quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Eu não sou cachorro nãããoooo!

quarta-feira, 22 de agosto de 2007


Não é engraçado que sendo o animal mais mimado pelos humanos os cachorros geralmente apareçam nas letras das canções como representação dos humilhados e ofendidos?

Waldick canta:
“eu não sou cachorro não / pra viver tão humilhado
eu nao sou cachorro não para ser tão desprezado...

Silvio Caldas, na clássica serenata:
dorme junto a teus pés o meu ciúme
enjeitado e faminto como um cão

Cazuza:
“pelos dias de cão, muito obrigado”

Nos ditos populares,nem se fala! as tão exaltadas qualidades dos cães convivem lado a lado com o significado inverso: cachorro é gente safada e sem vergonha, canta o Babado Novo.

E todo mundo entende o que seja dia de cão, mundo cão, vida de cão, gênio
de cão -apesar de quase ninguém nesse mundo conseguir resistir aos encantos de um cãozinho!

Um comentário:

Rosa Belli disse...

Oi, Glória

Encontrei seu blog há uns dias, por indicação de uma amiga que adora animais como eu. E esse post sobre o uso da palavra "cão" me chamou muito a atenção porque trabalho com questões de linguagem.
Acho que a resposta para usarmos o termo do modo como usamos vem do fato de serem os cães muito maltratados ainda hoje, na verdade. Se formos contar os números dos que vivem bem em relação aos que vivem muito mal, estes últimos ganham de longe. Claro que isso fica nas periferias, onde as pessoas têm, em geral, muito menos atenção também.

Agora, não sei se você está sabendo, há uma mudança na Lei de Crimes Ambientais sendo proposta. Se ela passar (e isso está perto de acontecer), os termos "domésticos e domesticáveis" deixarão de constar do artigo n. 32. Isso significa que os crimes contra cães e gatos, bem como outros animais dentro dessa categoria deixam de existir, deixam de ser considerados crimes.
Aí, sim....Teremos mesmo muitos dias de cão para os cães...
Estamos brigando muito para que isso não aconteça.
Abraço, Rosa
belli-rosa@hotmail.com