gloria,não preciso pedir para que você continue com o estagiário,pois sei que você tem LUZ e sabe conduzir as coisas como ninguém.
A novela está linda. mesmo!
Mas uma vez parabéns você acertou em cheio.

Que Deus Ilumine seus grandiosos passos.

Rita Amorim SC

Anônimo disse...

ACHO QUE NÃO TEM NEM O QUE COMENTAR...RSRS.QUE PENA QUE OS VALORE,O SENTIDO DE SER FAMILIA VÃO FICANDO PARA TRÁS.AS MÃOS QUE SÃO USADAS PARA ACARINHAR O ROSTO DE QUEM SE AMA,AGORA SÃO USADAS PARA DIZER SIM POR UM CLIK.COMO SERÁ A LUA-DE-MEL?..RSRS...PELA INTERNET TAMBÉM?E PARA ENGRAVIDAR?POR TELEPATIA QUEM SABE.SÓ MALUCO PRA CAIR NUMA DESSA NÉ,E MAIS MALUCO AINDA É QUEM PERDE TEMPO COM ISSO,COM TANTAS COISA BOA PRA FAZER,COM TANTA GENTE DO SEU LADO QUE VOCÊ PODE TOCAR,BEIJAR,AMASSAR...VAI SE CASAR POR NET??SIM,E ONDE VÃO MORAR MESMO,NA CASA DELE OU NA CASA DEL...RSRS...BEIJO..ROSE SALVADOR/BA

pri disse...

Ola Gloria,
Essa eh a primeira vez que visito seu blog, isso pq estou adorando Caminho das Indias, eh impressionante como vc esta retratando a realidade da India. Tive a oportunidade de viver 03 meses na India, em Nova Delhi acompanhando meu marido numa viagem de negocios, fiquei encantada e ate hoje falo em voltar, la eles me confundiam com indiana e so falavam comigo em indi era engracado. Na epoca em que estava la passou dois documentarios muito interessantes um sobre uma moca que desistiu de casar pq a familia do noivo nao parava de aumentar o dote ate mesmo na hora do casamento, o pai da noiva desistiu. Outro era o documentario ensinando as pessoas se protegerem dos falsos gurus e seus truques, muito interessante.
Gloria, Parabens de novo e continue assim fazendo novelas maravilhosas.
P. S.: Eu nao assistia novela desde 2004.
Com afeto,
Priscilla

Elaine disse...

Olá Glorinha !
O capítulo de hoje,sexta, foi muito legal.As partes da novela que eu mais gosto são as que envolvem o Tarso, o Zeca e sua família, e a Ivone. Essa última , meu Deus, se beleza fosse tudo hein? O que ela tem de bonita tem de fria e calculista. Mas é assim mesmo na realidade , as pessoas se escondem em suas carapaças que podem enganar muita gente. A Letícia está de parabéns , com aquele jeiitinho meigo dela ,poder fazer uma vilã é só para quem sabe mesmo. O Zeca então , está perfeito e volto a elogiar os atores que fazem o César e a Ilana eles estão muito perfeitos e engraçados.Estou muito curiosa para acompanhar como vai ser evolução da doença do Tarço.Como será que a família dele vai reagir?Espero que aqeula mãe pare de se procupar um pouco com ela e pense mais no filho.
Beijão no coração,
Elaine.

Prescila disse...

Olá Glória: mais uma vez estou por aqui, e dessa vez vim transmitir a você a emoção que senti ao ver a cena de hoje (27/02 - sexta-feira), em que o Bahuan recebe a carta da Maya e lê o que ela escreveu. Fiquei encantada por demais, com a poesia da cena, o fundo musical, as recordações de quando ambos estiveram juntos. Demais!!! Maravilhoso!!!
Parabéns, valeu a pena ver e sentir um pouquinho de tudo aquilo.
Que Deus Pai continue te iluminando. Abraço.

Thaís disse...

Oi,eu estou gostando do ator Daniel Marques,o interprete do estagiário do Dr. Castanho,e também estou participando da Campanha.
Eu vou te sugerir uma coisa:
QUE TAL ELE SE ENVOLVER COM ALGUMA PERSONAGEM?
Ah,eu acho que ele está muito bem no papel,mesmo que esse papel seja pequeno,ele está aproveitando essa oportunidade,e acho que ele está otimo para um principiante.
Beijos,mais sucesso apra sua novela e para voce.

Anônimo disse...

Em versos te amo...

Ouço em silêncio os versos
De amor em cada pulsar do
Coração...
Palavras ecoam docemente
Na alma e suave brisa beija-me
Acariciando o momento...

E se é o seu nome que escuto
Em terno versejar, a alegria
Exalta com leveza
Sua existência...

Rimas da paixão misturam-se
Em harmonia,
Procurando não macular a
Essência revelada em
Cada batida célere no peito...

E pareço enfraquecer,
Sentindo a face lívida no
Enlevo do prazer que me põe
Ao seu lado...

E em versos vou te amando...
E o amor extasia-se enquanto
Vai pulsando você no meu
Coração!...
TENHA UMA LINDA NOITE!!! BEIJOS AMORE....

Odele Souza disse...

Gloria,

Casamentos e divórcios: Simples assim? Seria a banalização do casamento, da união...?

Beijos.

mariano capote disse...

Fala Glorinha!
Escuta,só eu não sabia que a Maya ia ser abandonada pelo Bahuan nos E.U.A?
Assisto a trama/romance terças e quintas.No último capítulo eles ainda estavam na Índia.O Jornal da Tarde tá entregando Tudo.
(link:http://br.noticias.yahoo.com/s/27022009/25/entretenimento-marcio-garcia-diz-bahuan-nao.html)
Uma coisa que não ficou clara,na minha cabeça de telespectador.A história passa-se no Rajastão ou Índia?Que cidade da Ìndia?Porque a cunhada da Maya falou Rajastão...Achava que isso era o lado dividido da Ìndia.

Comentando sobre a pauta que saiu no Yahoo sobre a desatualização da novela,em relação ao tempo: Será por isso que alguns indianos dizem que a trama está desatualizada da Índia atual?Na minha opinião,isso dependo da classe social que ve a trama.O Opash e o Osmar sendo comerciantes,provavelmente não tem o comportamento das elites trend setters indianas.
Ando acompanhado a sua trama,porque vou começar a escrever minha 1º ficção e me ajuda a comparar romance de ficção.

Parabéns pelo trabalho,os cenários estão lindos.

abs,ma!

Luiz Carlos fontes disse...

Cara Gloria: Parabenizar vc pela belíssima novela.
Mas gostaria de expor a mingha indignação por vc ter usado em um de seus personagens o sobrenome FONTES.
Um facínora cujo sobrenome é FONTES.
O meu nome é Luiz Carlos dos Santos Fontes.
O sobrenome FONTES provém de uma ilustre família de diversa profissões e algumas pessoas dessa família são conhecida pelo sobrenome FONTES
Médicos, advogados, militares,escritores e etc.
Assim sendo, gostaria que vc repensasse o nome do personagem FACÍNORA e retirasse o sobrenome FONTES da sua novela.
Muito grato em nome de toda a família FONTES.

Anônimo disse...

Olá Glória! O Daniel vai aparecer no capítulo de hj? Ontem não o vi. Vc não vai fazer isso com a gente não é Glória? Ele tem muitos e muitas fãs e de todas as idades. Até minha mãe adora vêr a novela e fica esperando o Daniel. Sabe aquele ator que todo mundo quer ajudar a despontar? É ele. Você também não pode deixar seus fãs na mão. Sábia e sensível como é, vai aproveitar para lançar um grande ator, sabemos disso. Hj quando você o ver (eu sei que vai aí para gravar), diga a ele que nós o amamos e que vc vai nos presentear.
Beijinhos da sua fã nº 2. O 1 é é sua família, claro.

Taís

Neli disse...

Glória:a última novela que vi foi no início dos anos 1990.Voltei a ver esta .Vc é brilhante. A relação dos alunos x professores é um show.
Continue a dar lição de moral para essa apedeuta classe média.

Mariana Duque disse...

Glória, eu tenho um amigo indiano e de vez em quando pergunto sobre esse dizeres que você postou no dia 03/02.
Bom você disse que djan é amado, correto, mas não se ecreve djan, e sim JAN.
E bhaya não é irmão mais velho, e sim tanto faz se é novo ou velho e se escrece bhaiya ou bhai.
Foi as coisas que perguntei até agora, se tiver mais o que corrigir, te mandarei.

Adoro o seu blog, parabéns.
Beijo

Juliana disse...

Olá Gloria.

Concordo com o Mariano Capote,esses jornais ,revistas especializadas em novelas estão entregando tudo! Eles já divulgam muito antes de acontecer,quando eu me deparo com uma banca de jornais eu nem mudo de calçada, porque eu não quero saber, é muito chato isso.
É claro que isso acontece por causa do sucesso que é a novela,sempre vem em destaque na capa os acontecimentos dos próximos capítulos,não sei se você chega a ver,mais é impressionante como estão falando.
Fico muito feliz porque eu particularmente adoro a novela! É um sucesso Gloria.

Gloria. Como está todo mundo dando sugestões permita eu dar a minha também. O estagiário poderia conhecer a Júlia. Imagina que casal lindooooo! rsrsrsrsr já que a Júlia e neta do Cadore,que vem ser amigo do Dr Castanho. Daniel e Vitória Frate. Lindoossss!

Ahhh o Bahuan está sendo muito injusto com a Maya,que raiva!

Te adoro
Bjksssss

Juliana

Beatriz Buri disse...

Querida Gloria,enfim chegou o sábado! Posso ficar mais tempo na net,hoje assistindo o Estrelas programa da Angelica, vi a entrevista do Francisco Cuoco,ele sitou você,disse que na época da novela EU PROMETO onde Janete Clair faleceu foi você que deu continuidade a trama, nossa!!!! eu mesma não sabia disso!!! ele fez elogios a você.
Gloria você é demais. A melhor novelista que nosso pais tem!
Continuamos ansiosos para ver mais vezes o ator Daniel Marques,tenho certeza que ele se sente honrado em estar fazendo uma novela sua!

Beijos no Coração da sua fã Beatriz SP

Lib disse...

Gloria, finalmente consegui assistir a novela pela internet aqui em Dubai. Gostei muito. Imagino como seja dificil conseguir transpor um pais tao diferente para as telas brasileiras. Mas fico feliz em a otima pesquisa de campo. Meu marido e paquistanes e fico toda pimpona quando vejo expressoes como "baba", "acha". Quando contei pros indianos daqui que o Brasil estava gravando uma novela na India voce nao imagina como ficaram felizes. :) Afinal, aqui em Dubai sao vitimas de preconceito. Muitos se surpreendem com brasileiros que adoram a India. Beijos e parabens!

Anônimo disse...

MEU AMORE!!!
O amor vence batalhas, atravessa barreiras,
supera a distância, e alcança o coração.
A distância separa dois corpos que se desejam
mas nunca dois corações que se amam!
Quando precisar de silêncio para pensar
lembre-se sempre que nesse teu silêncio
alguém estará pensando em você ...

EU TE AMO!!!
BEIJOS NO SEU CORAÇÃO...

Anônimo disse...

Olá Glória Perez!

Assisto, de vez em quando, a novela.
Acho muito bonita, colorida. As atrizes "indianas" estão maravilhosas!

Mas, confesso que sabia pouco da cultura indiana.
E o que vejo na novela, me enoja.

Quanta ignorancia de um povo!
Quanto preconceito!

Que cultura mais primitiva, machista, ignorante, enfim...eles são um nojo não só em higiene, como na sua "cultura".

Mas vc é competente e sabe glamurizar até mesmo lixo.

Parabéns!

Um grande beijo!

Marriet
dmarriet@yahoo.com.br

Neli disse...

Parabéns,pelo seu brilhantismo.

catia almeida disse...

Que maravilha Nana Caymmi cantando "não se esqueça de mim"...está cada vez melhor e a trilha ajuda muito a compor as cenas..."com quem vc estiver não se esqueça de mim".
Lindo, lindo!!!!!!!!!!!!!!!
Bjs, Catia Almeida

João Umberto Nassif disse...

CARA GLÓRIA PEREZ,

A importância do seu trabalho só o tempo mostrará. Percebo que a cada novela que você realiza há um verdadeiro alvoroço. Essa é a melhor contribuição para a cultura de um povo. Quem diria que o Brasil estaria preocupado com os aspectos da cultura indiana? Só alguém com seu talento, inspiração divina e um veículo de comunicação fortíssimo para levar para cada canto desse país-continente informações que até então eram restritas a uma “casta” da nossa população. PARABÉNS GLÓRIA ... seu trabalho está cada dia melhor.
João Umberto Nassif.

Gostaria de convidar-lhe para visitar meu humilde blog no seguinte endereço:
http://blognassif.blogspot.com/

A entrevista a seguir está saindo do “forno”, e é uma das centenas que realizei. Caso tenha um pouco de tempo acho que você gostará de ler.
Um grande abraço.



PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com

Sábado, 27 de fevereiro de 2009.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/
http://blognassif.blogspot.com/

ENTREVISTADO: SILVÉRIO DE LELLIS ALTOMANI


Muitas vezes ao nosso lado estão verdadeiros exemplos de lutas realizadas pelo ser humano. Em decorrência de nossa visão estar centrada em determinados objetivos, não se encontra mais o tempo para o estudo de situações vividas por alguma pessoa, ou grupo de pessoas. Com isso abrimos mão de conhecer valores incalculáveis de superação do ser humano por ele próprio. Como por exemplo o infinito amor de uma mãe por seu filho. Tangidos pela mídia insaciável abolimos os verdadeiros valores da maravilhosa natureza humana, cujos limites até hoje são desconhecidos. Em Piracicaba encontramos diversos exemplos que a princípio consideramos serem quase sobre humanos. São demonstrações concretas de domínio do espírito sobre o corpo. Exemplos de fé e persistência inabaláveis. Um jovem muito sorridente, brincalhão, que parece estar brindando a vida, aos poucos foi tornando-se conhecido por muitos piracicabanos. O seu estado de espírito, sempre alegre, deixa para um segundo plano o fato de ele ter alguma dificuldade física para realizar alguns movimentos. O seu brilho interior é muito maior do que as suas limitações. Silvério De Lellis Altomani nascido em 25 de setembro de 1965, filho de Eliza Karl Altomani e Walter Sebastião Altomani, tornou-se muito conhecido pelos deliciosos bombons que vendia. Fazia esse trabalho por brio próprio e por necessidade de complementar a sua aposentadoria precoce de um salário mínimo por mês. Ninguém para contar melhor a trajetória de Silvério do que ele mesmo e a grande lição de amor dada por sua mãe Eliza Karl Altomani.
Dona Eliza a senhora nasceu onde?
Sou paulistana, nascida na Vila Maria, criada nos bairros do Ipiranga e em Santana, na capital. Considero-me piracicabana, já estamos morando em Piracicaba há uns trinta anos. A cidade de São Paulo em que morei já não existe mais. Piracicaba é a minha realidade hoje. Aqui consegui muitas coisas boas. O meu marido é mecânico de maquinas de costuras industriais, ele mudou-se para Piracicaba com a finalidade de trabalhar para Galdino Brieda, que era o proprietário da Brivest. Era uma empresa que na época confeccionava para a Alpargatas, tendo um bom parque de máquinas. Achamos que seria uma boa troca de cidades. Fomos morar em uma casa situada no bairro Nova Piracicaba. Levávamos uma vida tranqüila.
Em que dia a vida da família da senhora mudou completamente?
Foi no dia 29 de agosto de 1985. O Silvério trabalhava no Banco Bradesco, situado á Praça José Bonifácio. O gerente pediu para que ele e mais outro funcionário do banco fosse entregar o malote da Telesp em Campinas. Eram apenas documentos, que não tinham seguido com o carro forte que já havia passado. Na ida, bem em frente á Usina Furlan, o rapaz que estava dirigindo o veículo de sua propriedade, um Gol, tentou uma ultrapassagem de um treminhão, não conseguiu.
Silvério foi usando uma caneta esferográfica que um profissional da saúde salvou a sua vida?
Foi. Com a fratura do maxilar, minha boca foi obstruída. Não conseguia respirar. Ao que consta foi um dentista que fez o procedimento médico chamado traqueostomia. É um dos procedimentos cirúrgicos mais antigos descritos na literatura médica, algo parecido com um "buraco na garganta para permitir a passagem de ar". Nós até hoje desconhecemos o nome dessa pessoa.
A rodovia SP-304 ainda não tinha sido duplicada?
A pista foi duplicada um mês após ter ocorrido o acidente. Meu marido voltando de São Paulo passou pelo local onde havia ocorrido o acidente. Ao chegar a nossa casa ainda comentou: “Estou exausto. Vi um acidente horrível quase na entrada da cidade.” Era o acidente com o nosso filho. Logo após recebemos o recado, dizendo que ele não estava bem. O Pedrinho Libardi, nos levou, dirigindo o nosso carro. Nós não tínhamos condições de dirigir. Chegamos até a Santa Casa de Piracicaba, o médico informou que as próximas quarenta e oito horas seriam decisivas para a sobrevivência do Silvério. Ele havia quebrado o maxilar em três partes. A equipe que o atendeu era composta por quatro médicos: Dr. Luiz de Castro, Dr. Antonio Carlos Martins, Dr. Weber Reynolds, Dr. Eudes de Freitas Aquino. Esses eram os quatro médicos que mais tínhamos contato.
Quais eram as condições físicas do Silvério quando a senhora trouxe-o para casa?
Foi após 60 dias de permanência na Santa Casa. Ele tinha uma cânula número 5, para respirar. Com fralda. O diagnóstico era de Tetraparalisia Estática (Múltiplas deformidades de coluna e membros superiores e inferiores). Não movimentava os braços e pernas. Fiquei por quatro longos anos cuidando dele. A primeira providencia que tomei foi retirar todos os objetos do quarto dele e forrar com espuma de nylon. Para ele ficar a vontade. Na ocasião eu tinha duas empregadas e um motorista para me ajudar. Eu o levava para a Santa Casa, para a fonoaudióloga, fisioterapeuta. De segunda a sexta feira eu o levava para as piscinas do Water Center, do Wart Sports. Para que ele fizesse hidroterapia.
Quem arcava com todos esses custos?
O Banco. O banco pagou tudo, até determinado ponto. Quando o tratamento dele deu-se por encerrado. Foi quando ele sentou-se, pois até então ele não conseguia sentar-se. Ele não falava. Tinha ainda uma cânula muito grande, uma sonda para alimentação muito grande. Precisei trabalhar muito até que ele mostrasse alguma reação. O Prof. Dr. Pérsio Azenha Faber, Especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial foi quem cuidou do traumatismo sofrido na face e arcadas dentárias.
A senhora o levou para ser examinado em Campinas?
Fui diversas vezes. Um médico chegou a me dizer que o comportamento dele seria meramente vegetativo. O cérebro dele tinha uma bolha de sangue com o tamanho aproximado de um ovo. Isso poderia aumentar ou ao contrário sumir. Ele era de fato estático. Se o colocasse sentado o seu comportamento era o de um bebe de dois meses. Sem apoio, a cabeça pendia de um lado para outro. Eu dava quatro a cinco banhos nele por dia. Enrolava-o com faixas, o colocava na cadeira de rodas e levava-o para passear na Nova Piracicaba. Ele olhava, observava. Mostrava os pássaros, motos, carros. Ele passeava com sonda para alimentação.
A senhora considera ter dado a luz para o Silvério por duas vezes?
Não. Não sou tão maravilhosa assim. Isso é a atitude de qualquer mãe dedicada. A primeira coisa que considero importante para ele e que o ensinei, foi que ele pedisse para ir ao banheiro. Ensinei de que forma ele deveria proceder. Ele erguia a mão esquerda e dizia: “Lá!”. Eu amarrava-o na cadeira de rodas e o colocava para tomar as refeições com a família. Minhas filhas choravam ao ver o irmão daquele jeito. Eu colocava várias batatas fritas e vários garfos. Mandava-o que pegasse e comesse. Com a mão esquerda ele colocava a batata na testa. Expliquei que ele deveria ter coordenação motora, levar a batata até a boca. Isso foi por vários dias, bastante tempo. Até que ele começou a querer a andar sozinho. Ele ia se agarrando no que podia. A primeira vez que ele saiu sozinho de casa eu o segui, escondida por árvores, muros. Ele já tinha se livrado da sonda, da fralda.
O Silvério nesse período já tinha voltado a falar?
Ainda não. Ás vezes ele brigava com a irmã mais nova e sussurrava, com silabas pausadas: “Sua imbecil!”. Era o máximo que ele tinha conseguido falar. Dizem que para falar mal logo se aprende! Eu perguntava o que ele tinha vontade de comer, ele então dizia: “Sanddd..”. Sabendo que ele queria sanduíche forçava-o a dizer a palavra. Dizia então: “-Já sei, você quer sandália!” Dei-lhe a sandália. Imediatamente ele recusou. Providenciei um enorme sanduíche do qual ele comeu menos de uma mordida. Mas valeu. Essas foram as suas primeiras palavras. Em uma ocasião meu marido extraviou o talão de cheques. Ficou procurando pela casa toda. Passou inúmeras vezes perto do Silvério, que na época ainda estava amarrado na cadeira de rodas. Meu marido disse em voz alta: “-Se me lembrasse pelo menos o número da minha conta.” O Silvério disse-lhe o numero da conta! Com isso percebemos que determinadas coisas ele gravava de uma forma muito eficiente. Era mais uma esperança de que um dia ele faria tudo de novo.
Silvério, você estudou até que grau?
Quando ocorreu o acidente eu estava fazendo o curso de Técnico em Processamentos de Dados, que funcionava no prédio da Unimep. Antes de ir trabalhar no banco trabalhei em uma empresa, hoje extinta, chamada “ASES” Assessoria, Serviços e Sistemas. Era uma empresa de processamento de dados, ficava na Rua do Rosário, entre a Rua Prudente de Moraes e Rua São José. Em dezembro de 1985 estaria me formando como Técnico em Processamento de Dados.
Dona Eliza, o Silvério tinha Carteira de Habilitação antes de sofrer o acidente?
Ele já era motorista e dos bons. Após o acidente, no período mais avançado de sua recuperação, ele ainda estava fragilizado. Quando tinha que ser feita faxina em casa, isso o incomodava muito. Eu então ficava com ele dentro carro, com ele no volante. Nessa época ele já estava falando. Conversávamos, escutávamos música. O Silvério ficava inquieto, mexia em tudo dentro do carro. Até que um belo dia ele deu a partida e saiu com o carro. Deu uma volta no quarteirão e parou.
Como foi que o Silvério passou a conviver com os bombons?
Ele conheceu uma moça, chamada Ana Paula Barros, uma ruiva de olhos azuis, muito bonita. Ela fazia e vendia bombons. Resolveram morarem juntos. Um dia eu estava descendo a Rua Ipiranga, quando vi o Silvério com uma caixa de isopor. Parei o carro perguntei o que ele estava fazendo? Ele disse-me que estava vendendo bombons. Que precisava ganhar dinheiro, para manter a casa. Na hora tive uma crise de choro. E olha que é muito difícil me ver chorando.
Como foi o casamento do Silvério?
Casaram-se em uma chácara. Silvério com terno, ela com um vestido próprio para a ocasião. O registro foi no cartório da Vila Rezende. A lua de mel foi em Águas de São Pedro. O Silvério foi dirigindo um fusca. Voltaram de lá, continuaram a trabalhar com bombons. Inicialmente eles foram morar na Rua Benjamin Constant, logo acima da Avenida Dona Jane Conceição em frente ao Varejão Benjamin. Depois o sogro do Silvério providenciou um apartamento próximo nas imediações da Avenida Raposo Tavares. Alguns meses depois a esposa dele queria voltar para Florianópolis. Nessa época eles já tinham uma filha de quatro meses. Acabaram mudando-se para lá. No final de mais de um ano, romperam o casamento. O Silvério viajou sozinho, por vinte e duas horas. Dirigindo o fusca. Saiu de lá ás duas horas da tarde. Foi em uma época de chuva intensa. De tudo isso o melhor fruto foi uma linda filha que eles tiveram.
Ele voltou á Piracicaba e passou a vender bombons, quem os produzia?
Eu tive que aprender a fazer bombons! Eu e minhas filhas! No início foi um desastre!
Silvério você é bem conhecido em Piracicaba, chegou a viver alguns fatos pitorescos?
Logo que comecei a andar, um médico aconselhou: “Dona Eliza, dê uma bengalinha para ele se apoiar, isso irá ajudá-lo no equilíbrio”. Eu peguei a bengalinha, e fui comprar pão em uma padaria a dois quarteirões de casa. Peguei o pãozinho com dificuldade, vim como um idoso, com a bengalinha, me apoiando nela. Uma senhora, já bem idosa, estava varrendo a rua. Ela disse-me: “-Filho, posso fazer-lhe uma pergunta?” Parei, olhei para ela. Aquela caminhada estava difícil para mim. Disse-lhe: “-Pois não senhora!”. Ela disse-me então: “-Por que você bebe? Pare de dar desgosto para a sua mãe!”. Uma outra ocasião meu pai me levou para pescar, no barranco do Rio Piracicaba. Um pescador do outro lado do rio gritou: “-Que fogo, meu!”. Achando que eu estava alcoolizado.
Qual sua diversão preferida?
Passear dirigindo meu carro. Gosto de assistir filmes em DVD. Gosto de escrever. Escrevo á maquina.
Você tem computador?
Não. Ainda não.
Dona Eliza, o Silvério recentemente sofreu uma queda?
Pelo fato de andar muito, ele está mais exposto a pisos e locais escorregadios. Há pouco tempo ele teve um tombo ao pisar em uma superfície muito lisa e molhada. Após uma série de procedimentos, ele passou a usar um colete para sua recuperação. Já faz algum tempo que ele parou de vender bombons, embora já tenha se recuperado dos efeitos e do susto da ultima queda. Ele está namorando firme, uma moça aqui de Piracicaba, e tem planos para o futuro!

Joao Nassif disse...

CARA GLÓRIA PEREZ,

A importância do seu trabalho só o tempo mostrará. Percebo que a cada novela que você realiza há um verdadeiro alvoroço. Essa é a melhor contribuição para a cultura de um povo. Quem diria que o Brasil estaria preocupado com os aspectos da cultura indiana? Só alguém com seu talento, inspiração divina e um veículo de comunicação fortíssimo para levar para cada canto desse país-continente informações que até então eram restritas a uma “casta” da nossa população. PARABÉNS GLÓRIA ... seu trabalho está cada dia melhor.
João Umberto Nassif.

Gostaria de convidar-lhe para visitar meu humilde blog no seguinte endereço:
http://blognassif.blogspot.com/

A entrevista a seguir está saindo do “forno”, e é uma das centenas que realizei. Caso tenha um pouco de tempo acho que você gostará de ler.
Um grande abraço.



PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com

Sábado, 27 de fevereiro de 2009.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/
http://blognassif.blogspot.com/

ENTREVISTADO: SILVÉRIO DE LELLIS ALTOMANI


Muitas vezes ao nosso lado estão verdadeiros exemplos de lutas realizadas pelo ser humano. Em decorrência de nossa visão estar centrada em determinados objetivos, não se encontra mais o tempo para o estudo de situações vividas por alguma pessoa, ou grupo de pessoas. Com isso abrimos mão de conhecer valores incalculáveis de superação do ser humano por ele próprio. Como por exemplo o infinito amor de uma mãe por seu filho. Tangidos pela mídia insaciável abolimos os verdadeiros valores da maravilhosa natureza humana, cujos limites até hoje são desconhecidos. Em Piracicaba encontramos diversos exemplos que a princípio consideramos serem quase sobre humanos. São demonstrações concretas de domínio do espírito sobre o corpo. Exemplos de fé e persistência inabaláveis. Um jovem muito sorridente, brincalhão, que parece estar brindando a vida, aos poucos foi tornando-se conhecido por muitos piracicabanos. O seu estado de espírito, sempre alegre, deixa para um segundo plano o fato de ele ter alguma dificuldade física para realizar alguns movimentos. O seu brilho interior é muito maior do que as suas limitações. Silvério De Lellis Altomani nascido em 25 de setembro de 1965, filho de Eliza Karl Altomani e Walter Sebastião Altomani, tornou-se muito conhecido pelos deliciosos bombons que vendia. Fazia esse trabalho por brio próprio e por necessidade de complementar a sua aposentadoria precoce de um salário mínimo por mês. Ninguém para contar melhor a trajetória de Silvério do que ele mesmo e a grande lição de amor dada por sua mãe Eliza Karl Altomani.
Dona Eliza a senhora nasceu onde?
Sou paulistana, nascida na Vila Maria, criada nos bairros do Ipiranga e em Santana, na capital. Considero-me piracicabana, já estamos morando em Piracicaba há uns trinta anos. A cidade de São Paulo em que morei já não existe mais. Piracicaba é a minha realidade hoje. Aqui consegui muitas coisas boas. O meu marido é mecânico de maquinas de costuras industriais, ele mudou-se para Piracicaba com a finalidade de trabalhar para Galdino Brieda, que era o proprietário da Brivest. Era uma empresa que na época confeccionava para a Alpargatas, tendo um bom parque de máquinas. Achamos que seria uma boa troca de cidades. Fomos morar em uma casa situada no bairro Nova Piracicaba. Levávamos uma vida tranqüila.
Em que dia a vida da família da senhora mudou completamente?
Foi no dia 29 de agosto de 1985. O Silvério trabalhava no Banco Bradesco, situado á Praça José Bonifácio. O gerente pediu para que ele e mais outro funcionário do banco fosse entregar o malote da Telesp em Campinas. Eram apenas documentos, que não tinham seguido com o carro forte que já havia passado. Na ida, bem em frente á Usina Furlan, o rapaz que estava dirigindo o veículo de sua propriedade, um Gol, tentou uma ultrapassagem de um treminhão, não conseguiu.
Silvério foi usando uma caneta esferográfica que um profissional da saúde salvou a sua vida?
Foi. Com a fratura do maxilar, minha boca foi obstruída. Não conseguia respirar. Ao que consta foi um dentista que fez o procedimento médico chamado traqueostomia. É um dos procedimentos cirúrgicos mais antigos descritos na literatura médica, algo parecido com um "buraco na garganta para permitir a passagem de ar". Nós até hoje desconhecemos o nome dessa pessoa.
A rodovia SP-304 ainda não tinha sido duplicada?
A pista foi duplicada um mês após ter ocorrido o acidente. Meu marido voltando de São Paulo passou pelo local onde havia ocorrido o acidente. Ao chegar a nossa casa ainda comentou: “Estou exausto. Vi um acidente horrível quase na entrada da cidade.” Era o acidente com o nosso filho. Logo após recebemos o recado, dizendo que ele não estava bem. O Pedrinho Libardi, nos levou, dirigindo o nosso carro. Nós não tínhamos condições de dirigir. Chegamos até a Santa Casa de Piracicaba, o médico informou que as próximas quarenta e oito horas seriam decisivas para a sobrevivência do Silvério. Ele havia quebrado o maxilar em três partes. A equipe que o atendeu era composta por quatro médicos: Dr. Luiz de Castro, Dr. Antonio Carlos Martins, Dr. Weber Reynolds, Dr. Eudes de Freitas Aquino. Esses eram os quatro médicos que mais tínhamos contato.
Quais eram as condições físicas do Silvério quando a senhora trouxe-o para casa?
Foi após 60 dias de permanência na Santa Casa. Ele tinha uma cânula número 5, para respirar. Com fralda. O diagnóstico era de Tetraparalisia Estática (Múltiplas deformidades de coluna e membros superiores e inferiores). Não movimentava os braços e pernas. Fiquei por quatro longos anos cuidando dele. A primeira providencia que tomei foi retirar todos os objetos do quarto dele e forrar com espuma de nylon. Para ele ficar a vontade. Na ocasião eu tinha duas empregadas e um motorista para me ajudar. Eu o levava para a Santa Casa, para a fonoaudióloga, fisioterapeuta. De segunda a sexta feira eu o levava para as piscinas do Water Center, do Wart Sports. Para que ele fizesse hidroterapia.
Quem arcava com todos esses custos?
O Banco. O banco pagou tudo, até determinado ponto. Quando o tratamento dele deu-se por encerrado. Foi quando ele sentou-se, pois até então ele não conseguia sentar-se. Ele não falava. Tinha ainda uma cânula muito grande, uma sonda para alimentação muito grande. Precisei trabalhar muito até que ele mostrasse alguma reação. O Prof. Dr. Pérsio Azenha Faber, Especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial foi quem cuidou do traumatismo sofrido na face e arcadas dentárias.
A senhora o levou para ser examinado em Campinas?
Fui diversas vezes. Um médico chegou a me dizer que o comportamento dele seria meramente vegetativo. O cérebro dele tinha uma bolha de sangue com o tamanho aproximado de um ovo. Isso poderia aumentar ou ao contrário sumir. Ele era de fato estático. Se o colocasse sentado o seu comportamento era o de um bebe de dois meses. Sem apoio, a cabeça pendia de um lado para outro. Eu dava quatro a cinco banhos nele por dia. Enrolava-o com faixas, o colocava na cadeira de rodas e levava-o para passear na Nova Piracicaba. Ele olhava, observava. Mostrava os pássaros, motos, carros. Ele passeava com sonda para alimentação.
A senhora considera ter dado a luz para o Silvério por duas vezes?
Não. Não sou tão maravilhosa assim. Isso é a atitude de qualquer mãe dedicada. A primeira coisa que considero importante para ele e que o ensinei, foi que ele pedisse para ir ao banheiro. Ensinei de que forma ele deveria proceder. Ele erguia a mão esquerda e dizia: “Lá!”. Eu amarrava-o na cadeira de rodas e o colocava para tomar as refeições com a família. Minhas filhas choravam ao ver o irmão daquele jeito. Eu colocava várias batatas fritas e vários garfos. Mandava-o que pegasse e comesse. Com a mão esquerda ele colocava a batata na testa. Expliquei que ele deveria ter coordenação motora, levar a batata até a boca. Isso foi por vários dias, bastante tempo. Até que ele começou a querer a andar sozinho. Ele ia se agarrando no que podia. A primeira vez que ele saiu sozinho de casa eu o segui, escondida por árvores, muros. Ele já tinha se livrado da sonda, da fralda.
O Silvério nesse período já tinha voltado a falar?
Ainda não. Ás vezes ele brigava com a irmã mais nova e sussurrava, com silabas pausadas: “Sua imbecil!”. Era o máximo que ele tinha conseguido falar. Dizem que para falar mal logo se aprende! Eu perguntava o que ele tinha vontade de comer, ele então dizia: “Sanddd..”. Sabendo que ele queria sanduíche forçava-o a dizer a palavra. Dizia então: “-Já sei, você quer sandália!” Dei-lhe a sandália. Imediatamente ele recusou. Providenciei um enorme sanduíche do qual ele comeu menos de uma mordida. Mas valeu. Essas foram as suas primeiras palavras. Em uma ocasião meu marido extraviou o talão de cheques. Ficou procurando pela casa toda. Passou inúmeras vezes perto do Silvério, que na época ainda estava amarrado na cadeira de rodas. Meu marido disse em voz alta: “-Se me lembrasse pelo menos o número da minha conta.” O Silvério disse-lhe o numero da conta! Com isso percebemos que determinadas coisas ele gravava de uma forma muito eficiente. Era mais uma esperança de que um dia ele faria tudo de novo.
Silvério, você estudou até que grau?
Quando ocorreu o acidente eu estava fazendo o curso de Técnico em Processamentos de Dados, que funcionava no prédio da Unimep. Antes de ir trabalhar no banco trabalhei em uma empresa, hoje extinta, chamada “ASES” Assessoria, Serviços e Sistemas. Era uma empresa de processamento de dados, ficava na Rua do Rosário, entre a Rua Prudente de Moraes e Rua São José. Em dezembro de 1985 estaria me formando como Técnico em Processamento de Dados.
Dona Eliza, o Silvério tinha Carteira de Habilitação antes de sofrer o acidente?
Ele já era motorista e dos bons. Após o acidente, no período mais avançado de sua recuperação, ele ainda estava fragilizado. Quando tinha que ser feita faxina em casa, isso o incomodava muito. Eu então ficava com ele dentro carro, com ele no volante. Nessa época ele já estava falando. Conversávamos, escutávamos música. O Silvério ficava inquieto, mexia em tudo dentro do carro. Até que um belo dia ele deu a partida e saiu com o carro. Deu uma volta no quarteirão e parou.
Como foi que o Silvério passou a conviver com os bombons?
Ele conheceu uma moça, chamada Ana Paula Barros, uma ruiva de olhos azuis, muito bonita. Ela fazia e vendia bombons. Resolveram morarem juntos. Um dia eu estava descendo a Rua Ipiranga, quando vi o Silvério com uma caixa de isopor. Parei o carro perguntei o que ele estava fazendo? Ele disse-me que estava vendendo bombons. Que precisava ganhar dinheiro, para manter a casa. Na hora tive uma crise de choro. E olha que é muito difícil me ver chorando.
Como foi o casamento do Silvério?
Casaram-se em uma chácara. Silvério com terno, ela com um vestido próprio para a ocasião. O registro foi no cartório da Vila Rezende. A lua de mel foi em Águas de São Pedro. O Silvério foi dirigindo um fusca. Voltaram de lá, continuaram a trabalhar com bombons. Inicialmente eles foram morar na Rua Benjamin Constant, logo acima da Avenida Dona Jane Conceição em frente ao Varejão Benjamin. Depois o sogro do Silvério providenciou um apartamento próximo nas imediações da Avenida Raposo Tavares. Alguns meses depois a esposa dele queria voltar para Florianópolis. Nessa época eles já tinham uma filha de quatro meses. Acabaram mudando-se para lá. No final de mais de um ano, romperam o casamento. O Silvério viajou sozinho, por vinte e duas horas. Dirigindo o fusca. Saiu de lá ás duas horas da tarde. Foi em uma época de chuva intensa. De tudo isso o melhor fruto foi uma linda filha que eles tiveram.
Ele voltou á Piracicaba e passou a vender bombons, quem os produzia?
Eu tive que aprender a fazer bombons! Eu e minhas filhas! No início foi um desastre!
Silvério você é bem conhecido em Piracicaba, chegou a viver alguns fatos pitorescos?
Logo que comecei a andar, um médico aconselhou: “Dona Eliza, dê uma bengalinha para ele se apoiar, isso irá ajudá-lo no equilíbrio”. Eu peguei a bengalinha, e fui comprar pão em uma padaria a dois quarteirões de casa. Peguei o pãozinho com dificuldade, vim como um idoso, com a bengalinha, me apoiando nela. Uma senhora, já bem idosa, estava varrendo a rua. Ela disse-me: “-Filho, posso fazer-lhe uma pergunta?” Parei, olhei para ela. Aquela caminhada estava difícil para mim. Disse-lhe: “-Pois não senhora!”. Ela disse-me então: “-Por que você bebe? Pare de dar desgosto para a sua mãe!”. Uma outra ocasião meu pai me levou para pescar, no barranco do Rio Piracicaba. Um pescador do outro lado do rio gritou: “-Que fogo, meu!”. Achando que eu estava alcoolizado.
Qual sua diversão preferida?
Passear dirigindo meu carro. Gosto de assistir filmes em DVD. Gosto de escrever. Escrevo á maquina.
Você tem computador?
Não. Ainda não.
Dona Eliza, o Silvério recentemente sofreu uma queda?
Pelo fato de andar muito, ele está mais exposto a pisos e locais escorregadios. Há pouco tempo ele teve um tombo ao pisar em uma superfície muito lisa e molhada. Após uma série de procedimentos, ele passou a usar um colete para sua recuperação. Já faz algum tempo que ele parou de vender bombons, embora já tenha se recuperado dos efeitos e do susto da ultima queda. Ele está namorando firme, uma moça aqui de Piracicaba, e tem planos para o futuro!

Emanuelle Najjar disse...

Olá, Glória!

Admiro muito o seu trabalho, e acompanho "Caminho das Índias". Acompanho também o que sai na mídia e percebo que há uma rejeição do público quanto ao Bahuan.

Eu escrevi um texto sobre isso, intitulado "Bahuan somos nós", baseado em uma entrevista do Marcio Garcia. Então, se interessar, deixo aqui o link para o meu blog, onde ele está postado:

http://limaoemlimonada.blogspot.com/2009/02/bahuan-somos-nos.html

Atenciosamente

Artes da Marga disse...

Oi Glória! Semana passada visitei como sempre faço Daniella Perez- a verdade dos autos. Deixei um comentário lá. Vc ainda não o publicou espero que tenha ido.
Um beijo
margarida

Mônica disse...

Glória, sinceramente, tenho acompanhado muito à distância Caminho das Índias, mas o pouco que pude ver me agradou.
Considero bastante interessante o modo como se coloca como uma grande "cicerone" para o público televisivo ao apresentar a ele questões atuais e inesperadas, dessas criadas a partir de situações insólitas, a maior parte das vezes advindas do desenvolvimento tecnológico ou do choque de se estar frente às crenças e cultura distintas, enfim, de se estar perante o Novo.
Barriga de Aluguel, Corpo e Alma, Explode Coração, O Clone são exemplos práticos dessa sua atuação.
Creio que saiba que tudo isso toma uma dimensão maior quando você o faz utilizando-se de imagens que aprofundam essas questões. Um exemplo claro disso está em O Clone: o cientista cara-a-cara com sua criação, em um reencontro que ocorre em um lugar tão signficativo: nada mais, nada menos, que uma igreja.
E a velha questão se reacende, da eterna luta do Homem em tornar-se de Deus. Quem é o verdadeiro Criador do clone? Creio que essa cena seja uma das maiores e melhores da televisão brasileira, parabéns!
Se a necessidade de devanear é intrínseca ao ser humano, como disse o crítico literário Antonio Candido, que bom que o seu talento esteja a serviço de alimentar de forma grandiosa o imaginário de quem, muitas vezes, sequer tem acesso a um livro.
Obrigada e parabens!

Balinha de Menta disse...

Gloria, boa tarde!
Adoro tudo o que escreve! Com certeza a novela Caminho das Índias será mais um marco na sua vida já repleta de sucessos.
Casamento pela Internet até passa, acho que a maioria de nós já ouviu alguma coisa nesse sentido mas mensagens de texto via celular anunciando divórcio já é demais! Os muçulmanos que me perdoem mas isso já é banalizar demais as relações humanas.
Excelente seu post!
Bjs, Balinha.

Anônimo disse...

Cara Gloria, a novela Caminho das Índias está maravilhosa.Fotografias lindas,a preocupação respeitosa com a cultura de um povo, boa trama,corpo artistico empenhado.Muito boa a sua abordagem humana e elucidativa do personagem psiquiatra de Stênio Garcia.Adorei ainda que relembrasse Gonzaguinha na trilha sonora para um casal que está encantador.Falando em encantador, encantador seria se você em sua próxima novela trouxesse em sua trilha sonora, numa de suas canções a canção: Onde você se esconde - do maravilhoso baiano Netinho, mas que esta canção fosse interpretada por André Leonno(um dos sorrisos mais lindos por aí...) e que o homenageou.Esta canção deliciosa,nesta voz bonita e incomum é tudo de bom e deveria ser ouvida com carinho e entrar numa boa trilha sonora de uma de suas ótimas novelas, viu? Bem, finalizando... SUCESSO SEMPRE!!
Carlinha-RJ

Nutty Biancamiglioli disse...

Queria comentar a respeito do alvoroço causado pela personagem Zeca, mas me empolguei e meu texto ficou imenso. Quem quiser e tiver disposição, por favor, leia em meu blog (não é marketing blogueiro não, gente, só não queria entulhar o espaço para comentários daqui, ok?)
clica aí: Comentando
Abraço, Gloria.

Luiz Roberto Gomes disse...

Não vi em nenhuma mensagem pais dizendo que concordam com a postura do Zeca.No entanto foi isso que a Glória Perez escreveu no blog do Ancelmo.com
Recebi um email alertando para isso.Fui lá e além disso,a Glória ainda diz que vai aumentar o tempo do Zeca
O que os pais falam é que esse tipo de aluno NÃO fica na escola, que é expulso aos doze anos.
NENHUM PAI EM NENHUM MOMENTO ESCREVEU AQUI DEFENDENDO A ATITUDE DO ZECA
O que acontece é que os pais fizeram papel de trouxa apelando para a Glória Perez.
Ela ia mesmo ficar do lado dos professores, como todo mundo e a imprensa.
Professor tem os sindicatos mais ricos do pais e tem os deputados e vereadores do lado deles.Achar que a Gloria Perez ia ficar do lado do mais fraco era uma ilusão.
De qualquer maneira recebi um email recomendando que não postasse mais aqui.
Este será segundo e o último.
Não sou anônimo.
Luiz Roberto Gomes
luizrobertogomes2@hotmail.com

QUESTÃO DE ESCOLHA... disse...

NÃO GLORIA PEREZ
NÃO TEM NENHUM PAI EM SÃ CONSCIENCIA QUE DEFENDO O ZECA
O QUE ESCREVERAM É QUE O ZECA É FIGURA QUE não SOBREVIVE NA ESCOLA
PRINCIPALMENTE A PÚBLICA
SE A SENHORA VAI AUMENTAR O ESPAÇO PARA ESSE PRESENTE PARA OS PROFESSORES, FAÇA QUE NÃO HA NADA E NEM NINGUÉM QUE PODE IMPEDI-LA ALÉM DA SUA CONSCIENCIA
MAS OS PAIS NÃO ESTÃO DEFENDENDO O ZECA
O ERRO DOS PAIS É FICAR IMPLORANDO PARA A SENHORA NÃO PREJUDICAR MAIS AINDA OS ALUNOS
NA VERDADE EU IDENTIFIQUEI ISSO DESDE O INICIO
NUNCA ACREDITEI QUE A SENHORA FOSSE DAR FORÇA PARA OS MAIS FRACOS.
O ANCELMO.COM JÁ É VELHO CONHECIDO DEFENSOR DOS MAUS PROFESSORES..

Ninguém merece disse...

pois é o Zeca não existe nas escolas
mas os trouxas dos pais acharam que a Gloria ia ficar do lado do mais fraco e ficaram postando aqui
ela vai é ficar do lado das professoras, nós somos mesmo o máximo
e o Ancelmo.com
divulgou uma pesquisa onde as professoras reclamam que aluno não toma banho
fedem mesmo, parecem gambás eu tenho nojo, as minhas colegas tem nojo
a Gloria devia apadrinhar uma campanha, onde se fizesse uma lei para nos proteger disso.
antes de entrar na sala o aluno teria que entrar num chuveiro e depois um banho de creolina
o Ancelmo e a Glória tao certos, ninguem merece....

Anônimo disse...

Oi Gloria, quero dizer q adoro a novela, principalmente o núcleo indiano. Gostaria de deixar minha singela sugestão, acho q o Raj deveria ficar com a Maya. Acho q existe muita química entre eles, pois ambos são sensuais. Conheço um monte de gente, q está louca p/ ver a primeira noite de amor entre eles. Parabéns pelo sucesso e um beijão!

Anônimo disse...

Querida vc disse que a novela seria uma "grande saga de amoor"..nao sei da onde,se a maya odiar o bahuan durante toda a novela nao será nenhuma "historia de amor"...se o raj e a maya se amarem, nao vai ter nenhuma novela tambem,pq os dois ja sao casados ,dai nem vai ter historia.


Aff Gloria vc nunca fracasso,espero ke faça as escolhas certas,pq com isso q vc ta fazendo ta uma merdaa.

FABRICA DE SONHOS DA VOVÓ ANINHA disse...

Gloria
quando opashi souber disso infarta!!!! rsrsrs

Drica disse...

Oi Glória! Sou assessora de imprensa da poeta mato-grossense Luciene Carvalho, que lançou em março seu nono livro, dessa vez pela Editora Entrelinhas. Trata do tema loucura, também abordado em sua novela e é a visão dela, que foi paciente, sobre como são tratados os doentes psíquicos no Brasil. O livro, Insânia, faz parte de um projeto homônimo que é composto de um espetáculo cênico-cinematografico onde a autora declama algumas das poesias do livro de forma multímídia. Também há uma palestra no projeto sobre a questao. A autora foi internada por duas vezes em instituições psiquiátricas de Cuiabá e de onde, mesmo assim, escreveu parte de Insânia.

Por acreditar que esta é uma discussão importante não só para MT mas também para o Brasil é que me coloco à disposição de V. Sa para ver qual a possibilidade de apresentar o livro na novela ou aparecer parte de seu depoimento.
Gostaria também de encaminhar-lhe o livro. Como faço?
Atenciosamente,


Adriana Nascimento
assessora de imprensa do projeto Insânia
msn: adrimes32@hotmail.com
13-3203-4241

Anônimo disse...

OI Gloria Perez.tudo bem? Queria primeiro lhe parabenizar pela novela caminho das indias em especial o tema que vc trata na novela: A ESQUIZOFRENIA…meu irmao de 26 anos tem esta doença a 8 anos. a primeira crise do Tarso foi igual a primeira crise do meu irmao na qual tivemos que interna-lo. Aconteceu em junho do ano passado, foram os piores dias da minha vida. sou mais nova que ele tenho 24 anos e quando assitir( por acaso) a sena onde o Traso teve a crise fiquei assustada e minha mae tb…o meu irmao estava assistindo a novela no quarto dele e quando minha mae foi falar com ele, o mesmo identificou-se com a sena…2 dias depois ele foi falar com a psiquiatra dele e esta disse que assitir a novela é uma opição dele se ele se sentir bem para ver as senas..a medica ressaltou que foi uma vitoria dos psiquiatras conseguir levar esta doença para a sociedade que pouco sabe sobre o assunto. aqauero que saiba, de uam pessoa que vive esse dia-a-dia que vc esta conseguindo transmitir a sua mensagem para a sociedade..beijos e obrigada..
Att.Virgina Fortaleza*Ce